Diferenças entre edições de "Madame du Barry"

86 bytes adicionados ,  19h30min de 1 de novembro de 2016
m
sem resumo de edição
m
[[Ficheiro:Pavillon de Mme du Barry - Louveciennes.jpg|esquerda|miniaturadaimagem|[[Castelo de Louveciennes|Château de Louveciennes]]]]
Entretanto, Jean du Barry alimentava outros projectos para Jeanne: instado pelo marechal Richelieu, irá usar os bons ofícios da encantadora jovem para que Luís XV demita o [[Duque de Choiseul]], ministro dos Negócios Estrangeiros. É assim que, aos 19 anos, Jeanne Bécu é apresentada ao rei, então com 58 anos, que de imediato se apaixonou. Porém, para fazer dela sua amante oficial, era indispensável conceder-lhe um [[título nobiliárquico]]. O casamento de conveniência com o irmão de Jean du Barry, o conde Guillaume du Barry, permitiu-lhe usar com toda a licitude o título de Madame du Barry, o qual já antes indevidamente usava. Assim, em [[1769]], a Condessa du Barry, amante oficial do rei, foi apresentada à [[Corte (realeza)|corte]] com a devida pompa e o incontestável escândalo.
[[Ficheiro:François-Hubert Drouais, Portrait de la comtesse Du Barry en Flore (1769).jpg|esquerda|miniaturadaimagem|''Condessa du Barry''<p><small title="François-Hubert Drouais">Por [[François-Hubert Drouais]], 1769</small></p>
<small>Por [[François-Hubert Drouais]], 1769</small>
]]
Este episódio foi evocado por Madame Campan, camareira-mor de [[Maria Antonieta]], nas suas memórias: «Mesdames [as irmãs] faziam uma vida muito distante do rei, que vivia sozinho desde a morte de [[Madame de Pompadour]]. Os inimigos do Duque de Choiseul não sabiam [...] como preparar e precipitar a queda do homem que se lhes atravessava no caminho. As mulheres com quem o rei se relacionava eram de tão baixa extracção que nenhuma seria capaz de urdir intrigas que exigissem grande subtileza. [...] Havia que arranjar ao rei uma amante capaz de criar um círculo à sua volta e de, na intimidade da alcova, minar a sólida e duradoura relação entre o rei e o seu ministro. De facto, a Condessa do Barry provinha de uma classe social inferior. A sua origem e educação, o seu estilo de vida, tudo nela transpirava vulgaridade e despudor. Ao casá-la com um homem cuja linhagem recuava até [[1400]], julgaram que poderiam evitar o escândalo».<ref>Traduzido da versão inglesa de: ''Mémoires de madame Campan, première femme de chambre de Marie-Antoinette'' [http://www.gutenberg.org/files/3891/3891-h/3891-h.htm#p254 (''Memoirs of the Court of Maria Antoinette, Queen of France. Being the Historic Memoirs of Madam Campan, First Lady in Waiting to the Queen'')]</ref>
 
== Apoio às artes ==
[[Ficheiro:Madame Dubarry1.jpg|miniaturadaimagem|''Madame du Barry''<p><small title="Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun">Por [[Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun|Élisabeth Vigée-Le Brun]], 1781</small></p>
<small>Por [[Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun|Élisabeth Vigée-Le Brun]], 1781</small>
]]
Durante os anos em que desfrutou do favor real, protegeu muitos intelectuais e artistas, entre os quais [[François-Hubert Drouais]] (cujos retratos de Madame du Barry são bem conhecidos), [[Augustin Pajou]], [[Van Loo]], [[Etienne Falconet]] e [[Lemoyne]]. Grande amiga de [[Voltaire]], incumbe-o de concluir o restauro do castelo de Louveciennes, oferta com que Luís XV a agracia em [[1769]]. Para a decoração do palácio, encomenda a [[Fragonard]] quatro painéis dedicados ao Amor, uma obra estilo [[rococó]]: O Encontro, A Perseguição, A Recordação e A Coroação, que, de resto, pouco tempo aí ficaram, tendo sido retirados por não se enquadrarem no estilo do palácio.
331

edições