Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 02h21min de 14 de novembro de 2016
sem resumo de edição
Filho de um ferroviário, seu primeiro trabalho informal de jornalismo foi em uma crítica de cinema no jornal ''A Folha Ferroviária'', em 1952<ref name=specs/> mas, desde pequeno, Loyola sonhava conquistar o mundo com sua literatura; se não, pelo menos voltar vitorioso para sua cidade natal. Sua carreira começou em [[1965]] com o lançamento de ''Depois do Sol'', livro de contos no qual o autor já se mostrava um observador curioso da vida na cidade grande, bem como de seus personagens. Trabalhou como editor da [[Revista Planeta]] entre [[1972]] e [[1976]].<ref>[http://flaq.com.br/?page_id=1337 Ignacio de Loyola Brandão (Araraquara, 31 de julho de 1936)] Festa Literária - Flaq</ref>
 
Dono de um "realismo feroz", segundo [[Antonio Candido de Mello e Souza|Antonio Candido]], seu romance ''Zero'' foi publicado inicialmente em tradução [[língua italiana|italiana]]. Quando saiu no Brasil, em [[1975]], foi proibido pela [[Regime Militar|censura]], que só o liberou em [[1979]].<ref name=specs/> Além do italiano esse livro foi traduzido para o alemão, coreano, espanhol, húngaro e inglês.<ref>{{Citar web|url=http://www.releituras.com/ilbrandao_bio.asp|titulo=Ignácio de Loyola Brandão - Biografia|data=|acessodata=2016-11-14|obra=www.releituras.com|publicado=|ultimo=|primeiro=}}</ref>
 
Em 2005, virou cronista do jornal "O Estado de S. Paulo"<ref name=specs/> . Em 2008, o romance ''O Menino que Vendia Palavras'', publicado pela editora Objetiva, ganhou o [[Prêmio Jabuti]] de melhor livro de ficção do ano.<ref name=specs/><ref>{{cite news|title=Surpreso, Loyola Brandão recebe Jabuti de livro do ano de ficção|url=http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u462887.shtml|author=Mikevis, Dayanne|work = Folha Online|date=31 de outubro de 2008|accessdate= 25 de dezembro de 2008}}</ref> Em 2016 foi agraciado pela [[Academia Brasileira de Letras]] com o [[Prêmio Machado de Assis]] pelo conjunto de sua obra.<ref>{{Citar web|url=http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/07/1789569-ignacio-de-loyola-brandao-vence-premio-da-abl-por-conjunto-da-obra.shtml|titulo=Ignácio de Loyola Brandão vence prêmio da ABL por conjunto da obra - 07/07/2016 - Ilustrada - Folha de S.Paulo|acessodata=2016-07-08|obra=www1.folha.uol.com.br}}</ref>
* ''Calcinhas secretas'' (2003)
 
=== [[Não- ficção|Não Ficção]] ===
* ''Manifesto Verde'' (1989)
 
=== [[Romance|Romances]] ===
* ''[[Bebel que a Cidade Comeu]]'' (1968)
* ''[[Zero (livro)|Zero]]'' (1975)
 
== Prêmios ==
* Prêmio Especial do I Concurso Nacional de Contos do [[Paraná]] por ''"Pega ele, Silêncio"'' - 1968.
* Melhor Ficção pelo romance ''[[Zero (livro)|Zero]]'', Fundação Cultural do [[Distrito Federal (Brasil)|Distrito Federal]] - julho de 1976.
* Prêmio Pedro Nava, da [[União Brasileira de Escritores]] e Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte ([[Associação Paulista de Críticos de Arte|APCA]]) na categoria "Melhor Romance", por ''"O Ganhador"'' - 1988.
* Prêmio IILA, do [[Instituto Ítalo-Latino-Americano]], pelo romance ''"Não verás país nenhum"'', publicado na [[Itália]] - 1984.
* [[Prêmio Jabuti|Jabuti]] de (melhor ficção) pelo livro ''[[O Menino que Vendia Palavras]]'' - 2008.
* ''O Menino que vendia palavras'' - Prémio Fundação [[Biblioteca Nacional do Brasil|Biblioteca Nacional]], como melhor livro infanto-juvenil - 2007.
*[[Prêmio Machado de Assis]] da [[Academia Brasileira de Letras]], pelo conjunto da sua obra - 2006.
 
 
{{Prêmio Jabuti de Literatura - Contos, crônicas e novelas}}
{{Portal3|Brasil|Literatura}}{{Controle de autoridade}}
{{Esboço-biografia}}
 
{{Controle de autoridade}}
 
{{DEFAULTSORT:Ignacio Loyola Brandao}}
1 806

edições