Boia-fria: diferenças entre revisões

2 bytes removidos ,  22 de novembro de 2016
m
Foram revertidas as edições de 168.227.227.21 para a última revisão de Mschlindwein, de 08h32min de 21 de outubro de 2016 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 168.227.227.21 para a última revisão de Mschlindwein, de 08h32min de 21 de outubro de 2016 (UTC))
{{mais-fontes|data=abril de 2013}}
{{Variante-português|fodendo com o pênis rural|bóia-fria|trabalhador volante}}
O {{PBPE|boia-fria|assalariado rural}} é o trabalhador que, expulso do campo, vai constituir uma massa de trabalhadores temporários (volantes) residindo nas periferias urbanas. Migram de uma região agrícola para outra, acompanhando o ciclo produtivo das diversas culturas. São [[Agricultura|agricultores]] em diversas lavouras, mas não possuem suas próprias terras. Podem ser considerados [[Proletariado|proletários]] rurais.<ref>Ramos, Ademar Ribeiro - "Bóias-Frias". Revista de Cultura Vozes, pg. 25, 1986.</ref>
 
== História ==
A associação do setor agropecuário ao industrial, orientado por medidas e políticas com vistas a um aumento da produção e atento às necessidades do mercado interno e externo, a partir da década de [[1960|60]], legou ao trabalhador rural a herança da exclusão social e política, transfigurada em modernização agrícola. Dessa forma, o Estado, para não obstaculizar o crescimento da economia, implementa ações que resultam no desenvolvimento de relações capitalistas no campo.<ref>GONÇALVES NETO. Wenceslau - "Estado e agricultura no Brasil: Política agrícola e modernização econômica brasileira", 1960-1980. São Paulo: HUCITEC, 1997.</ref>
 
== Características ==
118 835

edições