Abrir menu principal

Alterações

2 401 bytes removidos ,  18h37min de 5 de dezembro de 2016
bot: revertidas edições de 2804:D59:26DC:8D00:BD1E:6D15:1A33:8CC5 ( modificação suspeita : -69), para a edição 47368640 de MaFe Meghioli
{{Revelações sobre o enredo}}
 
O '''Ministério da Magia''' é uma instituição política [[ficção|fictícia]], existente nas histórias da série [[Harry Potter]], de [[J.K. Rowling]]. Localizado em [[Londres]], [[Inglaterra]], é nele que são definidas as [[lei]]s para a manutenção da ordem nano comunidademundo bruxa britânicabruxo e do equilíbrio nas relações políticas com os [[Trouxas]] britânicos. O Ministério é primeiramente mencionado em ''[[Harry Potter e a Pedra Filosofal]]'', e a instituição de fato aparece pela primeira vez em ''[[Harry Potter e a Ordem da Fênix]]''<ref>{{Citar livro|url=http://pt.wikipedia.org/wiki/Harry_Potter_e_a_Ordem_da_F%C3%AAnix |nome=J.K |sobrenome=ROWLING |título=Harry Potter e a Ordem da Fênix |idioma=Português |local= Brasil|editora=Rocco |ano=2003 |página= |capítulo=7}}</ref>. Ao longo dos sete livros, vemos o ministro e seus funcionários atuarem durante a ascensão de [[Voldemort]], majoritariamente tentando esconder as evidências do retorno do Lord das Trevas e, às vezes, agindo de forma corrupta.
[[Imagem:Skye-telephone.jpg|thumb|260px|Cabine Telefonica]]
Entre os seus funcionários incluem-se, [[Cornelius Fudge]], [[Arthur Weasley]], [[Ninfadora Tonks]], [[Lucio Malfoy]].
{{Revelações sobre o enredo}}
 
Havia o ''Conselho dos Bruxos'' e o chefe do Conselho era ''Barberus Bragge'' em 1269. No século XIV o chefe era ''Burdock Muldoon''. Depois dele ''Elfrida Clagg'' (nas cartas dos bruxos famosos consta que ela chefiou o conselho durante aos décadaanos de 16601662), tomou posse como chefe do Conselho e ficou na história pelas decisões importantes que tomou com relação à proteção do ''Pomorim Dourado'' (pássaro que era usado no lugar do [[Pomo de Ouro]] no jogo de [[Quadribol]]), proibindo sua caça e seu uso no jogo. Por muito tempo o Conselho discutiu quem deveria participar do governo da comunidade mágica, assim decidiram que todos os que andassem com duas pernas seriam ''seres'' e não bestas, então poderiam participar do grande conselho para decidir sobre as leis (assim trolls, pixies e outros causaram uma grande confusão).
 
No final do ano de 1691 a perseguição aos bruxos estava se tornando insuportável, de modo que resolveram remover o mundo mágico de todo e qualquer contato com o mundo dos [[trouxa]]s. Nessa altura a ''Confederação Internacional dos Bruxos'', que englobava as várias nações, conselhos e ministérios de magia se reuniu para discutir a questão.
 
Em 1692 foi aprovado o '''Estatuto Internacional do Sigilo'''. Todos os países se submetem a esse estatuto que talvez seja a lei mais importante no mundo mágico. A Confederação existe até hoje e ainda mantém o Estatuto do Sigilo sob estrita vigilância.
 
O Ministério da Magia Britânico chefiado pelo Ministro da Magia da Grã-Bretanha só se formou em algum momento dos anos [[1600]].
 
O Ministério da Magia Britânico estava envolvido na criação do Estatuto do Sigilo e mantém a responsabilidade de fazer valer o Estatuto. Por isso o departamento de Execução das Leis da Magia monitora qualquer magia que possa ser vista pelos trouxas.
 
===Intervenções do Ministério em Hogwarts===
 
Pouco se sabe sobre os Ministros da Magia de outros países. O único que fora de fato mencionado nos livros foi um ministro búlgaro. Fudge apresentou-o a Harry durante a Copa Mundial de Quadribol, em ''[[Harry Potter e o Cálice de Fogo]]'', embora não soubesse pronunciar seu nome de forma correta: primeiro referiu-se a ele como Oblansk e, depois, como Obalonsk. Fora ele, nenhum outro Ministro, senão os da Inglaterra, foi sequer mencionado nos livros.
 
Recentemente foi revelado que nos Estados Unidos o orgão equivalente ao Ministério da Magia Britânico é o Congresso Mágico dos Estados Unidos da América, o corpo mágico encarregado de governar a população bruxa do Estados Unidos da América. Ela é liderada pelo Presidente do Congresso Mágico dos Estados Unidos da América.
 
===Funcionários do Ministério===
|-
|}
 
==Congresso Mágico dos Estados Unidos da América==
O Congresso Mágico dos Estados Unidos da América é o corpo mágico encarregado de governar a comunidade bruxa do [[Estados Unidos da América]]. Ele é liderada pelo Presidente do Congresso Mágico dos Estados Unidos da América.
 
O Congresso Mágico executa muitas das mesmas funções que outros órgãos sociais bruxos em outros países, como por exemplo o Ministério da Magia Britânico. O atual presidente do Congresso é o presidente Samuel G. Quahog.
 
O atual presidente do Congresso Mágico e, assim, líder da sociedade bruxa americana é o presidente Samuel G. Quahog.
 
O Congresso Mágico dos Estados Unidos da América foi fundado por volta do ano de 1693 com a introdução do Estatuto Internacional de Sigilo em Magia, como um resultado direto do julgamento das bruxas de Salem, portanto, é mais antigo que o governo Não-Mágico em até um século. Foi modelado de acordo com o Conselho Bruxo da Grã-Bretanha (possivelmente se submetia ao governo bruxo britânico na época). Muitos representantes de diversas comunidades bruxas da América do Norte foram escolhidos para a criação de leis. Um deles foi Josiah Jackson que se tornou o primeiro presidente do Congresso Mágico. Josiah teve de ser forte e cuidadoso o bastante para lidar com os problemas relacionados aos julgamentos das Bruxas de Salem.
 
A Primeira tarefa da legislação bruxa Norte Americana foi por em julgamento os Purgadores, um grupo de bruxos inescrupulosos, brutais, caçadores de recompensas e chantagistas, executando aqueles condenados por assassinato, tráfico-bruxo, e tortura. A principal prioridade de Josiah Jackson quando se tornou presidente foi criar e treinar Aurores. Foram selecionados apenas alguns para começar, com apenas dois deles sobrevivendo até uma idade mais avançada. Eles ganharam um forte e duradouro respeito da comunidade bruxa Norte Americana que foi passada até aos seus descendentes.
 
== Travessa do Tranco ==