Abrir menu principal

Alterações

5 bytes adicionados ,  19h38min de 7 de dezembro de 2016
→‎Etimologia: Gramática corrigida
 
A [[ética]] relativa ao uso dessas drogas é assunto de um contínuo [[debate]], em parte por causa desse potencial para abuso e dependência. Muitos governos têm imposto restrições sobre a produção e a venda dessas substâncias na tentativa de diminuir o abuso de drogas.
== EtimologiaeEtimologia ==
"Psicotrópico" é formado pela junção de "psic(o)" ("alma", "espírito", "intelecto"), "trop(o)" ("desvio", "mudança", "afinidade") e "ico" ("participação", "referência", "relação").<ref>FERREIRA, A. B. H. ''Novo dicionário da língua portuguesa''. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 412.</ref> HB.2
 
==História==
O uso de drogas é uma prática desde tempos [[pré-história|pré-históricos]]. Há provas [[Arqueologia|arqueológicas]] do uso de substâncias psicoativas 10 mil anos atrás, e evidência histórica de uso cultural desde 5 mil anos atrás.<ref name="merlin">{{citar jornal | autor=MERLIN, M D | titulo=Archaeological Evidence for the Tradition of Psychoactive Plant Use in the Old World | jornal=Economic Botany | ano=2003 | volume=57 | numero=3 | paginas= 295–323 | doi=10.1663/0013-0001(2003)057}}</ref> Embora o uso pareça ter sido mais frequentemente medicinal, sugeriu-se que o desejo de alterar a consciência é tão primevo quanto o ímpeto de saciar a [[sede]], a [[fome]] ou o [[desejo sexual]].<ref name="siegel">{{citar livro | autor=SIEGEL, Ronald K.| titulo=Intoxication: The Universal Drive for Mind-Altering Substances| editora=Park Street Press | local=Rochester, Vermont | ano=2005 | idioma=inglês | isbn=1-59477-069-7}}</ref> Outros sugerem que a [[propaganda]], a disponibilidade ou a pressão da vida moderna são algumas das razões pelas quais as pessoas usam drogas psicoativas no cotidiano. Contudo, a longa história do uso de drogas e mesmo o desejo da [[criança]] de rodar, balançar ou escorregar indicam que o ímpeto de alterar a [[percepção]] é universal.<ref name="weil">{{citar livro | autor=WEIL, Andrew | ano=2004 | titulo=The Natural Mind: A Revolutionary Approach to the Drug Problem (Revised edition) | paginas=15 | local=Boston | editora=Houghton Mifflin | idioma=ingles | isbn=0-618-46513-8}}</ref>
Utilizador anónimo