Diferenças entre edições de "Alberto Seixas Santos"

188 bytes adicionados ,  02h14min de 11 de dezembro de 2016
m
ajustes e formatos
(Ajustes)
m (ajustes e formatos)
{{Morte recente|20161210}}
{{mais notas|data=dezembro de 2016}}
{{Info/Ator
|nome = Alberto Seixas Santos
|ocupação = [[Cineasta]]
|imagem =
|imagem_tamanho =
|legenda =
|nome_denascimento=
|nascimento_data = {{dni|20|3|1936|si}}
|nascimento_local = [[Lisboa]], {{POR}}[[Portugal]]
|morte_data = {{nowrap|{{morte|10|12|2016|20|3|1936}}}}
|morte_local = [[Lisboa]], {{POR}}[[Portugal]]
|nacionalidade = {{PRTPRTn|ês}}
|cônjuge =
|pagina_oficial =
|IMDB_id = 0763961
|globos_ouro =
|outros_prémios = [[Medalha de Mérito Cultural]] (2006)
}}
'''Alberto Jorge Seixas dos Santos''' ([[Lisboa]], [[20 de março]] de [[1936]] – [[Lisboa]], [[10 de dezembro]] de [[2016]]) foi um [[cineasta]] [[Portugal|português]], um dos aderentes ao movimento do [[Novo Cinema]] português.
 
== Biografia ==
Frequentou o Curso de Ciências Histórico-Filosóficas na [[Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa|Faculdade de Letras]] da [[Universidade de Lisboa]]. A partir de [[1958]] trabalhou como crítico de cinema em diversas publicações. Em [[1962]] estudou em [[Paris]], frequentando o [[Institut d'Hautes Études Cinématographiques]] e, no ano seguinte, a [[London Film School]].
 
Pertencente a uma geração de cineclubistas (foi dirigente do ABC-Cineclube de Lisboa), Seixas Santos, cineasta do movimento do [[Novo Cinema]], começou por filmar documentários - ''A Arte e o Ofício de Ourives'' e ''Indústria Cervejeira em Portugal'' (1968). Foi, em [[1970]], um dos fundadores do [[Centro Português de Cinema]].
 
''Brandos Costumes'', a sua primeira longa-metragem, rodada entre [[1972]] e [[1975]] e escrita em parceria com os escritores [[Luiza Neto Jorge]] e [[Nuno Júdice]], traça um paralelo entre o quotidiano de uma família da média burguesia e o trajecto do regime emanado do golpe militar de [[28 de Maio]] de [[1926]]. Este filme foi seleccionado, em competição, para o [[Festival de Berlim|Festival de Cinema de Berlim]].
 
Foi um dos realizadores de ''[[As Armas e o Povo]]'', também de 1975, filme colectivo que retrata a primeira semana de [[Revolução dos Cravos]], cobrindo os acontecimentos do [[25 de Abril]] ao [[1 de Maio]] de [[1974]]. Seguindo a mesma linha política, realizou em [[1976]] o filme, também colectivo, ''A Lei da Terra'', exibido no [[Festival de Leipzig]], que tem como tema o processo de reforma agrária então em curso. Neste mesmo ano foi nomeado presidente do [[Instituto Português de Cinema]] (IPC). Foi um dos fundadores da cooperativa [http://www.imdb.com/company/co0036783/ Grupo Zero], à qual pertenceram cineastas como [[João César Monteiro]], [[Jorge Silva Melo]], [[Ricardo Costa (cineasta)|Ricardo Costa]], [[Margarida Gil]], [[Solveig Nordlund]] e o director de fotografia [[Acácio de Almeida]].
 
''Gestos e Fragmentos'', de [[1982]], aborda a relação entre os militares e o poder em Portugal, baseando-se nas vivências do célebre capitão de Abril, [[Otelo Saraiva de Carvalho]], nos pontos de vista do filósofo e ensaísta [[Eduardo Lourenço]] e do jornalista e realizador americano [http://www.windwalk.net/ Robert Kramer]. Esta longa metragem participou no [[Festival de Veneza]] desse mesmo ano.
 
De [[1980]] a [[2002]] foi professor na [[Escola Superior de Teatro e Cinema]] (ESTC) do [[Instituto Politécnico de Lisboa]] e, a partir de [[1985]], por algum tempo, director de programas da [[Rádio e Televisão de Portugal|RTP]].
 
A sua última longa-metragem, ''Mal'', de [[1999]], foi apresentada no [[Festival de Veneza]]. Nestas duas últimas obras privilegiou a ficção, valorizando a psicologia das personagens e o rigor técnico.
 
Em [[2005]] terminou a curta-metragem ''A Rapariga da Mão Morta'', que teve estreia mundial no 13º [[Festival de Curtas-Metragens de Vila do Conde]].
 
A 10 de Abril de 2014 a Escola Superior de Teatro e Cinema homenageia [[Alberto Seixas Santos]], realizador, fundador da Escola de Cinema do [[Conservatório Nacional]] e antigo professor da [[ESTC]] (sucessora do [[Conservatório Nacional de Lisboa|Conservatório]]). [[Alberto Seixas Santos]] é distinguido com a medalha de Conhecimento e Mérito do [[Instituto Politécnico de Lisboa]], ao qual a [[ESTC]] pertence e são exibidos excertos do documentário [[''[[Refúgio e Evasão'']]'', de [[Luís Alves de Matos]], que aborda o olhar cinematográfico de [[Alberto Seixas Santos]]. A sessão conta ainda com as intervenções do sociólogo francês [[Jacques Lemière]], especialista em cinema português, e do Director do Departamento de Cinema da [[ESTC]], [[José Bogalheiro]].<ref>Site da ESTC{{citar web| url=http://www.estc.ipl.pt/escola/arquivo/eventos/2013_14/homenagem_alberto_seixas_santos.html|título=Homenagem Alberto Seixas Santos|data=|publicado=ESTC}}</ref>.
 
FaleceuMorreu a 10 de Dezembro de 2016, na sua casa de Lisboa, aos 80 anos de idade, depois de um período de doença.<ref>[{{citar web|url=https://www.publico.pt/2016/12/10/culturaipsilon/noticia/morreu-o-cineasta-alberto-seixas-santos-1754330 |título=Morreu o cineasta Alberto Seixas Santos]|autor=Isabel Salema|data=10 de dezembro de 2016|publicado=Público}}</ref>
 
== Filmografia ==
 
* ''A Arte e Ofício de Ourives'' (1968)
* ''Indústria Cervejeira em Portugal'' (1968)
{{Referências|col=2}}
 
== Referências Bibliográficas ==
[[Jorge Leitão de Ramos|"RAMOS, Jorge Leitão"]]. ''Dicionário do Cinema Português (1962-1988)''. [[Editorial Caminho| Editorial Caminho, SA]], [[Lisboa]], 1989
 
== Ver também ==
* [[Cinema de Portugal]]
* [[Novo cinema]]
 
{{Esboço-biografia}}
 
{{Controle de autoridade}}
{{Portal3|Cinema|Portugal}}
 
[[Categoria:Naturais de Lisboa]]
63 511

edições