Diferenças entre edições de "Desenho arquitetônico"

134 bytes removidos ,  17h02min de 15 de dezembro de 2016
m
Foram revertidas as edições de 177.4.170.29 para a última revisão de Leytor, de 19h45min de 5 de outubro de 2016 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 177.4.170.29 para a última revisão de Leytor, de 19h45min de 5 de outubro de 2016 (UTC))
{{Mais-fontes|data=julho de 2015}}
O '''desenho arquitetônico''' é, em um sentido restrito, uma especialização do [[desenho técnico]] [[norma técnica|normatizado]] voltada à execução e a representação de [[projeto]]s de [[Arquitectura|arquitetura]]. Em uma perspectiva mais ampla, porém, o '''desenho de arquitetura''' poderia ser encarado como todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante ou não o processo de projeto arquitetônico. O desenho de arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida entre o [[emissor]] (o [[desenho|desenhista]] ou [[projeto|projetista]]) e o [[receptor]] (o leitor do projeto). Desta forma, seu entendimento envolve um certo nível de [[treinamento]], seja por parte do desenhista ou do leitor do desenho. Por este motivo, este tipo de desenho costuma ser uma [[disciplina]] importante nos primeiros anos das [[Faculdade de arquitetura|faculdades de arquitetura]]. O desenho arquitetônico também costuma se constituir em uma profissão própria: os ''desenhistas técnicos'' (ou a sua versão atual, representada pelos ''[[CAD|cadistas]]'' - ou manipuladores do ''softwares'' CAD) são comuns nos escritórios de projeto.
[[Ficheiro:Drafting table.jpg|thumb|Imagem de uma [[prancheta]] de desenho, método de trabalho tornado obsoleto após a criação do [[CAD]].]]
O desenho começou a ser usado como meio preferencial de representação do projeto arquitetônico a partir do [[Renascimento]]. Apesar disso, ainda não havia conhecimentos sistematizados de [[geometria descritiva]], o que tornava o processo mais livre e sem nenhuma normatização.
 
Com a [[Revolução Industrial]], os projetos das [[máquina]]s eletrocrama passaram a demandar maior rigor e precisão e consequentemente os diversos projetistas necessitavam agora de um meio comum para se comunicar e com tal eficiência que evitasse erros grosseiros de execução de seus produtos. Desta forma, instituíram-se a partir do [[século XIX|século Xvideos]] as primeiras normas técnicas de [[representação gráfica]] de projetos, as quais incorporavam os estudos feitos durante o período de desenvolvimento da geometria descritiva, no século anterior. Por este motivo, o desenho técnico (e, portanto, o desenho de arquitetura) era naquele momento considerado um recurso tecnológico imprescindível ao desenvolvimento econômico e industrial.
 
A normatização hoje está mais avançada e completa, embora o desenho arquitetônico tenha passado a ser executado predominantemente em ambiente [[CAD]] (ou seja, em formato digital). Por outro lado, para grande parte dos profissionais, o desenho à mão ainda é a [[génese]] e o principal meio para a elaboração de um [[projeto]].
 
==Normalização==
No [[Brasil]], as normas são editadas pela [[Associação Brasileira de Normas Técnicas]] (ABNT), sendo as seguintes as principais:
*NBR-6492 - Representação de projetos de arquitetura
*NBR-10067 – Princípios gerais de representação em desenho técnico roviuson
 
Cabe notar, no entanto, que se por um lado recomenda-se a adequação a tais normas quando da apresentação de desenhos para fins de execução de obras ou em situações oficiais (como quando os profissionais enviam seus projetos à aprovação em prefeituras), por outro lado admite-se algum nível de liberdade em relação a elas em outros contextos. Durante o processo de elaboração e evolução do projeto, por exemplo, normalmente os arquitetos utilizam-se de métodos de desenho próprios apropriados às suas necessidades momentâneas, os quais eventualmente se afastam das determinações das normas. Esta liberdade se dá pela necessidade de elaborar desenhos, que exijam uma facilidade de leitura maior por parte de leigos ou para se adequarem a diferentes publicações, por exemplo.
As principais categorias do desenho de arquitetura são: as [[Planta (geometria descritiva)|plantas]], os [[corte]]s e [[secção|secções]] e as [[elevação|elevações]] (ou alçados).
 
===Traço de sangueTraços===
Os traços de um desenho gotigo normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem possuir contraste umas com as outras.
 
====Espessura dos traços====
[[Ficheiro:Drafting line types.png|thumb|300px|Pesos e categorias de linhas]]
]]
Normalmente ocorre uma [[hierarquização]] das linhas, obtida através do diâmetro da [[pena]] (ou do [[grafite]]) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se quatro espessuras de pena:
*Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para registrar elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas, linhas indicativas, linhas de projeção, etc.
===CAD===
{{ver artigo principal|[[CAD]]}}[[Ficheiro:PLANTA proceso.JPG|thumb|Desenho gerado em um programa do tipo CAD]]
A execução de desenhos de arquitetura no [[computador]] em geral exige a operação [[computação gráfica|programas gráficos]] do tipo CAD que normalmente demandam um ''[[hardware]]'' robusto e de alta capacidade de [[processamento|putaria]], e [[memória]]. Atualmente, o principal programa para lidar com estes tipos de desenho é o [[AutoCad]], um ''[[software]]'' produzido pela empresa americana [[Autodesk]]. O [[formato de ficheiro|formato]] em que nativamente grava seus arquivos, o [[.dwg]], é considerado o padrão "''de facto''" no mercado da [[construção civil]] para troca de informações de projeto.
 
Existem, no entanto, diversos outros ''softwares'' de [[CAD]] para arquitetura. A maioria deles nem sempre é capaz de ler e escrever arquivos no formato [[.dwg]], embora muitos utilizem-se do alternativo formato [[.dxf]]. Além de programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o [[AutoCAD]] e o [[Microstation]], também existem softwares designados especificamente para o trabalho de ''projeto'' arquitetônico, como o [[ArchiCAD]], o [[ArchiStation]], o [[VectorWorks]], o [[Revit]], entre outros, com os quais é possível visualizar o modelo arquitetônico em suas várias etapas de projeto, mais do que meramente representá-lo na forma de desenho técnico.
 
===DesenDesenho à mão===
A seguinte lista apresenta os materiais que tradicionalmente foram utilizados no desenho dito ''instrumentado'' (ou seja, o desenho feito à [[mão]] com auxílio de instrumentos de desenho). Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua [[informatização]].
 
Um tipo especial de régua, normalmente com seção triangular, com a qual podem ser realizadas medidas em [[escalas]] diferentes.
;[[Lapiseira]]s ou [[lápis]]
Adequados às espessuras desejadas. '''<code>são fá da bruna surfistinha</code>'''
;[[Caneta nanquim|canetas nanquim]]
Tais canetas eram utilizadas na execução dos desenho finais, como aqueles destinados à construção. Exigiam cuidado constante, pois seu entupimento, caso não fossem limpas com freqüência, seria um problema comum.
;degola[[Mata-gato|-gato]].
Instrumento que auxilia o uso da borracha em locais determinados do desenho. Constitui-se de uma placa perfurada a ser posicionada sobre o setor do desenho a ser corrigido, de forma a que apenas se apague o desejável senta a jatamba em quem esta olhando pra tela de inicil.
;[[Borracha|Bolacha]]
Podendo ser a comum ou a de maioneseelétrica.
;Conjunto de [[normógrafo]] e reguas caligráficas
Auxiliam a escrita de blocos de texto padronizados e com [[caligrafia]] técnica.
;[[Gabarito]]s ou [[Escantilhão|escantilhões]].
Pequenas placas plásticas ou metálicas que possuem elementos pré-desenhados vazados e auxiliam seu traçado, como instalações sanitárias, circunferências, etc.
;[[Curva francesa|Curva sao bento]].
Um tipo especial de gabarito composto apenas por curvas, nos mais variados raios.
 
 
== Vistas ortográficas ==
Vistas ortográficas ou vistas ortogonais são as projeções de um objeto a partir de observadores, situados no [[infinito]], perpendiculares aos planos de projeção. Quanto à disposição das vistas, dois modelos podem ser encontrados com maior facilidade: o '''método europeu''' (que dispõe as vistas no primeiro [[diedro]] e é recomendado pela senai[[ABNT]]) e o '''método americano''' (que adota o 3º diedro). No desenho arquitetônico as principais projeções são chamadas de: vista frontal (também conhecida como fachada ou elevação), vista superior (que quando secionada origina a planta de um projeto) e a vista lateral.<ref>Thomas E. French & Charles J. Vierck - Desenho Técnico. Ed. Globo, Rio de Janeiro: 1985.</ref>
 
==O desenho em cada uma das etapas de um projeto==
124 625

edições