Abrir menu principal

Alterações

1 035 bytes removidos ,  00h03min de 23 de dezembro de 2016
m
Foram revertidas as edições de 2804:7F7:DC80:EE7E:0:0:0:1 para a última revisão de Edinho1008, de 19h46min de 25 de novembro de 2016 (UTC)
Em [[junho]] de [[2015]], é lançada em [[DVD]] pela [[Globo Marcas]]<ref>{{citar web|url=http://f5.folha.uol.com.br/televisao/2015/05/1631225-no-ar-em-babilonia-gloria-pires-tera-novela-em-que-era-adolescente-lancada-em-dvd.shtml|título=No ar em 'Babilônia', Glória Pires terá novela em que era adolescente lançada em DVD|publicado=F5|data=20 de maio de 2015|acessodata=25 de novembro de 2016}}</ref>.
 
== Produção e [[curiosidade]]s ==
Teve o título provisório de ''Vento Norte''.<ref name="teledramaturgia" /> [[Glória Menezes]] foi a primeira [[atriz]] cotada para viver Lucy Fragonard, mas recusou-a por achar a [[personagem]] pequena e inexpressiva. [[Pepita Rodrigues]] foi chamada, mas declinou do convite, por se achar nova demais para ser [[mãe]] de [[Glória Pires]] (à época com 16 anos). [[Tetê Medina]] brilhou como a suave [[mulher]] de Miguel ([[Raul Cortez]]), que morreu no capítulo 21 da trama, que foi ao ar em [[27 de fevereiro]] de [[1980]]. Na época, o público mandava [[carta]]s para a [[Estação de televisão|emissora]] implorando para que Lucy não morresse; ela era considerada uma [[personagem]] "carismática, leve, amiga e carinhosa"<ref>O Globo, de 1º de março de 1980</ref>. 33 anos depois, na reprise da novela no [[Canal Viva]], os internautas nas redes sociais reclamavam da trágica morte dela.
 
As atrizes Tônia Carrero, Glória Pires, Maria Zilda (creditada em produções atuais como ''Maria Zilda Bethlem'') e Maria Padilha (creditada na abertura da novela como ''Maria Padilha Gonçalves'') iriam gravar uma [[cena]] no Posto 9 da [[praia de Ipanema]], na [[zona sul do Rio de Janeiro]], onde simulariam um ''[[topless]]'', utilizando apenas um par de adesivos para cobrirem os [[seio]]s. Algumas [[pessoa]]spessoas protestaram e chegaram a agredir a [[equipe]] da novela, nas [[palavra]]spalavras de Maria Padilha: ''"Quando os curiosos perceberam que faríamos ''topless'', nos expulsaram da praia jogando latas e [[areia]]"''.<ref name="teledramaturgia" /> A cena teve que ser gravada na [[praia de São Conrado]].<ref name="entretenimento" />
 
Gilberto Braga se inspirou no [[musical]] [[Estados Unidos|americano]] ''[[Annie (musical)|Annie]]'', sobre a história de uma graciosa [[menina]] órfã - na novela, Maria Helena, vivida por [[Isabela Garcia]], com 13 anos na [[tempo|época]].<ref name="teledramaturgia" /> A partir do capítulo 60, Braga contou, a seu pedido, com a colaboração de [[Manoel Carlos]].<ref name="entretenimento">[http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/agua-viva/curiosidades.htm Curiosidades de Água Viva] [[Memória Globo]]</ref> ''Água Viva'' teve uma versão romanceada por [[Leonor Bassères]] na [[Série (literatura)|série]] de [[livro]]s ''[[Sucesso]]sSucessos da [[Rede Globo]]''.
 
=== Programação relacionada ===
== Exibição ==
* ''[[A Pequena Órfã]]'';
* ''[[Corpo a Corpo]].
== Reexibição ==
Foi reexibida pelo ''[[Vale a Pena Ver de Novo]]'' de [[13 de fevereiro]] a [[31 de agosto]] de [[1984]], substituindo ''[[Pecado Rasgado]]'' e sendo substituída por ''[[Final Feliz]]'', em 145 capítulos. Foi a primeira [[novela das oito]] reprisada à tarde, quebrando o padrão de que apenas novelas [[novela das seis|das seis]] ou [[novela das sete|sete horas]] eram reprisadas nesta faixa. A sua liberação foi conseguida em cima da hora, já que, em [[janeiro]] de 1984, a Rede Globo tinha exibido chamadas do retorno de ''[[Elas por Elas]]''.<ref name="teledramaturgia">[http://www.teledramaturgia.com.br/tele/aguab.asp Bastidores de Água Viva] Teledramaturgia</ref><ref>[http://www.teledramaturgia.com.br/tele/elasb.asp Bastidores de Elas por Elas] Teledramaturgia</ref>
 
Foi reexibida na íntegra pelo ''[[Canal Viva]]'', de [[30 de setembro]] de [[2013]] a [[5 de abril]] de [[2014]], substituindo ''[[Rainha da Sucata]]'' e sendo substituída por ''[[Dancin' Days]]'', aliás a novela anterior de Gilberto, em 159 capítulos. A [[reprise]] da [[trama]] foi escolhida pelo público por meio de uma votação. Concorrendo com ''[[Fera Ferida]]'', ''[[O Dono do Mundo]]'' (mais uma telenovela de Braga) e ''[[A Indomada]]'', a trama venceu a enquete com 41.7% dos votos. <ref>{{citar web|url=http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,agua-viva-vence-reprise-no-canal-viva-imp-,1061003|titulo="Água Viva" vence reprise no Canal Viva|autor= |publicado=Estadão|data=6 de agosto de 2013|acessodata=2 de junho de 2015|língua2=}}</ref>
 
== Enredo ==
{{revelações sobre o enredo}}
A trama gira em torno de Maria Helena ([[Isabela Garcia]]), uma pequena [[órfã]] que ligará boa parte dos personagens. Atingindo a [[idade]] de ser transferida para outro [[orfanato]], Maria Helena sente-se insegura e amedrontada. É um mundo novo, completamente desconhecido, que a espera. A sua única amiga é Suely, que descobre que o pai biológico de Maria Helena é Nelson Fragonard ([[Reginaldo Faria]]), um boa-vida muito temperamental, apaixonado por pesca em [[alto-mar]] e [[irmão]], por parte de [[pai]], do famoso [[cirurgião plástico]] Miguel Fragonard ([[Raul Cortez]]).
 
Suely ([[Ângela Leal]]), funcionária da [[Estrada de Ferro Central do Brasil]], procura Nelson com o [[objetivo]] de apresentar-lhe Maria Helena, mas o ''[[playboy (estilo)|playboy]]'' se recusa a acreditar na [[paternidade]] da órfã. Na mesma época, Nelson aceita participar de uma negociata proposta por um [[amigo]] seu, Técio ([[Ivan Cândido]]), que lhe propõe assumir formalmente a [[propriedade]] de uma [[empresa]] de automóveis, a ''Cris Motor'', com o objetivo de levar vantagem na partilha de bens com sua esposa, de quem se separara recentemente. Porém, durante uma competição de [[pesca]] em sua [[lancha]], Técio "morre". Logo após a pretensa tragédia, Nelson descobre que a empresa encontra-se falida e que, como novo "dono" dela, terá que assumir todo o passivo da mesma. Em pouco tempo a [[Justiça]] arresta todos os seus bens, e Nelson, que mais não fizera do que servir de "[[laranja]]" ao "amigo", cai na [[pobreza]]. Com isso, o [[destino]] de Maria Helena mantém-se incerto.
 
Paralelamente, Janete ([[Lucélia Santos]]) é uma [[moça]] que não se conforma em ter os pais, Evaldo ([[Mauro Mendonça]]) e Wilma ([[Aracy Cardoso]]), sustentados pela tia solteirona Irene ([[Eloísa Mafalda]]), irmã de Evaldo. Em meio aos seus [[conflito]]sconflitos [[familiar]]esfamiliares, Janete desperta a [[paixão]] em Bruno ([[Kadu Moliterno]]), [[jovem]] [[fotógrafo]], [[filho]] do [[milionário]] Kléber Simpson ([[José Lewgoy]]), este último, [[divórcio|ex-marido]] de Stella Fraga Simpson ([[Tônia Carrero]]), uma ''[[socialite]]'' avoada, fútil e excêntrica. Bruno faz de tudo para conquistar Janete, sem êxito.
 
Ela acaba por se apaixonar por Marcos ([[Fábio Jr.]]), um jovem [[médico]], e o [[sentimento]] será recíproco, para [[desespero]] e [[decepção]] do fotógrafo. Contudo, o [[amor]] entre os jovens terá que enfrentar a ferrenha oposição da megera Lourdes Mesquita ([[Beatriz Segall]]), uma [[aristocrata]] falida e mãe de Marcos. Lourdes deseja ver o filho casado com Sandra ([[Glória Pires]]), filha de Miguel Fragonard. A [[vilã]] também detesta seu [[genro]], Edir ([[Cláudio Cavalcanti]]), [[professor]] [[esquerdista]] de [[história]], marido de sua filha, Márcia ([[Natália do Valle]]), a qual não se conforma, apesar de morar no [[Leblon]], com a vida de [[classe média baixa|classe média]] que leva. O casal acaba assumindo a guarda provisória de Maria Helena.
 
Em meio a tudo isso, desenrola-se também o drama de Lígia ([[Betty Faria]]), uma [[alpinista social]] recém-separada de Heitor ([[Carlos Eduardo Dolabella]]), que a traíra com sua melhor amiga, Selma ([[Tamara taxman]]). Após o divórcio, Lígia se envolve com Nelson. Ela não sabe que este é irmão de Miguel, mas encanta-se com sua [[aparência]] e [[simplicidade]] de [[caráter]]. Ambos iniciam um [[relacionamento]], em meio à luta de Nelson para sobreviver em sua nova condição social. Ele, no entanto, esconde de Lígia o seu [[passado]], esperando que ela baseie seus [[sentimento]]ssentimentos apenas na sua [[pessoa]].
 
Nelson e Miguel passaram a maior parte de suas vidas formalmente rompidos. Para Nelson, seu irmão teria tirado partido da [[morte]] do pai de ambos para o lesar na partilha da [[herança]], o que o próprio Miguel acabaria confessando a Nelson em conversa privada, pouco antes do fim da trama. Todavia, enquanto o jovem Miguel lutava para se tornar um cirurgião plástico mundialmente conhecido, Nelson apenas vivia de acordo com a renda obtida de sua parte. Foi a queda do [[padrão de vida]] de Nelson, em paralelo com a morte de Lucy, esposa de Miguel, que reaproximou a ambos. Mas o caso de amor entre Nelson e Lígia é abaladíssimo após a [[prisão]] deste, envolvido injustamente em um caso de [[contrabando]] de [[joia]]sjoias comandado por Evaldo, que havia sido demitido de uma [[agência de turismo]] e era agora [[sócio]] do ex-''playboy''. Lígia, então, se envolve amorosamente com Miguel, recentemente [[viúvo]] de Lucy, morta numa [[explosão]] acidental de lancha. E recomeça a disputa entre os dois irmãos, agora envolvendo o amor de Lígia.
 
Nelson reencontra Técio numa [[viagem]] a [[Miami]], mas Técio não chega a contar-lhe a [[verdade]] toda, pois é morto por um matador de aluguel que dispara, a distância, um tiro de [[rifle]]. Ocorre também o [[assassinato]] de Miguel, com Kléber por autor, pois o [[empresário]], ex-[[tutor]] de Nelson, estava falido, tendo maquinado a perda do patrimônio deste. Miguel descobre tudo através do detetive Milton Sarpo, paga com a vida, Kléber é preso e escreve na cadeia um [[livro]] de [[memórias]].
 
{{Fim das revelações sobre o enredo}}
|[[Henriette Morineau]] || Jojô Besançon
|-
|[[Ivan Mesquita]] || [[Detetive]] Milton Sarpo
|-
|[[José Carlos Sanches]]|| Lúcio
* Orion Ximenes - Valter (Valtinho)
* Ticiana Studart - Lia
*[[Izabella Bicalho]] - Francisca / Francisquinha (órfã)
* João Cláudio Melo - Paulo Roberto Prado Lima (Paulinho)
* Giovana Souto Maior - Patrícia Prado Sampaio
*[[David Pinheiro]] - Assistente de direção da [[peça teatral]] de Max, em que Stella atua
 
== [[Música]] ==
''Água Viva'' também teve trilha sonora nacional e internacional. Várias canções marcaram a novela e personagens: "Realce", de [[Gilberto Gil]], "Amor, meu grande amor", de [[Ângela Rô Rô]], "20 e poucos anos", de [[Fábio Jr]], "Altos e baixos", de [[Elis Regina]], "Grito de Alerta", de [[Maria Bethânia]], "Cais", de [[Milton Nascimento]], "Wave", de [[João Gilberto]], "Love I Need", de [[Jimmy Cliff]], "Cruisin'", de [[Smokey Robinson]], "Ships", de [[Barry Manilow]], "Babe" de [[Styx]], entre outras.
 
=== Nacional ===
A trilha sonora nacional foi remasterizada e lançada em [[CD]] em [[2001]], pela [[Som Livre]].
 
'''Capa''': [[logotipo]] da novela
* "Grito de Alerta" - [[Maria Bethânia]] - (tema de Lígia)
* "Desesperar Jamais" - [[Simone]]
* "20 e Poucos Anos" - [[Fábio Jr.]] - tema de Janete e Marcos Mesquita
* "Noites Cariocas" - [[Gal Costa]] - (tema de Stella)
* "Menino do Rio" - [[Baby Consuelo]] - ([[música-tema|abertura]]Abertura)
* "Realce" - [[Gilberto Gil]] - (tema de Bruno)
* "Amor, Meu Grande Amor" - [[Ângela Rô Rô]] - tema de Sandra Fragonard
216 058

edições