Abrir menu principal

Alterações

20 bytes adicionados, 23h14min de 29 de dezembro de 2016
m
 
== Estados clientes na Antiguidade ==
 
=== Pérsia, Grécia e Roma ===
Estados antigos como a [[Pérsia]] e as [[Grécia Antiga|cidades-estados gregas]] criariam Estados clientes ao fazer os líderes do Estado subordinado. Um dos utilizadores mais prolíficos de Estados clientes foi [[República Romana|Roma republicana]]<ref>[http://books.google.com/books?id=zmmBAAAAMAAJ&q=client+king&dq=client+king&lr=&as_drrb_is=b&as_minm_is=0&as_miny_is=1980&as_maxm_is=0&as_maxy_is=&as_brr=0&hl=el&cd=5 Herod's Judaea]</ref><ref>Collected studies: Alexander and his successors in Macedonia, by Nicholas Geoffrey Lemprière Hammond,1994,page 257,"to Demetrius of Pharos, whom she set up as a client king</ref> (por exemplo, [[Demétrio de Faros]]), que ao invés de conquistar e depois absorver em um império, escolheu fazer Estados clientes fora daqueles que derrotava, uma política que foi continuada até o primeiro século antes de Cristo, quando se tornou [[Império Romano]]. O uso de Estados clientes continuou durante a [[Idade Média]] no momento em que o [[sistema feudal]] começou a tomar conta.
 
=== Império Otomano ===
{{APArtigo principal|Estados vassalos e tributários do Império Otomano}}
 
== Séculos XIX e XX ==
 
=== Estados clientes da França ===
Durante a [[Revolução Francesa]] e [[era napoleônica]], a [[França]] conquistou a maior parte da [[Europa ocidental]] e estabeleceu diversos estados clientes. No início, durante as [[guerras revolucionárias francesas]] esses estados foram erigidos como repúblicas (as chamadas "''Républiques soeurs''" ou "repúblicas irmãs"). Foram criadas na [[Itália]] ([[República Cisalpina]] no [[norte da Itália]], [[República Napolitana (1799)|República Partenopéia]] no [[sul da Itália]]), [[República Helvética|Suíça]], Bélgica e Holanda como [[República Batava|uma república]] e [[Reino da Holanda|uma monarquia]].
 
=== Estados Unidos ===
Depois de [[1945]], o termo foi aplicado frequentemente aos países governados por ditaduras apoiadas abertamente pelos [[Estados Unidos]] ou pela [[União Soviética]]. Durante a [[Guerra Fria]], muitos países latino-americanos, como [[Guatemala]], [[El Salvador]], [[Nicarágua]] até [[1979]], [[Cuba]] até [[1959]], e o [[Chile]] sob o regime do general [[Augusto Pinochet]] foram vistos como estados clientes dos Estados Unidos, já que o governo dos Estados Unidos teve uma influência significativa sobre as políticas dessas ditaduras. O termo era igualmente aplicável aos outros regimes autoritários com laços estreitos com os Estados Unidos durante a Guerra Fria, mais apropriadamente chamado de ''proxy states'' dos Estados Unidos, como o [[Vietnã do Sul]], [[Irã]] até [[1979]], o [[Camboja]] sob o regime de [[Lon Nol]], [[Filipinas]] e [[Arábia Saudita]]. Um exemplo de caso da construção de um Estado cliente são as relações entre os Estados Unidos e o Irã sob o [[xá]].<ref>Gasiorowski, Mark ''US Foreign Policy and the Shah'', Cornell University Press, 1991</ref>
<!-- The term might also arguably be used for those states extremely economically dependent on a more powerful nation. The three Pacific ocean countries associated with the United States under the [[Compact of Free Association]] (the [[Federated States of Micronesia]], the [[Marshall Islands]] and [[Palau]]) may fall somewhat in this category. -->
 
Os Estados Unidos também fornecem apoio político e militar significativo para os pequenos, mas estratégicos, estados: [[Israel]], [[República da China]] (Taiwan), [[CoréiaCoreia do Sul]], [[Colômbia]] e [[Bahrein]] são bons exemplos.<ref>{{citar web|URL=http://www.theatlantic.com/international/archive/2011/09/the-decline-of-american-client-states/245592/|título=The Decline of American Client States|autor=|data=|publicado=[[The Atlantic ]]|acessodata=}}</ref>
 
=== União Soviética ===
Os Estados ''proxy'' ou "clientes" soviéticos incluíam a maior parte dos países do [[Pacto de Varsóvia]] cujas políticas foram fortemente influenciadas pelo poder militar e ajuda econômica soviética. Outras nações do [[Terceiro Mundo]], com governos marxistas-leninistas, foram rotineiramente criticados como sendo ''proxies'' soviéticos, bem como, entre eles Cuba após a [[Revolução Cubana]], a [[República Popular de Angola]], a [[República Popular de Moçambique]], a [[República Democrática do Afeganistão]], e a [[República Democrática do Vietnã]] (Vietnã do Norte).
 
{{referênciasReferências}}
 
[[Categoria:PolíticaEstados internacionalpor condição de poder|Cliente]]
99 318

edições