Diferenças entre edições de "Miguel António do Carmo de Noronha de Paiva Couceiro"

 
Como escritor pode citar-se « Diu e Eu ». No seu prefácio, Miguel Pinto de Meneses diz: "livro de viagens, de memórias, de história no essencial dos seus apontamentos, na apreciação das lendas, religiões, ritos, castas e outras particularidades da vida social diurense". Vem ilustrado com 20 desenhos de sua autoria e termina com uma excelente receita de "Lulas à Coge Çofar". E também « As Armas Africanas de D. Pedro de Meneses », uma verdadeira enciclopédia sobre as origens e alianças das famílias Noronha e Menezes e respectivas descendências, de 924 até hoje. Além de numerosos artigos publicados no jornal “O Debate” e em vários jornais da imprensa Moçambicana.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
== Obras Publicadas sobre D. Miguel ==
 
"O Sonho e o Seu Fim - Episódios da vida de D. Miguel de Paiva Couceiro" - Autor: Miguel Geraldes Cardoso
 
Nota do autor: Ao lado dos nomes sonantes que são dados como os grandes realizadores (e às vezes os responsáveis por grandes catástrofes) há uma elite de gente, não preocupada em gravar o seu nome na pedra, mas em cumprir o que entendem como a sua missão. D.Miguel de Paiva Couceiro foi um homem assim: fiel ao que entendia certo, ao que a razão e o coração ditavam. Criado fora de Portugal, fez-se homem no seu País. Cedo, como militar, lhe são dadas responsabilidades no Ultramar, até chegar ao Governo do Distrito de Diu. Aí desenvolveu uma acção a todos os títulos notável tendo conseguido estabelecer, graças à sua inteligência e encanto pessoal, relações com o governo indiano e mais particularmente com ministro parente do próprio Mahatama Ghandi. A sua acção não teve continuidade e, como se diz no texto do livro “…É essa oportunidade perdida que mais toca na História do Senhor D. Miguel, que assim sendo é também nossa.”
 
== Fontes ==