Diferenças entre edições de "Courtney Love"

Sem alteração do tamanho ,  02h31min de 9 de janeiro de 2017
Em uma entrevista, Love afirmou que ela havia mantido um celibato por cinco anos enquanto trabalhava no álbum: "eu precisava colocar toda minha energia nesse álbum. Tipo, toda ela, e [sexo e amor] podem te distrair".<ref name="fuseotr" />
 
O álbum recebeu críticas mistas. ''Rolling Stone'' deu três de cinco estrelas, dizendo que Love havia "realmente se esforçado, e não feito balbuciado um monte de merda de drogado e achado que alguém ia gostar, como fez em 2004, com seu fracassado álbum solo".<ref>{{citar web |url=http://www.rollingstone.com/music/albumreviews/nobodys-daughter-20100426 |publicado=Rollingstone.com |autor=Sheffield, Robert |título=Nobody's Daughter by Hole |língua=inglês |obra=[[Rolling Stone]] |data=26 de abril de 2010 |acessodata=26 de junho de 2013}}</ref> ''Slant Magazine'' também deu três de cinco estrelas para o álbum, dizendo: "ela soa como [[Marianne Faithfull]] em canções como "Honey" e "For Once In Your Life", sendo a última canção uma das vulneráveis performances vocais de Love até hoje. Composta ao lado de Linda Perry, a música oferece um raro vislumbre da mente de uma mulher que, nos últimos 15 anos, tem sido tão famosofamosa por ser uma estrela do rock como ela tem sido por ser uma vítima." <ref>{{citar web |url=http://www.slantmagazine.com/music/review/hole-nobodys-daughter/2083 |publicado=Slantmagazine.com |obra=Slant |data=21 de abril de 2010 |acessodata=25 de junho de 2013 |autor=Cinquemani, Sal |título=Hole: Nobody's Daughter |língua= }}</ref>
 
O álbum trata, em sua maior parte, da conturbada fase que Love viveu entre 2003 e 2007, e tem uma sonoridade folk rock e acústica, diferente dos álbuns anteriores do Hole. Love fez uma turnê na Europa, Japão e nos Estados Unidos, onde promoveu o álbum na primavera de 2010, que terminou em um show em Seattle no festival Bumbershoot em setembro. No verão de 2011, a banda tocou na Rússia, Austrália e Brasil.
Utilizador anónimo