Libaneses: diferenças entre revisões

1 688 bytes removidos ,  21h00min de 15 de janeiro de 2017
sem resumo de edição
==Brasil==
 
Os descendentes de libaneses têm forte participação na [[Política do Brasil|política brasileira]].<ref>{{citar web |url=http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1641839-origem-de-politicos-brasileiros-libano-tem-rua-com-nome-de-michel-temer.shtml |titulo=Origem de políticos brasileiros, Líbano tem rua com nome de Michel Temer |publicado=Folha de S. Paulo |autor=Diogo Bercito |data=14 de junho de 2015 |acessodata=2 de maio de 2016}}</ref> Em 2015, 8% dos parlamentares brasileiros eram de ascendência libanesa, uma porcentagem muito maior do que a sua presença na população em geral.<ref>[http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1642001-no-congresso-8-dos-parlamentares-tem-origem-libanesa.shtml No Congresso, 8% dos parlamentares têm origem libanesa]</ref> Esse [[ativismo]] político pode ser explicado pelo êxito econômico e pelos investimentos em [[educação]] das famílias árabeslibanesas no Brasil. Dessa forma, seus descendentes conseguiram penetrar em diferentes segmentos da política brasileira, nos mais diferentes [[Partido político|partidos políticos]] e sob várias [[ideologia]]s.<ref name="BBC">{{Citation|contribution-url=http://www.bbc.com/portuguese/brasil/2016/04/160429_arabes_politica_if_jf|contribution=BBC|title=O que explica a força dos descendentes de árabes na política brasileira?|type=BBC Brasil}}</ref> Segundo pesquisa de 1999, conduzida por [[Simon Schwartzman]], descendentesascendentes de árabeslibaneses e de [[Imigração judaica no Brasil|judeus]] eram os dois grupos mais bem-sucedidos no Brasil do ponto de vista econômico.<ref>[http://www.schwartzman.org.br/simon/pdf/origem.pdf Fora de foco: diversidade e identidades étnicas no Brasil]</ref> O atual Presidente da República, [[Michel Temer]], é filho de libaneses.<ref>[http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1769102-vilarejo-libanes-do-filho-michel-temer-segue-igreja-ortodoxa-grega.shtml Vilarejo libanês do 'filho Michel Temer' segue igreja ortodoxa grega]</ref>
O [[Ministério das Relações Exteriores (Brasil)|Ministério das Relações Exteriores do Brasil]] afirma haver entre 7 e 10 milhões de descendentes de libaneses no Brasil.<ref name="itamaraty1">[http://www.itamaraty.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=11370:visita-do-ministro-das-relacoes-exteriores-mauro-vieira-ao-ira-e-ao-libano-13-a-16-de-setembro-de-2015&catid=42&Itemid=280&lang=pt-BR Visita do Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, ao Irã e ao Líbano – 13 a 16 de setembro de 2015]</ref> Contudo, pesquisas independentes, baseadas na autodeclaração do entrevistado, encontraram números bem menores. Segundo pesquisa do [[Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]] de 2008, 0,9% dos brasileiros brancos entrevistados disseram ter origem familiar no [[Oriente Médio]], o que daria cerca de um milhão de pessoas.<ref name="IBGE2008">IBGE. [http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=263405 ''IBGE: Características Étnico-Raciais da População].</ref> Segundo outra pesquisa, de 1999, do sociólogo e ex-presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), [[Simon Schwartzman]], somente 0,48% dos brasileiros entrevistados afirmaram ter [[ancestral]]idade árabe, percentual que, numa população de cerca de 200 milhões de brasileiros, representaria em torno de 960 mil pessoas.<ref name="Simon">{{Citar web|url=[http://br.monografias.com/trabalhos/fora-diversidade-identidades/fora-diversidade-identidades2.shtml#_Toc143094349|título=Fora de foco: diversidade e identidades étnicas no Brasil |língua=Português |autor=Simon Schwartzman |obra= |data=1999 |acessodata=07/01/2016}}</ref>
 
Os descendentes de libaneses têm forte participação na [[Política do Brasil|política brasileira]].<ref>{{citar web |url=http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1641839-origem-de-politicos-brasileiros-libano-tem-rua-com-nome-de-michel-temer.shtml |titulo=Origem de políticos brasileiros, Líbano tem rua com nome de Michel Temer |publicado=Folha de S. Paulo |autor=Diogo Bercito |data=14 de junho de 2015 |acessodata=2 de maio de 2016}}</ref> Em 2015, 8% dos parlamentares brasileiros eram de ascendência libanesa, uma porcentagem muito maior do que a sua presença na população em geral.<ref>[http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1642001-no-congresso-8-dos-parlamentares-tem-origem-libanesa.shtml No Congresso, 8% dos parlamentares têm origem libanesa]</ref> Esse [[ativismo]] político pode ser explicado pelo êxito econômico e pelos investimentos em [[educação]] das famílias árabes no Brasil. Dessa forma, seus descendentes conseguiram penetrar em diferentes segmentos da política brasileira, nos mais diferentes [[Partido político|partidos políticos]] e sob várias [[ideologia]]s.<ref name="BBC">{{Citation|contribution-url=http://www.bbc.com/portuguese/brasil/2016/04/160429_arabes_politica_if_jf|contribution=BBC|title=O que explica a força dos descendentes de árabes na política brasileira?|type=BBC Brasil}}</ref> Segundo pesquisa de 1999, conduzida por [[Simon Schwartzman]], descendentes de árabes e de [[Imigração judaica no Brasil|judeus]] eram os dois grupos mais bem-sucedidos no Brasil do ponto de vista econômico.<ref>[http://www.schwartzman.org.br/simon/pdf/origem.pdf Fora de foco: diversidade e identidades étnicas no Brasil]</ref> O atual Presidente da República, [[Michel Temer]], é filho de libaneses.<ref>[http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1769102-vilarejo-libanes-do-filho-michel-temer-segue-igreja-ortodoxa-grega.shtml Vilarejo libanês do 'filho Michel Temer' segue igreja ortodoxa grega]</ref>
 
{{Referências}}
Utilizador anónimo