Diferenças entre edições de "Jorge Viana"

104 bytes adicionados ,  15h42min de 29 de janeiro de 2017
sem resumo de edição
m (Desfeita a edição 47452494 de 187.95.15.35)
 
== Governador do Acre ==
Em 1998, Jorge Viana disputou o governo do estado, numa aliança com o entãoagora falecido Edson Cadaxo (PSDB),<ref>{{citar web|url=http://www.ac24horas.com/2014/10/24/pt-e-psdb-ja-se-uniram-para-governar-o-acre-juntos/?doing_wp_cron=1481031272.6299870014190673828125|publicado=ac24horas|acessodata=6 de dezembro de 2016|título=PT e PSDB já se uniram para governar o Acre juntos}}</ref> e obteve vitória no primeiro turno dia 3 de outubro. Em 2002, foi reeleito governador com 64% dos votos.<ref name="liderancas">{{citar web|url=http://www.liderancas.com.br/lideranca/jorge-viana.html|publicado=Lideranças|acessodata=6 de dezembro de 2016|título=Jorge Viana}}</ref>
 
Durante seu governo, foi citado pela [[Revista Time]] como liderança promissora para [[América Latina]].<ref name="liderancas"/>
[[Imagem:O presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, Renan Calheiros, e o senador Jorge Viana.jpg|thumb|O presidente do [[Botafogo de Futebol e Regatas|Botafogo]], [[Maurício Assumpção]], o presidente do Senado, [[Renan Calheiros]], e o senador Jorge Viana em reunião com representantes da [[Clube dos Treze|União dos Grandes Clubes do Futebol Brasileiro - Clube dos Treze]].]]
 
Em 2010 elegeu-se [[Senado Federal do Brasil|senador]]. Entretanto, sua campanha eleitoral foi investigada por suposta compra de votos. Uma juíza eleitoral, que havia lhe beneficiado com liminar suspendendo a apreensão de computadores usados em sua campanha, renunciou ao cargo.<ref>[{{Citar web|url=https://web.archive.org/web/20160304084801/http://wwwpolitica.estadao.com.br/noticias/nacionalgeral,juiza-do-caso-jorge-viana-renuncia,629708,0.htm|titulo=Juíza Estadão,do 25/10/2010]caso Jorge Viana renuncia - Política - Estadão|data=2016-03-04|acessodata=2017-01-29}}</ref>
 
Em 5 de dezembro de 2016, se tornou presidente do Senado com o afastamento de [[Renan Calheiros]] pelo [[Supremo Tribunal Federal]].<ref name="presidencia_senado"/> Porém, em 6 de dezembro de 2016, a Mesa Diretora do Senado decidiu aguardar a decisão do plenário do Supremo para cumprir a liminar do ministro [[Marco Aurélio Mello]] pedindo o afastamento de Renan da presidência. Mantiveram assim, Renan Calheiros no cargo de [[Presidente do Senado Federal do Brasil|Presidente do Senado]] até que uma decisão deliberada entre todos os ministros do STF seja concretizada. <ref>{{Citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Senado decide não cumprir liminar sobre Renan e aguardar plenário do STF|jornal=G1|doi=|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/renan-senado-decide-nao-cumprir-liminar-e-aguardar-decisao-do-plenario-do-stf.ghtml|acessadoem=06 de dezembro de 2016|idioma=pt-BR}}</ref>
 
{{referências}}
4 715

edições