Diferenças entre edições de "Larry Fine"

3 bytes adicionados ,  20h11min de 5 de fevereiro de 2017
Em muitos dos curtas em que atuou, Larry mais reagia do que agia, ficando sempre no fundo e servindo como a voz da razão, em contraste as travessuras loucas de Moe e Curly. Ele era facilmente reconhecido por seu penteado calvo e bagunçado, com cabelos encaracolados vermelhos em torno dos lados e para trás. Moe costumava chamá-lo de "porco-espinho". Larry era nos filmes o meio termo entre o líder "mandão" Moe contra o infantil Curly (mais tarde substituído pelo atrapalhado Shemp, o "sensível" Joe e o "não tão original" Curly Joe). Porém, assim como os outros Patetas, Larry freqüentemente apanhava do Moe. A participação involuntária de Larry conseguia equilibrar perfeitamente a balança entre a grosseria de Moe e a ingenuidade de Curly ou Shemp. Embora Larry, muitas vezes, também propunha coisas impossíveis ou ilógicas. Com isso, ele era rapidamente repreendido por Moe, seja verbalmente ou fisicamente, resultando em um puxão que arrancava de forma cômica, os cabelos de Larry para fora da cabeça. De acordo com seu irmão, Larry desenvolveu um calo em um lado de sua cara, após ser batido inúmeras vezes por Moe, ao longo dos anos.<ref>Maurer, Joan Howard; Jeff Lenburg; Greg Lenburg (2012) [1982]. The Three Stooges Scrapbook (revised ed.). Citadel Press. ISBN 978-1-61374-074-3.</ref>
 
Muitos atribuem deo Larry nos curtas como uma extensão de suada própria personalidade do ator. O diretor [[Charles Lamont]] lembrou: "Larry era um louco, ele era o tipo de cara que sempre dizia alguma coisa.<ref>Maurer, Joan Howard; Jeff Lenburg; Greg Lenburg (2012) [1982]. The Three Stooges Scrapbook (revised ed.). Citadel Press. ISBN 978-1-61374-074-3.</ref> Já o escritor-diretor [[Edward Bernds]] lembrou-se de que as sugestões de Larry para os roteiros eram muitas vezes "escamosas", mas ocasionalmente continham uma boa ideia cômica.<ref>Maurer, Joan Howard; Jeff Lenburg; Greg Lenburg (2012) [1982]. The Three Stooges Scrapbook (revised ed.). Citadel Press. ISBN 978-1-61374-074-3.</ref>
 
Assim como Moe, Larry foi o único Pateta que permaneceu no trio desde o primeiro episódio ([[Woman Waters]], [[1934]]) até o último ([[Sappy Bull Fighters]] [[1959]]). Durante todos esses anos, a dupla perdeu Curly em [[1946]], que foi substituído pela volta de Shemp, até [[1955]] e por [[Joe Besser]], até [[1957]]. Após vários anos trabalhando na Columbia, Larry e Moe foram dispensados, no final de [[1957]], sem sequer receberem um salário justo do estúdio, que alegava que seus curtas não faziam sucesso, quando na verdade, eram muito populares. Apesar disso, o próprio Larry disse em [[1970]], que o estúdio liberava o trio para fazer turnês pelo país e o dinheiro que ganhavam, compensava seus salários injustos. Porém, em [[1959]], o trio foi redescoberto pelos jovens através da exibição de seus curtas na televisão, o que possibilitou Larry e Moe a retomarem suas carreiras. Com [[Joe De Rita]] (Curly-Joe), eles estrelaram alguns filmes de longa-metragem por toda a década de [[1960]], além de participarem de inúmeros programas de televisão.
5 544

edições