Abrir menu principal

Alterações

41 bytes adicionados ,  18h26min de 10 de fevereiro de 2017
m
sem resumo de edição
'''Pachacuti''', (em [[Língua espanhola|espanhol]] ''Pachacútec'', do [[Língua quíchua|quíchua]] ''Pacha Kutiq'', "O que muda a Terra", ou "Reformador da Terra"; [[Cusco]], [[1408]] - [[1474]]) foi o nono [[Imperador inca|Sapa Inca]] e o primeiro Inca do [[Império Inca |Tawantinsuyu]]. <ref>''David W. Del Testa'', [https://books.google.com.br/books?id=6Ma2AgAAQBAJ&pg=PA141#v=onepage&q&f=false Government Leaders, Military Rulers and Political Activists] {{en}} Routledge, 2014 p 141 ISBN 9781135975661</ref> Ele foi sucedido por seu filho [[Túpac Yupanqui]]. <ref name="sarmiento">''Pedro Sarmiento de Gamboa'', [http://www.sacred-texts.com/nam/inca/inca02.htm "History of the Incas"] {{en}} Cambridge: The Hakluyt Society 1907, pp. 138-139</ref>
 
Como parte de sua visão de estadista e guerreiro conquistou muitas [[etnia]]s e estados, com destaque para a conquista de [[El Collao (província)|Collao]], o que aumentou consideravelmente seu prestígio em particular, pela notável expansão de seus domínios, sendo considerado um líder excepcional, dando vida a poemas épicos gloriosos e hinos em homenagem a suas realizações. Muitos [[curaca]]s não hesitaram em reconhecer suas habilidades e identificá-lo como ''filho do Sol''. Embora ainda estivesse vivo, seu filho e sucessor [[Túpac Yupanqui]] derrotou [[''Manor Chimú]]'' e continuou a expansão do [[Império Inca|Tahuantinsuyo]]. Além de guerreiro, conquistador e imperador, várias crônicas contam que também era um grande administrador, planejador, filósofo e observador da psicologia humana e general carismático. <ref> Como por exemplo, conta Juan Diez de Betanzos na sua "Suma y Narración de los Incas" (1551) que Pachacuti foi um jovem íntegro, "muito virtuoso, muito amigo de fazer o bem aos pobres."</ref>
 
==Biografia==
Estando acéfalo o reino, ''Cusi Yupanqui'' assume a condução da defesa da cidade, assim como este mostra seu valor e consegue impor-se sobre os veteranos generais imperiais, com o que se assegura o comando das tropas. <ref name=a/>
 
Uma vez assegurada a fidelidade das tropas e com sua liderança incontestável, ''Cusi Yupanqui'', com astúcia e seguindo a tradição andina, envia emissários aos [[''curacas]]'' próximos em busca de ajuda, para o que despacha junto aos mensageiros presentes e promessas de terras. Assim, contando com a ajuda dos ''curacas'' de [[Canas]] e [[Canchis (província)|Canchis]], ''Cusi Yupanqui'' empreende a defesa de [[Cusco]]. <ref name=a/>
 
Já em batalha, os ''chancas'' confirmaram sua fama de ferozes, lançando-se contra os ''incas'' aos gritos, de forma que as duas forças chocaram-se, produzindo-se grande mortandade; neste ponto devemos aclarar que alguns curacas haviam-se postado nos montes próximos, atemorizados pelo poder dos chancas e indecisos sobre a quem deveriam se unir; com o transcorrer da batalha, os incas começaram a se impor e ''Cusi Yupanqui'' decide conduzir um ataque diretamente a onde o líder chanca, ''Uscovilca'', se encontrava. Com tamanha rapidez no ataque, as tropas chancas se despersaram momentaneamente, e os incas gritaram sua vitória, isso acabou por fazer os ''curacas'', que estavam observando do alto dos montes, unirem-se aos cusquenhos, sendo isto explicado pela tradição inca como a ''lenda dos pururauca'' (as míticas pedras que se transformam em soldados e decidem a vitória cusquenha). <ref> ''Raúl Porras Barrenechea'', [http://sisbib.unmsm.edu.pe/BibVirtual/libros/linguistica/legado_quechua/la_leyenda.htm La leyenda de los Pururaucas] {{es}} Revista de Infantería, Chorrillos (Lima), agosto de 1950, N° 1, p. 339-342 </ref>
 
===Do Curacado ao Tawantinsuyu===
Dotado de um grande talento militar, iniciou a expansão do [[Império Inca]] mais além das fronteiras do [[Peru|Peru atual]]: até o norte, conquistou os reinos [[ReinoCultura Chimuchimu|Chimu]] e [[Reino deCultura Quitoquitu|de QuitoQuitu]], e pelo sul chegou até o vale de [[Nazca]]. A fim de impor seu domínio sobre um complexo mosaico de mais de 500 tribos, com línguas, religiões e costumes díspares e radicadas em áreas geográficas distantes, ''Pachacuti Inca Yupanqui'' reprimiu com extrema dureza as rebeliões dos povos submetidos e não hesitou em deportar os grupos mais conflitivos para longe de suas regiões de origem, dando lugar aos "povos deslocados" ou ''[[mitimae]]smitimaes'', povos que, por sua rebeldia haviam sido levados desde seu lugar de origem a outro lugar mais estratégico para os objetivos do [[Império Inca]].
 
Não foi, porém, um mero conquistador, já que também soube dotar seu Estado de uma sólida e eficaz estrutura administrativa. Assim, por exemplo, organizou as cidades conquistadas segundo o modelo inca e dotou seu governo de uma hierarquia de funcionários que prestavam contas de sua gestão em Cusco, a capital do Império Inca, que durante o reinado de Pachacuti superou os 100.000 habitantes. De fato, todos os cargos importantes eram desempenhados por funcionários de origem inca, enquanto que os governos regionais estavam em mão de membros da familia real.