Abrir menu principal

Alterações

7 bytes adicionados, 20h01min de 10 de fevereiro de 2017
m
peq. ajustes, replaced: |año= → |ano=, |consulté le= → |acessodata= (2), Agosto → agosto, |formato=PDF} → }, |titre= → |titulo= (2), |volumen= → |volume=, {{Lien web |url=http://www.natura-sciences.com/en utilizando AWB
O '''urânio''' (homenagem ao planeta [[Urano (planeta)|Urano]]), é um [[tabela periódica|elemento químico]] de símbolo '''U''' e de [[massa atômica]] igual a 238 [[unidade de massa atómica|u]], apresenta [[número atômico]] 92 (92 [[próton]]s e 92 [[elétron]]s), é um elemento natural e comum, muito mais abundante que a prata, abundância comparável à do [[molibdênio]] e [[arsênio]], porém, quatro vezes menos abundante que o [[tório]].
 
À temperatura ambiente, o urânio encontra-se no [[Sólido|estado sólido]]. É um elemento metálico radioativo pertencente à família dos actinídeos<ref>{{Citacitar web|url=http://www.afrri.usuhs.mil/www/outreach/pdf/mcclain_NATO_2005.pdf|título=Health Concerns about Military Use of Depleted Uranium|formato=PDF}}</ref>.
 
Foi descoberto em [[1789]] pelo alemão [[Martin Klaproth]] na Alemanha. Foi o primeiro elemento onde se descobriu a propriedade da [[radioatividade]]. Seus isótopos mais comuns têm uma meia-vida longa(~4,5 bilhões de anos para o urânio-238 e ~700 milhões de anos para o urânio-235).
 
O Urânio é utilizado em indústria bélica ([[bomba atômica|bombas atômicas]] e no secundário para [[Bomba de hidrogênio|bombas de hidrogênio]]), e como combustível em [[Central nuclear|usinas nucleares]] para geração de [[energia elétrica]].<ref>{{Citacitar web|url=http://ie.lbl.gov/toi/nucSearch.asp|título=WWW Table of Radioactive Isotopes}}</ref>
 
A [[Agência Internacional de Energia Atómica]], estimou as reservas mundiais de urânio em 5,4 milhões de toneladas em todo mundo em [[2009]], sendo que 31% está na [[Austrália]], 12% no [[Cazaquistão]], 9% no [[Canadá]] e 9% na [[Rússia]]. A produção mundial subiu cerca de 50 000 toneladas em 2009 comparando com [[2008]], sendo os maiores produtores em 2009 o Cazaquistão (28%), o Canadá (20%), a Austrália (16%), a [[Namíbia]] (9%), a Rússia (7%), o [[Níger]] (6%) e [[Uzbequistão]] (5%).
 
A nova mina de mineração Tumalapalli revelada à imprensa em Agostoagosto de 2011, está localizada no Estado de [[Andhra Pradesh]], no sul da [[Índia]], e pode se tornar a maior reserva de Urânio do mundo. Segundo o Departamento de Energia Atômica da Índia, é confirmado que a mina contém 49 mil toneladas de minério. No entanto há indicações de que esta quantidade total seja três vezes maior que isso, o que alcançaria uma capacidade total de produção de 150 mil [[tonelada]]s. Assim, passaria a ser a maior do mundo, ainda que se tratando de urânio de baixo grau.<ref>http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/4679-india-revela-maior-descoberta-de-uranio-do-mundo/</ref>
 
== História ==
=== Reator natural ===
Em 1972 o físico francês [[Francis Perrin]] descobriu em [[Oklo]], no [[Gabão]], um depósito de urânio onde, há cerca de dois bilhões de anos, ocorreram de forma natural reações de [[fissão]] do isótopo U-235. Esse reator natural funcionou ao longo de centenas de milhares de anos, liberando uma potência média inferior a 100 [[Watt|kW]]. A reação em cadeia era controlada naturalmente, permitindo o seu funcionamento durante tanto tempo sem provocar uma explosão nuclear.<ref>{{Citar web |url=http://www.scientificamerican.com/article/ancient-nuclear-reactor/ |título=The Workings of an Ancient Nuclear Reactor |autor=MESHIK, A.P |data=26 de janeiro de 2009 |publicado=Scientific American |acessodata=24 de setembro de 2015 |língua2língua=en}}</ref>
 
=== Uso durante a sua pré-descoberta ===
Antes de sua descoberta, o urânio natural, sob a forma de dióxido de urânio, era usado como corante em tintas e esmaltes dando uma cor amarelada, se adicionado ao vidro, o deixava verde e luminescente. Este uso remonta até ao ano de 79 antes de Cristo.<ref>{{citecitar web|url=http://periodic.lanl.gov/elements/92.html | title=Uranium | publisher=Los Alamos National Laboratory | accessdate=2007-01-14}}</ref>
 
=== Descoberta ===
[[Ficheiro:Becquerel plate.jpg|left|thumb|Imagem criada pelo uranio sobre a chapa fotograficafotográfica, que fez Henri supor a existência da radiação.]]
A descoberta do urânio é creditada ao cientista alemão [[Martin Heinrich Klaproth]] em [[1789]]. Quando estava em seu laboratório experimental em [[Berlim]], Klaproth foi capaz de precipitar um composto amarelo (provavelmente diuranato de sódio ) através da dissolução da uraninita em ácido nítrico e neutralizar a solução com hidróxido de sódio. Klaproth achou que a substância amarela era o óxido de um elemento ainda não descoberto, e aquecido com carvão vegetal para a obtenção de um pó preto, que ele pensou ser o metal descoberto recentemente em si (na verdade, o pó era um óxido de urânio). Ele nomeou o novo elemento descoberto em honra ao planeta Urano, que tinha sido descoberto havia oito anos por [[William Herschel]] (que tinha chamado o planeta após o primordial deus grego do céu [[Urano (mitologia)|Urano]])<ref>{{cite journal
| title = Chemische Untersuchung des Uranits, einer neuentdeckten metallischen Substanz
| journal = Chemische Annalen
| volume = 2
| issue =
| year = 1789
| pages = 387–403
===Tuballoy e Oralloy===
Durante o Projeto Manhattan teve-se a necessidade de sigilo, então os termos chave durante a pesquisa para criar armas nucleares foram codificados, o [[urânio empobrecido]] recebeu a alcunha de Tuballoy, ja o [[urânio enriquecido]], recebeu a alcunha de Oralloy
em referenciareferência a Oak Ridge, o local onde o urânio era enriquecido, esses termos ainda hoje são largamente utilizados.
 
== Características principais ==
===Mineração===
[[Ficheiro:Paises-Produtores-de-Uranio-2007.png|290px|thumb|direita|Países produtores de urânio]]
A exploração do urânio começou nos [[Estados Unidos]], no início do século XX, embora a primeira extração de urânio para fins econômicos tenha ocorrido na [[República Checa]], no fim do século XIX, o urânio era extraído, para depois poder extrair do urânio, o elemento altamente radioativo, radiorádio, o radiorádio era então impregnado em tintas fluorescentes para ponteiros de relógios e outros instrumentos, como também para ser utilizado na medicina.
 
O aumento da demanda do urânio ocorreu depois da Segunda Guerra Mundial, onde os [[Estados Unidos]] compravam urânio do [[Congo]] (até então colônia da [[Bélgica]]) e do Canadá para poder aumentar o número de suas armas nucleares, as minas do Congo tinham bem mais uranio que as minas dentro do próprio território dos E.U.A.
=== Reservas Brasileiras ===
[[Ficheiro:UranioBrasil.gif|left|thumb|Principais ocorrências de urânio no Brasil]]
O Brasil, segundo dados oficiais das [[Indústrias Nucleares do Brasil]], ocupa a sexta posição no ranking mundial de reservas de urânio<ref>{{citar web|url=http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2010/02/19/entenda-o-processo-de-enriquecimento-de-uranio-e-saiba-quais-paises-tem-tecnologia-para-construir-armas-nucleares.jhtm|titulo=Apesar de alto potencial, Brasil nega intenção de exportar urânio|ultimo=BOROS|primeiro=Talita|data=|lingua=|acessodata=19 de fevereiro de 2010}}</ref> (por volta de 309.000t de <math>U_3 O_8</math>). Segundo a empresa, apenas 25% do território nacional foi objeto de prospecção, e as duas principais reservas são a de [[Caetité]] (mina Lagoa Real), e a de [[Santa Quitéria (Ceará)|Santa Quitéria]].
 
Descoberta em [[1976]], a mina de Caetité é feita a céu aberto, numa das 33 ocorrências localizadas numa faixa com cerca de 80&nbsp;km de comprimento por 30 a 50&nbsp;km de largura. Localizada a 20&nbsp;km da sede do município, o complexo instalado produz um pó do mineral, conhecido por ''yellow cake''. Esta reserva possui um teor médio de 3.000 ppm (partes por milhão), capaz de suprir dez reatores do porte de [[Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto|Angra 2]] durante toda sua vida útil.
 
=== Distribuição em minerais ===
Encontram-se vestígios de urânio em quase todas as rochas sedimentares da crosta terrestre, embora este não seja muito abundante em depósitos concentrados. O minério de urânio mais comum e importante é a [[uraninita]], composta por uma mistura de <math>UO_2</math> com <math>U_3O_8</math>. O maior depósito do mundo de uraninita situa-se nas minas de Leopoldville no [[Congo]], na [[África]]. Outros minerais que contêm urânio são a [[euxenita]], a [[carnotita]], a [[branerita]], a [[torbernite]] e a [[coffinita]], o urânio se encontra na porcentagem de 3&nbsp;µg por litro na água do mar.
Na crosta terrestre o urânio não passa de 0,0003% ou 3 ppm (partes por milhão) de toda a crosta.
{| class="wikitable"
 
As concentrações de urânio nas águas ″naturais″ são as seguintes:
* A água do mar: 3,3&nbsp;µg/L<ref>{{lien brisé|consulté leacessodata=2013-03-25|url=http://www.uris-lr.org/main0.html_data/Tricastin.html|titretitulo=Mentionné par comparaison dans un document portant sur l'incident du Tricastin}}</ref>
* O [[Rio Ródano]] : 0,56&nbsp;µg/L (total anual = 29 toneladas)
* O [[Rio Indo]] : 4,94&nbsp;µg/L
 
Fontes de água :
* Água de [[Badoit]] : 58&nbsp;µg/L à fonte, 5,45&nbsp;µg/L após tratamento<ref>{{fr}}[citar web|url=http://www.sfrp.asso.fr/IMG/pdf/12_-_DOREMUS-PIERRE.pdf |título=Retour d’expérience des interventions de l’IRSN – Présentation de quelques cas (chaufferie, industrie métallurgique, industrie du verre, eaux minérales)],|língua=fr}} par P Doremus et J.P. Pierre (IRSN) (PDF - 279.1 ko)</ref>
* Água de [[Vichy]] : 20&nbsp;µg/L
 
 
O [[trióxido de urânio]] (UO<sub>3</sub>) é outro composto do [[elemento químico|elemento]] encontrado de forma abundante naturalmente entra os minerais de urânio como a pechblenda, Kasolite, e Tyuyamunit<ref name="EncyChem779">{{Harvnb|Seaborg|1968|p=779}}.</ref>.
vários outros óxidos de menor importância do urânio como o pentóxido de urânio (UO<sub>5</sub>), óxido de uranio (U<sub>2</sub>O<sub>3</sub>), tetróxido de urânio (UO<sub>4</sub>) e [[hexóxido de urânio]] (UO<sub>6</sub>)<ref>{{citecitar web|url=http://web.ead.anl.gov/uranium/guide/ucompound/forms/index.cfm |title=Chemical Forms of Uranium|accessdate=2007-02-18|publisher=Argonne National Laboratory}}</ref> .(alguns desses compostos, como o UO<sub>6</sub>, o UO<sub>4</sub> e o UO<sub>5</sub> são [[peróxido]]s do elemento).
 
=== Hidretos, carbonetos e nitretos ===
== Toxicidade a organismos ==
[[Ficheiro:Skull and crossbones.svg|left|80px]]
O urânio produz [[envenenamento]] de baixa intensidade (por inalação ou absorção pela pele), com [[efeitos colaterais]], tais como: [[náusea]], dor de cabeça, [[vômito]], [[diarreia]] e [[queimadura]]s. Atinge o [[sistema linfático]], [[sangue]], [[ossos]], [[rins]] e [[fígado]]<ref>{{citar periódico|pmid=18313802|añoano=2008|last1=Sawicki|first1=M|last2=Lecerclé|first2=D|last3=Grillon|first3=G|last4=Le Gall|first4=B|last5=Sérandour|first5=AL|last6=Poncy|first6=JL|last7=Bailly|first7=T|last8=Burgada|first8=R|last9=Lecouvey|first9=M|título=Bisphosphonate sequestering agents. Synthesis and preliminary evaluation for in vitro and in vivo uranium(VI) chelation.|volumenvolume=43|número=12|páginas=2768–77|doi=10.1016/j.ejmech.2008.01.018|publicación=European journal of medicinal chemistry}}</ref>.
 
Seu efeito no organismo é cumulativo, o que significa que o mineral, por não ser ''reconhecido'' pelo ser vivo, não é eliminado, sendo paulatinamente depositado, sobretudo nos ossos, o mesmo ocorre com o [[plutônio]] que se deposita na medula espinhal. A exposição à radiação pode provocar o desenvolvimento de [[cancro|cânceres]]. Entre os trabalhadores das [[Mina (mineração)|minas]], são frequentes os casos de [[câncer de pulmão]].
 
====Familia de decaimento do urânio-238====
O urânio-238 forma uma das trestrês únicas famílias de decaimento natural juntamente com o torio e actínio.
A família começa quando o urânio-238 atinge sua meia vida e sofre um decaimento alfa, este torna-se tório-234, o tório-234 tem uma meia vida de apenas 24,6 dias e então sofre um decaimento beta se tornando protactínio-234, este tem a meia vida de 1,4 minutos, apos este período sofre outro decaimento beta se tornando Pa-234m, este decai em Pa-234, e este em U-234, com uma meia vida de 270 000 anos permanece um bom tempo na natureza a ponto de ter alguns traços deste em meio a o urânio natural, sofrendo uma emissão alfa, ele se torna tório-230(MV: 83 000 anos), que decai para rádio-226(MV: 1 600 anos) e este para radônio-222(MV:3,8 dias), polônio-218, astato-218, radônio-218, chumbo-214, bismuto-214, polônio-214, tálio-210, polônio-210 (MV: 140 dias), tálio-206 e finalmente em chumbo-206, que é produto final da extensa família de decaimento natural do urânio, encerrando o processo que dura bilhões de anos<ref>http://www.cnen.gov.br/ensino/apostilas/radio.pdf</ref><ref>http://www.if.ufrj.br/teaching/radioatividade/familias.html</ref>.
{| class="wikitable" style="text-align:center"
=== Enriquecimento ===
{{Artigo principal|[[Urânio enriquecido]]}}
'''Urânio enriquecido''' é o urânio cujo teor de '''[[Urânio-235|<sup>235</sup>U]]''' (urânio-235) foi aumentado, através de um processo de [[separação de isótopos]]. O urânio encontrado na natureza, sob a forma de [[dióxido de urânio]] ('''UO<sub>2</Sub>'''), contém 99,284% do [[isótopo]] [[Urânio-238|<sup>238</sup>U]] ; apenas 0,711% do seu [[peso atômico|peso]] é representado pelo isótopo [[Urânio-235|<sup>235</sup>U]]. Porém o <sup>235</sup>U é o único isótopo existente [[fissão nuclear|físsil]] na natureza em proporções significativas<ref>{{citecitar web|url=http://docs.nrdc.org/nuclear/nuc_06129701a_185.pdf | title=Safeguarding Nuclear Weapon-Usable Materials in Rússia | author=Thomas B. Cochran. Natural Resources Defense Council.| publisher=Proceedings of International Forum Illegal Nuclear Traffic: Risks, Safeguards and Countermeasures| date = 1997-06-12}}</ref>.
 
Para provocar uma reação de fissão nuclear nos [[reator de água pressurizada|reatores de água pressurizada]], é preciso dispor de um urânio que contenha entre 3% e 5% do isótopo 235 e em armas nucleares pelo menos 80% de enriquecimento, o aconselhável para armas nucleares porem é 90%. Ambos os isótopos, {{exp|235}}U e {{exp|238}}U , têm as mesmas [[propriedade química|propriedades químicas]]. A única diferença [[propriedade física|física]] entre eles são os três [[nêutron]]s que explicam uma pequena diferença de [[massa atômica]].
O equipamento técnico para a separação eletromagnética é chamado Calutron e é na verdade uma versão ampliada do espectrômetro de massa. Ele separa os ions carregados eletricamente utilizando de um extenso campo magnético. O produto proporciona excelente capacidade de separação, mas sua eficácia prática é muito baixa. Ele é capaz de trabalhar apenas com baixas concentrações de íons muito divididos, que é ainda uma parcela considerável está perdido dentro de um bloco de divisão. Resultado, o consumo de energia necessária para produzir uma unidade quantidade de urânio enriquecido, maior do que a separação técnicas menos eficientes, mas mostram uma redução dos custos de energia.
* Difusão
Diferentes coeficientes de difusão de gases são freqüentemente usados ​​parapara separar moléculas com diferentes massas de forma significativa. No caso de separação de compostos gasosos, como a diferença de massa entre U-238 e U-235 é de apenas trestrês neutro, a diferença de massa entre as duas moléculas é também muito pequena e para obter um alto grau de separação é necessário repetir este procedimento por milhares de vezes. Utilizar o dispositivo inclui uma cascata de centenas de graus de separação, onde em cada uma delas dividida pelo gás através de uma barreira porosa, o que atrasa a moléculas mais leves e mais pesados ​​dede avançar nas cascatas um pouco mais rápido. Esta técnica foi utilizada para a preparação de material físsil para produzir urânio para bombas atômicas em primeiro lugar nos EUA .
Da mesma forma, você também pode usar a diferença de coeficientes de difusão de moléculas dissolvidas no líquido. Aplicam-se aqui uma dependência similar como a difusão de gases e um grande problema econômico para a separação de urânio no presente caso é extremamente intensiva de energia, porque a tecnologia foi projetado para ser operado a temperaturas relativamente elevadas, nesta forma de separação o hexaflureto de uranio (UF<sub>6</sub>) é utilizado.
* A separação centrífuga
Desde então o preço progressivamente aumentou até atingir um pico em julho de 2007 de US$ 135. Esse pico se explica pela diminuição dos estoques, o pequeno aumento da produção, e eventos como a inundação da mina de Cigar Lake no [[Canadá]] e o incêndio da mina [[Olympic Dam]] na [[Austrália]].<ref>[http://energie.sia-conseil.com/20080718-l%E2%80%99impact-de-la-flambee-des-cours-de-l%E2%80%99uranium-sur-les-prix-de-l%E2%80%99electricite/ L'impact des cours de l'uranium sur les prix de l'électricité]</ref>.
 
O urânio então desceu para US$ 46,50 em agosto de 2010. Em janeiro de 2011, o seu preço situava-se em US$ 63. É prevista uma tendência ao seu preço aumentar novamente em razão do esgotamento dos estoques militares previsto para 2015.<ref>{{Liencitar web |url=http://www.natura-sciences.com/energie/nucleaire/uranium-nucleaire-reserves-consommation-production.html|titretitulo=Production et consommation d'uranium dans le monde|sitewebsite=www.natura-sciences.com |consulté leacessodata=23 marsde março de 2012.}}</ref>.
 
O preço de revenda do KWh é muito sensível ao preço do urânio. É certo que o custo do ciclo do combustível representa cerca de 20 % do preço de retorno do KWh, mas o esse ciclo compreende todas as transformações físicas e químicas que o urânio natural sofre para transformar-se em urânio utilizável como combustível. Em consequência, o preço do mineral de urânio não passa de 7 % do custo total do KWh.<ref>[http://www.observatoire-energies-entreprises.fr/wp-content/uploads/2009/05/percebois-cahiers-creden.pdf Prix internationaux du pétrole, du gaz naturel, de l'uranium et du charbon, 17 février 2009]</ref> Contudo, os estudos econômicos mostram que
== Bibliografia ==
*{{Cite book |title=The Encyclopedia of the Chemical Elements |chapter=Uranium |year=1968 |authorlink=Glenn T. Seaborg |first=Glenn T. |last=Seaborg |publisher=Reinhold Book Corporation |location=[[Skokie, Illinois]] |pages=773–786 |id=LCCCN 68-29938|ref = harv}}
 
 
{{Tabela Periódica Compacta}}