Diferenças entre edições de "Jerônimo"

3 bytes adicionados ,  02h25min de 13 de fevereiro de 2017
sem resumo de edição
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 186.225.20.91, com Reversão e avisos)
{{citação2|Frequentemente me encontrava entrando naquelas profundas criptas escavadas na terra, com suas paredes de ambos os lados preenchidas com os corpos dos mortos, onde tudo era tão escuro que parecia quase como se as palavras do [[Livro dos Salmos|salmista]] tivessem se realizado: {{citar bíblia|Salmos|55|15|citação=Desçam vivos ao [[Cheol]]}}. Aqui e ali, a luz, não vinda de janelas, mas descendo através das valas, aliviava o horror da escuridão. Mas novamente, tão logo você se via caminhando cuidadosamente adiante, a noite escura se fechava a sua volta e vinha-me à mente o verso de [[Virgílio]]: "Horror ubique animos, simul ipsa silentia terrent"|Jerônimo|Commentarius in Ezzechielem<ref>{{citar livro | sobrenome = Jerome | título = Commentarius in Ezzechielem | at = c. 40, v. 5}}</ref><ref>''[[Patrologia Latina]] 25, 373'': Crebroque cryptas ingredi, quae in terrarum profunda defossae, ex utraque parte ingredientium per parietes habent corpora sepultorum, et ita obscura sunt omnia, ut propemodum illud propheticum compleatur: ''Descendant ad infernum viventes'' (Ps. LIV,16): et raro desuper lumen admissum, horrorem temperet tenebrarum, ut non tam fenestram, quam foramen demissi luminis putes: rursumque pedetentim acceditur, et caeca nocte circumdatis illud Virgilianum proponitur (Aeneid. lib. II): "Horror ubique animos, simul ipsa silentia terrent."</ref>}}
 
Jerônimo utilizou de uma passagem de Virgílio &mdash; ''"Por todos os lados o horror se espalhava; o profundo silêncio inspirava o terror na minh'alma"''<ref>[http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus%3Atext%3A1999.02.0054%3Abook%3D2%3Acard%3D752 P. Vergilius Maro, Aeneid Theodore C. Williams, Ed. Perseus Project] (retrieved 23 Aug 2013)</ref> &mdash; para descrever o horror do inferno. No início de sua carreira, ele utilizava termos de [[literatura clássica|autores clássicos]] para descrever conceitos cristãos (como "Cheol", um termo para o inferno) , um indicativo de sua educação clássica. Embora inicialmente cético em relação ao [[cristianismo]], no fim acabou se convertendo<ref>{{citar livro | nome = Robert | sobrenome = Payne | título = The Fathers of the Western Church | place = New York | editora = Viking | ano = 1951 | página = 91}}</ref>. Depois de muitos anos na capital imperial, Jerônimo viajou com Bonoso para a [[Gália romana|Gália]] e se assentou em [[Augusta Treverorodos Tréveros]] (moderna [[TrierTréveris]], na [[Alemanha]]), onde é possível que tenha primeiro se dedicado aos seus estudos teológicos e, depois, a copiar para seu amigo [[Tirânio Rufino]] o comentário de [[Hilário de Poitiers|Hilário]] sobre os [[Livro dos Salmos|"Salmos"]] e o tratado ''"De Synodis"''. Depois disso, Jerônimo viveu vários meses (pelo menos) ou, possivelmente, anos, com Rufino em [[Aquileia]], onde fez muitos amigos cristãos.
 
Alguns deles o acompanharam quando ele partiu, por volta de 373, numa viagem através da [[Trácia]] e da [[Ásia Menor]] até o norte da [[Síria romana|Síria]]. Em [[Antioquia]], onde ficou por mais tempo, dois de seus companheiros morreram e ele próprio ficou seriamente doente mais de uma vez. Durante uma destas enfermidades (perto do inverno de 373-374), Jerônimo teve uma [[visão (religião)|visão]] que levou-a a abandonar seus estudos seculares para dedicar-se completamente a [[Deus]]. Ele parece ter trocado uma grande quantidade de tempo que dispendia no estudo dos clássicos para estudar a [[Bíblia]], dirigido por [[Apolinário de Laodiceia]], que na época ensinava em Antioquia e ainda não dava sinais de sua futura condenação por [[heresia]] (vide [[apolinarismo]]).
* A ''"[[Vita Hilarionis]]"'' (''ca.'' 391), contendo informações históricas mais confiáveis que as anteriores e baseada parcialmente na biografia de [[Epifânio de Salamina|Epifânio]] e parcialmente na [[tradição oral]].
 
O chamado ''"[[Martyrologium Hieronymianum]]"'' ("Martirológio de Jerônimo") é [[:wikt:espúrio|espúrio]]; ele foi aparentemente composto por um [[monge]] ocidental no final do século {{séc|VI}} ou início do século VII e faz referência a uma expressão de Jerônimo do primeiro capítulo da ''"Vita Malchi"'', na qual ele fala de sua intenção de escrever uma história dos santos e mártires da [[era apostólica]].
 
=== Epístolas ===
== Notas ==
{{refbegin}}
{{Note label2|a}} [[Eugene F. Rice, Jr.|Eugene Rice]] sugeriu que, com toda certeza, a história do leão de Gerásimo se ligou à Jerônimo em algum momento no século {{séc|VII}}, depois que as invasões militares árabes forçaram muitos monges gregos que viviam nos desertos do Oriente Médio a buscarem refúgio em Roma. Rice conjectura<ref>''Saint Jerome in the Renaissance'', pp. 44-45</ref> que, ''"por causa da similaridade entre os nomes 'Gerasimus' e 'Geronimus', este o nome latino de Jerônimo, um sacerdote também latino tornou São Jerônimo o herói da história que ele havia ouvido sobre São Gerásimo; e que o autor da 'Plerosque nimirum', atraído por uma história ao mesmo tempo tão pitoresca, tão aparentemente apropriada e tão ressonante em significado e sugestionamento; e sob a impressão de que ela teria origem em histórias que peregrinos teriam ouvido em Belém, incluiu-a em sua '[[hagiografia|vida]]' de um santo favorito que, não fosse assim, não realizara milagres"''<ref>{{citar livro |sobrenome=Salter|nome=David|título=Holy and Noble Beasts: Encounters With Animals in Medieval Literature|editora=D. S. Brewer|isbn=9780859916240|página=12 |url=http://books.google.fr/books?id=kctEkMyhztQC&pg=PA11}}</ref>.
 
{{Note label2|b}} Uma reminiscência desta história pode ser encontrada na "[[Legenda Áurea]]" (século {{séc|XIII}}), de [[Jacobus de Voragine]]<ref>{{citar livro |sobrenome=Williams|nome=Megan Hale|título=The Monk and the Book: Jerome and the Making of Christian Scholarship|editora=U of Chicago P|local=Chicago|isbn=978-0-226-89900-8|página=1}}</ref>
{{refend}}