Diferenças entre edições de "Bíblia do Rei Jaime"

71 877 bytes removidos ,  03h02min de 25 de fevereiro de 2017
Desfeita a edição 48106731 de AndréStrayker removendo tradução automática de má qualidade
(Foi acrescentada novas informações, tais tiradas da versão inglesa do próprio Wikipédia.)
Etiquetas: Editor Visual Inserção do elemento "nowiki", possivelmente errônea
(Desfeita a edição 48106731 de AndréStrayker removendo tradução automática de má qualidade)
 
A '''Bíblia do Rei Jaime''' (ou '''Tiago'''), também conhecida como '''Versão Autorizada do Rei Jaime''' (em [[Língua inglesa|inglês]]: '''''Authorized King James Version'''''), é uma [[tradução]] [[inglesa]] da [[bíblia]] realizada em benefício da [[Igreja Anglicana]], sob ordens do rei [[Jaime VI da Escócia e I de Inglaterra|Jaime I]] no início do século XVII. É o livro mais publicado na [[língua inglesa]].<ref name="BL">''[http://www.bl.uk/onlinegallery/sacredtexts/kingjames.html King James Bible]'' no sítio ''Sacred Texts'' da [[Biblioteca Britânica]] {{en}}</ref>
 
Os [[List of books of the King James Version|livros da Versão King James]] incluem os 39 livros do [[Old Testament|Antigo Testamento]], uma [[Intertestamental period|seção]] inter testamental contendo 14 livros [[Biblical apocrypha#King James Version|Apócrifos]] e os 27 livros do [[New Testament|Novo Testamento]].
 
Foi primeiramente impressa pela impressora do [[King's Printer|rei]] [[Robert Barker (printer)|Robert Barker]] e era a terceira tradução em inglês aprovada pelas autoridades inglesas da igreja. A primeira tinha sido a ''[[Great Bible|Grande Bíblia]]'', encomendada no reinado do [[Henry VIII of England|Rei Henrique VIII]] (1535), e a segunda foram os ''[[Bishops' Bible|Bíblia Episcopal]]'' de 1568. Em janeiro de 1604, [[James VI and I|James VI]] convocou a[[Hampton Court Conference|Conferência de Hampton Court]], onde uma nova versão em Inglês foi concebida em resposta aos problemas das traduções anteriores percebidos pelos [[Puritan|puritanos]], uma facção da Igreja da Inglaterra. A tradução é conhecida por sua "majestade de estilo", e tem sido descrita como um dos livros mais importantes na cultura Inglês. 
 
Tiago deu instruções aos tradutores para assegurar que a nova versão se [[Ecclesiology|conformasse]] à [[Ecclesiology|eclesiologia]] e [[Episcopal polity|refletisse]] a [[Episcopal polity|estrutura]] episcopal da Igreja da Inglaterra e sua crença em um clero [[Holy Orders|ordenado]]. A tradução foi feita por 47 estudiosos, todos os quais eram membros da Igreja da Inglaterra. Em comum com a maioria das outras traduções do período, o [[New Testament|Novo Testamento]] foi traduzido do [[Koine Greek|grego]], o [[Old Testament|Antigo Testamento]] do [[Hebrew language|hebraico]] e [[Aramaic language|aramaico]], e os [[Biblical apocrypha|apócrifos]] do grego e do [[Latin|latim]]. No [[Book of Common Prayer|Livro da Oração Comum]] (1662), o texto da ''Versão Autorizada substituiu'' o texto da ''Grande Bíblia'' para leituras da Epístola e do ''Evangelho'' (mas não para o Saltério, que manteve substancialmente a Grande Versão Bíblica de Coverdale) e como tal foi autorizado por Lei Do Parlamento Europeu. 
 
Na primeira metade do século 18, a ''Versão Autorizada'' havia se tornado efetivamente incontestada como a tradução em Inglês usado em [[Anglican|anglicanos]] igrejas e Inglês protestantes, exceto para os Salmos e algumas curtas passagens no Livro de Oração Comum da Igreja da Inglaterra. Ao longo do século XVIII, a ''Versão'' Autorizada suplantou a [[Latin Vulgate|Vulgata Latina]] como a versão padrão da escritura para estudiosos de língua inglesa. Com o desenvolvimento da impressão de [[Stereotype (printing)|estereótipos]] no início do século XIX, esta versão da Bíblia tornou-se o livro mais amplamente impresso na história, quase todas as impressões apresentando o [[King James Version#Standard text of 1769|texto padrão de 1769]] amplamente reeditado por [[Benjamin Blayney]] em [[Oxford]] e quase Sempre [[Biblical apocrypha|omitiendo]] os livros dos [[Biblical apocrypha|apócrifos]] . Hoje, o título não qualificado "King James Version" geralmente indica que este Oxford texto padrão é significava.
 
== Nome ==
O título da primeira edição da tradução era "A BÍBLIA SAGRADA, Contendo o Antigo Testamento, E O NOVO: Recém-traduzido das línguas originais: & com o antigo Traduções diligentemente comparadas e revisadas, por seu mandamento especial das Majestades". A página de rosto contém as palavras "Nomeado para ser lido nas Igrejas"  e [[F. F. Bruce|FF Bruce]] sugere que foi "provavelmente autorizado por ordem no conselho", mas nenhum registro da autorização sobrevive "porque os registros do Conselho Privado de 1600 a 1613 foram Destruído pelo fogo em janeiro 1618/19 ". 
 
Por muitos anos era comum não dar a tradução nenhum nome específico. Em seu ''[[Leviathan (book)|Leviatã]]'' de 1651, [[Thomas Hobbes]] referiu-se a ele como ''a Tradução Inglês feita no início do Reino de King James'' .  A 1761 "Breve relato das várias Traduções da Bíblia para o Inglês" refere-se à versão 1611 apenas como ''uma'' Tradução ''nova, completa e mais precisa'' , apesar de se referir à Grande Bíblia por esse nome, e apesar de usar o nome "Testamento de Rhemish" para a versão da [[Douay-Rheims Bible|Bíblia de Douay-Reims]] .  Do mesmo modo, uma "História da Inglaterra", cuja quinta edição foi publicada em 1775, escreve apenas que ''[uma] nova tradução da Bíblia,'' viz. '', Que agora em uso, foi iniciado em 1607, e publicado em 1611'' . 
 
'''Da Bíblia King James''' é usado como o nome para o 1611 tradução (em um par com a "Bíblia de Genebra" ou "Rhemish Testamento") em [[Charles Butler (lawyer)|Charles Butler]] 's ''Horae Biblicae'' (publicado pela primeira vez de 1797).  Outras obras do início do século 19, confirme a utilização generalizada deste nome em ambos os lados do Atlântico: é encontrado tanto em um "esboço histórico das traduções inglesas da Bíblia", publicado em Massachusetts em 1815,  E em uma publicação inglesa de 1818, que declara explicitamente que a versão 1611 é "geralmente conhecida pelo nome da Bíblia do Rei James".  Este nome também foi encontrado como '''a Bíblia do Rei Tiago''' (sem as "s" finais): por exemplo, em uma revisão de livros de 1811.  A ''frase'' "A Bíblia do Rei Tiago" é usada até 1715, embora Neste caso não está claro se este é um nome ou meramente uma descrição. 
 
O uso da '''Versão Autorizada''' ou '''Versão Autorizada''' , capitalizada e usada como um nome, é encontrada já em 1814.  Por algum tempo antes disso, frases descritivas como "nossa presente, e apenas versão publicamente autorizada" (1783)  "nossa versão autorizada" (1792),  e "a versão autorizada" (1801, uncapitalized)  são encontrados . O Oxford English Dictionary registra um uso em 1824.  Na Grã-Bretanha, a tradução 1611 é geralmente conhecida como a "Versão Autorizada" hoje.
 
Já em 1814, encontramos a '''versão do Rei James''' , evidentemente uma frase descritiva, sendo usada.  "A versão King James" é encontrado, inequivocamente usado como um nome, em uma carta de 1855.  O próximo ano '''King James Bible''' , sem possessivo, aparece como um nome em uma fonte escocesa.  Nos Estados Unidos, a "tradução 1611" (na verdade edições seguindo o texto padrão de 1769, veja abaixo) é geralmente conhecida como a versão King James hoje.
 
== História ==
 
=== Traduções inglesas anteriores ===
Veja também: [[English translations of the Bible|Traduções inglesas da Bíblia]]
 
Os seguidores de [[John Wycliffe]] empreenderam as primeiras traduções inglesas completas das escrituras cristãs no século XIV. Estas traduções foram proibidas em 1409 devido à sua associação com os [[Lollards]] .  A Bíblia Wycliffe pré-datado a imprensa, mas foi circulado muito amplamente em forma manuscrita, muitas vezes inscrito com uma data anterior a 1409 para evitar a proibição legal. Como o texto traduzido nas várias versões da Bíblia de Wycliffe era a [[Vulgate|Vulgata]] latina , e como não continha leituras heterodoxas, não havia na prática nenhuma maneira pela qual as autoridades eclesiásticas pudessem distinguir a versão banida; Conseqüentemente muitos comentaristas católicos dos séculos XV e XVI (como [[Thomas More]] ) tomaram estas Bíblias manuscritas em inglês para representar uma tradução ortodoxa anterior anônima.
[[William Tyndale]] traduziu o Novo Testamento para o inglês em 1525.
Em 1525, [[William Tyndale]] , um contemporâne o inglês de [[Martin Luther]] , empreendeu [[Tyndale Bible|uma tradução]] do Novo Testamento.  tradução de Tyndale foi a primeira Bíblia ''impressa'' em inglês. Durante os dez anos seguintes, Tyndale revisou seu Novo Testamento à luz do rápido avanço da erudição bíblica, e embarcou numa tradução do Antigo Testamento.  Apesar de algumas escolhas de tradução controversas, e apesar da execução de Tyndale sob acusações de heresia por ter feito a Bíblia traduzida, os méritos do trabalho de Tyndale e estilo de prosa fez sua tradução a base final para todas as versões subseqüentes em Inglês Moderno.  Com estas traduções levemente editadas e [[Myles Coverdale|adaptadas]] por [[Myles Coverdale]] , em 1539, o Novo Testamento de Tyndale e seu trabalho incompleto no Antigo Testamento se tornaram a base para a ''[[Great Bible|Grande Bíblia]] . ''Esta foi a primeira "versão autorizada" emitida pela [[Church of England|Igreja da]] Inglaterra durante o reinado do rei [[Henry VIII of England|Henrique VIII]] .  Quando [[Mary I of England|Maria eu]] sucedeu ao trono em 1553, ela devolveu a Igreja da Inglaterra à comunhão da fé católica romana e muitos reformadores religiosos ingleses fugiram do país,  alguns estabelecendo uma colônia de língua inglesa em [[Geneva|Genebra]] . Sob a liderança de [[John Calvin|João Calvino]] , Genebra tornou-se o principal centro internacional do [[Reformed Churches|protestantismo reformado]] e do conhecimento bíblico latino. 
 
Esses [[Expatriates|expatriados]] ingleses [[Expatriates|empreenderam]] uma tradução que ficou conhecida como a ''[[Geneva Bible|Bíblia de Genebra]] . '' Esta tradução, datada de 1560, foi uma revisão da Bíblia de Tyndale e da ''Grande Bíblia'' com base nas línguas originais.  Logo após [[Elizabeth I of England|Elizabeth eu]] tomei o trono em 1558, os defeitos da ''grande Bíblia'' e da ''Bíblia de Genebra'' (a saber, que a Bíblia de Genebra "não se conformou à eclesiologia e reflete a estrutura episcopal da igreja de Inglaterra e de seu Crenças sobre um clero ordenado ") tornou-se dolorosamente aparente.  Em 1568, a Igreja da Inglaterra respondeu com a ''[[Bishops' Bible|Bíblia dos Bispos]]'' , uma revisão da ''Grande Bíblia'' à luz da versão de Genebra.  Embora oficialmente aprovado, esta nova versão não conseguiram deslocar a tradução de Genebra como a Bíblia mais popular Inglês de idade - em parte porque a Bíblia completa só foi impressa em [[Lectern|atril]] edições do tamanho prodigiosa e com um custo de vários libras.  Assim, os leigos elizabetanos leram a Bíblia na versão de Genebra - pequenas edições estavam disponíveis a um custo relativamente baixo. Ao mesmo tempo, houve uma substancial importação clandestina do rival ''[[Douay-Rheims Bible|Douay -]]'' Novo Testamento de ''[[Douay-Rheims Bible|Rheims]]'' de 1582, realizado por católicos romanos exilados. Esta tradução, embora ainda derivada de Tyndale, alegou representar o texto da Vulgata latina. 
 
Em maio de 1601, [[James I of England|King James VI da Escócia]] participou da [[General Assembly of the Church of Scotland|Assembléia Geral da Igreja da Escócia,]] na Igreja de St. Columba em [[Burntisland]] , [[Fife]] , na qual as propostas foram apresentadas para uma nova tradução da Bíblia para o Inglês.  Dois anos mais tarde, ascendeu ao trono de Inglaterra como o rei James I de Inglaterra. 
 
=== Considerações para uma nova versão ===
O recém-coroado rei James convocou a [[Hampton Court Conference]] em 1604. Esse encontro propôs uma nova versão em inglês em resposta aos problemas percebidos de traduções anteriores, como detectado pela facção [[Puritan|puritana]] da Igreja da Inglaterra . Aqui estão três exemplos de problemas que os puritanos perceberam com os ''Bispos'' e ''Grandes Bíblias'' :
 
Foram dadas instruções aos tradutores que pretendiam limitar a influência puritana nesta nova tradução. O [[Bishop of London|bispo de Londres]] acrescentou uma qualificação de que os tradutores não acrescentariam notas marginais (o que havia sido um problema na ''Bíblia de Genebra'' ).  rei Jaime citou duas passagens na tradução de Genebra, onde ele achou as notas marginais ofensivas:  Êxodo 1:19, onde a ''Bíblia de Genebra'' tinha elogiado o exemplo de desobediência civil mostrada pelas parteiras hebraicas, e também II Crônicas 15 : 16, onde a ''Bíblia de Genebra'' tinha criticado Rei Asa por não ter executado a sua avó idólatra, a Rainha Maaca.  Além disso, o rei deu instruções tradutores destinados a garantir que a nova versão seria conforme com a [[Ecclesiology|eclesiologia]] da Igreja da [[Ecclesiology|Inglaterra]] .  Certas palavras gregas e hebraicas deveriam ser traduzidas de uma maneira que refletisse o uso tradicional da igreja.  Por exemplo, velhas palavras eclesiásticas como a palavra "igreja" deveriam ser mantidas e não serem traduzidas como "congregação".  A nova tradução refletiria a [[Episcopal polity|estrutura]] episcopal da Igreja da Inglaterra e as crenças tradicionais sobre o clero [[Ordination|ordenado]] . 
 
As instruções de James incluíam várias exigências que mantinham a nova tradução familiar para seus ouvintes e leitores. O texto da ''[[Bishops' Bible|Bíblia dos Bispos]]'' serviria como guia primário para os tradutores, e os nomes próprios familiares dos personagens bíblicos seriam retidos. Se os ''Bíblia Episcopal'' foi considerada problemática em qualquer situação, os tradutores foram autorizados a consultar outras traduções a partir de uma lista pré-aprovada: a ''[[Tyndale Bible|Bíblia Tyndale]] ,'' a ''[[Coverdale Bible|Bíblia Coverdale]] , [[Matthew's Bible|a Bíblia de Matthew]] ,'' a ''[[Great Bible|Grande Bíblia]] ,'' ea ''[[Geneva Bible|Bíblia de Genebra]] . ''Além disso, estudiosos posteriores detectaram uma influência na ''Versão'' Autorizada das traduções da ''[[Taverner's Bible|Bíblia]]'' de ''[[Taverner's Bible|Taverner]]'' e do Novo Testamento da Bíblia de ''[[Douay–Rheims Bible|Douay-Reims]] . '' É por isso que a folha da maioria das impressões da ''Versão Autorizada'' observa que o texto havia sido "traduzido das línguas originais, e com as traduções anteriores diligentemente comparadas e revisadas, pelo mandamento especial de Sua Majestade".
 
A tarefa de tradução foi realizada por 47 estudiosos, embora 54 foram originalmente aprovados.  Todos eram membros da Igreja da Inglaterra e todos, exceto [[Henry Savile (Bible translator)|Sir Henry Savile,]] eram clérigos.  Os estudiosos trabalharam em seis comitês, dois baseados em cada um da Universidade de Oxford, da Universidade de Cambridge e [[Westminster Abbey|Westminster]] . Os comitês incluíam estudiosos com simpatia puritana, bem como [[High Church|High Churchmen]] . Quarenta cópias não encadernadas da edição 1602 da ''Bíblia dos Bispos'' foram impressas especialmente para que as mudanças acordadas de cada comitê pudessem ser registradas nas margens. Os comitês trabalharam em certas partes separadamente e os rascunhos produzidos por cada comitê foram então comparados e revisados ​​para harmonia uns com os outros.  Os estudiosos não foram pagos diretamente para o seu trabalho de tradução, em vez de uma carta circular foi enviada aos bispos encorajando-os a considerar os tradutores para o exercício de bem-pagos [[Benefice|livings]] como estas caiu vago.  Vários foram apoiados pelas várias faculdades de Oxford e Cambridge, enquanto outros foram promovidos a [[Diocese|bispados]] , [[Deaneries|decanatos]] e [[Prebend|prebendas]] através de [[Patronage|patrocínio real]] .
 
Os comitês começaram a trabalhar no final de 1604. O rei [[James I of England|James I de]] [[Archbishop Bancroft|Inglaterra]] , em 22 de julho de 1604, enviou uma carta ao [[Archbishop Bancroft|arcebispo Bancroft]] pedindo-lhe para entrar em contato com todos os clérigos ingleses pedindo que eles fizessem doações para seu projeto.
 
Todos tinham completado suas seções até 1608, o comitê Apocrypha terminando em primeiro lugar.  A partir de janeiro de 1609, um Comitê Geral de Revisão reuniu-se no [[Worshipful Company of Stationers and Newspaper Makers|Stationers 'Hall de Londres]] para revisar os textos marcados completos de cada um dos seis comitês. A Comissão Geral incluiu [[John Bois]] , [[Andrew Downes (scholar)|Andrew Downes]] e [[John Harmar]] , e outros [[John Harmar|conhecidos]] apenas por suas iniciais, incluindo "AL" (que pode ser [[Arthur Lake, Bishop of Bath and Wells|Arthur Lake]] ), e foram pagos para a sua participação pela Companhia Stationers. John Bois preparou uma nota de suas deliberações (em latim) - que em parte sobreviveu em duas transcrições posteriores. Também sobrevivente é um conjunto-bound em conjunto de correcções marcaram-se a um dos quarenta ''Bíblias Episcopais'' - cobrindo o Antigo Testamento e Evangelhos,  e também uma tradução do manuscrito do texto do [[Epistles|Epístolas]] , exceto aqueles versos Onde nenhuma mudança estava sendo recomendada para as leituras na ''Bíblia dos Bispos'' .  Arcebispo [[Richard Bancroft|Bancroft]] insistiu em ter uma palavra final, fazendo catorze mudanças, das quais uma era o termo "bishopricke" em Atos 1:20. 
 
=== Comitês de tradução ===
* '''Primeira Companhia de Westminster''' , traduziu [[Book of Genesis|Gênesis]] para [[Books of Kings|2 Reis]] :
:: [[Lancelot Andrewes]] , [[John Overall (Bishop)|John Global]] , [[Hadrian à Saravia]] , [[Richard Clarke (vicar)|Richard Clarke]] , [[John Layfield (theologian)|John Layfield]] , [[Robert Tighe]] , [[Francis Burleigh]] , [[Geoffrey King (theologian)|Geoffrey King]] , [[Richard Thomson (theologian)|Richard Thomson]] , [[William Bedwell]] ;
* '''Primeira Companhia de Cambridge''' , traduzida [[Books of Chronicles|1 Crônicas]] ao [[Song of Solomon|Cântico de Salomão]] :
:: [[Edward Lively]] , [[John Richardson (translator)|John Richardson]] , [[Lawrence Chaderton]] , [[Francis Dillingham]] , [[Roger Andrewes]] , [[Thomas Harrison (translator)|Thomas Harrison]] , [[Robert Spaulding]] , [[Andrew Bing]] ;
* '''Primeiro Oxford Empresa''' , traduzido [[Book of Isaiah|Isaías]] a [[Book of Malachi|Malaquias]] :
:: [[John Harding (President of Magdalen)|John Harding]] , [[John Rainolds]] (ou Reynolds), [[Thomas Holland (translator)|Thomas Holland]] , [[Richard Kilby]] , [[Miles Smith (bishop)|Miles Smith]] , [[Richard Brett]] , [[Daniel Fairclough]] , [[William Thorne (orientalist)|William Thorne]] ; 
* '''Segundo Oxford Empresa''' , traduziu os [[Canonical gospels|Evangelhos]] , [[Acts of the Apostles|Atos dos Apóstolos]] , e o [[Book of Revelation|Livro do Apocalipse]] :
:: [[Thomas Ravis]] , [[George Abbot (bishop)|abade de George]] , [[Richard Edes|Richard Eedes]] , [[Giles Tomson]] , [[Sir Henry Savile|senhor Henry Savile]] , [[John Peryn]] , [[Ralph Ravens|corvos de Ralph]] , [[John Harmar]] , [[John Aglionby (divine)|John Aglionby]] , [[Leonard Hutten]] ;
* '''Segundo Westminster Empresa''' , traduziu as [[Epistle|Epístolas]] :
:: [[William Barlow (Bishop of Lincoln)|William Barlow]] , [[John Spenser]] , [[Roger Fenton (clergyman)|Roger Fenton]] , [[Ralph Hutchinson (President of St John's)|Ralph Hutchinson]] , [[William Dakins]] , [[Michael Rabbet]] , Thomas Sanderson (que [[Archdeacon of Rochester|provavelmente]] já se haviam tornado [[Archdeacon of Rochester|Arcediago de Rochester]] );
* '''Segundo Cambridge Company''' , traduziu o [[Biblical apocrypha|Apocrypha]] :
:: [[John Duport]] , [[William Branthwaite]] , [[Jeremiah Radcliffe]] , [[Samuel Ward (scholar)|divisão de Samuel]] , [[Andrew Downes (scholar)|Andrew Downes]] , [[Jeremiah Radcliffe|madeira de]] [[John Bois|John]] , [[Robert Ward (scholar)|divisão de Robert]] , [[Thomas Bilson]] , [[Richard Bancroft]] . 
[[Archbishop|Arcebispo]] [[Richard Bancroft]] foi o "superintendente" da produção da Versão Autorizada.
 
=== Impressão ===
A ''impressão'' original da ''Versão Autorizada'' foi publicada por [[Robert Barker (printer)|Robert Barker]] , a Impressora do Rei, em 1611 como uma Bíblia completa.  Foi vendido [[Looseleaf|folhas soltas]] por dez [[Shilling|xelins]] , ou atado para doze.  O pai de Robert Barker, Christopher, tinha, em 1589, foram concedidos por Elizabeth I o título de impressora real,  com o privilégio real perpétua para imprimir Bíblias na Inglaterra.  Robert Barker investiu grandes somas na impressão da nova edição, e, consequentemente, funcionou em dívida séria,  tal que ele foi obrigado a sub-arrendar o privilégio de duas impressoras Londres rivais, Bonham Norton e John Bill.  Parece que inicialmente se pretendia que cada impressora imprimisse uma parte do texto, compartilhasse as folhas impressas com as outras e dividisse o produto. Bitter disputas financeiras estourou, como Barker acusou Norton e Bill de ocultar seus lucros, enquanto Norton e Bill acusou Barker de vender folhas adequadamente devido a eles como Bíblias parciais para dinheiro pronto.  Seguiram-se décadas de contínuo litígio e consequente prisão de dívidas por membros das dinastias de impressão Barker e Norton,  enquanto cada um emitiu edições rivais de toda a Bíblia. Em 1629 as universidades de Oxford e de Cambridge conseguiram afirmar licenças reais separadas e precedentes para a impressão da Bíblia, para suas próprias imprensas da universidade - ea universidade de Cambridge aproveitaram a oportunidade de imprimir edições ''revisadas da versão autorizada'' em 1629, em  e em 1638. Os editores dessas edições incluíam John Bois e John Ward dos tradutores originais. Contudo, isso não impediu as rivalidades comerciais das impressoras de Londres, especialmente porque a família Barker se recusou a permitir que outras impressoras acessassem o manuscrito autoritário da ''Versão Autorizada'' . 
A abertura da [[Epistle to the Hebrews|Epístola aos Hebreus]] da edição 1611 da ''Versão Autorizada'' mostra a [[Typeface|fonte]] original . As notas marginais fazem referência a traduções variantes e referências cruzadas a outras passagens bíblicas. Cada capítulo é dirigido por um sumário de conteúdos. Há letras iniciais decorativas para cada capítulo, e um headpiece decorado a cada livro bíblico, mas nenhumas ilustrações no texto.
 
Duas edições de toda a Bíblia são reconhecidas como tendo sido produzidas em 1611, que podem ser distinguidas por sua interpretação de [[Bible (King James)/Ruth#3:15|Rute 3:15]] ; A primeira edição lê "ele entrou na cidade", onde o segundo diz "ela entrou na cidade.";  estes são conhecidos coloquialmente como o "Ele" e "Ela" Bíblias. 
 
A impressão original foi feita antes [[English spelling|que]] a ortografia [[English spelling|inglesa]] fosse padronizada, e quando impressoras, como é claro, expandiu e contraiu a ortografia das mesmas palavras em lugares diferentes, de modo a obter uma coluna uniforme de texto.  Eles estabelecem '''v''' para '''u''' inicial e '''v''' , e '''u''' para '''u''' e '''v em''' qualquer outro lugar. Eles usaram longos '''[[Long s|s]]''' para não-final '''s''' .  O [[Glyph|glifo]] '''j''' ocorre somente depois de '''i''' , como na letra final em um [[Roman numeral|numeral romano]] . [[Punctuation|A pontuação]] foi relativamente pesada e diferiu da prática atual. Quando o espaço necessário para ser salvo, as impressoras às vezes usado ''ye'' para ''o'' , (substituindo o [[Thorn (letter)|espinho]] [[Middle English|Inglês Médio]] com o '''y''' continental ), set '''ã''' para ''um'' ou ''am'' (no estilo de [[Shorthand|taquigrafia]] do escriba ), e set '''&''' para ''e'' . Pelo contrário, em algumas ocasiões, eles parecem ter inserido essas palavras quando pensavam que uma linha precisava ser preenchida. Impressões posteriores regularizaram estas grafias; A pontuação também foi padronizada, mas ainda varia de normas de uso atual.
 
A primeira impressão usava um [[Typeface|tipo de letra]] em [[Black letter|letra preta]] em vez de um tipo de letra romano, que por sua vez fez uma declaração política e religiosa. Como a [[Great Bible|Grande Bíblia]] e a [[Great Bible|Bíblia]] dos [[Bishops' Bible|Bispos]] , a Versão Autorizada foi "indicada para ser lida nas igrejas". Era um grande volume [[Book size|folio]] destinado para uso público, não devoção privada; O peso do tipo espelhado o peso da autoridade do estabelecimento por trás dele. <sup>[ ''[[Wikipédia:Citation needed|Carece de fontes?]]'' ]</sup> No entanto, as edições menores e edições do tipo romano seguido rapidamente, por exemplo, in quarto edições do tipo romana da Bíblia em 1612.  Isso contrastava com a Bíblia de Genebra, que foi a primeira Bíblia impressa Inglês em um carácter tipo romano ( Embora as edições em preto-letra, particularmente no formato do folio, fossem emitidas mais tarde).
 
Em contraste com a ''Bíblia de Genebra'' e a ''Bíblia'' dos ''Bispos'' , ambas bastante ilustradas, não havia ilustrações na edição de 1611 da Versão Autorizada, sendo a [[Historiated initial|principal]] forma de decoração as cartas [[Historiated initial|iniciais historiadas]] para livros e [[Historiated initial|capítulos]] - Juntamente com as páginas de título decorativas para a própria Bíblia, e para o Novo Testamento.
 
A impressão original da versão autorizada usou o [[Roman type|tipo romano]] para distinguir o texto fornecido por tradutores, ou o pensamento necessário para a gramática [[Grammar|inglesa]] mas não presente no grego ou no hebraico. Na primeira impressão, o dispositivo de ter diferentes faces de tipo para mostrar as palavras fornecidas foi utilizado escassamente e de forma inconsistente. Esta é talvez a diferença mais significativa entre o texto original e o texto atual. Quando, a partir do final do século XVII, a versão autorizada começou a ser impressa em tipo romano, o tipo de letra fornecido foi alterado para [[Italics|itálico]] . Isso tinha o objetivo de enfatizar as palavras. 
 
A impressão original continha dois textos de prefácio; O primeiro foi uma ''[[Bible (King James)/Preface|Epístola]]'' formal ''[[Bible (King James)/Preface|Dedicatória]]'' para "o mais alto e poderoso Príncipe" King James. Muitas impressões britânicas reproduzem isso, enquanto a maioria das impressões não britânicas não.
 
O segundo prefácio foi chamado de ''[[Bible (Authorized Version)/Translators to the Reader|Tradutores para o Leitor]]'' , um ensaio longo e aprendido que defende o empreendimento da nova versão. Observa o objetivo declarado dos tradutores de que "nunca pensaram desde o início que deveriam fazer uma nova tradução, nem mesmo fazer de um bom um bom, mas fazer um bom Melhor, ou de muitos bons, um bom principal, não justamente para ser exceção contra, que tem sido o nosso esforço, que a nossa marca ". Eles também dão sua opinião sobre as traduções anteriores da Bíblia em inglês, afirmando: "Não negamos, nem afirmamos e declaramos, que a tradução muito má da Bíblia em inglês, estabelecida por homens de nossa profissão, Nenhum dos seus [católicos romanos] de toda a Bíblia ainda) contém a palavra de Deus, ou melhor, é a palavra de Deus ". Como no primeiro prefácio, algumas impressões britânicas reproduzem isso, enquanto a maioria das impressões não britânicas não. Quase toda impressão que inclui o segundo prefácio também inclui o primeiro. A primeira impressão continha uma série de outros [[Critical apparatus|aparelhos]] , incluindo uma mesa para a leitura dos Salmos no [[matins]] e [[Evening Prayer (Anglican)|evensong]] e um [[Calendar|calendário]] , um [[Almanac|almanaque]] , e uma tabela de dias sagrados e observâncias. Grande parte deste material tornou-se obsoleto com a adoção do [[Gregorian Calendar|calendário gregoriano]] pela Grã-Bretanha e suas colônias em 1752, e assim as edições modernas invariavelmente omitem.
 
De modo a facilitar a localização de uma determinada passagem, cada capítulo foi encabeçado por um breve resumo de seu conteúdo com números de versos. Editores posteriores substituíram livremente seus próprios resumos de capítulo, ou omitiram tal material inteiramente. [[Pilcrow]] marcas são usadas para indicar o início dos parágrafos, exceto após o livro de Atos.
 
=== Versão Autorizada ===
A Versão Autorizada foi destinada a substituir a ''Bíblia dos Bispos'' como a versão oficial para leituras na [[Church of England|Igreja da Inglaterra]] . Não existe registro de sua autorização; Foi provavelmente efetuado por uma ordem do [[Privy Council of England|Conselho Privado,]] mas os registros para os anos 1600 a 1613 foram destruídos pelo fogo em janeiro 1618/19  e é sabido geralmente como a versão autorizada no Reino Unido. Printer do rei emitiu mais nenhum edições dos ''Bíblia Episcopal'' , <sup>[ ''[[Wikipédia:Citation needed|carece de fontes?]]'' ]</sup> Por isso, necessariamente, a Versão Autorizada substituiu-o como a Bíblia púlpito padrão em uso igreja paroquial em Inglaterra.
 
No ''Livro de Oração Comum de'' 1662 , o texto da Versão Autorizada finalmente suplantou a da ''Grande Bíblia'' nas leituras da Epístola e do Evangelho  - embora o Livro de Oração [[Psalter|Saltério]] continue, no entanto, na Grande Versão Bíblica. 
 
O caso era diferente na Escócia, onde a Bíblia de Genebra havia sido a bíblia padrão da igreja. Não foi até 1633 que uma edição Scottish da Versão Autorizada foi impresso - em conjunto com a coroação Scots naquele ano de [[Charles I of England|Charles I]] .  A inclusão de ilustrações na edição levantou acusações de papismo de oponentes das políticas religiosas de Charles e [[William Laud]] , arcebispo de Canterbury. No entanto, a política oficial favoreceu a versão autorizada, e este favor voltou durante a Commonwealth - como impressoras de Londres conseguiu reafirmar seu monopólio sobre a impressão da Bíblia com o apoio de [[Oliver Cromwell]] - ea "Nova Tradução" foi a única edição no mercado.  FF Bruce relata que a última instância registrada de uma paróquia escocesa continuando a usar a "Old Translation" (ie Genebra) como sendo em 1674. 
 
A ''Versão Autorizada ''<nowiki/>' aceitação s pelo público em geral levou mais tempo. A ''Bíblia de Genebra'' continuou a ser popular, e grandes números foram importados de Amesterdão, onde a impressão continuou até 1644 em edições carregando uma falsa impressão de Londres.  No entanto, poucas ou nenhuma edição genuína de Genebra parecem ter sido [[William Laud|impressas]] em Londres após 1616, e em 1637 o [[William Laud|Arcebispo Laud]] proibiu sua impressão ou importação. No período da [[English Civil War|guerra civil inglesa]] , os soldados do [[New Model Army|exército novo modelo]] foram emitidos um livro de seleções de Genebra chamados ''"a bíblia dos soldados"'' .  Na primeira metade do século XVII, a Versão Autorizada é mais comumente referida como "A Bíblia sem notas", distinguindo-a da "Bíblia com notas" de Genebra. <sup>[ ''[[Wikipédia:Citation needed|Citação]]''</sup> necessário <sup>]</sup> Havia diversas cópias da versão autorizada em Amsterdão - uma tão atrasada quanto 1715  que combinou o texto traduzido da versão autorizada com as notas marginais de Genebra;  uma edição desse tipo foi impressa em Londres em 1649. Durante a [[Commonwealth of England|Commonwealth]] uma comissão foi criada pelo Parlamento para recomendar uma revisão da Versão Autorizada com notas explicativas aceitáveis ​​Protestantes,  mas o projeto foi abandonado quando ficou claro que estes Quase duplicaria a maior parte do texto bíblico. Após a [[English Restoration|Restauração inglesa]] , a ''[[Geneva Bible|Bíblia de Genebra]]'' foi considerada politicamente suspeita e um lembrete da repudiada era [[Puritan|puritana]] . Além disso, as disputas sobre os lucrativos direitos de impressão da Versão Autorizada foram arrastadas até o século XVII, de modo que nenhuma das impressoras envolvidas viu qualquer vantagem comercial na comercialização de uma tradução rival. A Versão Autorizada tornou-se a única versão atual circulando entre pessoas de língua inglesa.
 
Uma pequena minoria de estudiosos críticos demorou a aceitar a tradução mais recente. [[Hugh Broughton]] , o [[Hugh Broughton|hebraísta]] inglês mais conceituado do seu tempo (mas que fora excluído do painel de tradutores por causa de seu temperamento absolutamente pouco comum), emitiu em 1611 uma condenação total da nova versão  criticando especialmente a tradição dos tradutores, Rejeição da equivalência palavra por palavra e afirmou que "ele preferiria ser rasgado em pedaços por cavalos selvagens do que esta tradução abominável (KJV) deve sempre ser impingido sobre o povo Inglês".  [[Brian Walton, Bishop of Chester|O London Polyglot]] de [[Brian Walton, Bishop of Chester|Walton,]] de 1657, ignora completamente a Versão Autorizada (e, na verdade, a língua inglesa).  O texto de referência de Walton é a Vulgata. A Vulgata Latina também é encontrado como o texto padrão de escritura em [[Thomas Hobbes]] 's ''[[Leviathan (book)|Leviathan]]'' de 1651,  , na verdade Hobbes dá capítulo Vulgata e verso números (por exemplo, Jó 41:24, não Job 41:33) para seu texto cabeça . No capítulo 35: ''"A Significação na Escritura do Reino de Deus"'' , Hobbes discute Êxodo 19: 5, primeiro em sua própria tradução do ''"Vulgar Latin"'' , e posteriormente como encontrado nas versões que ele chama ''"... the English Tradução feita no começo do reino do rei James "'' , e ''" o francês de Genebra "'' (isto é [[Pierre Robert Olivétan|Olivétan]] ). Hobbes avança argumentos críticos detalhados porque a rendição de Vulgata deve ser preferida. Durante a maior parte do século XVII, continuou a suposição de que, apesar de ter sido de vital importância fornecer as escrituras em língua vernácula para as pessoas comuns, no entanto, para aqueles com educação suficiente para fazê-lo, o estudo bíblico foi melhor realizado no meio comum internacional Latim Foi só em 1700 que as Bíblias modernas bilíngüe apareceu no qual a Versão Autorizada foi comparada com a contrapartida holandesa e Bíblias vernaculares protestantes francesas. 
 
Em conseqüência das contínuas controvérsias sobre privilégios de impressão, as impressões sucessivas da Versão Autorizada foram notavelmente menos cuidadosas do que a edição de 1611 - compositores que variaram livremente a ortografia, a capitalização e a pontuação  - e também ao longo dos anos introduzindo cerca de 1.500 impressões erradas (Alguns dos quais, como a omissão de "não" do mandamento "Não cometerás adultério" na " [[Wicked Bible|Bíblia Perversa]] ",  tornou-se notório). As duas edições de Cambridge de 1629 e 1638 tentaram restaurar o texto apropriado - ao introduzir mais de 200 revisões do trabalho original dos tradutores, principalmente incorporando no texto principal uma leitura mais literal originalmente apresentada como uma nota marginal.  Uma edição mais corretamente corrigida foi proposta após a [[English Restoration|Restauração]] , em conjunto com o Livro de Oração Comum de 1662 revisto, mas o Parlamento decidiu então contra ele.
 
Na primeira metade do século XVIII, a versão autorizada foi efetivamente desafiada como a única tradução inglesa em uso atual em igrejas protestantes,  e foi tão dominante que a Igreja Católica Romana na Inglaterra emitiu em 1750 uma revisão do 1610 ''[[Douay-Rheims Bible|Douay -Rheims Bible]]'' por [[Richard Challoner]] que estava muito mais perto da Versão Autorizada do que do original.  No entanto, as normas gerais de ortografia, pontuação, diagramação, capitalização e gramática tinha mudado radicalmente nos 100 anos desde a primeira edição da Versão Autorizada, e todas as impressoras no mercado foram a introdução de alterações parciais contínuas aos seus textos bíblicos para trazer Com as práticas correntes - e com as expectativas do público em relação à ortografia padronizada e à construção gramatical. 
 
Ao longo do século XVIII, a versão autorizada suplantou o hebraico, o grego ea latina Vulgata como a versão padrão das escrituras para os estudiosos e os teólogos de língua inglesa, e de fato chegou a ser considerado por alguns como um texto inspirado em si mesmo - tanto De modo que qualquer desafio a suas leituras ou base textual chegou a ser considerado por muitos como um ataque à Sagrada Escritura. Esta foi desdenhosamente rotulados "AVolatry", uma brincadeira com o nome de "Versão Autorizada" (AV) e [[Idolatry|idolatria]] . 
 
=== Texto padrão de 1769 ===
Página de título da edição de Cambridge de 1760
Em meados do século XVIII, a ampla variação dos vários textos impressos modernizados da Versão Autorizada, combinada com a notória acumulação de impressões erradas, atingiu a proporção de um escândalo, e as Universidades de Oxford e Cambridge procuraram produzir um padrão atualizado texto. A primeira das duas foi a edição de Cambridge de 1760, o culminar de vinte anos de trabalho de [[Francis Sawyer Parris]] ,  que morreu em maio daquele ano. Esta edição 1760 foi reimpressa sem alterações em 1762  e no [[John Baskerville]] edição folio bem 's de 1763.  Esta foi efetivamente substituído pelo 1769 edição Oxford, editado por [[Benjamin Blayney]] , embora com relativamente poucas mudanças Da edição de Parris; Mas que se tornou o texto padrão de Oxford, e é reproduzido quase inalterado na maioria das impressões atuais.  Parris e Blayney procurado constantemente para remover os elementos dos 1611 e posteriores edições que eles acreditavam ser devido aos caprichos de impressoras, além de incorporar a maioria das leituras de revistas dos edições de Cambridge de 1629 e 1638, e cada um também a introdução de um Poucas leituras melhoradas próprias. Eles assumiram a gigantesca tarefa de padronizar a ampla variação de pontuação e ortografia do original, fazendo muitos milhares de pequenas mudanças no texto. Além disso, Blayney e Parris revisaram e ampliaram extensivamente o itálico de palavras "fornecidas" não encontradas nas línguas originais através de verificação cruzada contra os supostos textos-fonte. Blayney parece ter trabalhado a partir da edição de 1550 Stephanus do [[Textus Receptus]] , ao invés das edições posteriores de Beza que os tradutores do Novo Testamento de 1611 tinham favorecido; De acordo com o atual texto padrão de Oxford altera cerca de uma dúzia de itálices onde [[Theodore Beza|Beza]] e [[Robert Estienne|Stephanus]] diferem.  Como a edição de 1611, a edição de Oxford de 1769 incluiu os Apocrypha, embora Blayney tendesse a remover referências cruzadas aos Livros do Apocrypha das margens de seu Antigo e Novo Testamentos onde estes tinham sido fornecidos pelos tradutores originais. Ao todo, a padronização da ortografia e da pontuação fez com que o texto de Blayney 1769 diferisse do texto 1611 em cerca de 24.000 lugares.  Desde essa data, foram introduzidas algumas alterações no texto normalizado de Oxford. A [[Oxford University Press]] edição de bolso da "King James Versão autorizada" fornece texto padrão de Oxford, e também inclui a seção de prefatório "Os Tradutores para o Leitor". 
 
Os textos de 1611 e 1769 dos três ''primeiros'' versos de ''I Coríntios 13'' são dados abaixo.
 
Há uma série de edições superficiais nestes três versos: onze mudanças de ortografia, dezesseis mudanças de composição (incluindo as convenções modificadas para o uso de ue v), três mudanças de pontuação e uma variante de texto - onde "não a caridade" É substituído por "nenhuma caridade" no versículo dois, na crença errônea de que a leitura original era uma impressão errada.
 
Um versículo particular para o qual [[Benjamin Blayney|o]] texto de 1769 [[Benjamin Blayney|de Blayney]] difere da versão de 1760 de [[Francis Sawyer Parris|Parris]] é Mateus 5:13, onde [[Francis Sawyer Parris|Parris (1760)]] tem
 
[[Benjamin Blayney|Blayney (1769)]] muda 'perdeu '''seu''' sabor' para 'perdeu '''seu''' sabor', e '''trodou''' para '''pisar''' .
 
Por um período, Cambridge continuou a emitir Bíblias usando o texto de Parris, mas a demanda do mercado para a padronização absoluta era agora tal que eventualmente adaptou o trabalho de Blayney, mas omitiu algumas das ortografias idiossincráticas de Oxford. Em meados do século XIX, quase todas as impressões da Versão Autorizada foram derivadas do texto de Oxford de 1769 - cada vez mais sem as notas variantes de Blayney e referências cruzadas, e excluindo geralmente os Apocrypha.  Uma exceção a isto foi uma reimpressão escrupulosa de original-ortografia, página-para-página e linha-para-linha da edição 1611 (incluindo todos os títulos de capítulo, marginalia e itálico original, mas com o tipo romano substituído pela letra preta do original), publicado pela Oxford em 1833.  Outra exceção importante foi a Cambridge Parágrafo Bíblia 1873, completamente revisto, modernizado e re-editada por FHA Scrivener, que pela primeira vez consistentemente identificados os textos originais subjacentes à 1611 tradução e suas notas marginais.  Scrivener, como Blayney, optou por revisar a tradução onde considerou o julgamento dos 1611 tradutores tinham sido defeituosos.  Em 2005, a [[Cambridge University Press]] lançou sua [[New Cambridge Paragraph Bible]] com Apocrypha, editada por David Norton, que seguiu no espírito do trabalho de Scrivener, tentando trazer a ortografia aos padrões atuais. Norton também inovou com a introdução de aspas, ao retornar a um texto hipotético 1611, tanto quanto possível, à redação usada por seus tradutores, especialmente à luz da re-ênfase em alguns de seus rascunhos de documentos.  Este texto foi publicado em paperback por [[Penguin books]] . 
 
Desde o início do século XIX, a Versão Autorizada permaneceu praticamente inalterada - e como, devido aos avanços na tecnologia de impressão, agora poderia ser produzida em grandes edições para venda em massa, estabeleceu um domínio absoluto no uso público e eclesiástico no Inglês- Falando mundo protestante. O debate acadêmico durante esse século, no entanto, refletiu cada vez mais preocupações sobre a Versão Autorizada compartilhada por alguns estudiosos: (a) que o estudo subseqüente em línguas orientais sugeriu a necessidade de revisar a tradução da Bíblia Hebraica - tanto em termos de vocabulário específico, Em distinguir termos descritivos de nomes próprios; (b) que a Versão Autorizada foi insatisfatório em traduzir as mesmas palavras gregas e frases em diferentes Inglês, especialmente onde passagens paralelas são encontrados nos [[Synoptic gospels|evangelhos sinóticos]] ; E (c) à luz de descobertas de manuscritos antigos subseqüentes, a base de tradução do Novo Testamento do Grego [[Textus Receptus]] já não poderia ser considerada a melhor representação do texto original. 
 
Respondendo a estas preocupações, a [[Convocation of Canterbury|Convocação de Canterbury]] resolveu em 1870 proceder a uma revisão do texto da Versão Autorizada, com a intenção de manter o texto original "exceto quando, no julgamento de estudiosos competentes, tal mudança é necessária". A revisão resultante foi publicada como a [[Revised Version|Versão Revisada]] em 1881 (Novo Testamento), 1885 (Antigo Testamento) e 1894 (Apocrypha); Mas, embora vendido amplamente, a revisão não encontrou o favor popular, e era somente relutantemente em 1899 que o Convocation o aprovou para ler nas igrejas. 
 
No início do século XX, a edição tinha sido concluída no texto de Cambridge, com pelo menos 6 novas mudanças desde 1769, ea reversão de pelo menos 30 das leituras padrão de Oxford. O texto distinto de Cambridge foi impresso em milhões, e depois da Segunda Guerra Mundial "a estabilidade imutável do KJB foi um grande trunfo".  A edição de Cambridge é preferida pelos estudiosos. 
 
A Versão Autorizada manteve seu domínio efetivo ao longo da primeira metade do século XX. Novas traduções na segunda metade do século XX deslocaram seus 250 anos de dominação (cerca de 1700 a 1950)  mas existem grupos - algumas vezes denominados o movimento [[King James Only movement|King James Only]] - que desconfiam de qualquer coisa que não esteja de acordo com a Versão Autorizada. 
 
=== Crítica editorial ===
FHA Scrivener e D. Norton escreveram ambos em detalhes sobre as variações editoriais que ocorreram através da história da publicação da Versão Autorizada de 1611 a 1769. No século XIX, havia efetivamente três guardiões principais do texto. Norton identificou cinco variações entre Oxford, Cambridge e Londres (Eyre e Spottiswoode) textos de 1857, como a ortografia de "mais longe" ou "mais longe" em Mateus 26:39. 
 
No século 20, a variação entre as edições foi reduzida para comparar o Cambridge com o Oxford. Distintamente identificadas as leituras de Cambridge incluíam "ou Sheba" ( [[Bible (King James)/Joshua#19:2|Josué 19: 2]] ), "pecado" ( [[Bible (King James)/2 Chronicles#33:19|2 Crônicas 33:19]] ), "clifts" ( [[Bible (King James)/Job#30:6|Jó 30: 6]] ), "vapor" ( [[Bible (King James)/Psalms#148:8|Salmo 148: 8]] ) ( [[Bible (King James)/Nahum#3:16|Nahum 3:16]] ), "adiante" ( [[Bible (King James)/Matthew#26:39|Mateus 26:39]] ) e um número de outras referências. Com efeito, o Cambridge foi considerado o texto atual em comparação com o Oxford.  Estes são casos onde tanto Oxford quanto Cambridge já divergiram da edição de 1769 de Blayney. As distinções entre as edições de Oxford e Cambridge têm sido um ponto importante na [[Bible version debate|versão debate Bíblia]] ,  e um potencial questão teológica,  em particular no que respeita à identificação dos Puros Cambridge Edition. 
 
A Cambridge University Press introduziu uma mudança em [[Bible (King James)/1 John#5:8|1 João 5: 8]] em 1985, revertendo sua antiga tradição de imprimir a palavra "espírito" em minúsculas usando uma letra maiúscula "S".  A Rev. Hardin de Bedford, Pennsylvania, escreveu uma carta para Cambridge perguntando sobre este verso, e, posteriormente, recebeu uma resposta do Dr. Cooper em 03 de junho de 1985, admitindo que era uma "questão de algum embaraço em relação à menor Caso 's no espírito ".
 
== Atributos literários ==
 
=== Tradução ===
Como a [[Tyndale Bible|tradução de Tyndale]] e a Bíblia de Genebra, a Versão Autorizada foi traduzida principalmente de textos em grego, hebraico e aramaico, embora com referência secundária tanto para a [[Vulgate|Vulgata Latina]] como para versões latinas mais recentes; Dois livros dos Apócrifos foram traduzidos de uma fonte latina. Seguindo o exemplo da ''Bíblia de Genebra'' , seja implícita, mas não, na verdade, a fonte original foram distinguidos por serem impressos em tipo distinto (embora inconsistente), mas caso contrário, os tradutores rejeitou explicitamente palavra por palavra [[Formal equivalence|equivalência]] .  [[Frederick Fyvie Bruce|FF Bruce]] dá um exemplo de Romanos capítulo 5: 
 
Os termos ingleses "exultam" e "glória" representam a mesma palavra no original grego. Em Tyndale, ''Genebra'' e as ''Bíblias dos Bispos'' , ambas as instâncias são traduzidas como "alegria". No ''[[Douay-Rheims Bible|Douay -]]'' Novo Testamento de ''[[Douay-Rheims Bible|Rheims]]'' , ambos são traduzidos como "glória". Somente na Versão Autorizada a tradução varia entre os dois versículos.
 
Em obediência a suas instruções, os tradutores não forneceram nenhuma interpretação marginal do texto, mas em uns 8.500 lugares uma nota marginal oferece uma formulação inglesa alternativa.  A maioria destas notas oferece uma tradução mais literal do original (introduzido como "Heb", "Chal", "Gr" ou "Lat"), mas outros indicam uma leitura variante do texto de origem (introduzido por " ou"). Algumas das variantes anotadas derivam de edições alternativas nas línguas originais, ou de formas variantes citadas nos [[Patristics|pais]] . Mais comumente, no entanto, eles indicam uma diferença entre a leitura da língua original e que nas versões latinas preferidas dos tradutores: [[Immanuel Tremellius|Tremellius]] para o Velho Testamento, [[Franciscus Junius (the elder)|Junius]] para Apocrypha e [[Theodore Beza|Beza]] para o Novo Testamento.  Algumas notas mais extensas esclarecem nomes bíblicos, unidades de medida ou moeda, e em poucos lugares (por exemplo, [[Bible (King James)/Luke#17:36|Lucas 17:36]] ) registram que um verso está ausente da maioria dos manuscritos gregos. As reimpressões modernas raramente reproduzem essas variantes anotadas - embora elas sejam [[New Cambridge Paragraph Bible|encontradas]] na [[New Cambridge Paragraph Bible]] . Além disso, havia originalmente cerca de 9.000 referências cruzadas bíblicas, em que um texto estava relacionado a outro. Tais referências cruzadas haviam sido comuns nas Bíblias latinas, e a maioria das versões autorizadas foram copiadas inalteradas desta tradição latina. Conseqüentemente as edições adiantadas do KJV retem muitas referências do verso de Vulgate - por exemplo na numeração dos [[Psalms|salmos]] .  Na cabeça de cada capítulo, os tradutores forneceram um breve sumário de seu conteúdo, com números de verso; Estes raramente são incluídos na forma completa em edições modernas.
 
No Antigo Testamento, os tradutores tornar o [[Tetragrammaton|Tetragrama]] YHWH por "o Senhor" (em edições posteriores em [[Small capitals|pequenos capitais]] como L ORD ),  ou "o Senhor Deus" (para ''YHWH [[Elohim]]'' , יהוה אלהים),  , exceto em Quatro lugares por " [[Jehovah|IEHOVAH]] " ( [[Bible (King James)/Exodus#6:3|Êxodo 6: 3]] , [[Bible (King James)/Psalms#83:18|Salmo 83:18]] , [[Bible (King James)/Isaiah#12:2|Isaías 12: 2]] e [[Bible (King James)/Isaiah#26:4|Isaías 26: 4]] ) e três vezes em uma forma de combinação. ( [[Bible (King James)/Genesis#22:14|Gênesis 22:14]] , [[Bible (King James)/Exodus#17:15|Êxodo 17:15]] , [[Bible (King James)/Judges#6:24|Juízes 6:24]] ) No entanto, se o Tetragrammaton ocorre com a palavra hebraica adonai (Senhor), então ela é prestada não como o "Senhor Deus", mas como o "Senhor Deus". ( [[Bible (King James)/Psalms#73:28|Salmo 73:28]] , etc.) Em edições posteriores como "Senhor DEUS" com "DEUS" em pequenas capitais indicando ao leitor que o nome de Deus aparece no hebraico original.
 
==== Antigo Testamento ====
Para seu Antigo Testamento, os tradutores usaram um texto originário das edições da Bíblia Rabínica Hebraica de [[Daniel Bomberg]] (1524/5)  mas ajustaram isso para se adaptarem ao grego [[LXX]] ou [[Vulgate|Vulgata Latina]] em passagens a que a tradição cristã tinha Uma [[Christology|interpretação]] cristológica.  Por exemplo, a leitura da [[Septuagint|Septuaginta]] " [[They have pierced my hands and my feet|Eles]] [[Septuagint|perfuraram]] [[They have pierced my hands and my feet|minhas mãos e meus pés]] " foi usada no [[Bible (King James)/Psalms#22:16|Salmo 22:16]] (contra a leitura do hebraico dos [[Masoretes|Masoretas]] "como leões minhas mãos e pés"  ). De outra forma, porém, a Versão Autorizada está mais próxima da tradição hebraica do que qualquer outra tradução inglesa anterior - especialmente ao fazer uso dos comentários rabínicos, como [[David Kimhi|Kimhi]] , na elucidação de passagens obscuras no [[Masoretic Text|Texto Massorético]]; versões anteriores tinham sido mais propensos a adotar LXX ou Vulgata leituras em tais lugares.
 
==== Novo Testamento [ editar fonte ] ====
Para seu Novo Testamento, os tradutores usaram principalmente as edições gregas de 1598 e 1588/89 de Theodore [[Beza]] ,  que também apresentam a versão latina de Beza da edição grega e de [[Robert Estienne|Stephanus]] da Vulgata latina. Ambas as versões foram amplamente referidas, como os tradutores conduziram todas as discussões entre si em latim. FHA Scrivener identifica 190 leituras onde os tradutores da Versão Autorizada se afastam do texto grego de Beza, geralmente em manter a redação da ''Bíblia do Bispo'' e outras traduções anteriores do inglês.  Em cerca de metade desses casos, os tradutores da Versão Autorizada parecem seguir o anterior 1550 Greek [[Textus Receptus]] de [[Robert Estienne|Stephanus]] . Para a outra metade, Scrivener foi geralmente capaz de encontrar correspondentes leituras gregas nas edições de [[Erasmus]] , ou no [[Complutensian Polyglot|Poliglota Complutensiano]] . No entanto, em várias dezenas de leituras ele observa que nenhum texto grego impresso corresponde ao inglês da Versão Autorizada, que nestes lugares deriva diretamente da Vulgata.  Por exemplo, em [[Bible (King James)/John#10:16|João 10:16]] , a Versão Autorizada diz "uma dobra" (como a ''Bíblia dos Bispos'' e as versões vernáculas do século XVI produzidas em Genebra), seguindo a Vulgata Latina "unum ovile", enquanto Tyndale Tinha concordado mais de perto com o grego, "um flocke" (μία ποίμνη). A Versão Autorizada O Novo Testamento deve muito mais à Vulgata do que o Antigo Testamento; Ainda, pelo menos 80% do texto é inalterado da tradução de Tyndale. 
 
==== Apocrypha ====
Ao contrário do resto da Bíblia, os tradutores dos apócrifos identificaram seus textos de origem em suas notas marginais.  Destes, pode-se determinar que os livros dos Apócrifos foram traduzidos da Septuaginta - principalmente, da coluna grega do Antigo Testamento na Anglicana [[Plantin Polyglot|Polyglot]] - mas com extensa referência ao texto da Vulgata latina contraparte e à tradução latina de Junius . Os tradutores registram referências à [[Sixtine Septuagint|Septuaginta Sixtine]] de 1587, que é substancialmente uma impressão do texto do Velho Testamento do [[Codex Vaticanus Graecus 1209]] , e também à edição Septuaginta grega de 1518 de [[Aldus Manutius]] . Eles não tinham, no entanto, textos gregos para [[2 Esdras]] , ou para a [[Prayer of Manasses|Oração de Manasses]] , e Scrivener descobriram que eles usaram aqui um manuscrito latino não identificado. 
 
==== Fontes ====
Os tradutores parecem ter feito de outro modo nenhum estudo em primeira mão de fontes manuscritas antigas, mesmo aqueles que - como o [[Codex Bezae]] - estariam prontamente disponíveis para eles.  Além de todas as versões inglesas anteriores (incluindo, e ao contrário de suas instruções,  o ''[[Douay-Rheims Bible|Novo Testamento de Rheimish]]'' que em seu prefácio criticaram); Eles fizeram o uso amplo e eclético de todas as edições impressas nas línguas originais então disponíveis, incluindo o Antigo [[Peshitta|Testamento Siríaco]] antigo impresso com um brilho latino interlinear no poliglota de Antuérpia [[Plantin Polyglot|de 1573]] .  No prefácio os tradutores reconhecem consultar traduções e comentários em caldeu, hebraico, sírio, grego, latim, espanhol, francês, italiano e alemão. 
 
Os tradutores tomaram a Bíblia do Bispo como seu texto de origem, e onde eles partiram de que em favor de outra tradução, este era mais comumente a Bíblia de Genebra. No entanto, o grau em que as leituras da Bíblia do Bispo sobreviveram para o texto final da Bíblia King James variam muito de empresa para empresa, assim como a propensão dos tradutores de King James a cunhar frases próprias. As notas de John Bois da Comissão Geral de Revisão mostram que discutiram leituras derivadas de uma ampla variedade de fontes e versões, incluindo explicitamente tanto a edição de 1610 de [[Henry Savile (Bible translator)|Henry Savile]] das obras de [[John Chrysostom|João Crisóstomo]] , quanto o Novo Testamento de Rheims  Que era a fonte preliminar para muitas das leituras alternativas literais fornecidas para as notas marginais.
 
=== Variações de traduções recentes ===
Um número de [[Chapters and verses of the Bible|versículos da Bíblia]] na King James Version do Novo Testamento não são encontrados em traduções mais recentes da Bíblia; Onde se baseiam em [[Textual criticism|textos críticos modernos]] . No início do século XVII, os textos gregos de origem grega do Novo Testamento usados ​​para a produção de versões bíblicas protestantes dependiam principalmente de [[Byzantine text-type|manuscritos do tipo de texto bizantino]] tardio , e com pequenas variações continham o que ficou conhecido como o [[Textus Receptus]] .  Com a identificação posterior de manuscritos muito mais cedo, a maioria dos estudiosos textuais modernos valorizar a evidência de manuscritos pertencentes à [[Alexandrian text-type|família alexandrina]] como melhores testemunhas para o texto original dos autores bíblicos,  sem dar-lhe ou de qualquer família, automática preferência. 
 
=== Estilo e crítica ===
Uma preocupação primordial dos tradutores era produzir uma Bíblia apropriada, digna e ressonante na leitura pública. Embora o estilo escrito da Versão Autorizada seja uma parte importante de sua influência no inglês, a pesquisa encontrou apenas um versículo - Hebreus 13: 8 - para o qual os tradutores debateram os méritos literários da redação. Enquanto eles declararam no prefácio que eles usaram a variação estilística, encontrar várias palavras em inglês ou formas verbais em lugares onde a linguagem original empregava repetição, na prática eles também fizeram o oposto; Por exemplo, 14 palavras hebraicas diferentes foram traduzidas para a única palavra inglesa "príncipe". 
 
Em um período de rápida mudança linguística os tradutores evitado expressões contemporâneas, tendendo para formas que já estavam ligeiramente arcaica, como ''em verdade'' e ''aconteceu'' .  Os pronomes ''thou'' / ''thee'' e ''ye'' / ''you'' são consistentemente usados ​​como singular e plural respectivamente, mesmo que por este tempo ''você'' foi freqüentemente encontrado como o singular no uso geral de Inglês, especialmente quando se dirige a um superior social (como é evidenciado para Exemplo, em Shakespeare).  Para o possessivo do pronome da terceira pessoa, a palavra ''sua'' , ''[[Oxford English Dictionary|primeiramente registrada]]'' no ''[[Oxford English Dictionary]]'' em 1598, é evitada.  Quanto mais velho ''o seu'' é usualmente empregado, como por exemplo, em [[Bible (King James)/Matthew#5:13|Mateus 5:13]] : "se o sal perde ''o seu'' ? Sabor, com que lhe será salgado";  em outros lugares ''do mesmo'' , ''do mesmo'' ou nua ''que'' são encontrados.  Outro sinal de conservadorismo linguística é o uso invariável de ''-et'' para a terceira pessoa presente forma singular do verbo, como em Mateus 02:13: "o Anjo do Senhor aparece ''eth'' a José em Dreame". O final rival ''- (e) s'' , como encontrado na atual Inglês, foi já amplamente utilizados por esta altura (por exemplo, predomina sobre ''-et'' nas peças de Shakespeare e Marlowe).  Além disso, os tradutores preferido ''que'' a ''que'' ou ''a quem'' , como o pronome relativo para as pessoas, como em [[Bible (King James)/Genesis#13:5|Gênesis 13: 5]] : "E também Ló '', que'' ia com Abrão, tinha rebanhos, heards, e tendas"  , embora ''que ( M)'' . 
 
A versão autorizada é [[Latinate|notavelmente]] mais [[Latinate|latina]] do que as versões inglesas anteriores  especialmente a Bíblia de Genebra. Isso resulta em parte das preferências acadêmicas estilísticas de vários tradutores - muitos dos quais admitiram estar mais à vontade para escrever em latim do que em inglês -, mas também foi, em parte, conseqüência da proscrição real contra notas explicativas.  Daí, onde a Bíblia de Genebra poderia usar uma palavra comum em inglês - e lustrar sua aplicação particular em uma nota marginal - a Versão Autorizada tende a preferir um termo técnico, freqüentemente em latim anglicizado. Conseqüentemente, embora o Rei tivesse instruído os tradutores a usar a Bíblia dos Bispos como um texto de base, o Novo Testamento em particular deve muito estilisticamente ao Novo Testamento de [[Douay-Rheims Bible|Reims]] Católico, cujos tradutores também se preocuparam em encontrar equivalentes ingleses para a terminologia latina.  Além disso, os tradutores dos livros do Novo Testamento costumam citar nomes do Velho Testamento nas representações familiares da Vulgata Latina em vez de em formas mais próximas do hebraico original (por exemplo, "Elias" e "Jeremias" para "Elias" e " Jeremiah ", respectivamente).
 
Embora a Versão Autorizada permaneça entre as mais amplamente vendidas, as modernas traduções do Novo Testamento diferem substancialmente dele em várias passagens, principalmente porque elas dependem de manuscritos de fontes não então acessíveis a (ou não então altamente considerados por) bíblicos do século XVII Bolsa de estudos.  No Antigo Testamento, há também muitas diferenças de traduções modernas que são baseados não em diferenças de manuscritos, mas em um entendimento diferente do hebraico antigo [[Vocabulary|vocabulário]] ou [[Grammar|gramática]] pelos tradutores. Por exemplo, nas traduções modernas está claro que [[Bible (King James)/Job#28:1|Jó 28: 1-11]] está se referindo às operações de mineração, o que não é aparente do texto da Versão Autorizada. 
 
=== Mistranslations ===
A versão King James contém vários erros de tradução; Especialmente no Antigo Testamento, onde o conhecimento de hebraico e línguas cognato era incerto na época. A maioria destes são menores e não alteram significativamente o significado em relação ao material de origem.  Entre os erros mais comumente citada é no hebraico de Jó e Deuteronômio, onde '''רֶאֵם''' " [[re'em]] " com o sentido provável de "wild-ox, auroques", é traduzida na KJV como "unicórnio"; Seguindo nesta [[Vulgate|Vulgata]] ''unicornis'' e vários comentaristas rabínicos medievais. Os tradutores da KJV anotar a alternativa de renderização, "rhinocerots" [ ''[[sic]]'' ] na margem em Isaías 34: 7. Em uma nota semelhante, a tradução alemã de Martinho Lutero também se baseou na Vulgata Latina neste ponto, consistentemente traduzindo '''רֶאֵם''' usando a palavra alemã para '''unicórnio''' , "Einhorn".  Caso contrário, os tradutores, por diversas vezes, interpretaram equivocadamente uma frase descritiva hebraica como um nome próprio (ou vice-versa); Como em 2 Samuel 1:18 onde 'o [[Book of Jasher (biblical references)|Livro de Jasher]] ' '''סֵפֶר הַיׇּשׇׁר adequadamente''' não se refere a uma obra de um autor desse nome, mas deve ser prestado como "o Livro do Vertical".
 
== Influência ==
Apesar do patrocínio e encorajamento reais, nunca houve um mandato explícito de usar a nova tradução. Não foi até 1661 que a Versão Autorizada substituiu a ''Bíblia'' dos ''Bispos'' nas lições da Epístola e do Evangelho do [[Book of Common Prayer|Livro da Oração Comum]] , e nunca substituiu a antiga tradução no [[Psalter|Saltério]] . Em 1763 ''[[The Critical Review]]'' queixou-se de que "muitas interpretações falsas, frases ambíguas, palavras obsoletas e expressões indelicadas ... excitam o escárnio do escarnecedor". A versão 1769 de Blayney, com sua ortografia revisada e pontuação, ajudou a mudar a percepção pública da Versão Autorizada para uma obra-prima da língua inglesa. No século 19, [[F. W. Faber|FW Faber]] poderia dizer da tradução, "Ele vive na orelha, como a música que nunca pode ser esquecido, como o som de sinos de igreja, que o convertido mal sabe como ele pode renunciar." 
 
A versão autorizada foi chamada "a versão mais influente do livro mais influente do mundo, no que é agora a sua linguagem mais influente", "o livro mais importante na religião e cultura inglesas" e "o livro mais célebre na [[English-speaking world|Mundo de língua inglesa]] ". [[David Crystal]] estimou que é responsável por 257 idiomas em inglês, mais do que qualquer outra fonte única, incluindo mais do que o dobro de Shakespeare; <sup>[ ''[[Wikipédia:Citation needed|Citação]]''</sup>[[Sow the wind, reap the whirlwind|necessário]] <sup>] os</sup> exemplos incluem os [[Feet of clay|pés da argila]] e [[Sow the wind, reap the whirlwind|colhem o whirlwind]] . Embora o antigo monopólio da Versão Autorizada no mundo de língua inglesa tenha diminuído - por exemplo, a Igreja da Inglaterra recomenda outras seis versões além dela - ainda é a tradução mais popular nos Estados Unidos, especialmente entre os [[Evangelicals|evangélicos]] .  Além disso, na [[Orthodox Church in America|Igreja Ortodoxa na América]] , a versão King James é usada liturgicamente, e foi feita "a tradução" oficial "para toda uma geração de ortodoxos americanos". O Livro de Serviço posterior da Arquidiocese de Antioquia, em voga hoje, também usa a Versão King James.  A Versão King James é também uma das versões autorizadas para ser usada nos serviços da [[Protestant Episcopal Church in the United States of America|Igreja Episcopal]] e da [[Anglican Communion|Comunhão Anglicana]] ,  como é a Bíblia histórica desta Igreja.
 
=== Status de direitos autorais ===
A Versão Autorizada está no domínio público na maior parte do mundo. No entanto, no Reino Unido, o direito de imprimi-lo, publicá-lo e distribui-lo é uma [[Royal prerogative|prerrogativa Royal]] e a Crown concede licenças aos editores para reproduzi-lo sob [[Letters patent|cartas patentes]]. Na Inglaterra, no País de Gales e [[Northern Ireland|na Irlanda do Norte,]] as cartas patentes são detidas pela [[Queen's Printer|Imprensa da Rainha]] e na Escócia pelo Scottish Bible Board . O escritório da impressora da rainha foi associado com o direito reproduzir a Bíblia por séculos, a referência sabida a mais adiantada que vem em 1577. No 18o século todos os interesses sobrevivendo no monopólio foram comprados para fora por [[John Baskett]] . Os direitos de Baskett desceram através de um número de impressoras e, em Inglaterra, Wales e Irlanda do Norte, a [[Cambridge University Press|impressora]] da rainha é agora [[Cambridge University Press]] , que herdou o direito quando tomaram sobre a firma de [[Eyre & Spottiswoode]] em 1990. 
 
Outras cartas reais da mesma antiguidade concedem à [[Cambridge University Press]] e à [[Oxford University Press]] o direito de produzir a Versão Autorizada independentemente da Impressora da Rainha. Na Escócia, a Versão Autorizada é publicada por [[HarperCollins|Collins]] sob licença do Scottish Bible Board. Os termos das cartas patentes proíbem qualquer outro que não seja os detentores, ou aqueles autorizados pelos detentores, de imprimir, publicar ou importar a Versão Autorizada para o Reino Unido. A proteção que a Versão Autorizada, e também o ''[[Book of Common Prayer|Livro de Oração Comum]] ,'' desfrutam é o último remanescente do tempo em que a Coroa tinha o monopólio de toda a impressão e publicação no Reino Unido.  Todas as disposições que concedem direitos de autor a perpetuidade foram abolidas pela Lei de [[Copyright, Designs and Patents Act 1988|Direitos Autorais, Desenhos e Patentes de 1988]] , mas porque a Versão Autorizada está protegida por prerrogativa real e não por direitos autorais, ela permanecerá protegida, conforme especificado no CDPA [http://www.legislation.gov.uk/ukpga/1988/48/section/171 s171 (1) )] .
 
==== Permissão ====
Cambridge University Press permite a reprodução de no máximo 500 versos para "uso educativo litúrgico e não comercial", se o seu reconhecimento prescrito for incluído, os versos citados não excedem 25% da publicação citando-los e não incluem um livro completo da Bíblia.  Para uso além disso, a imprensa está disposta a considerar a permissão solicitada caso a caso e em 2011 um porta-voz disse que a imprensa geralmente não cobra uma taxa, mas tenta garantir que um texto fonte respeitável é usado. 
 
=== Apocrypha (Apócrifos) ===
As Bíblias protestantes de língua inglesa no século XVI incluíam os livros dos ''[[Biblical apocrypha|Apócrifos]]'' - geralmente em uma seção separada entre o Antigo e o Novo Testamento para indicar que eles não faziam parte do texto do Velho Testamento - e há evidências de que estes foram amplamente lidos como populares literatura, especialmente em [[Puritan]] círculos.  No entanto, a partir de 1630, volumes da ''Bíblia de Genebra'' foram ocasionalmente vinculados com as páginas da seção apócrifos excluídos. Em 1644 o [[Long Parliament|Parlamento Longo]] proibiu a leitura dos Apócrifos na Igreja e em 1666 as primeiras edições da Bíblia King James sem os Apócrifos foram vinculados. 
 
A padronizaão do texto da Versão Autorizada após 1769, juntamente com o desenvolvimento tecnológico da [[Stereotype (printing)|impressão estereotipada, possibilitou]] a produção de Bíblias em grandes tiragens a preços [[Stereotype (printing)|unitários]] muito baixos. Para editores comerciais e de caridade, as edições da Versão Autorizada sem o Apocrypha reduziram o custo, ao mesmo tempo em que aumentaram o apelo do mercado para leitores não protestantes anglicanos. 
 
Com o [[Bible society|surgimento]] das [[Bible society|sociedades bíblicas]] , a maioria das edições omitiram toda a seção de livros apócrifos. A Sociedade [[British and Foreign Bible Society|Bíblica]] Britânica e Estrangeira retirou subsídios para a impressão e difusão da Bíblia em 1826, sob a seguinte resolução:
 
A [[American Bible Society|Sociedade Bíblica Americana]] adotou uma política semelhante. Ambas as sociedades finalmente reverteram essas políticas à luz dos esforços ecumênicos do século XX em traduções, o ABS fazendo isso em 1964 e o BFBS em 1966. 
 
=== Movimento do rei James somente ===
Artigo principal: [[King James Only movement|Movimento]] do [[King James Only movement|rei James somente]]
 
O movimento [[King James Only movement|King James Only]] defende a superioridade da versão King James sobre todas as outras traduções inglesas. A maioria dos adeptos do movimento acreditam que o [[Textus Receptus]] é muito próximo, se não idêntico, aos autógrafos originais, tornando-se assim a fonte grega ideal para a tradução. Argumentam que a maioria de traduções inglesas modernas são baseadas em um texto corrompido do testamento novo que confie primeiramente nos manuscritos do [[Codex Sinaiticus]] e [[Codex Vaticanus|do Vaticanus do]] códice
 
==Antecedentes==
11 527

edições