Diferenças entre edições de "Carne"

780 bytes adicionados ,  17h29min de 2 de março de 2017
Adicionei informação.
(Correção de erro)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Remoção considerável de conteúdo Internetês ou miguxês
(Adicionei informação.)
{{mais notas|data=setembro de 2013}}
{{ver desambiguação}}
[[Ficheiro:Skinka, Iduns kokbok.jpg|thumb|200px|right|Um naco de carne crua.]]
 
Dá-se o nome de '''carne''' (do termo [[latim|latino]] ''carne'') ou '''vianda''' <ref>{{Citar web|url=http://www.dicio.com.br/vianda/|título=Vianda|publicado=www.dicio.com.br|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref> <ref> [http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=vianda "Vianda" no dicionário Priberam]</ref> (do [[língua francesa|francês]] ''viande'', "alimento") ao [[tecido]] [[muscular]] dos [[animal|animais]], inclusive do [[homem]]. EsseAlgumas vezes, o termo se refere apenas à carne de [[mamíferos]], ou de mamíferos e [[aves]]. De modo ainda mais estrito, o termo se refere apenas à porção vermelha do tecido muscular.<ref>FERREIRA, A. B. H. ''Novo dicionário da língua portuguesa''. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 355, 1 773.</ref> Geralmente, o termo é utilizado geralmente quando o tecido serve como [[alimento]] para animais [[carnívoro]]s ou [[omnívoros]].<ref name=ferreira>FERREIRA, marina Baird e ANJOS, Margarida dos (coord e ed).' ''Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa'''. 4ª edição.</ref> Atenção! Fígado nao é carne!
 
[[Ficheiro:Skinka, Iduns kokbok.jpg|thumb|200px|right|Um naco de carne crua.]]
Dá-se o nome de '''carne''' ou '''vianda''' <ref>{{Citar web|url=http://www.dicio.com.br/vianda/|título=Vianda|publicado=www.dicio.com.br|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref> <ref> [http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=vianda "Vianda" no dicionário Priberam]</ref> ao [[tecido]] [[muscular]] dos [[animal|animais]], inclusive do [[homem]]. Esse termo é utilizado geralmente quando o tecido serve como [[alimento]] para animais [[carnívoro]]s ou [[omnívoros]]<ref name=ferreira>FERREIRA, marina Baird e ANJOS, Margarida dos (coord e ed).'''Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa'''. 4ª edição. Atenção! Fígado nao é carne!
 
== Carne na cadeia alimentar ==
Há inúmeros seres vivos que se alimentam de outros seres vivos. Quando o ser vivo que serve de alimento possui tecido muscular, seu [[predador]] chama-se [[carnívoro]], caso se alimente apenas ou principalmente de carne, ou [[omnívoro]], caso se alimente de carne e vegetais. Os [[felino]]s, [[canídeo]]s e alguns peixes como o [[tubarão]] são exemplos de animais carnívoros. O [[homem]]<ref>{{cite journal|last=McArdle, Ph.D.|first=John|url=http://www.vrg.org/nutshell/omni.htm|title=Humans are Omnivores|journal=Vegetarian Journal|year=1991|month=May/June|accessdate=2 October 2012|publisher=The Vegetarian Resource Group}}</ref>, o [[porco]] e a maioria da espécies de [[Ursidae|ursos]] são exemplos de animais omnívoros.
 
== Composição química da carne ==
{{AP|Proteína|Carboidrato|Gordura}}
As carnes são formadas principalmente de [[proteína]]s, [[gordura]]s e [[água]], em proporção que varia minimamente dependendo do animal. A carne magra apresenta em torno de 75% de água, 21 a 22% de proteína, 1 a 2% de gordura, 1% de minerais e menos de 1% de carboidratos. A quantidade de calorias (conteúdo energético) é relativamente pequena, com média de 105 kcal/100g[[quilocaloria]]s por cem gramas de carne crua. <ref name=roca>ROÇA, Roberto de Oliveira. '''Composição Química da Carne'''. Disponível em: <http://pucrs.campus2.br/~thompson/Roca102.pdf>. Acesso em; 25 de setembro de 2011.</ref>.
 
'''Composição química (g/100g) e conteúdo energético (Kcal/100g100 g) médio da carne magra, crua e da gordura de alguns animais de abate'''<ref name=roca></ref>
{| class="wikitable sortable"
|-
| Ovo cozido || 74,6 || 12,1 || 11,2 || 158 Kcal
|-
| Feijão<ref>CARVALHO, Mariana Veras Oliveira de. '''Análise nutricional e sensorial das refeições termoprocessadas'''. Brasília, 2010. Dissertação de mestrado. Disponível em: <http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/8336/1/2010_MarianaVerasOCarvalho.pdf>. Acesso em: 25 de setembro de 2011. Página 71.</ref> || 71,0 || 23,5 || 5,0 || 108,7 Kcal
|-
| Pão de centeio || 38,5 || 6,4 || 1,0 || 239 Kcal
|-
| Leite de [[soja]] <ref>EMBRAPA. '''Soja na alimentação'''. Disponível em: <http://www.cnpso.embrapa.br/soja_alimentacao/index.php?pagina=23>. Acesso em: 25 de setembro de 2011.</ref> || ? || 3,4 g || 2,3 || 52 Kcal
|}
 
== Histórico do consumo de carne por seres humanos ==
Há diversas teorias sobre o início do consumo de carne por hominídios[[hominidae|hominídeos]]. A chamada "teoria da [[savana]]", por exemplo, afirma que os primeiros [[australopiteco]]s comiam tanta carne quanto os atuais [[chimpanzé]]s <ref>STANFORD, Craig Britton e BUNN, Henry T. '''Meat-eating & human evolution'''. Página 14.</ref>.
 
Acredita-se que o consumo de carne pelos [[ser humano|seres humanos]] tenha sido iniciado entre 1 milhão e 500 mil anos atrás, e que trouxe uma grande vantagem em relação às dietas [[vegetarianismo|vegetarianas]] da época: uma dieta rica em [[gordura]], [[proteína]]s e [[ferro]], sendo estes dois últimos facilmente [[metabolismo|metabolizados]] quando vindos de origem animal.
 
Alguns cientistas defendem a idéiaideia de que a passagem de vegetariano para onívoro e o aumento da ingestão de carne produziu um processo lento, porém seguro de [[encefalização]] (aumento do [[cérebro humano]]) e encurtamento do [[intestino]]. Isto porque as proteínas e [[ácidos graxos]] ajudariam a sustentar um órgão que necessita de grande energia como o cérebro. O aumento do consumo de carne teria servido também para reduzir o tempo de alimentação, que passou das 10 a 16 horas dos vegetarianos, para três a cinco horas nos primatas onívoros<ref>DONDICI Filho, José e BARROSO, Camille Mendonça. '''Dieta e dislipidemia: visão antropológica e
recomendações atuais'''. HU rev., Juiz de Fora, v.33, n.3, p.81-98, jul./set. 2007. Disponível em: <http://www.seer.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/75/48>. Acesso em: 25 de setembro de 2011.</ref>. Os mesmos autores ressaltam que a inclusão de carne na dieta humana ocorreu "para sobreviver a épocas de penúria, o que se tornou um transtorno nos dias atuais, aumentando a incidência de [[doenças cardiovasculares]], [[obesidade]] e [[diabetes]]." <ref>DONDICI Filho, José e BARROSO, Camille Mendonça. '''Dieta e dislipidemia: visão antropológica e recomendações atuais'''. HU rev., Juiz de Fora, v.33, n.3, p.81-98, jul./set. 2007. Disponível em: <http://www.seer.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/75/48>. Acesso em: 25 de setembro de 2011.</ref>
 
Com o desenvolvimento da [[agricultura]] a partir do [[neolítico]], os seres humanos foram, paulatinamente, obtendo outras possibilidades de alimentos ricos em proteínas, mas de origem vegetal, como os [[feijão|feijões]] e [[leguminosa]]s.
 
== Consumo de carne pelo ser humano ==
===Benefícios===
Não há alimento completo em termos nutricionais. Por esse motivo, a [[dieta]] pode ser composta de alimentos pertencentes a vários grupos (carnes, [[leite]] e derivados, [[fruta]]s, vegetais e cereais). O Conselho Regional de Nutrição (CRN 3ª Região) reconhece que "as dietas vegetarianas, quando atendem às necessidades nutricionais individuais, podem promover o crescimento, desenvolvimento e manutenção adequados e podem ser adotadas em qualquer ciclo de vida." e que "Qualquer dieta mal planejada, vegetariana ou onívora, pode ser prejudicial à saúde, levando a [[desnutrição|deficiências nutricionais]]."<ref>
{{Citar web |url=http://www.crn3.org.br/legislacao/doc_pareceres/parecer_vegetarianismo_final.pdf|título=Parecer Vegetarianismo|língua= Portugues|autor=Colegiado do CRN 3ª Região 2011-2014|obra=Parecer |data=2012 |acessodata=02/2012}}</ref>.
 
Com relação ao grupo das carnes, a carne bovina magra, a carne branca das aves (sem pele) e o lombo suíno são fontes importantes de [[proteína]]s. Por isso, devem fazer parte (mas não serem a única fonte nutricional) de uma dieta equilibrada. Os teores de [[colesterol]] e [[gordura]] destes três tipos de carnes são semelhantes<ref>VALLE, Ezequiel Rodrigues do. ''Carne bovina: alimento nobre indispensável''. Campo Grande, MS, dez. 2000 no 41. ISSN 1516-5558. Disponível em: <http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/divulga/GCD41.html>. Acesso em; 25 de setembro de 2011.</ref>.
 
Todo tecido muscular é rico em [[proteína]]s, contendo [[aminoácido]]s essenciais, e na maioria dos casos, é uma boa fonte de [[zinco]], [[vitamina B12]], selênio, fósforo, [[Niacina|Vitamina B3]], [[Vitamina B6]], ferro e [[Riboflavina|Vitamina B2]]. Apesar dos seus benefícios, a carne tende a ter níveis altos de gordura, especialmente na carne vermelha gorda e peixes gordurosos (e.g.por exemplo: salmão, atum). A gordura da carne, porém, pode variar de acordo com àa [[espécie (biologia)|espécie]] ou [[raça]] do animal; a forma como ele foi criado, incluindo como ele foi alimentado; a parte anatômica de seu corpo. Porém aA carne vermelha é uma dasdentre as várias fontes de [[aminoácido essencial]], indispensáveiso qual é indispensável ao desenvolvimento do ser humano.<ref>{{citar web|url=http://www.scielo.br/pdf/rsp/v28n2/09.pdf|titulo=Cálculo das recomendações de ingestão proteica: aplicação a pré-escolar, escolar e adulto utilizando alimentos brasileiros|acessodata=23-01-2013</ref>
 
===Malefícios===
A relação entre o consumo exagerado de carne e a ocorrência de [[cancro]] em [[ser humano|seres humanos]] foi verificada por diversos estudos científicos. Diferentes resultados foram encontrados para diferentes tipos de [[câncer]].
 
Estudo realizado pela [[Open University]], publicado numa edição do início de [[2006]] da revista científica ''Cancer Research'', mostra que uma dieta rica em carne vermelha tem mais chances de causar câncer porque o alimento danificaria o [[DNA]], sendo que Estudosestudos anteriores haviam estabelecido a ligação entre o [[câncer de intestino]] e a ingestão de grandes quantidades de carne vermelha.<ref>{{Citar web |url=http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2006/02/060201_carnevermelhacancerrc.shtml |título=Carne vermelha pode danificar DNA, diz estudo |língua= Português|autor= |obra= |data=01/02/2006 |acessodata=29/01/2012}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.mrc.ac.uk/Newspublications/News/MRC001724|título=Medical Research Council - News - Possible mechanism for the link between red meat and bowel cancer|publicado=www.mrc.ac.uk|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref>
 
Estudo meramente descritivo (que buscou documentar, mas não descobrir as causas) feito com 61. 566 britânicos mostrou que há diferenças significativas de incidência de [[câncer]] entre pessoas que comem carne, comem apenas peixe ou são vegetarianas<ref>{{Citar web |url=http://www.nature.com/bjc/journal/v101/n1/full/6605098a.html |título=Cancer incidence in British vegetarians |língua= Inglês|autor=T J Key, P N Appleby, E A Spencer, R C Travis, N E Allen, M Thorogood and J I Mann |obra=British Journal of Cancer |data=2009 |acessodata=29/01/2012}}</ref>.
 
Estudo com 121, 342 pessoas por 28 anos feito pela [[Universidade de Harvard]], produziu [[Comprovação científica|provas cientificascientíficas]] de que o consumo de carne vermelha aumenta em até 20% o risco de morte prematura, e aumenta os riscos de enfermidades cardíacas e câncer.<ref>
{{Citar web |url=http://archinte.ama-assn.org/cgi/reprint/archinternmed.2011.2287v1|título=Red meat consumption and mortality: results from prospective cohort studies |língua= Inglês|autor=Pan A, Sun Q, Bernstein AM, et al. |obra=Arch Intern Med. Published |data=2012 |acessodata=12/03/2012}}</ref>.
 
==== Câncer de mama ====
A [[epidemiologia|epidemiologista]] Janet Cade, da universidade britânica de [[Universidade de Leeds|Leeds]], mostrou, em outro estudo, que o consumo de carne vermelha pode aumentar significativamente o risco de [[câncer de mama]] em mulheres que já passaram da [[menopausa]]<ref>{{Citar web |url=http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultnot/bbc/2007/04/04/ult4432u126.jhtm |título=Carne aumenta risco de câncer de mama, diz estudo |língua=Português |autor= |obra= |data= 04/04/2007|acessodata=29/01/2012}}</ref><ref>{{Citar web |url=http://www.fhf.org.uk/meetings/2007-06-12_cade.pdf |título=Diet and Breast cancer risk: fiber and meat |língua= Inglês|autor= CONDE, Janet|obra= |data= |acessodata=29/01/2012}}</ref>.
 
==== Câncer de pâncreas ====
Segundo estudo publicado no ''British Journal of Cancer'', em janeiro de 2012, o consumo de grande quantidade de carne processada pode aumentar o risco de [[câncer de [[pâncreas]]. A pesquisa foi desenvolvida pela Fundação Sueca do Câncer e pelo Instituto Karolinska, na Suécia, e concluiu que ingerir todos os dias uma quantidade do alimento equivalente a apenas uma [[salsicha]] ou duas fatias de ''[[bacon]]'' já é suficiente para aumentar as chances da doença.<ref>{{Citar web|url=http://veja.abril.com.br/noticia/saude/carne-processada-aumenta-risco-de-cancer-no-pancreas-diz-estudo|título=Carne processada aumenta risco de câncer no pâncreas, diz estudo - Saúde - Notícia - VEJA.com|publicado=veja.abril.com.br|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref>
 
==== Câncer de intestino e/ou reto ====
Um estudo realizado na [[Universidade da Carolina do Norte]] sugere que o consumo elevado de carne (mais de 600 gramas por dia), principalmente carne vermelha, aumenta risco de [[câncer de cólon]], mas salienta que mais estudos a respeito são necessários para aumentar a certeza acerca do resultado <ref>{{Citar web |url=http://jn.nutrition.org/content/132/11/3522S.full.pdf+html |título=Effect of White versus Reasd Meat on Endogenous N-Nutrosation in the Human Colon and Further Evidence of a Dose Response |língua= Inglês |autor= BINGHAM, Sheila Anne; HUUGUES, Roisin e CROSS, Amanda Janes|obra= |data= 2002|acessodata= 29/01/2012}}</ref><ref>{{Citar web |url=http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1499401-EI298,00.html |título=Comer muita carne aumenta risco de câncer de cólon |língua= |autor= |obra= |data= |acessodata=}}</ref>. O jornal I-M Health Newsletter, citando pesquisas feitas nos EUAEstados Unidos, também alerta para a relação entre [[câncer de cólon]] e o consumo excessivo de carne vermelha (mais de 85 gramas por dia)<ref>{{Citar web |url=http://www.imhealth.com/newsletter/pdf/Diet/newsletter%20diet%205-2.pdf |título=Diet: Red Meat and the Risk of Colorectal Cancer |língua= Inglês |autor= I-M Health Newsletter|obra= |data= 2007|acessodata= 29/01/2012}}</ref>.
 
==== Diabetes ====
Em artigo publicado na revista ''[[Scientific American]]'', provou-se, em um grande estudo, que a ingestão de carne vermelha ou [[alimento processado|processada]] aumenta incrivelmente a chance de adquirir [[diabetes]] do tipo 2.<ref>{{Citar web|url=http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=red-meat-diabtetes&page=2|título=Daily Red Meat Raises Risk for Diabetes, Large Study Says: Scientific American|publicado=www.scientificamerican.com|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref>
 
==== Outros ====
Outro estudo, da ''[[London South Bank University London ]]''<ref>{{Citar web |url=http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11965521 |título=Meat, cancer and dietary advice to the public |língua=Inglês |autor=Hill M |obra= |data=Março de 2002 |acessodata=29/01/2012}}</ref>, sugere exatamente o contrário: não há evidência suficiente para afirmar que o consumo de carne leva ao câncer de cólon. Há, sim, evidência de que um maior consumo de frutas e verduras diminui o risco de [[câncer]] de cólon, e que muitos estudos sobre o câncer de cólon são feitos nos EUAEstados Unidos, país com baixo consumo de frutas e verduras - daí os resultados apontando a carne como vilã.
 
A [[Oxford University]] publicou estudos em conjunto com a [[OMS]] (organizaçãoOrganização Mundial da SaudeSaúde) comprovando que carnes preservadas (diversas) e carne vermelha aumentam significativamente o risco de [[câncer]] coloretalcolorretal.<ref>{{Citar web |url=http://www.who.int/nutrition/publications/public_health_nut6.pdf |título=Dieta, nutrição e prevenção do câncer|língua=Inglês|acessodata=[[04 de abril]] de [[2012]]}}</ref>
 
==== Observações ====
Estudos atuais colocam como inconclusivos os resultados obtidos em experimentos com o objetivo de testar os malefícios das [[gordura saturada|gorduras saturadas]] para o organismo humano. Resultados cada vez mais sólidos demonstram que existe uma clara ligação, entre o consumo de carnes e doenças cardíacas, canceres e demais enfermidades.<ref>{{citar periódico|ultimo = |primeiro = |titulo = Association of Dietary, Circulating, and Supplement Fatty Acids With Coronary Risk: A Systematic Review and Meta-analysis|jornal = |doi = |url = http://annals.org/article.aspx?articleid=1846638|acessadoem = }}</ref>
 
Resultados cada vez mais sólidos demonstram que existe uma clara ligação, entre o consumo de carnes e doenças cardíacas, cânceres e demais enfermidades.<ref>{{citar periódico|ultimo = |primeiro = |titulo = Association of Dietary, Circulating, and Supplement Fatty Acids With Coronary Risk: A Systematic Review and Meta-analysis|jornal = |doi = |url = http://annals.org/article.aspx?articleid=1846638|acessadoem = }}</ref>
 
== Carne vermelha e carne branca ==
A carne vermelha é mais escura, em contraste com a branca. A definição exata varia, mas a carne de mamíferos adultos, como de bois, carneiros e cavalos, é, invariavelmente, considerada "vermelha", enquanto a de frangos e coelhos é, invariavelmente, considerada "branca". A carne de porco é considerada "vermelha", apesar de ser frequentemente referenciada como "mista" ou "branca" pelo cunho popular.
 
A diferença de cor deve-se à concentração de [[mioglobina]], que é mais presente em carnes vermelhas. Quando a mioglobina é exposta ao oxigênio, forma-se a oximioglobina, que é avermelhada.
 
== Ética em relação ao consumo de carne ==
Há várias objeções em relação ao consumo de carne que levam algumas pessoas a não a comerem. Por exemplo, a aversão a matar animais ou a causar dor, [[ética ambiental]], [[direitos dos animais]] e doutrinas religiosas. O [[Jainismojainismo]] sempre se opôs ao consumo de carne, e há muitas escolas do [[budismo]] e [[hinduismohinduísmo]] que condenam o hábito de comer carne. Algumas religiões proíbem o consumo de carnes específicas, como porcos ([[judaísmo]] e [[islamismo]]) e vacas (hinduísmo). Há pessoas que não comem carne de certos animais simplesmente por [[tabu]], como gatos, cachorros, cavalos ou coelhos simplesmente por [[tabu]]. Há os que comem apenas carne de animais que acreditam que não foram maltratados, e se abstémabstêm de carnes de animais confinados ou de produtos particularesdeterminados como ''[[foie gras]]'' e [[vitelo]].
 
=== Carne ''in vitro'' ===