Abrir menu principal

Alterações

3 861 bytes adicionados ,  00h09min de 4 de março de 2017
m
Formatei as referências, muitas foram difíceis de achar.
 
{{Multitag|mnot|fref|data=outubro de 2011}}
{{Mais-fontes|data=outubro de 2011}}{{História da Bulgária}}
A '''história da Bulgária''' como um [[Estado]] independente, começou no {{séc|VII|l}}, com a chegada dos [[búlgaros]], e a fundação do Primeiro Império Búlgaro, reconhecido em [[681]] pelo [[Império Bizantino]].
 
[[Imagem:Bulgaria Simeon I (893-927) pt.svg|thumb|upright=1.2|O Primeiro Império Búlgaro em sua máxima extensão territorial, durante o reinado do tzar Simeão I.]]
 
O Primeiro Império Búlgaro foi criado como resultado de uma expansão da [[Antiga Grande Bulgária]] para o território ao sul do [[rio Danúbio]], e é geralmente descrito como tendo durado entre 632 e 1018, quando foi dominado pelo Império Bizantino, apesar da resistência feroz de [[Samuel da Bulgária|Samuel]]. Gradualmente atingiu o seu apogeu cultural e territorial no {{séc|IX}} e princípios do {{séc|X}} sob {{Lknb|Bóris|I|da Bulgária}} e [[Simão I da Bulgária|Simeão, o Grande]], quando se transformou no centro cultural e literário da [[Europa eslava]] e em um dos maiores Estados da Europa.<!-- trazido de [[Império Búlgaro]] (http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Imp%C3%A9rio_B%C3%BAlgaro&oldid=29503560) --> Uma das teorias é que os búlgaros eram um povo [[Nomadismo|nômade]] e guerreiro da [[Ásia Central]] (ver [[protobúlgaros]]), relacionados com os [[hunos]]. De fato, os primeiros [[cã]]s búlgaros remontam suas origens a [[Átila, o Huno]]. Já na primeira metade do {{séc|VII}}, sob seu rei cã [[Kubrat]], haviam formado um reino ao norte do [[mar Negro]], que os [[bizantinos]] chamavam "Magna Bulgária". Depois da morte de Kubrat, o império foi dividido entre seus três filhos mais velhos, como resultado do qual uma parte dos búlgaros mudaram para leste até a confluência dos rios [[rio Volga|Volga]] e [[rio Kama|Kama]], que chegaram a formar o Estado da [[Bulgária do Volga]], enquanto outro grupo se estabeleceu no [[delta do Danúbio]], liderado pelo cã [[Asparuque]], terceiro filho de Kubrat e onde um terço da população búlgara permaneceu.
Uma das teorias é que os búlgaros eram um povo [[Nomadismo|nômade]] e guerreiro da [[Ásia Central]] (ver [[protobúlgaros]]), relacionados com os [[hunos]]. De fato, os primeiros [[cã]]s búlgaros remontam suas origens a [[Átila, o Huno]]. Já na primeira metade do {{séc|VII}}, sob seu rei cã [[Kubrat]], haviam formado um reino ao norte do [[mar Negro]], que os [[bizantinos]] chamavam "Magna Bulgária". Depois da morte de Kubrat, o império foi dividido entre seus três filhos mais velhos, como resultado do qual uma parte dos búlgaros mudaram para leste até a confluência dos rios [[rio Volga|Volga]] e [[rio Kama|Kama]], que chegaram a formar o Estado da [[Bulgária do Volga]], enquanto outro grupo se estabeleceu no [[delta do Danúbio]], liderado pelo cã [[Asparuque]], terceiro filho de Kubrat e onde um terço da população búlgara permaneceu.
 
[[Imagem:Krum1.jpg|thumb|esquerda|upright=1.1|[[Cã]] [[Crum da Bulgária|Crum]] festeja com seus nobres depois da [[batalha de Plisca]], enquanto sua serva (a direita) lhe traz o crânio de Nicéforo, já transformado em taça, cheio de vinho.]]
 
Asparuque, cã da [[Antiga Grande Bulgária]], emigrou com várias tribos dos búlgaros até as terras baixas ao longo dos rios Danúbio, [[Rio Dniestre|Dniestre]] e [[Rio Dniepre|Dniepre]] (conhecido como "Ongala"), logo após o estado de seu pai ser subjugado pelos [[cazares]]. De lá, os búlgaros assediaram as guarnições de Bizâncio e as venceram na [[Batalha de Ongala]]. Conquistou províncias bizantinas da [[Mésia]] e [[Cítia Menor]] (Dobrogeia), expandindo seu reino para o interior da [[península Balcânica]].<ref name=":0">{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=NgxhQwAACAAJ&dq=Runciman,+1930,&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjhm5L7wLvSAhWHUZAKHTziC7oQ6AEIIjAB|título=A History of the First Bulgarian Empire, by Steven Runciman,...|ultimo=Runciman|primeiro=Steven|data=1930-01-01|peditora=G. 26Bell and sons|lingua=en}}</ref> Seus frequentes [[raide]]s levaram à realização de uma [[expedição punitiva]] contra eles pelo [[imperador bizantino]] {{Lknb|Constantino|IV}}. Com o fracasso desta expedição, o Império Bizantino foi forçado a aceitar a existência do Império Búlgaro, e pagar um tributo anual para evitar incursões. No ano 681, quando Bizâncio reconheceu pela primeira vez o Estado búlgaro, é considerado a data de nascimento da Bulgária moderna.
 
Os sucessores de Asparuque fortaleceram o Estado búlgaro: [[Tervel da Bulgária|Tervel]] {{nwrap|r.|700/701|718/721}}, firmou limites e estabeleceu a Bulgária como uma grande potência militar depois de derrotar um exército árabe de {{fmtn|26000}} homens em 717, eliminando assim a ameaça de invasão em larga escala pelos países árabes para a [[Europa Central]] e [[Europa Oriental|Oriental]].<ref>{{Cita Harvard|Teófanes|1883|pp= 397, 25–30}}</ref>
 
No início do {{séc|IX}}, durante o reinado de [[Crum da Bulgária|cã Crum]], o Império Búlgaro chegou a estender-se a parte da [[Panónia]] e [[Transilvânia]]. Crum {{nwrap|r.|802|814}},<ref>{{Cita Harvard|Runciman|1930|pname=":0" 52}}</ref> duplicou o território do país, assassinando o imperador {{Lknb|Nicéforo|I, o Logóteta}} na [[Batalha de Plisca]]<ref name = Theophanes>{{Cita Harvard|Teófanes|1883|loc= cap. 61}}</ref> e introduziu o primeiro código civil escrito, válido aos eslavos e búlgaros. Os búlgaros [[cristianização da Bulgária|abraçaram o cristianismo]] de [[rito bizantino]], após a conversão de {{Lknb|Bóris|I|da Bulgária}} {{nwrap|r.|852|889}}.
 
Em 864, Boris&nbsp;I aboliu o [[tengriismo]], substituindo-o pelo [[Igreja Ortodoxa|cristianismo ortodoxo oriental]],<ref>Georgius{{Citar Monachus Continuantslivro|url=https://books. ''google.com.br/books?id=gVU6AQAAMAAJ&pg=PA6&dq=Chronicon'', ''+Corpus+Scriptorum+Historiae+Byzantinorum&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjO4s74wbvSAhUFS5AKHQ7aD6sQ6AEIIjAB#v=onepage&q=Chronicon,%20Corpus%20Scriptorum%20Historiae%20Byzantinorum&f=false|título=Corpus Scriptorum Historiae Byzantinorum'',Byzantinae|data=1829-01-01|editora=impensis [[Bona]],E. 1828—97Weberi|lingua=la}}</ref> e introduziu o [[alfabeto cirílico]], desenvolvido na [[Escola Literária de Preslav]] e na [[Escola Literária de Ácrida|de Ócrida]].<!-- ref name="Paul Cubberley 1996"/ --> O alfabeto cirílico, junto com a antiga [[língua búlgara]], constituíram a principal linguagem escrita da Europa Oriental (''[[lingua franca]]''), a linguagem é atualmente conhecido como [[antigo eslavo eclesiástico]]. Assim, a adoção da nova fé também envolveu o uso do eslavo como língua da liturgia e da administração. A [[cristianização da Bulgária|cristianização]] e a eslavização deram ao Império Búlgaro uma área de grande influência. O Estado atingiu o seu apogeu político e cultural de sua história<ref>{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=Y0NBxG9Id58C&printsec=frontcover&dq=The+Early+Medieval+Balkans:+A+Critical+Survey+from+the+Sixth+to+the+Late+Twelfth+Century.&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjDocicwrvSAhXDH5AKHUZwDH0Q6AEIGjAA#v=onepage&q=The%20Early%20Medieval%20Balkans:%20A%20Critical%20Survey%20from%20the%20Sixth%20to%20the%20Late%20Twelfth%20Century.&f=false|título=The Early Medieval Balkans: A Critical Survey from the Sixth to the Late Twelfth Century|ultimo=Fine|1991primeiro=John V. A.|ppultimo2=Fine|primeiro2=John 144Van Antwerp|data=1991-14801-01|editora=University of Michigan Press|lingua=en|isbn=0472081497}}</ref> com o reinado de {{Lknb|Simão|I|da Bulgária}} {{nwrap|r.|893|927}}, cujo plano, que esteve perto de ser realizado, era unir sob seu domínio as monarquias búlgaras e bizantinas. Simeão foi o primeiro monarca a adotar o título de [[tsar búlgaro]] (derivado do título romano ''caesar'', [[César (título)|césar]]).
 
Simeão foi capaz de ganhar a supremacia militar sobre o Império Bizantino na [[Batalha de Bulgarófigo]] e, finalmente, na [[Batalha de Anquíalo (917)|Batalha de Anquíalo]], uma das batalhas mais sangrentas da [[Idade Média]],<ref name=Dimitrov1>{{citarCitar livro|sobrenomeurl= Bojidar|nomehttps://books.google.com.br/books?id= Dimitrovg-8-AQAAIAAJ&q=isbn:9545000449&dq=isbn:9545000449&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwj1w52_wrvSAhWFUJAKHeO0Ce4Q6AEIHDAA|título= Bulgaria: Illustratedillustrated Historyhistory|idiomaultimo= inglêsDimitrov|primeiro=Bozhidar|data=1994-01-01|editora= Boriana Publishing HouseBorina|anolingua= 2002en|isbn= 95450004499789545000447}}</ref> e uma das suas vitórias mais decisivas. Seu reinado viu também o desenvolvimento de uma cultura eslava cristã rica e única, que se tornou um exemplo para outros povos eslavos da Europa Oriental e também incentivou a continuação da existência da nação búlgara, apesar das forças que a ameaçavam.
 
[[Imagem:Map Byzantine Empire 1045-pt.svg|thumb|upright=1.2|Divisão administrativa do [[Império Bizantino]] c. 1045]]
 
Após a morte de Simeão, o declínio da autoridade real, lutas de sucessão dinásticas e ataques externos de povos como os [[croatas]], [[sérvios]], [[húngaros]] e [[pechenegues]], e a propagação da religião dos [[bogomilos]].<ref>{{citar web|url= http://www.britannica.com/EBchecked/topic/84090/Bulgaria/42725/The-spread-of-Christianity|título= The spread of Christianity|acessodata= 13 de janeiro de 2011|data= 2010|obra= Encyclopædia Britannica|idioma= inglês}}</ref><ref>{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=UGcbAAAAYAAJ&q=Browning|,+1975+about+bulgaria&dq=Browning,+1975+about+bulgaria&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwj77f37wrvSAhVGHJAKHQ-8AMkQ6AEIGjAA|pptítulo=Byzantium 194and yBulgaria: 195A Comparative Study Across the Early Medieval Frontier|ultimo=Browning|primeiro=Robert|data=1975-01-01|editora=Temple Smith|lingua=en|isbn=9780851170640}}</ref> foram minando o Estado búlgaro, levando a sucessivas invasões, [[Invasão da Bulgária por Sviatoslav|primeiro por]] parte do [[Principado de Kiev]] e, em seguida, do [[Império Bizantino]], que terminou com a captura da capital, [[Preslav]], pelo [[exército bizantino]].<ref>{{citar web|url= http://oldru.narod.ru/biblio/ldt6_10.htm|título= Лев Диакон. История|acessodata= 13 de janeiro de 2011|data= 2008|obra= Narod.ru|autor= Leo Diaconus|idioma= russo}}</ref> No mandato de [[Samuel da Bulgária|Samuel]], a Bulgária recuperou alguns destes ataques e conseguiu vencer a [[Sérvia]], [[Bósnia (região)|Bósnia]]<ref>{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=d3cFMwEACAAJ&dq=%D0%A8%D0%B8%D1%88%D0%B8%D1%9B,+1928&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjzzo6bw7vSAhUGGZAKHS9EASYQ6AEIGjAA|título=Летопис Попа Дукљанина. Уредио Фердо Шишић. [The original latin text based on the Vatican manuscript with the Italian translation of M. Orbini, an early translation in Serbocroatian transcribed by Papalić and Kaletić, with a Latin translation of this version by M. Marulić.].|ultimo=SLAVS|data=1928-01-01|plingua= 331en}}</ref> e [[Dóclea]],<ref>{{citar web|url= http://www.vostlit.info/Texts/rus6/Dukljanin/frametext.htm|título= ЛЕТОПИСЬ ПОПА ДУКЛЯНИНА|acessodata= 13 de janeiro de 2011|data= 2003|obra= Vostlit.info|idioma= russo}}</ref> mas essa sequência de vitórias terminou em [[1014]], quando o Estado Búlgaro foi conquistado pelo imperador {{Lknb|Basílio|II Bulgaróctone}} na [[Batalha de Clídio]].<ref name="Skylitzes:1">{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=vGE8Xq832A0C&pg=PR12&dq=Scylitzae|,+1973&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjuy4TOw7vSAhUHHZAKHWvAAksQ6AEIHDAA#v=onepage&q=Scylitzae,%201973&f=false|ptítulo=John 457Skylitzes: A Synopsis of Byzantine History, 811–1057: Translation and Notes|ultimo=Skylitzes|primeiro=John|ultimo2=Wortley|primeiro2=John|data=2010-10-07|editora=Cambridge University Press|lingua=en|isbn=9781139489157}}</ref> Samuel morreu pouco depois da batalha, em 15 de outubro de 1014,<ref name="Skylitzes:1" /> e em 1018 o [[Conquista bizantina da Bulgária|Império Bizantino conquistou completamente]] o Primeiro Império Búlgaro. A Bulgária manteve-se sob a autoridade de [[Constantinopla]] durante quase dois séculos, entre 1018 e 1185.
 
=== Segundo Império Búlgaro ===
O Estado medieval búlgaro foi restaurado como o Segundo Império Búlgaro depois de uma [[Revolta de Asen e Pedro|revolta bem sucedida]] de dois nobres em [[Tarnovo]], [[João Asen I da Bulgária|Asen]] e [[Teodoro Pedro da Bulgária|Pedro]], em 1185, e existiu até que foi conquistado durante a invasão otomana dos Balcãs no final do {{séc|XIV}}, com a data da sua subjugação sendo geralmente dada como 1396 ou 1422. Sob {{Lknb|João Asen|II|da Bulgária}}, monarca considerado em sua época como o restaurador do [[patriarcado búlgaro]], na primeira metade do {{séc|XIII}}, se recuperou grande parte de seu antigo poder, mas isso não durou muito tempo devido aos problemas internos e às invasões estrangeiras.
 
Basílio II logrou prevenir rebeliões, mantendo as leis locais da nobreza da Bulgária, que ingressaram na [[Títulos bizantinos|aristocracia bizantina]] como arcontes ou [[estratego]]s,<ref name="Zlatarski">{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=MxdjNcI-cw4C&pg=PA660&dq=Zlatarski|,+1934&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwj-ib36w7vSAhVHUJAKHXIRC1sQ6AEIGjAA#v=onepage&q=Zlatarski,%201934&f=false|loctítulo=Byzantium, vol. IIPliska, pp.and 1–41the Balkans|ultimo=Henning|primeiro=Joachim|data=2007-01-01|editora=Walter de Gruyter|lingua=en|isbn=9783110218831}}</ref> assegurando a indivisibilidade da Bulgária, com seus limites antigos e reconhecendo a [[autocefalia|autocéfala]] arquidiocese búlgara de Ohrid.<ref>{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://www.amazon.com/Bulgaria-Romania-Cruising-Cameron-2006-08-01/dp/B01K92NMK8|título=Bulgaria and Romania Cruising Guide by Nic Cameron|ultimo=Cameron|primeiro=Nic|data=2006-08-01|peditora=Imray,Laurie,Norie 170& Wilson Ltd|ano=|local=|paginas=|acessodata=}}</ref> Após sua morte, a política interna bizantina se modificou, o que levou a uma série de revoltas sem êxito, a [[Revolta de Pedro Delian|maior das quais]] foi dirigida por [[Pedro II Delian da Bulgária|Pedro Delian]].
 
[[Imagem:BULGARIA under Iwan ASSEN II.jpg|thumb|upright=1.2|O Segundo Império Búlgaro em sua máxima extensão territorial durante o reinado do tzar [[João Asen II da Bulgária|João Asen II]].]]
== Domínio otomano ==
{{Artigo principal|Bulgária otomana}}
A partir do {{séc|XIV}} até ao {{séc|XVIII}}, a Bulgária não existia como um Estado soberano. Com isso, os otomanos finalmente a subjugaram e a ocuparam.<ref>{{citarCitar livro|autorurl= Lord Kinrosshttps://books.google.com.br/books?id=zf_YEyMAou0C&q=The+Ottoman+Centuries&dq=The+Ottoman+Centuries&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjZmKzGxLvSAhUHlpAKHVuDCVkQ6AEIGjAA|título= The Ottoman Centuries|idiomaultimo= inglêsKinross|primeiro=Lord|data=2002-01-01|editora= Morrow QuillHarperCollins|anolingua= 1979en|isbn=9780688080938}}</ref><ref name = "xixcnf">{{citarCitar livro|sobrenome= Crampton|nomeurl= Rhttps://books. Jgoogle.com.br/books?id=Ylz4fe7757cC&printsec=frontcover&dq=A+Concise+History+of+Bulgaria&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjous3exLvSAhXCHpAKHctHBhIQ6AEIGjAA#v=onepage&q=A%20Concise%20History%20of%20Bulgaria&f=false|título= A Concise History of Bulgaria|idiomaultimo= inglêsCrampton|anoprimeiro=R. 1997J.|data=2005-11-24|editora= Cambridge University Press|lingua=en|isbn= 0-521-567-19-X9780521616379}}</ref><ref name = "xouksi">{{citarCitar livro|sobrenomeurl= Hupchick|nome= Dennis Phttps://books.google.com.br/books?id=sQGIDAAAQBAJ&printsec=frontcover&dq=The+Balkans:+From+Constantinople+to+Communism&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjVhYztxLvSAhXDgpAKHYc9CcMQ6AEIHTAA#v=onepage&q=The%20Balkans:%20From%20Constantinople%20to%20Communism&f=false|título= The Balkans: From Constantinople to Communism|anoultimo= 2002Hupchick|idiomaprimeiro= inglêsD.|data=2002-01-11|editora= Palgrave MacmillanSpringer|lingua=en|isbn= 97803122173659780312299132}}</ref> Durante seu domínio, a população búlgara sofria muito com a opressão, a intolerância e a má governação.<ref>{{CitaCitar Harvardlivro|url=https://books.google.com.br/books?id=ubNGZQrvxHoC&printsec=frontcover&dq=Schurman,+2005+book+about+bulgaria&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjMiOCLxbvSAhUJHJAKHRKHAmgQ6AEIGjAA#v=onepage&q=Schurman,%202005%20book%20about%20bulgaria&f=false|título=The Balkan Wars, 1912-1913|ultimo=Schurman|primeiro=Jacob Gould|data=2005-01-01|peditora=Cosimo, 140Inc.|lingua=en|isbn=9781596051768}}</ref> A nobreza foi eliminada e os camponeses explorados pelos otomanos,<ref name="Bulgaria"/> enquanto os búlgaros não tinham a igualdade jurídica com os otomanos muçulmanos e pagavam impostos mais altos do que eles.<ref>{{citarCitar livro|sobrenomeurl= Crampton|nome= Rhttps://books. Jgoogle.com.br/books/about/Bulgaria_1878_1918.html?id=I6y2AAAAIAAJ&redir_esc=y|capítulotítulo= Bulgaria 1878–19181878-1918: a history|idiomaultimo= inglêsCrampton|volumeprimeiro=R. 2J.|títulodata=1983-01-01|editora= East European Monographs|anolingua= 1983en|isbn= 08803302959780880330299}}</ref> A cultura búlgara foi isolada da Europa, as suas realizações foram destruídas e os clérigos educados fugiram para outros países.<ref>{{Cita Harvard|Jiriček|2008}}</ref> Ao longo dos quase cinco séculos de domínio otomano, o povo búlgaro respondeu à opressão, reforçando a tradição do [[Haiduk]] ("[[bandoleirismo]]"),<ref name="Bulgaria"/> e tentou restaurar o seu Estado a organizar várias revoltas, destacando duas revoltas em Tarnovo (1598 e 1686) e a rebelião de Karposh (1689).
 
[[Imagem:Chelebowski varna.jpg|thumb|upright=1.1|esquerda|''[[Batalha de Varna]]'', por Stanislav Chelebowski.]]
Em 1911, o primeiro-ministro nacionalista [[Ivan Geshov]] formou uma aliança com a Grécia e a Sérvia, em conjunto, para atacar os otomanos. Em fevereiro de 1912, um tratado secreto foi assinado entre a Bulgária e a Sérvia e maio de 1912&nbsp;um tratado semelhante com a Grécia. [[Montenegro]] também foi trazido para o pacto. Os tratados previam a divisão da [[Macedônia (região)|Macedônia]] e da [[Trácia]] entre os [[Liga Balcânica|aliados]], embora as linhas de partição ficaram perigosamente vagas.
 
Depois de os otomanos se recusarem a implementar reformas nas áreas disputadas, a [[Primeira Guerra Balcânica]] eclodiu em outubro de 1912, em um momento em que os otomanos estavam presos em uma [[guerra Ítalo-Turca|grande guerra com a Itália]]. Os aliados na [[Líbia]] derrotaram facilmente os otomanos e apreenderam todo seu território europeu.<ref>Pundeff,{{Citar livro|url=https://books.google.com.br/books?id=6bz5M7-d7icC&pg=PA192&dq=Pundeff+(1992)&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiz4KfwxbvSAhUCgJAKHS4BA9gQ6AEIHDAA#v=onepage&q=Pundeff%20(1992)&f=false|título=The ppPolitics 70of Central Europe|ultimo=Ágh|primeiro=Attila|data=1998-06-7228|editora=SAGE|lingua=en|isbn=9780761950325}}</ref> A cidade de ''Adrianópolis'' (atual [[Edirne]]), caiu em março de 1913 e o [[Império Otomano]] se rendeu. Pelo [[Tratado de Londres (1913)|Tratado de Londres]] (30 de maio de 1913), os turcos deixaram quase todos os territórios europeus a oeste de Adrianópolis.
 
A Bulgária obteve pesadas vítimas{{esclarecer}} de qualquer um dos aliados e em qualquer caso, tentou aproveitar a maior parte dos despojos. Os sérvios em particular, não concordam e se recusam a ceder qualquer parte do território que haviam tomado no norte da Macedônia (ou seja, o território que corresponde aproximadamente a moderna [[República da Macedônia]]), afirmando que o exército búlgaro não conseguiu realizar suas metas pré-guerra em Adrianópolis (para capturá-la sem a ajuda da Sérvia) e que o acordo pré-guerra sobre a divisão da Macedônia deveria de ser revisto. Alguns círculos na Bulgária inclinaram para ir à guerra com a Sérvia e Grécia sobre esta questão.
Em junho de 1913, a Sérvia e a Grécia formaram uma nova aliança contra a Bulgária. O primeiro-ministro sérvio [[Nikola Pasic]] afirmou que a Grécia poderia ter a Trácia, desde que a Grécia ajudasse a Sérvia a manter a Bulgária fora da parte sérvia da Macedônia, assim, o primeiro-ministro grego [[Elefthérios Venizélos]] concordou. Vendo isso como uma violação dos acordos do pré-guerra, e discretamente incentivada pela Alemanha e Áustria-Hungria, o czar Fernando I declarou guerra à Sérvia e à Grécia e o exército búlgaro atacou-os em 29 de junho, deflagando a [[Segunda Guerra Balcânica]]. As forças sérvias e gregas foram inicialmente recuando na fronteira ocidental, mas logo viraram a situação e forçaram a Bulgária a recuar. A luta foi muito dura, com muitas baixas, especialmente durante a [[batalha de Bregalnitsa]]. Logo, a Romênia entrou na guerra e atacou a Bulgária a partir do norte. O Império Otomano também atacou a partir do sudeste.
 
A Segunda Guerra Balcânica significou um desastre para a Bulgária, que pediu pela paz. Pelo [[Tratado de Bucareste (1913)|Tratado de Bucareste]] (10 de agosto de 1913), a Bulgária obteve uma parte da Trácia ao sul, que permitiu o acesso ao [[mar Egeu]], mas teve que ceder a [[Dobruja do Sul]] à Romênia, enquanto a Sérvia assegurou o disputado território da Macedônia. Pelo [[Tratado de Constantinopla (1913)|Tratado de Constantinopla]], a Bulgária também teve que devolver ''Adrianópolis'' e a Trácia ao Império Otomano. As duas guerras balcânicas deixaram a Bulgária bastante debilitada, impedindo seu progresso econômico estável e custando {{formatnum:58000}} mortos e {{formatnum:100000}} feridos. No entanto, as exigências revanchistas para recuperar a maior parte da Macedônia permaneceram fortes.<ref name=":2">Charles{{Citar Jelavilivro|ch and Barbara Jelavichurl=https://books.google.com.br/books?id=LBYriPYyfUoC&printsec=frontcover&dq=The+Establishment+of+the+Balkan+National+States, ''+1804-1920&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiwnc-GxrvSAhVCfZAKHZMiDdUQ6AEIGjAA#v=onepage&q=The%20Establishment%20of%20the%20Balkan%20National%20States,%201804-1920&f=false|título=The Establishment of the Balkan National States, 1804-1920''|ultimo=Jelavich|primeiro=Charles|ultimo2=Jelavich|primeiro2=Barbara|data=2012-09-20|editora=University (1977)of ppWashington 216-21, 289Press|lingua=en|isbn=9780295803609}}</ref>
 
==== Primeira Guerra Mundial ====
[[Imagem:BulgariaComienzosSigloXX.svg|thumb|upright=1.2|Evolução territorial da Bulgária da independência até o final da Primeira Guerra Mundial.]]
 
A Bulgária também negociou com os [[Aliados da Primeira Guerra Mundial|Aliados]], que ofereceram termos um pouco menos generosos. O rei decidiu juntar-se à Alemanha e à Áustria, e assinou uma aliança com eles em setembro de 1915, juntamente com um arranjo especial búlgaro-turco. Eles imaginavam que a Bulgária iria dominar os Balcãs, depois da guerra.<ref>Charles Jelavichname=":2" and Barbara Jelavich, ''The Establishment of the Balkan National States, 1804-1920'' (1977) pp 289-90</ref> A Bulgária, que tinha o maior exército dos Balcãs, declarou guerra à Sérvia em outubro de 1915. A Grã-Bretanha, França e [[Reino de Itália (1861–1946)|Itália]], em seguida, declararam guerra à Bulgária. As negociações foram altamente bem sucedidas do ponto de vista imediato da Bulgária. Em aliança com a Alemanha, Áustria-Hungria e com os otomanos, a Bulgária obteve vitórias militares contra a Sérvia e a Romênia, ocupando grande parte da Macedônia (tendo ocupado [[Escópia]], em outubro), avançando para a Macedônia grega, e tendo ocupado [[Dobruja]] da Romênia, em setembro de 1916. Assim, a Sérvia foi eliminada da guerra, e a Turquia foi temporariamente salva do colapso.<ref>{{Citar periódico|ultimo=Silberstein|primeiro=Gerard E. Silberstein, "|data=1967-01-01|titulo=The Serbian Campaign of 1915: Its Diplomatic Background,"|jornal=The ''American Historical Review,'' Oct 1967, Vol. |volume=73 Issue |numero=1, pp 51-69 [|paginas=51–69|doi=10.2307/1849028|url=http://www.jstor.org/pssstable/1849028 in JSTOR]}}</ref>
 
Mas a guerra logo tornou-se impopular entre a maioria dos búlgaros, que sofreram grandes dificuldades econômicas e também não gostavam de lutar contra os seus irmãos cristãos ortodoxos em aliança com os turcos-otomanos muçulmanos. O líder do [[Partido Agrário]], [[Aleksandur Stamboliyski]], foi preso por sua oposição à guerra. A [[Revolução de Fevereiro|Revolução Russa de Fevereiro]] de 1917 teve um grande efeito na Bulgária, espalhando-se sentimentos de antiguerra e antimonarquista entre as tropas e nas cidades. Em junho, o governo Radoslavov renunciou. Eclodiram motins no exército, Stamboliyski foi libertado e a república foi proclamada.
==== Período entre-guerras ====
 
Em setembro de 1918, o czar Fernando I abdicou em favor de seu filho [[Bóris III da Bulgária|Bóris III]]. Pelo [[Tratado de Neuilly-sur-Seine|Tratado de Neuilly]] (27 de novembro de 1919), a Bulgária teve de retornar o território da [[Dobruja do Sul]] à Romênia, a Sérvia recuperou a Macedónia e anexou vários territórios búlgaros à fronteira ocidental, a Grécia conquistou a [[Trácia Ocidental]] e deixou a Bulgária outra vez sem acesso ao [[mar Egeu]]. Em 1923, a Grécia expulsou dos territórios conquistados cerca de {{formatnum:250000}} búlgaros e substituiu-os por refugiados gregos chegados da [[Ásia Menor]] após a [[dissolução do Império Otomano]]. O país teve que reduzir seu exército a não mais de 22 mil homens e pagar indenizações superiores a US $ 400 milhões. Os búlgaros geralmente se referem aos resultados do tratado como a "Segunda Catástrofe Nacional".<ref>[{{Citar web|url=http://www.novazora.net/2008/issue35/story_01.html|titulo=Нова Независимостта,Зора тази- скъпаНезависим покойница],национален Nova Zora, September 30, 2008седмичник|acessodata=2017-03-04|obra=www.novazora.net|ultimo=Undercroft}}</ref><ref>[{{Citar web|url=http://www.bg-history.info/calendar/265/%D0%A6%D0%B0%D1%80+%D0%A4%D0%B5%D1%80%D0%B4%D0%B8%D0%BD%D0%B0%D0%BD%D0%B4+%D0%86+%D0%B8+%D0%BF%D1%80%D0%B5%D0%BC%D0%B8%D0%B5%D1%80%D1%8A%D1%82+%D0%9C%D0%B0%D0%BB%D0%B8%D0%BD%D0%BE%D0%B2+%D1%81%D0%B0+%D0%B2+%D0%9F%D0%B5%D1%82%D0%B5%D1%80%D0%B1%D1%83%D1%80%D0%B3.html|titulo=Календар Царза Фердинанд04 І и премиерът Малинов са в Петербург],Март 2017|acessodata=2017-03-04|obra=www.bg-history.info: ''Фердинанд I Сакскобургготски е отговорен за обявяването на Междусъюзническата война и претърпяната от България първа национална катастрофа. Под негово влияние България се присъединява към Тройния съюз по време на Първата световна война. Последвалата втора национална катастрофа принуждава Фердинанд I да абдикира от българския престол на 3 октомври 1918 г. в полза на своя син Борис III.'' [Translation: "Ferdinand I of Saxe|lingua=bg-Coburg-Gotha, dissuaded from declaring for the Inter-Allied war, brought on Bulgaria the first national catastrophe. Under his influence Bulgaria joined the Triple Alliance in the period of the First World War. The consequent second national catastrophe forced Ferdinand I to abdicate from the Bulgarian throne on 3 October 1918 in favor of his son Boris III."]BG}}</ref>
 
[[Imagem:Stamboliyski - Treaty of Neuilly-sur-Seine.jpg|thumb|esquerda|upright=1.1|Stamboliski firma o Tratado de Paz de Neuilly.]]
Durante o [[período entreguerras]], a Bulgária passou por um momento de turbulência política. As eleições de março de 1920 deram aos ''Agrários'' uma grande maioria e [[Aleksandar Stamboliyski]] formou um governo na Bulgária. Ele enfrentou um grande problema social, mas foi capaz de realizar muitas reformas, apesar da oposição das classes média e alta, os latifundiários e os oficiais do exército mantiveram-se poderosos. Em março de 1923, Stamboliyski assinou um acordo com o [[Reino da Iugoslávia]] reconhecendo a nova fronteira e acordando para suprimir [[Organização Revolucionária Interna da Macedônia]] (ORIM), o que favoreceu uma guerra para reconquistar a Macedónia da Iugoslávia. Isto provocou uma reação nacionalista e um golpe de Estado búlgaro de 9 de junho de 1923 que acabou resultando no assassinato de Stamboliykski. Pouco depois, estourou uma insurreição comunista, que foi duramente reprimida pelo governo, e nos anos seguintes, o [[terrorismo]] e a instabilidade política marcaram o período. Um governo de direita de [[Aleksandar Tsankov]] assumiu o poder, apoiado pelo exército e pela ORIM, que travou um [[Terror Branco|Terror branco]] contra os ''Agrários'' e os comunistas. Em 1926, o tzar convence Tsankov a demitir-se, e um governo mais moderado com [[Andrey Lyapchev]] assumiu o cargo e foi proclamada uma [[anistia]], embora os comunistas continuaram proibidos. Uma aliança popular, incluindo os Agrários reorganizou-se, ganhando as eleições de 1931 sob o nome de "Bloco Popular" .<ref>John{{Citar Dlivro|url=https://books. Bellgoogle.com.br/books?id=G6o-vgAACAAJ&dq=Alexander+Stamboliski+and+the+Bulgarian+Agrarian+National+Union, ''+1899%E2%80%931923&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwi4kbjVxrvSAhXBk5AKHREtChEQ6AEIHDAA|título=Peasants in Power: Alexander Stamboliski and the Bulgarian Agrarian National Union, 1899–1923''1899-1923|ultimo=Bell|primeiro=John (D.|data=1977)-01-01|editora=Princeton University Press|lingua=en|isbn=9780691075846}}</ref>
 
Surgiram os [[Komitadjis]], liderados por Mikhailov, saídos da ORIM (Organização Revolucionária Interna da Macedônia, fundada em finais do {{séc|XIX}}), a imitação dos ''[[ustasha]]s'' da [[Croácia]] e de outros movimento de inspiração nacionalista-fascista. Em 1934, um agente da ORIM, a serviço dos ''ustasha'' croatas, assassinou o rei [[Alexandre I da Iugoslávia]], em [[Marselha]]. No mesmo ano, os agentes búlgaros deram um novo [[golpe de Estado]], retirando o Bloco Popular do poder e instituindo um regime militar autoritário liderado por [[Kimon Georgiev]]. Um ano mais tarde, o tzar [[Bóris III da Bulgária|Boris III]] conseguiu retirar o regime militar do poder, e restaurar uma forma de governo parlamentar (sem o restabelecimento dos partidos políticos) e sob seu próprio controle rigoroso. O regime do tzar proclamou a neutralidade, mas gradualmente a Bulgária gravitou em aliança com a [[Alemanha Nazi|Alemanha nazista]] e a [[Itália fascista]].
Após a eclosão da [[Segunda Guerra Mundial]], em 1940, a Alemanha e a [[União Soviética]] pressionaram o governo da [[Romênia]], que teve de ceder territórios para a [[Hungria]] e a URSS. A Bulgária aderiu à ofensiva diplomática e exigiu a devolução do Sul de Dobrudja, que foi obtido pelo [[Tratado de Craiova]], em 7 de setembro.
 
No entanto, a Bulgária foi forçada a se juntar às [[potências do Eixo]], em 1941, quando as tropas alemãs que estavam se preparando para invadir a Grécia a partir da Romênia chegaram às fronteiras da Bulgária e pediram permissão para passar pelo território búlgaro. Ameaçado pelo confronto militar direto, o czar Boris III não teve escolha senão se juntar ao bloco fascista, o que foi oficializado em {{dtlink|1|3|1941}}. Houve pouca oposição popular, uma vez que a União Soviética estava em um [[pacto Molotov-Ribbentrop|pacto de não agressão com a Alemanha]].<ref>[{{Citar web|url=http://www.bulgaria-embassy.org/History_of_Bulgaria.htm#BULGARIA%20DURING%20WORLD%20WAR%20II]|titulo=History of Bulgaria|acessodata=2017-03-04|obra=www.bulgaria-embassy.org}}</ref>
 
O país, participou da [[Frente Iugoslava|divisão da Iugoslávia]] e da Grécia. Através de suas alianças, a Bulgária obteve uma grande parte da Macedônia, territórios sérvios e a Trácia. O governo búlgaro trabalhou para conquistar a simpatia dos macedônios e integrá-los. Em contrapartida, cerca de 100 mil gregos foram expulsos e substituídos por búlgaros na Trácia (em resposta as deportações e expulsões realizadas pelos gregos em 1923). No entanto, apesar das suas alianças, Bóris III se recusou a participar ao lado dos alemães na guerra contra a URSS e entregar os [[judeus]] da Bulgária as autoridades nazistas, salvando 50 mil vidas.<ref>[{{Citar web|url=https://web.archive.org/web/20110123102742/http://www.ushmm.org/wlc/en/article.php?ModuleId=10005355 BULGARIA] ''United States Holocaust Memorial Museum'' 1 April 2010. Retrieved 14 April 2010.|titulo=Bulgaria|data=2011-01-23|acessodata=2017-03-04}}</ref> Em agosto de 1943, morreu subitamente, a suspeita que ele foi envenenado durante sua viagem de volta da Alemanha, uma vez que o piloto da aeronave, alemão, voou muito alto, o que o forçou a usar máscaras de oxigênio devido a aeronave não possuir pressurização da cabine. Seu sucessor, [[Simeão II da Bulgária|Simeão II]], possuía apenas seis anos, e ficou sob a tutela de políticos a serviço dos alemães.
 
Em setembro de 1944, as tropas soviéticas chegaram à Bulgária e, em seguida, o país mudou de lado e se juntou aos [[Aliados da Segunda Guerra Mundial|Aliados]].
4 715

edições