Abrir menu principal

Alterações

251 bytes removidos, 10h54min de 5 de março de 2017
sem resumo de edição
{{Mais fontes}}
[[File:Palm oil.jpg|thumb|300px|Tigela com azeite de dendê]]
O '''azeite de dendê''', '''azeite de dendém''' ou '''óleo de palma''' é um '''[[óleo]]''' popular nas [[culinária]]s [[brasilafricana]]eira e [[angolabrasileira]]na e, também, no [[candomblé]]. É o mais consumido no mundo, seguido pelos de [[soja]] e [[canola]].<ref>[[Época Negócios]], edição de março de 2009 (especial de aniversário), p. 147</ref> É produzido a partir do fruto da palmeira conhecida como [[Dendezeiro]] (''Elaeis guineensis''). Indispensável na cozinha afro-brasileira, é utilizado em pratos de origem africana como [[Caruru (prato)|caruru]],o [[vatapá]], e o [[acarajé]],. [[Bobó|bobó de camarão]],Em [[abaráAngola]], entre outros. Em Angola, é usado, por exemplo, na preparação da [[Moamba de Galinha|moamba de galinha]]. Além do uso culinário, o azeite de dendê pode também substituir o [[óleo diesel]], embora seja muito mais caro, sendo ainda rico em [[vitamina A]].
 
O '''azeite de dendê''', '''azeite de dendém''' ou '''óleo de palma''' é um '''[[óleo]]''' popular nas [[culinária]]s [[brasil]]eira e [[angola]]na e, também, no [[candomblé]]. É o mais consumido no mundo, seguido pelos de [[soja]] e [[canola]].<ref>[[Época Negócios]], edição de março de 2009 (especial de aniversário), p. 147</ref> É produzido a partir do fruto da palmeira conhecida como [[Dendezeiro]] (''Elaeis guineensis''). Indispensável na cozinha afro-brasileira, é utilizado em pratos como [[Caruru (prato)|caruru]], [[vatapá]], [[acarajé]], [[Bobó|bobó de camarão]], [[abará]], entre outros. Em Angola, é usado, por exemplo, na preparação da [[Moamba de Galinha|moamba de galinha]]. Além do uso culinário, o azeite de dendê pode também substituir o [[óleo diesel]], embora seja muito mais caro, sendo ainda rico em [[vitamina A]].
 
É empregado na fabricação de [[sabão]] e [[vela]], para proteção de [[Folha de flandres|folhas de flandres]] e chapas de [[aço]], fabricação de [[graxa]]s e [[lubrificante]]s e artigos vulcanizados. O processo de extração do azeite pode ser artesanal ou não e pode levar horas, já que o fruto de cor [[marrom|marrom ou castanha]] escura é firme. Muitas organizações ecologistas internacionais vêm criticando o uso deste óleo, alegando que a sua produção é responsável por [[desmatamento]], e recomendando a sua substituição por outros óleos.
 
[[File:Elaeis guineensis MS 3467.jpg|thumb|350px|left|Árvore de óleo de palma (''Elaeis guineensis'')]]
 
== História ==
[[File:Elaeis guineensis MS 3467.jpg|thumb|350px250px|leftright|Árvore de óleo de palma (''Elaeis guineensis'')]]
O óleo originário desta palmeira, o azeite de dendê, consumido há mais de 5 000 anos, foi introduzido na [[América]] a partir do [[século XVI]], coincidindo com o início dos [[tráfico de escravos para o Brasil]]. O estudioso [[Edison Carneiro]], em "Ladinos e Criolos: estudos sobre o negro no Brasil", de 1964, nos informa que: "Os traficantes de escravos acrescentaram o dendezeiro à paisagem natural do Brasil sem maiores dificuldades. Era natural que o plantassem primeiro na [[Bahia]], então o grande centro do comércio de negros".
O óleo originário desta palmeira, o azeite de dendê, consumido há mais de 5.000 anos, foi introduzido na [[América]] a partir do [[século XVI]], coincidindo com o início do [[Tráfico de escravos para o Brasil|tráfico negreiro para o Brasil]]. Especula-se que o dendezeiro tenha chegado às terras brasileiras junto com os primeiros cativos africanos à [[Capitania de Pernambuco]] de [[Duarte Coelho Pereira]], entre [[1539]] e [[1542]], trazidos pelos feitores de escravos.<ref>{{Citar web|url=https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1056562/1/DOC423Ainfo.pdf|título=Cronologia do Cultivo do Dendezeiro na Amazônia|publicado=Embrapa|acessodata=5-3-2017}}</ref>
[[File:Palm oil production in Jukwa Village, Ghana-04.jpg|thumb|200px|Frutos de dendezeiro no [[Gana]].]]
 
Na sua "Notícia da Bahia" ([[1759]]), José Antonio Caldas informava que os [[Navio negreiro|navios negreiros]], na ocasião, frequentavam a [[Costa da Mina]] para negociar "azeite de palmas" além de escravos. Se isto não prova a inexistência da palmeira no país, pelo menos indica que a produção de azeite ou não se fazia ainda ou era ínfima em relação às necessidades brasileiras.
[[File:Making palm oil, DR Congo.jpg|thumb|esquerda|250px|Prensagem dos frutos fervidos do dendezeiro para extração de óleo na [[República Democrática do Congo]]]]
 
Vilhena conseguiu encontrar estatísticas de 1798 que mostram que, naquele ano, entraram na Bahia mil canadas de azeite de palmas da Costa da Mina e 500 canadas da ilha de [[São Tomé (São Tomé e Príncipe)|São Tomé]], no valor total de 1 500$, ou seja, a [[mil-réis]] a canada – cerca de 4 000 [[litro]]s. No momento, porém, em que escrevia suas Cartas Soteropolitanas (1802), já estava aclimado o dendezeiro, tanto que o professor régio propunha que "fossem plantados nas terras dos engenhos, a fim de se extrair, do coco, azeite, tempero essencial da maior parte das viandas dos pretos e ainda dos brancos criados com eles".
[[File:MakingPalm palmoil production oilin Jukwa Village, DR CongoGhana-04.jpg|thumb|esquerda250px|300px|PrensagemFrutos dos frutos fervidos dode dendezeiro para extração de óleo naem [[República Democrática do CongoGana]]]]
 
A importância do [[azeite]] retirado do [[dendezeiro]], chamado óleo de dendém ou [[azeite de palma]], pode ser vista com o Alvará Régio, de [[1813]], do [[Príncipe Regente D. João]], ao isentar de taxas de alfândega o sabão e o azeite de palma, ou como é mais conhecido, [[óleo de palma]] ou [[óleo de dendê]], vindos da [[Ilha de São Tomé]], na [[África]]. <ref>[[Época Negócios]], edição de março de 2009 (especial de aniversário), p. 147</ref>
 
No contexto atual, o azeite de dendê é o segundo óleo mais produzido e consumido no mundo, representando 18,49 por cento da produção e 20,40 por cento do consumo mundial. O dendê é muito usado na [[culinária baiana]], que se baseia em sabedoria ancestral trazida da África. Dá, à comida, sabor, cor e aroma peculiares, de que é exemplo o [[vatapá]].
[[File:Palm oil factory cote d Ivoire.jpg|thumb|300px|Fábrica de azeite de dendê em Aboisso, na [[Costa do Marfim]]]]
 
== Beneficiamento ==
[[File:Palm oil factory cote d Ivoire.jpg|thumb|300px250px|Fábrica de azeite de dendê em Aboisso, na [[Costa do Marfim]]]]
O beneficiamento da produção deve ser iniciado imediatamente após a [[colheita]] e consta das seguintes etapas:<ref>Héctor Iván Velásquez Arredondo. Avaliação Exergética e Exergo-Ambiental da Produção de Biocombustíveis. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) - Escola Politécnica da Usp</ref>
# esterilização - tem, como finalidade, inativar [[enzima]]s que provocam acidez e facilitar o desprendimento dos frutos do cacho;
 
== Composição e usos ==
[[File:Moamba traditional dish in Luanda.JPG|esquerda|thumb|300px250px|Moamba de galinha, tradicional prato de Angola que é feito com azeite de dendê]]
O azeite de dendê contém proporções iguais de [[ácidos graxos]] saturados ([[ácido palmítico|palmítico]] 44% e [[ácido esteárico|esteárico]] 4%) e não saturados ([[ácido oleico|oleico]] 40% e [[ácido linoleico|linoleico]] 10%). É uma fonte natural de [[vitamina E]], [[Tocoferol|tocoferóis]] e [[Tocotrienol|tocotrienóis]] que atuam como [[antioxidante]]s. É rico também em [[betacaroteno]], fonte importante de [[vitamina A]]. O óleo de dendê é avermelhado devido a grande quantidade de [[vitamina A]], 14 vezes maior que na [[cenoura]]. No entanto, o aquecimento do óleo para frituras acaba destruindo a vitamina A e deixando o óleo branco.
[[File:Moamba traditional dish in Luanda.JPG|esquerda|thumb|300px|Moamba de galinha, tradicional prato de Angola que é feito com azeite de dendê]]
 
É o óleo mais apropriado para fabricação de [[margarina]], pela sua consistência e por não [[Rancificação|rancificar]], excelente como óleo de cozinha e frituras, sendo também utilizados na produção de manteiga vegetal, apropriada para fabricação de [[pão|pães]], [[bolo]]s, tortas, [[biscoito]]s finos, cremes etc. O maior uso de óleo de dendê é como matéria-prima na fabricação de [[sabão|sabões]], sabonete, sabão em pó, detergentes e amaciantes/amaciadores de roupa [[Biodegradabilidade|biodegradáveis]], podendo, ainda, ser utilizado (com restrições) como combustível em motores a [[diesel]].
{{Referências}}
 
{{Portal3|Bahia}}
 
{{DEFAULTSORT:Azeite Dende}}
 
[[Categoria:Culinária de Angola]]
[[Categoria:Culinária do Brasil]]
[[Categoria:Culinária da Bahia]]
[[Categoria:Óleos vegetais]]
15 609

edições