Diferenças entre edições de "Cativeiro Babilónico"

22 bytes adicionados ,  00h07min de 9 de março de 2017
m
Foram revertidas as edições de 189.83.12.251 para a última revisão de 2804:14D:5CB8:904E:2551:FEC0:F73B:F902, de 05h28min de 7 d...
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Foram revertidas as edições de 189.83.12.251 para a última revisão de 2804:14D:5CB8:904E:2551:FEC0:F73B:F902, de 05h28min de 7 d...)
O Cativeiro em Babilónia e o regresso do povo judeu à terra de Judá, foram entendidos como um dos grandes atos centrais no drama da relação entre o Deus de Israel e o seu povo arrependido em parte. O caso do Reino de Judá foi muito diferente do destino das 10 Tribos que formavam o [[Reino de Israel Setentrional]]. Tal como o Antigo Israel tinha sido predestinado como povo para serem libertos da escravatura no [[Egito|Antigo Egito]], agora os judeus estavam predestinados a serem punidos por Deus usando o Império Neo-babilónio e, mais uma vez, libertos. Esta experiência coletiva teve efeitos muito importantes na sua religião e cultura. Marca o surgimento da leitura e estudo da [[Torá]] nas [[sinagoga]]s locais na vida religiosa dos judeus dispersos pelo mundo. Veja também [[Judaísmo]].
 
== Entendimento singular das TeTestemunhas de Jeová ==
{{AP|prefixo=Mais informações|Profecia das setenta semanas}}
Do ponto de vista histórico secular, as evidências parecem confirmar a cronologia neo-babilónica que fixa a destruição de Jerusalém em 587 a 586 AEC. No entanto, segundo a perspectiva das Testemunhas e conforme expresso nas suas publicações,<ref>''Venha o Teu Reino'', publicado em [[1981]] pela [[Sociedade Torre de Vigia|Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados]], no Apêndice ao capítulo 14, pág. 186-190,/ A Sentinela 1° de outubro de 2011, pág. 26-31 /A Sentinela 1° de novembro de 2011, pág. 22-27</ref> existe a possibilidade de que o actual quadro da história babilónica possa ser enganoso ou errado.
115 900

edições