Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  03h44min de 21 de março de 2017
traduzindo nome/parametro de predefinições do inglês para português usando JavaScript, alguns ajustes manuais
A edição atual (a 15.ª) tem uma única estrutura dividida em três partes: a ''[[Micropædia]]'', de 12 volumes, contém verbetes menores (geralmente tendo menos de 750 palavras), a ''[[Macropædia]]'', de 17 volumes, com longos artigos (tendo de duas a 310 páginas cada) e a ''[[Propædia]]'', num só volume, que pretende fornecer um esboço do conhecimento humano, de modo [[hierarquia|hierárquico]]. A ''Micropædia'' é destinada a pesquisa rápida e a servir como guia para a ''Macropædia''; os leitores são aconselhados a estudar o esboço da ''Propædia'' a fim de entender o contexto do assunto e para encontrar outros artigos, mais detalhados.<ref name="propedia_preface">{{Referência a livro | ano = 2007 | título = The New Encyclopædia Britannica | edição = 15th edition, ''[[Propædia]]'' | páginas = 5–8}}</ref> O tamanho da ''Britannica'' tem-se mantido muito constante ao longo dos últimos 70 anos, com cerca de 40 milhões de palavras e meio milhão de tópicos.<ref name="index_preface">{{Referência a livro | ano = 2007 | título = The New Encyclopædia Britannica | edição = 15th edition, ''Index'' preface}}</ref> Embora a sua publicação tenha sede nos [[Estados Unidos]] desde [[1901]], a ''Britannica'' manteve a ortografia inglesa tradicional.<ref name="kister_1994" /><ref name=GEOT />
 
Ao longo da [[História]], a ''Britannica'' tem tido dificuldade em permanecer rentável — um problema enfrentado por muitas enciclopédias.<ref name="EB_encyclopedia" /> Alguns verbetes, em determinadas edições anteriores da ''Britannica'', foram acusados de imprecisão, viés ou falta de qualificação dos colaboradores.<ref name="kogan_1958" /><ref name="burr_1911" /> A precisão de partes da edição mais recente (de 2005) tem sido igualmente questionada,<ref name="kister_1994" /><ref name="Giles_Nature_study_2005" /> embora tais críticas tenham sido contestadas pela gestão da ''Britannica''.<ref name="fatally_flawed" /> Apesar disso, a ''Britannica'' mantém a sua reputação como fonte de pesquisa confiável. Em 3 de março de 2012, foi anunciado que a ''Encyclopædia Britannica'', agora com sede em [[Chicago]], não iria publicar mais versões impressas em papel focando-se apenas na sua versão ''online''.<ref>[http://www.jornaldigital.com/noticias.php?noticia=29663]</ref><ref name=NYT-stop>{{cite newscitar jornal|lastúltimo =Bosman |firstprimeiro =Julie |titletítulo=After 244 Years, Encyclopaedia Britannica Stops the Presses |url=http://mediadecoder.blogs.nytimes.com/2012/03/13/after-244-years-encyclopaedia-britannica-stops-the-presses |datedata=13 de março de 2012 |workobra=[[New York Times]]|accessdateacessodata=13 de março de 2012 }}</ref>
 
== História ==
A ''Britannica'' foi impressa em 15 edições oficiais, com suplementos multi-volumes da 3.ª a 5.ª edições (ver a [[#Histórico das edições|Tabela]] abaixo). Estritamente falando, a décima edição foi apenas um suplemento da 9.ª, assim como as edições 12.ª e 13.ª foram suplementos da 13.ª edição. A 15.ª edição sofreu uma mudança drástica, em termos de organização, em [[1985]], mas a atualização, versão corrente, continuou conhecida como 15.ª edição.
 
Ao longo de sua história, a ''Britannica'' foi desenvolvida com dois objetivos: ser um excelente livro de referências e providenciar material educacional para quem tenha desejo de estudar.<ref name="EB_encyclopedia">{{cite encyclopediacitar enciclopédia| title título= Encyclopedias and Dictionaries | encyclopedia enciclopédia= Encyclopædia Britannica | editionedição= 15th | publisher publicadopor= [[Encyclopædia Britannica, Inc.]] | year ano= 2007 | volume = 18 | pages páginas= 257–286}}</ref> Em [[1974]], a 15.ª edição adotou um terceiro alvo: sistematizar todo o conhecimento humano.<ref name="propedia_preface" />
 
A história da ''Britannica'' pode ser dividida em cinco fases principais em que se destacam mudanças maiores, tanto na gestão quanto na reorganização do seu conteúdo. Na primeira fase (edições 1 a 6, 1768–1826), a ''Britannica'' foi gerida por seus fundadores originais, [[Colin Macfarquhar]] e [[Andrew Bell]]<ref name=Electr_Scotl>{{citar web |url=http://www.electricscotland.com/history/other/britannica.htm |titulo=Significant Scots |autorlink=www.electricscotland.com |publicado=Electric Scotland |lingua=inglês |arquivourl=https://web.archive.org/web/20150929065924/http://www.electricscotland.com/history/other/britannica.htm |arquivodata=29 de setembro de 2015 |acessodata=28 de setembro de 2016 }}</ref>, e por seus amigos e conhecidos, tais como [[Thomas Bonar]], [[George Gleig]] e [[Archibald Constable]]. A ''Britannica'' foi primeiramente publicada entre 1768 e 1771 em [[Edimburgo]] como ''Encyclopædia Britannica, ou, Um dicionário de arte e ciência, compilado sob um novo plano''. Foi concebida como uma reacção conservadora à provocativa ''[[Encyclopédie]]'' [[França|francesa]] de [[Denis Diderot]] (publicada entre [[1751]] e [[1766]]), que por sua vez havia sido inspirada pela anterior ''Chambers Cyclopaedia''. A ''Britannica'' foi, primeiramente, uma empresa escocesa e tinha como símbolo o [[cardo]], o emblema nacional da [[Escócia]]. A criação da enciclopédia é um dos mais famosos e perseverantes legados do [[Iluminismo Escocês]].<ref>{{Referência a livro | autor = Arthur Herman | ano = 2002 | título = How the Scots Invented the Modern World | editora = Three Rivers Press | id = ISBN 978-0-609-80999-0}}</ref> Nesta fase, a ''Britannica'' deixou de ser um conjunto de três volumes (1.ª edição)<ref name=Electr_Scotl /> compilados por um jovem editor — [[William Smellie]] —<ref>{{citar enciclopédia |último=Krapp |primeiro=Philip |coauthorscoautor=Balou, Patricia K. |ano=1992 |título=Collier's Encyclopedia |volume=9 |páginas=p. 135 |publicado=Macmillan Educational Company |locationlocal=[[New York City|New York]] |id= {{LCCN|91061165}}}}. A primeira edição da ''Britannica'' é descrita como "deploravelmente inexata e não-científica" em certas partes.</ref> para se tornar uma obra de vinte volumes escrita por numerosas autoridades. Embora várias outras enciclopédias tenham competido com a ''Britannica'', como a ''[[Rees's Cyclopaedia]]'' e a ''[[Encyclopaedia Metropolitana]]'', de [[Samuel Taylor Coleridge]], estes rivais ou faliram ou ficaram inacabados por desentendimentos entre os editores. No fim desta fase, a ''Britannica'' tinha constituído uma rede de [[Ilustração|ilustradores]], primeiramente entre os conhecidos de seus editores, sendo os mais relevantes Constable e Gleig.
 
[[Imagem:Rosetta Stone.jpg|thumb|esquerda|Edições de meados do [[século XIX]] da ''Encyclopædia Britannica'' incluíram pesquisas embrionárias, tais como o verbete sobre o Egipto, de [[Thomas Young]], que incluía a tradução dos [[hieróglifo]]s na gravura da [[Pedra de Rosetta]].]]
 
=== Crítica ===
A ''Britannica'' também tem recebido fortes críticas, especialmente quando as suas edições se tornam desatualizadas. É dispendioso produzir uma nova edição, completa, da ''Britannica,''<ref>De acordo com Kister (1994, referência 1, acima), a produção inicial da 15.ª edição (1974) custou cerca de $32 milhões de dólares.</ref> e os seus editores, em geral, atrasam as novas edições, tanto quanto sensatamente possível (por norma, cerca de 25 anos).<ref name="encyclopedia_1954">{{citar enciclopédia | ano = 1954 |título= Encyclopædia | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 14th edition}} Além de prover um bom resumo da história e dos produtos descontinuados da ''Britannica'', este artigo ainda descreve o ciclo de vida de uma típica edição da ''Britannica''. Normalmente, um nova edição começa com fortes vendas, que gradualmente começam a decair assim que a enciclopédia se torna desatualizada. Quando se inicia o trabalho numa nova edição, o fato espalha-se e as vendas da velha edição param, efetivamente, mesmo na hora em que as necessidades de capital são maiores: uma nova equipe editorial precisa ser montada, verbetes comissionados, etc. [[Elkan Harrison Powell]] identificou esta flutuação cíclica como um perigo chave para a saúde da enciclopédia, que ele espera superar com sua política inovadora de revisão contínua.</ref> Por exemplo, apesar da política de revisão contínua, a 14.ª edição ficou significativamente desatualizada após 35 anos (1929–1964). Quando o físico norte-americano [[Harvey Einbinder]] detalhou os seus erros no seu livro de 1964, ''The Myth of the Britannica'',<ref>{{Referência a livro | autor = Harvey Einbinder | autorlink = Harvey Einbinder | ano = 1964 | título = The Myth of the Britannica | editora = Grove Press | local = New York | id = ISBN 978-0-384-14050-9}}</ref> o feito resultou em que a enciclopédia produziu a 15.ª edição, que requereu dez anos de trabalho.<ref name="kister_1994" /> Continua sendo difícil manter a ''Britannica'' atualizada; um crítico escreveu, recentemente, que "não é difícil encontrar verbetes desatualizados ou a precisar de revisão", constatando que os artigos maiores, da ''Macropædia'', correm mais riscos de estarem desatualizados do que os mais curtos, da ''Micropædia''.<ref name="kister_1994" /> A informação na ''Micropædia'' por vezes é inconsistente com a matéria correspondente no verbete da ''Macropædia'', principalmente porque uma delas está desatualizada.<ref name="sader_1995" /><ref name="library_association_1996" /> As bibliografias dos artigos da ''Macropædia'' obtiveram mais críticas por estarem mais desatualizadas do que pelos artigos em si.<ref name="kister_1994" /><ref name="sader_1995" /><ref name="library_association_1996" />
 
Historicamente, dentre os autores da ''Britannica''' foram incluídas autoridades eminentes, tais como [[Albert Einstein]], [[Marie Curie]] e [[Leon Trotsky]]. No entanto, alguns dos seus colaboradores têm sido criticados pela sua falta de conhecimento técnico específico:<ref name="burr_1911">{{Citar periódico | ultimo=Burr | primeiro=George L. | autorlink=George Lincoln Burr | ano=1911 |título=The Encyclopædia Britannica: A Dictionary of Arts, Sciences, Literature and General Information | jornal=American Historical Review | volume=17 | paginas=103–109}}</ref>
 
==== Racismo e sexismo em edições anteriores ====
Pelos padrões modernos, as edições passadas da ''Britannica'' contiveram artigos cobertos de [[racismo]] e [[sexismo]].<ref name="thomas_1992" /> A 11.ª edição caracteriza a [[Ku Klux Klan]] como que protegendo a [[Caucasoide|raça branca]] e restaurando a ordem aos [[Estados Confederados da América|Estados Sulistas]] depois da [[Guerra Civil dos Estados Unidos da América|guerra civil]], citando a necessidade de "controlar os negros" para "prevenir qualquer combinação de raças" e "a frequente ocorrência do crime de violação de mulheres brancas, por homens negros."<ref>{{citar enciclopédia | último = Fleming | primeiro = Walter Lynwood | ano = 1911 |título= Lynch Law | url = http://1911encyclopedia.org/Lynch_Law | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 11th edition | publicado = [[Encyclopædia Britannica, Inc.|Encyclopædia Britannica, Inc]]}}</ref><ref>{{citar enciclopédia | último = Fleming | primeiro = Walter Lynwood | ano = 1911 |título= Ku Klux Klan | url = http://1911encyclopedia.org/Ku_Klux_Klan | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 11<sup>a</sup> edição | publicado = [[Encyclopædia Britannica, Inc.|Encyclopædia Britannica, Inc]]}}</ref> Similarmente, o verbete sobre ''Civilização'' argumenta sobre [[eugenia]], afirmando que é irracional "propagar pessoas com baixo grau de inteligência, aumentando as fileiras dos pobres, deficientes e criminosos, que hoje em dia constituem obstáculo a ameaçar o progresso racial."<ref>{{citar enciclopédia | último = Williams | primeiro = Henry Smith | ano = 1911 |título= Civilization | url = http://1911encyclopedia.org/Civilization | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 11<sup>a</sup> edição | publicado = [[Encyclopædia Britannica, Inc.|Encyclopædia Britannica, Inc]]}}</ref> A 11.ª edição não biografou [[Marie Curie]], apesar de ela ter recebido o [[Nobel de Física]] de [[1903]] e o [[Nobel de Química]] de [[1911]], embora seja brevemente mencionada na biografia do marido [[Pierre Curie]].<ref>{{citar enciclopédia | ano = 1911 |título= Pierre Curie | url = http://1911encyclopedia.org/Pierre_Curie | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 11<sup>a</sup> edição | publicado = [[Encyclopædia Britannica, Inc.|Encyclopædia Britannica, Inc]]}}</ref> A ''Britannica'' empregava uma vasta equipa feminina, que escreveu centenas de verbetes, pelos quais não obtiveram qualquer crédito.<ref name="thomas_1992" />
 
==== Imprecisão ====
O lema da ''Propædia'' é "''Esboço do Conhecimento''" (''Outline of Knowledge''), indicando que pretende realizar uma organização lógica para todo o conhecimento humano.<ref name="propedia_preface" /> Efetivamente, esse esboço é usado pelos editores da enciclopédia para decidir quais artigos devem ser incluídos nas duas outras subdivisões.<ref name="propedia_preface" /> Também tem a pretensão de servir de guia ao consulente, sugerindo-lhe os artigos que deverá ler para ter um conhecimento mais aprofundado sobre o tópico.<ref name="propedia_preface" /> As [[biblioteca]]s, entretanto, constataram que este volume é raramente utilizado, e os revisores sugeriram que fosse abolido da enciclopédia.<ref name="library_association_1992">{{Referência a livro | ano = 1992 | título = Purchasing an Encyclopedia: 12 Points to Consider | edição = 4th edition | editora = Booklist Publications, [[American Library Association]] | id = ISBN 0-8389-5754-4}}</ref> A ''Propædia'' também possui transparências coloridas da [[anatomia humana]], e vários apêndices contendo a listagem dos membros administrativos, conselheiros e colaboradores de todas as três subdivisões da obra.{{carece de fonte}}
 
Vistas juntas, ''Micropædia'' e ''Macropædia'' contêm cerca de 40 milhões de palavras e 24 mil imagens.<ref name="index_preface" /> Os dois volumes de índice têm 2.350 páginas, listando 225.274 tópicos junto com 474.675 sub-entradas sob esses tópicos.<ref name="sader_1995" /> A [[ortografia]] britânica é preferida sobre a norte-americana, em geral;<ref name="sader_1995" /> como exemplo, a palavra ''colour'' é usada ao invés de ''color'', ''centre'' no lugar de ''center'' e ''encyclopaedia'' em vez de ''encyclopedia''. Entretanto, algumas exceções ocorrem, como uso de ''defense'' ao invés do britânico ''defence''.<ref>{{citar enciclopédia |título= Defense mechanism | enciclopédia = Encyclopædia Britannica | editionedição= 15th edition | publicado = [[Encyclopædia Britannica, Inc.]] |data= 2007 | volume = 3 | páginas = p. 957}}</ref> A solução alternativa encontrada é o uso de referências cruzadas como em "Color: ''see'' Colour."
 
Desde [[1936]] os artigos são revisados em períodos regulares, considerando que a cada ano ao menos 10% deles sejam revisados.<ref name="sader_1995" /><ref name="encyclopedia_1954" /> De acordo com um dos [[Site|sítios]] da ''Britannica'', 46% dos artigos são revisados a cada três anos;<ref>{{Citar web | url = http://corporate.britannica.com/library/print/eb.html |título= Encyclopædia Britannica: School & Library Site, promotional materials for the 2007 ''Britannica'' |acessodata= 2007-04-11}}</ref> entretanto, em outro sítio, é informado que apenas 35% dos verbetes sofrem revisão neste período.<ref>{{Citar web | url = http://www.britannica.com.au/product.asp?prod=HLMPKG07 |título= Australian Encyclopædia Britannica, promotional materials for the 2007 ''Britannica'' |acessodata= 2007-04-10}}</ref>
 
=== Enciclopédias digitais e mídias ópticas ===
O mais notável competidor da ''Britannica'' em matéria de enciclopédias digitais em CD/DVD-ROM é a [[Encarta]],<ref name="seymour_2006" /> uma moderna enciclopédia de multimédia que incorpora três enciclopédias impressas: ''[[Funk and Wagnalls]]'', ''[[Collier's Encyclopedia|Collier's]]'' e ''[[New Merit Scholar's Encyclopedia|New Merit Scholar]]''. A ''[[Encarta]]'' é a mais vendida enciclopédia multimédia, tomando por base a venda a [[varejo]] no mercado norte-americano entre janeiro de 2000 a fevereiro de 2006<ref>{{Citar web | publicado = [[Microsoft]] |título= Microsoft Encarta—Premium 2007: Overview | url = http://www.microsoft.com/products/encarta/ProductDetails.aspx?pid = 002}} Vendas entre Janeiro de 2000 – Fevereiro de 2006 apresentado pelo NPD Group.</ref>
 
Ambas ocupam a mesma faixa de preços, sendo que em 2007 o último [[CD]] ou [[DVD]] da ''Encyclopædia Britannica'' valia 50 [[Dólar americano|dólares estadunidenses]] e o DVD da ''Microsoft Encarta Premium 2007'' valia 45 dólares estadunidenses. A ''Britannica'' possui cem mil artigos, além do Dicionário ''Merriam-Webster'' (somente na edição norte-americana), e oferece edições mais simplificadas para as [[Ensino fundamental|escolas primárias]] e [[Ensino secundário|secundárias]]. A ''Encarta'' possui 66 mil verbetes, uma interface amigável personalizada, mapas interativos, [[matemática]], [[gramática]] e ferramentas para trabalhos escolares, [[dicionário]]s de [[língua inglesa]] em versões dos EUA e do [[Reino Unido]], e uma edição para jovens.<ref name="Encarta Store">{{Citar web|url= http://www.amazon.com/Microsoft-FB7-00442-Encarta-Premium-2007/dp/B000FL2DQS|título= Amazon.com: Microsoft Encarta Premium 2007: Software |acessodata=2006-11-21}}</ref> Assim como a ''Encarta'', a ''Britannica'' foi criticada por ter edição parcial, dirigida ao público estadunidense; verbetes referentes ao Reino Unido são bem menos atualizados, os mapas dos EUA são mais detalhados que dos demais países e falta um dicionário do Reino Unido.<ref name="seymour_2006">{{Citar web | url = http://www.pcadvisor.co.uk/reviews/index.cfm?reviewid = 502 |título= Encyclopedia face-off: Encarta vs Britannica |acessodata= 2006-11-21 | ultimo = Seymour | primeiro = Ursula |data= 2006-11-09 | obra = PC Advisor | publicado = IDG}}</ref>
 
As duas enciclopédias estão disponíveis on-line por assinatura, embora mantenham parte do conteúdo para livre acesso.<ref>{{Citar web | url = http://encarta.msn.com/artcenter_0/Encyclopedia_Articles.html |título= Encarta's Encyclopedia Article Center |acessodata= 2007-04-11}}</ref>
 
=== Enciclopédias da internet ===
Alternativas on-line para a ''Britannica'' incluem a [[Wikipédia]], uma iniciativa livre e pioneira na [[World Wide Web|Web]], com conteúdo livre. A ''Wiki'' recebe um tráfego 450 vezes maior que a versão on-line da ''Britannica'', segundo estatísticas independentes de visita em páginas feitas pela [[Alexa (Internet)|Alexa]], nos primeiros três meses de 2007.<ref>{{Citar web | url = http://www.alexa.com/data/details/traffic_details?url = wikipedia.org |título= Web-traffic data for Wikipedia | publicado = Alexa |acessodata= 2007-03-26}}</ref> Julgando pelos mais recentes dados de número de artigos ou palavras, a versão anglófona da ''Wikipédia'' é 20 vezes maior que a ''Britannica''.<ref>{{Citar web | url = http://stats.wikimedia.org/EN/TablesWikipediaEN.htm |título= Statistics for the English-language Wikipedia |acessodata= 2007-04-10}}</ref>
 
Uma diferença fundamental entre as duas enciclopédias reside na autoria dos verbetes. Os 699 artigos da [[Macropædia]] em geral são produzidos por colaboradores identificados, e os 65 mil da [[Micropædia]] são fruto do corpo editorial e identifica apenas os consultores. Assim, um verbete da ''Britannica'' ou identifica seu autor ou um grupo de possíveis autores (o corpo editorial). Com exceção destes últimos, a maioria dos colaboradores da ''Britannica'' é de peritos em suas áreas, inclusive com laureados pelo [[prêmio Nobel]].<ref name="macropaedia_contributors" /> Em contrapartida, os artigos da ''Wikipédia'' são escritos por uma comunidade de editores de níveis variados de conhecimento: a maioria dos editores não atribui nenhuma especialização em particular; dentre aqueles que o fazem, muitos são anônimos e não possuem alguma credencial verificável.<ref>Giles, Jim (2005-12-15). [http://www.nature.com/news/2005/051212/box/438900a_BX1.html "Challenges of being a Wikipedian"] In: [http://www.nature.com/news/2005/051212/full/438900a.html "Internet encyclopaedias go head to head"]. ''[[Nature]]'' 438: 900–901. Acessado em 2007-04-11.</ref>
 
Outra diferença é a velocidade de mudanças nos verbetes: a ''Britannica'' é publicada em modo impresso em intervalos de poucos anos, ao passo em que os artigos da ''Wiki'' mudam com frequência. Esta vem recebendo críticas em vários aspectos,<ref>{{Citar web |autor= |url=http://www.insidehighered.com/news/2007/01/26/wiki |título="A Stand Against Wikipedia" |língua= |obra=, ''Inside Higher Ed'' (26 de Janeiro 2007) |data= |acessodata=27 de Janeiro 2007}}</ref> e argumenta-se<ref name="FBE">{{Citar web | primeiro = Robert | último = McHenry |título= The Faith-Based Encyclopedia | obra = TCS Daily |data= 2004-11-15 | url = http://www.tcsdaily.com/article.aspx?id = 111504A}}</ref> que não se pode esperar que venha competir com a ''Britannica'' em termos de precisão.
 
Em [[14 de dezembro]] de [[2005]], o jornal científico ''[[Nature]]'' informou que existiam 162 erros na ''Wikipédia'' contra 123 na ''Britannica'', dentro de 42 verbetes sobre ciências gerais, fortuitamente selecionados<ref name="Giles_Nature_study_2005">{{Citar periódico
|primeiro = Jim
|data= 2005-12-15
|journal periódico= Nature
|volume = 438
|páginas = 900–901
|título= Encyclopedia Britannica: a response
|data= 2006-03-23 (acessado em 21/10/2006)
|format formato= PDF
|publicado = ''Nature''
}}</ref>.
210 093

edições