Diferenças entre edições de "Caboclo"

20 bytes adicionados ,  01h40min de 15 de abril de 2017
m
ajustes usando script
m (Protegeu "Caboclo": Vandalismo excessivo ([Editar=Permitir apenas utilizadores autoconfirmados] (expira a 18h12min de 5 de abril de 2017 (UTC)) [Mover=Permitir apenas utilizadores autoconfirmados] (expira a 18h12min de 5 de abril de 2...)
m (ajustes usando script)
{{ver desambig|a entidade da umbanda|Caboclos na umbanda}}
[[FileImagem:Nascimento Caboclo.JPG|thumb|Nascimento de caboclo representado no Monumento aos Bandeirantes, em [[Santana de Parnaíba]], no [[Brasil]]]]
 
'''Caboclo''', '''caboco''', '''mameluco''', '''caiçara''', '''cariboca''' ou '''curiboca''' é o [[mestiço]] de [[Brancos|branco]] com [[Povos ameríndios|índio]]. Também era a antiga designação do [[Povos indígenas do Brasil|indígena brasileiro]]. Pode, também, ser sinônimo de [[caipira]].<ref name="FERREIRA, A. B. H. 1986. p. 302">FERREIRA, A. B. H. ''Novo dicionário da língua portuguesa''. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 302.</ref>
Segundo o [[Dicionário Aurélio]], "caboclo" procede do [[Língua tupi|tupi]] ''kari'boka'', que significa "procedente do branco".<ref name="FERREIRA, A. B. H. 1986. p. 302"/> O [[Tupinologia|tupinólogo]] [[Eduardo de Almeida Navarro]] defende que "caboclo" se originou do termo tupi ''kuriboka'', que, num primeiro momento, designava o filho de índio com africana. Mais tarde, ''kuriboka'' teria passado a se referir também ao filho de mãe índia e pai branco.<ref>NAVARRO, E. A. ''Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil''. São Paulo. Global. 2013. p. 244.</ref>
 
[[Câmara Cascudo]], no "Dicionário do Folclore Brasileiro", defende a forma "caboco". Além disso, não encontrou base nas diversas hipóteses [[etimologia|etimológicas]] existentes para o termo, como a que afirma derivar do tupi ''caa-boc'', "o que vem da floresta", ou de ''kari'boca'', "filho do homem branco".
== Descrição ==
Os caboclos formam o mais numeroso grupo populacional da [[Região Norte do Brasil]] ([[Amazônia]]) e de alguns estados da [[Região Nordeste do Brasil]] ([[Rio Grande do Norte]], [[Piauí]], [[Maranhão]], [[Alagoas]], [[Ceará]] e [[Paraíba]]).{{Carece de fontes|data=abril de 2017}} Contudo, a quantificação do número de pessoas consideradas caboclas no Brasil é tarefa difícil, pois, segundo os métodos usados pelo [[Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]] em seus [[recenseamento]]s, os caboclos entram na contagem dos 44,2% de pessoas consideradas [[pardos|pardas]] no Brasil, grupo que também inclui [[mulato]]s, [[cafuzo]]s e várias outras combinações da mistura de negros ou índios com outras raças, como negro e oriental, índio e oriental, negro, índio e branco, negro, índio e oriental etc.<ref name="PNAD">{{link|pt|2=http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2006/brasil/tabbr_1_1_e_1_2.pdf|3=PNAD 2006}}</ref>
 
Os atributos que definem a categoria social caboclos são econômicos, políticos e culturais. Nesse sentido, o termo refere-se aos pequenos produtores familiares da Amazônia que vivem da exploração dos recursos da floresta. Os principais atributos culturais que distinguem os caboclos dos pequenos produtores de imigração recente são o conhecimento da floresta, os hábitos alimentares e os padrões de moradia. Devido a seus atributos econômicos similares, no entanto, os dois, caboclos e imigrantes, podem ser alocados na categoria social mais ampla de camponeses.
210 107

edições