Diferenças entre edições de "A Saga da Fênix Negra"

15 bytes adicionados ,  02h42min de 17 de abril de 2017
m
ajustes usando script
m (Apenas algumas correções gramaticais.)
m (ajustes usando script)
{{Wikificação|data=maio de 2010}}{{mais fontesnotas|data=abril de 2017}}
{{Info/Graphic Novel||título = A Saga da Fênix Negra
|imagem = [[Imagem:Fênix Negra por Greg Land.jpg|260px]]
'''A Saga da Fênix Negra''' é [[arco de história]] dos [[X-Men]], publicado pela [[Marvel Comics]], contando sobre a história de Jean Grey e a Força Fênix. Foi escrita por [[Chris Claremont]] com arte de [[Dave Cockrum]] e [[John Byrne]]. Às vezes, é dividido em duas partes, com a Saga da Fênix (X-Men [vol. 1] # 101-108, 1976-1977) referindo-se a hipótese do poder de Jean e da reparação do cristal de e a Saga da Fênix Negra (X-Men [vol. 1] # 129-138, 1980) a sua corrupção e queda.<ref>[http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=materias&cod_materia=1104 Os Fabulosos X-Men: A Saga da Fênix Negra]</ref>
 
== A Saga Original ==
Em histórias em quadrinhos de hoje, os leitores veem a Fênix como uma entidade cósmica ligada a Jean Grey, tendo sido escolhida pela Força por ser a única mutante de nível 5 com poderes ilimitados. No entanto, esta não foi a forma como o personagem foi escrito na história original - lá, a Fênix era Jean Grey, no auge de seu poder. Ao retornar de uma missão no espaço, a história contada de Jean, após ser exposta à radiação mortal de uma tempestade solar, acabou brevemente por atingir o seu potencial máximo, que já era ilimitado, como uma telepata e telecinética. Neste momento, Jean tornou-se um ser de pensamento puro, com poder cósmico infinito e reformou-se, em seguida, após o regresso à Terra com o novo traje, identidade e poder da "Fênix". Foi com este poder incrível que Jean consertou o Cristal Mkrann', mas voluntariamente restringido seus poderes depois, a fim de mantê-los sob controle.
 
Seu vasto poder cósmico, fez dela um alvo para o ilusionista (Mestre Mental), que estava tentando colocá-la à prova, a fim de fazê-la juntar-se ao prestigiado Círculo Interno do Clube do Inferno. Com a ajuda de um dispositivo criado pela Rainha Branca, Emma Frost, Mastermind (usando o nome Jason Wyngarde) foi capaz de projetar as suas ilusões diretamente na mente de Fênix. Essas ilusões a levaram a acreditar que ela estava revivendo as memórias de sua antepassada, Lady Grey, que nas ilusões era amante de Wyngarde. Fênix foi forçada a juntar-se ao Clube do Inferno como a Rainha Negra, um papel decadente que lhe permitia apreciar os extremos da emoção humana e começou a quebrar as barreiras que tinha erguido.
No dia seguinte, os X-Men e a Guarda Imperial Shi'ar foram teletransportados para a área azul da lua, onde eles iriam fazer a batalha, com os vencedores decidindo o destino da Fênix. A Guarda Imperial, liderada por Gladiador, foi capaz de derrotar todos os X-Men, deixando Cyclope e Fênix só para tomar um confronto final contra eles. Quando um raio de energia atingiu Ciclope, Jean Grey em pânico destruiu as barreiras mentais que tinha colocado dentro de sua mente, com a ajuda do professor Charles Xavier, e todos os poderes da Fênix foram mais uma vez desencadeados. Neste ponto, Lilandra abandonou a abordagem delicada e ordenou a execução do Plano Ômega, que consistiria em destruir todo o sistema solar, na esperança de eliminar a Fênix Negra no processo.
Com a situação fora de controle, o Professor Charles Xavier ordenou aos X-Men para tentarem derrotar Jean Grey com o objectivo de impedir Lilandra da sua medida de emergência. A equipe lutou até que ela recuperou os seus sentidos. Correndo para um beco na lua, Jean, lutando para manter o controle, e sabendo que o poder enorme que possuía era demasiado poderoso para ser controlado, pois podia destruir todo o universo, activou uma arma Kree e desintegrou-se após um emocional adeus a Ciclope. Mais tarde, ele deduziu que Jean Grey tinha planeado o seu sacrifício a partir do momento em que havia pousado na lua, com o objectivo de salvar os restantes membros dos X-Men e todo o universo.
Esta história central termina com Uatu, o Observador, comentando que "Jean Grey poderia ter vivido para se tornar uma deusa, mas era mais importante que ela morresse como um ser humano."
{{referências}}
{{X-Men}}