Abrir menu principal

Alterações

12 bytes adicionados, 22h51min de 18 de abril de 2017
m
ajustes usando script
 
== Biografia ==
Ainda muito jovem, quando a [[Primeira Guerra Mundial|Grande Guerra]] (1914-1918) assombrava o mundo, decidiu ir à [[Europa]] pela primeira vez. Hemingway havia terminado o [[Ensino médio|segundo grau]] em Oak Park e trabalhado como [[jornalista]] no jornal ''The Kansas City Star''. Tentou alistar-se no exército, mas foi preterido por ter um problema na visão. Decidido a ir à guerra, conseguiu uma vaga de motorista de [[ambulância]] na [[Cruz Vermelha]]. Na [[Itália]], apaixonou-se pela enfermeira Agnes Von Kurowsky, que viria a ser sua inspiração para a criação da heroína de [[Adeus às Armas (livro)|Adeus às Armas]] (1929) – a inglesa Catherine Barkley. Atingido por uma [[bomba]], retornou para Oak Park, que, no entanto, depois do que havia visto na Itália, tornara-se monótona demais para ele.<ref name=HV />
 
Voltou então à [[Europa]] ([[Paris]]) em 1921, recém-casado com Elizabeth Hadley Richardson, seu primeiro casamento, com quem teve um filho. Na ocasião, trabalhava para a [[revista]] [[Canadá|canadense]] ''Toronto Star Weekly'' e, em início de carreira, se aproximou de outros principiantes: [[Ezra Pound]] (1885 – 1972), [[Scott Fitzgerald]] (1896 – 1940) e [[Gertrude Stein]] (1874 – 1940).<ref name=HV /> Hemingway era parte da comunidade de escritores expatriados em [[Paris]] conhecida como [[Lost Generation|"geração perdida"]], nome inventado e popularizado por Gertrude Stein.
 
A vida e a obra de Hemingway têm intensa relação com a [[Espanha]], país onde viveu por quatro anos. Uma breve mas marcante passagem para o escritor americano, que estabeleceu uma relação [[Emoção|emotiva]] e [[Ideologia|ideológica]] com os espanhóis. Em [[Pamplona]], em meados do {{séc|XX}}, fascinou-se pela [[tauromaquia]], chegando a tourear como amador, experiência que abordaria no seu livro [[O Sol Também Se Levanta]] (1926).
 
O seu segundo casamento (1927) foi com a jornalista de moda Pauline Pfeiffer, com quem viria a ter dois filhos. Em 1928, o casal decidiu morar em [[Key West (ilha)|Key West]], na [[Flórida]]. Em Key West, no entanto, o escritor sentiu falta da vida de jornalista e correspondente internacional. Ao mesmo tempo, o casamento com Pauline se tornou instável. Nessa época, conheceu Joe Russell, dono do ''Sloppy Joe's Bar'' e companheiro de farra.
[[Imagem:Hemingway's writing desk in Key West.jpg|esquerda|300px|thumb|Mesa do escritor em [[Key West (ilha)|Key West]], na [[Flórida]]]]
Já na [[década de 1930]], resolveu partir com o amigo para uma [[pesca]]ria. Dois dias em [[alto-mar]] que terminaram em [[Havana]], capital cubana, para onde passou a voltar anualmente na época da pesca ao [[marlim]] (entre os meses de maio e julho). Na cidade, hospedava-se no Hotel Ambos Mundos, em plena ''Habana Vieja'', bairro mais antigo da cidade, que se tornou o lar do escritor e o cenário que comporia sua história e a da própria ilha pelos próximos 23 anos. Duas décadas de turbulências que teriam, como desfechos, a [[Revolução Cubana|revolução socialista]] e o suicídio do escritor.<ref name=HV />
 
Em [[Cuba]], o escritor se apaixonou por Jane Mason, que era casada com o diretor de operações da [[Pan American Airways]]. Hemingway e Jane se tornaram [[amante]]s. Em 1936, novamente se apaixonou: desta feita pela destemida jornalista [[Martha Gellhorn]], motivo do segundo [[divórcio]], confirmando o que predissera seu amigo, Scott Fitzgerald, quando eles se conheceram em Paris:<ref name="UOL - Educação"/> "Você vai precisar de uma mulher a cada livro". Assim, Hemingway partiu para a Espanha, onde Martha já estava, e, em meio à guerra, os dois viveram um romance que resultou no seu terceiro casamento.<ref name="UOL - Educação"/> Ao cobrir a [[Guerra Civil Espanhola]] como jornalista do ''North American Newspaper Alliance'', não hesitou em se aliar às forças republicanas contra o [[fascismo]],<ref name=HV /> o que viria a ser o tema do livro ''[[Por Quem os Sinos Dobram]]'' (1940), considerada sua [[obra-prima]].{{Carece de fontes|data=abril de 2017}}
Quando a república espanhola caiu e a Europa vivia o prenúncio de um conflito generalizado,, Hemingway retornou para Cuba com Martha.<ref name=HV />
 
[[Imagem:Ernest Hemingway 1950.jpg|thumb|300px|Hemingway a bordo de seu [[iate]] por volta de 1950]]
Em Cuba, durante a Segunda Guerra Mundial, Hemingway montou uma rede de [[informante]]s com a finalidade de fornecer, ao [[Governo Federal dos Estados Unidos|governo dos Estados Unidos]], informações sobre os espanhóis simpatizantes do fascismo na ilha. Também passou a patrulhar o litoral a bordo de seu [[iate]] Pilar na busca de possíveis [[submarino]]s alemães. Porém a [[Agência Federal de Investigação]] estadunidense via com desconfiança a colaboração de Hemingway, por considerá-lo um simpatizante do [[comunismo]].<ref>''Veja''. Disponível em http://veja.abril.com.br/260700/p_086.html. Acesso em 22 de junho de 2014.</ref>
 
Em 1946, o escritor casou-se pela quarta e última vez: desta vez com Mary Welsh, também jornalista mas tímida e disposta a viver ao lado de um Hemingway cada vez mais instável emocionalmente.<ref name=HV /> Levando uma vida turbulenta, Hemingway casou-se quatro vezes, além de ter tido vários relacionamentos românticos.
Em 1952, publicou "[[O Velho e o Mar]]", com o qual ganhou o [[Prémio Pulitzer de Ficção]] (1953).<ref name="UOL - Educação">{{citar web |url=http://educacao.uol.com.br/biografias/ernest-hemingway.jhtm|título=Ernest Hemingway - Biografia |acessodata=21 de julho de 2012|obra=Banco de Dados da Folha |publicado=UOL - Educação}}</ref> Foi laureado com o [[Nobel de Literatura]] de 1954.<ref>Lynn (1987), 574</ref><ref name=HV />
=== Suicídio ===
Ao longo da vida do escritor, o tema [[suicídio]] aparece em escritos, cartas e conversas com muita frequência. Seu pai suicidou-se em 1929 por problemas de saúde e financeiros. Sua mãe, Grace, [[dona de casa]] e [[professor]]a de [[canto]] e [[ópera]], o atormentava com a sua [[personalidade]] dominadora. Ela enviou-lhe, pelo correio, a [[pistola]] com a qual o seu pai havia se matado.<ref name="UOL - Educação"/> O escritor, atônito, não sabia se ela queria que ele repetisse o ato do pai ou que guardasse a arma como lembrança.<ref name=HV /> Aos 61 anos e enfrentando problemas de [[hipertensão]], [[diabete]]s, [[Depressão nervosa|depressão]] e perda de [[memória]], Hemingway decidiu-se pela primeira alternativa<ref name=HV />: era, também, portador de [[hemocromatose]], a qual está relacionada à depressão, hipertensão e diabetes.<ref>[http://celticcurse.org/hemingways-death-and-hemochromatosis-awareness/ A morte de Hemingway e a consciência sobre a hemocromatose]</ref>
[[Categoria:Ernest Hemingway| ]]
[[Categoria:Romancistas dos Estados Unidos]]
[[Categoria:Correspondentes de guerra]]
[[Categoria:Socialistas dos Estados Unidos]]
[[Categoria:Convertidos ao catolicismo romano]]
210 071

edições