Diferenças entre edições de "Romanização do japonês"

7 bytes removidos ,  14h08min de 19 de abril de 2017
(contém texto em japonês)
 
== História ==
O primeiro sistema de romanização do japonês baseava-se na [[ortografia]] da [[Língua Portuguesa]]. {{Carece de fontes|hist|lusof|data=setembro de 2015}} Foi desenvolvido por volta de [[1548]] por um [[católico]] japonês de nome Yajiro. A [[Companhia de Jesus]] usou este sistema numa série de [[livro]]s católicos impressos para que os [[missionário]]s pudessem pregar e ensinar sem ter de aprender a ler japonês. O mais útil desses livros para o estudo da [[pronúncia]] do início do japonês moderno e primeiras tentativas de romanização foi o ''Nippo Jisho'', um [[dicionário]] de japonês-português escrito em [[1603]].
 
Em geral, o antigo sistema português é parecido com o Nihon-shiki no seu tratamento das [[vogais]]. Algumas [[consoantes]] foram transliteradas de forma diferente: por exemplo, a consoante /k/ era usada como "c" e a consoante /ɸ/ (agora pronunciada /h/) como "f", portanto ''Nihon no kotoba'' ("A língua do Japão") escrevia-se "Nifon no cotoba". Os [[jesuíta]]s também imprimiram alguns livros antigos no japonês romanizado, incluindo a primeira edição impressa do clássico japonês "O conto do Heike", romanizado como ''Feiqe no monogatari'', e uma cole(c)çãocoleção das [[Fábulas de Esopo]], romanizado como ''Esopo no fabvlas'', que continuou a ser impressa e lida mesmo após a supressão do [[Cristianismo]].
 
Depois da expulsão dos cristãos do Japão no início do [[século XVII]], o ''rōmaji'' perdeu o uso e era apenas utilizado esporadicamente em textos estrangeiros até meados do [[século XIX]], quando o Japão se abriu novamente. Os sistemas usados a(c)tualmenteatualmente foram desenvolvidos na segunda metade do século XIX.
 
O primeiro sistema a ser desenvolvido foi o sistema Hepburn, desenvolvido para o dicionário japonês do autor e destinado ao uso por parte dos estrangeiros.
Utilizador anónimo