Diferenças entre edições de "Bolsa de valores"

1 byte adicionado ,  19h16min de 29 de abril de 2017
so coloquei letra maiuscula em duas palavras
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de Leticia Piovesane, com Reversão e avisos)
(so coloquei letra maiuscula em duas palavras)
A '''bolsa de valores''' é o mercado organizado onde se negociam [[Ação (finanças)|ações]] de sociedades de [[capital aberto]] (públicas ou privadas) e outros [[valores mobiliários]], tais como as [[mercado de opções|opções]].
 
Pode ser organizada na forma de uma [[sociedade civil sem fins lucrativos]], que mantém o local ou o sistema de negociação [[eletrônico]] adequado à ação de transações de compra e venda de [[Valores mobiliários|títulos e valores mobiliários]]. Porém, o mais usual hoje em dia é que as bolsas de valores atuem como [[sociedade anônima|sociedades anônimas]], visando [[lucro]] através de seus serviços. No caso de ser organizada como sociedade civil, seu patrimônio é representado por [[título mobiliário|títulos]] pertencentes às sociedades [[Corretora de valores|corretora]]s que a compõem; se for organizada como S.A., este patrimônio é composto por ações. A bolsa deve preservar elevados padrões éticos de negociação, divulgando - com rapidez, amplitude e detalhes - as operações realizadas.
 
==História==
Segundo alguns historiadores, a origem das bolsas de valores remonta ao C''collegiumollegium mercatorumMercatorum'' da [[Roma antiga]]; segundo outros, as bolsas de valores se desenvolveram a partir do ''empórion'' (praça do comércio marítimo), da [[Grécia antiga]] ou dos ''funduks'' (bazares palestinos), onde os comerciantes se reuniam para tratar de negócios. Mas, certamente, na sua origem todos esses mercados tinham características muito diferentes das bolsas atuais.
 
As primeiras bolsas com características modernas surgiram em meados do século XV, na esteira da expansão comercial. Em [[Bruges]], na Bélgica, no ano de 1487, a palavra 'bolsa' ganhou seu sentido comercial e financeiro, quando mercadores e comerciantes passaram a se reunir na casa de um certo senhor Van der Burse (cujo brasão continha o desenho de três bolsas), a fim de realizar seus negócios: compra e venda de [[moeda]]s, [[letra de câmbio|letras de câmbio]] e [[metais preciosos]]. Mais tarde, já durante a [[Revolução Comercial]], são criadas, em 1561, as bolsas de [[Antuérpia]], também na Bélgica, e [[Amsterdam]], nos Países Baixos; em 1595, surgem as bolsas de [[Lyon]], [[Bordeaux]] e [[Marseille]], na França. A [[bolsa de Londres]] (''Royal Exchange''') foi criada na segunda metade do século XVI; a bolsa de Paris, em 1639. Mas o comércio de ações só apareceria no século XIX, quando algumas bolsas mantiveram a função de negociar mercadorias, enquanto outras voltaram-se para o comércio de [[valores mobiliários]]. <ref name=HBV2>{{citar jornal|url=http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/viewFile/633/422|titulo=A Bolsa de Valores brasileira como fonte de informações financeiras|autor=Fátima Rocha Gomes|data=1997}}</ref>
Utilizador anónimo