Diferenças entre edições de "Ferrete"

99 bytes removidos ,  18h16min de 1 de maio de 2017
m
Foram revertidas as edições de Ceyla de Wilka para a última revisão de Regi-Iris Stefanelli, de 18h15min de 20 de agosto de 2016 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de Ceyla de Wilka para a última revisão de Regi-Iris Stefanelli, de 18h15min de 20 de agosto de 2016 (UTC))
* Marcação de escravos – Com a ilegalidade da escravidão em quase todos os países a prática é quase extinta, sobrevive só na ilegalidade ou em lugares bem escondidos como interior de certas regiões o [[Harém|haréns]] [[árabe]]s. É praticado, porém, em escravos e escravas no [[BDSM]].
 
* Marcação de prostitutas – É uma variação da marcação de escravos, já que uma prostituta marcada de ferrete e traficada através de organizações criminosas é tratada e muitas vezes também considerada como uma escrava. Na maioria das vezes, todavia, a marcação em prostitutas é feita por [[tatuagem]]. Os lugares preferidos são a cintura, o peito, as [[nádegas]] ou escondido na [[vagina]] ou entre as nádegas da prostituta. Na história, em épocas quando governos começaram, de repente, a combater a [[prostituição]], havia prática de marcar prostitutas e também às vezes os [[cafetão|cafetões]], nesse caso também bem visível na [[testa]].<ref>Veja mais em "Branding de prostitutas" em [[Branding (modificação corporal)|Branding]]</ref>
 
* Marcação de madeira – Logo depois de ter derrubado as árvores, para marcar propriedade.