Diferenças entre edições de "Dialética"

8 bytes removidos ,  11h29min de 12 de maio de 2017
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 177.5.20.10, com Reversão e avisos)
Logo, é fundamental enxergar o todo. Todavia, nunca temos certeza de que estamos trabalhando com a totalidade correta, não obstante a teoria forneça indicações: a teoria dialética alerta nossa atenção para as sínteses, identificando as contradições concretas e as mediações específicas que constituem o "tecido" de cada totalidade, sendo que a contradição é reconhecida pela dialética como o princípio básico do movimento pelo qual os seres existem.
 
Na dialética, fala-se, também, na “fluidificação”volatilidade dos conceitos. Isso porque a realidade sempre está assumindo novas formas e, assim, o conhecimento (conceitos) precisa aprenderse a sermoldar "fluido"constantemente.
 
Junto com [[Karl Marx]] e [[Engels]], sempre defendeu o caráter [[materialismo|materialista]] da dialética. Ele resumiu a dialética em três leis. A primeira lei é sobre a passagem da [[quantidade]] à [[qualidade]], mas que varia no ritmo/período. A segunda é a lei da interpenetração dos contrários, ou seja, a ideia de que tudo tem a ver com tudo, que os lados que se opõem são, na verdade, uma unidade, na qual um dos lados prevalece. A terceira lei é a negação da negação, na qual a negação e a afirmação são superadas. Porém, essas leis devem ser usadas com precaução, pois a dialética não se deixa reduzir a três leis apenas.
Utilizador anónimo