Abrir menu principal

Alterações

7 bytes removidos ,  19h05min de 26 de maio de 2017
==Principais trabalhos ==
[[Ficheiro:Botticelli-primavera.jpg|300px|right|thumb| ''[[A Primavera (Botticelli)|A Primavera]]''.]]
Dedicou boa parte da carreira às grandes [[família]]s florentinas, especialmente a [[Família Médici]], para os quais pintou retratos. Entre tais obras, destacam-se ''[[Retrato de Giuliano de Medici]]'' e ''[[A Adoração dos Magos (Botticelli)|A adoração dos Magos]]''. O último rendeu-lhe a adimdas e atenção da [[Família Médici]], que o colocou sob sua proteção e patronato. SeusA contatossua relação com a Família Médici foramfoi, sem dúvida, úteisútil para que obtivesse proteção e condições para que produzisseproduzir várias de suas obras-primas.
 
Participou dos círculos intelectual e artístico da corte de [[Lourenço de Médici]], recebendo a influência do [[neoplatonismo]] cristão lá presente, o qual pretendeu conciliar com as ideias clássicas. Por exemplo, a sua obra ''Minerva e o Centauro'', parece representar a ideia do amor desenvolvida pelo [[filósofo]] neoplatônico [[Marsilio Ficino]].<ref>Barbara Deimling, ''Botticelli'', Taschen, 2004, pp. 45.</ref> Tal síntese expressa-se em ''[[A Primavera (Botticelli)|A Primavera]]'' e ''[[O Nascimento de Vênus]]'', ambas realizadas sob encomenda para enfeitar uma residência dos Médici e que hoje estão expostas na [[Galeria Uffizi]], em [[Florença]], na [[Itália]]. Até hoje não há consenso na interpretação dessas pinturas, embora creia-se que [[Vênus (mitologia)|Vênus]] pode ser vista como fonte do amor divino, tanto do ponto de vista cristão quanto pagão. Assim como o batismo é o "Renascer em Deus", o nascimento de Vênus remete a esperança do "[[renascimento]]".<ref>JANSON, Anthony F e JANSON, H. W.. Iniciação à história da arte, 2ªed. São Paulo, Martins Fontes, 1996 pg.202</ref>. Para ''A Primavera'' foi provavelmente buscar inspiração nas odes de [[Poliziano]], nos ''Faustos'' de [[Ovídio]] e na poesia filosófica ''De rerum natura'' de[[Lucrécio]].<ref>Barbara Deimling, ''Botticelli'', Taschen, 2004, pp. 39-43.</ref>
Utilizador anónimo