Diferenças entre edições de "David Cameron"

1 280 bytes removidos ,  15h18min de 14 de junho de 2017
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 94.61.227.50 para a última revisão de Hume42, de 14h24min de 9 de junho de 2017 (UTC))
 
Ele foi derrotado em sua primeira candidatura para o [[Parlamento do Reino Unido|Parlamento]] em Stafford, em 1997, mas foi eleito em 2001 como membro do Parlamento pelo círculo eleitoral de Witney em [[Oxfordshire]]. Ele foi promovido para o banco da [[A Mais Leal Oposição Oficial de Sua Majestade|frente da oposição]], dois anos depois, e subiu rapidamente para se tornar chefe de coordenação política durante a [[Eleições gerais no Reino Unido em 2005|campanha eleitoral de 2005]]. Com uma imagem pública de um candidato moderado jovem que iria apelar para os eleitores jovens, ele ganhou a eleição para a liderança conservadora em 2005.<ref name=beeb>{{citar web |url=http://www.bbc.co.uk/wales/ps/sites/roughguide/hall_of_fame/pages/david_cameron.shtml |título=Hall of Fame, David Cameron |acessodata=19 de outubro de 2013 |autor= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=BBC Wales |páginas= |língua=en |citação= }}</ref>
 
Na [[Eleições gerais no Reino Unido em 2010|eleição geral de 2010]], realizada no dia 6 de maio, os conservadores ganharam 306 assentos em um parlamento dividido. Após cinco dias de negociação, Cameron formou uma coalizão com os [[Partido Liberal Democrata (Reino Unido)|democratas liberais]] (''Lib Dems''). Cameron leva o primeiro [[governo de coalizão]] do Reino Unido desde a [[Segunda Guerra Mundial]]. Aos 43 anos de idade, se tornou o mais jovem primeiro-ministro britânico desde o mandado do [[Robert Jenkinson, 2.º Conde de Liverpool|Conde de Liverpool]] em 1812.<ref name=Telegraph11May2009YoungestPM>{{citar web |url=http://www.telegraph.co.uk/news/newstopics/politics/david-cameron/7712545/David-Cameron-becomes-youngest-Prime-Minister-in-almost-200-years.html |título=David Cameron becomes youngest Prime Minister in almost 200 years |acessodata=19 de outubro de 2013 |ultimo=Hough |primeiro=Andrew |coautores= |data=11 de maio de 2010|publicado=The Daily Telegraph }}</ref> Em maio de 2015, ele liderou seu partido a conquistar uma vitória absoluta para controlar o parlamento (com 36% dos votos) nas [[Eleições gerais no Reino Unido em 2015|eleições gerais]].<ref name="GE2015">[http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/05/lider-trabalhista-britanico-admite-vitoria-de-cameron-e-renuncia.html "Cameron consegue maioria absoluta, e líder do partido Trabalhista renuncia"]. Página acessada em 8 de maio de 2015.</ref>
 
Cameron pegou um país em forte recessão econômica. Para sanar os problemas financeiros da nação, iniciou uma série de medidas de [[austeridade]] que afetaram as áreas da saúde, educação, assistências sociais e imigração. Apesar de lenta, a recuperação econômica conseguiu tirar o país da estagnação. Em outros temas, ele aceitou um [[Referendo sobre a independência da Escócia em 2014|referendo popular]] a respeito da [[independência da Escócia]], mesmo prezando pela unidade nacional. No âmbito externo manteve uma política alinhada aos [[Estados Unidos]], mas ao mesmo tempo buscou afastar o Reino Unido politicamente da [[União Europeia]], propondo até um referendo para retirar o país do bloco.<ref name="Brexit" />
 
David Cameron anunciou em 24 de junho de 2016 que abandonaria o cargo de primeiro-ministro, na sequência dos resultados do [[Referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia em 2016|referendo]] em que a população do Reino Unido decidiu votar pela saída do país da [[União Europeia]].<ref name="quatro"/><ref>{{citar web|URL=http://www.dn.pt/mundo/ao-vivo/interior/dentro-ou-fora-britanicos-decidem-o-seu-futuro-na-ue-5245585.html|título=Cameron demite-se depois de os britânicos votarem para sair da UE|publicado=DN.pt|acessodata=24 de junho de 2016}}</ref>
 
Cameron trabalhou no Departamento de Pesquisa do Partido Conservador ao sair de Oxford, tornando-se assessor do ex-primeiro-ministro conservador [[John Major]]. Durante sete anos, foi chefe de relações públicas da emissora comercial Carlton, elegendo-se em [[2001]] para a cadeira dos conservadores por Witney na [[Câmara dos Comuns do Reino Unido|Casa dos Comuns]].<ref name="três"/>
Em [[2005]], tornou-se [[Líder da Mais Leal Oposição de Sua Majestade|líder da oposição]] <ref name="três"/>. Buscou pôr fim à resistência dos conservadores em relação à integração total do [[Reino Unido]] à [[União Europeia]] e tentou reposicionar os conservadores como um partido que se importava com o [[meio ambiente]] e com o sistema de saúde público britânico. Na medida do possível, trouxe mais candidatos mulheres e de minorias étnicas. Buscou, assim, renovar o partido, retirando as velhas lideranças. Buscou, também, capitalizar os últimos escândalos sobre os gastos de deputados que sacudiu o governo trabalhista de [[Gordon Brown]], criando a imagem de alguém comprometido com a moralidade na política.<ref name="três"/>
 
ComNa a[[Eleições renúnciagerais deno Reino BrownUnido em [[112010|eleição de maio]]geral de [[2010]], passarealizada ano trabalhardia na6 formaçãode domaio, novoos gabinete,conservadores oganharam primeiro306 conservadorassentos em 13um anos<ref>{{link|2=http://g1parlamento dividido.globo.com/mundo/noticia/2010/05/gordon-brown-anuncia-que-vai-renunciar.html|3=G1, GordonApós Browncinco anuncia renúncia ao cargodias de primeiro-ministro britâniconegociação, 11Cameron deformou maiouma decoalizão 2010}}</ref><ref>{{link|2=http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/05/rainha-aceita-saida-de-brown-e-abre-caminho-para-governo-conservador.html|3=G1, Rainhaos aceita[[Partido saídaLiberal deDemocrata Brown(Reino eUnido)|Liberais abreDemocratas]] caminho(''Lib paraDems''). governoEle conservador,formou 11o deprimeiro maio[[governo de 2010}}</ref>coalizão]] edo oReino primeiroUnido dedesde coalizão desdea [[1974Segunda Guerra Mundial]]. (gabineteAos 43 anos de [[Haroldidade, Wilson]]). Cameronse étornou o mais jovem primeiro-ministro britânico emdesde quaseo 200mandado anosdo [[Robert Jenkinson, 2.º Conde de Liverpool|Conde de Liverpool]] em 1812.<ref name=Telegraph11May2009YoungestPM>{{linkcitar web |2url=http://www.lemondetelegraph.frco.uk/europenews/articlenewstopics/2010politics/05david-cameron/117712545/gordonDavid-brownCameron-demissionne_1350075_3214becomes-youngest-Prime-Minister-in-almost-200-years.html#ens_id=1245893 |3título=David Cameron devientbecomes premieryoungest ministrePrime duMinister Royaume-Uni,in almost 200 years |acessodata=19 de outubro de 2013 |ultimo=Hough |primeiro=Andrew |coautores= |data=11 de maio de 2010|publicado=The Daily Telegraph }}</ref> Também éfoi o primeiro [[Inglaterra|inglês]] a ser primeiro-ministro desde [[John Major]].
 
Com a renúncia de Brown em [[11 de maio]] de [[2010]], após as eleições, passou a trabalhar na formação do novo gabinete, o primeiro conservador em treze anos<ref>{{link|2=http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/05/gordon-brown-anuncia-que-vai-renunciar.html|3=G1, Gordon Brown anuncia renúncia ao cargo de primeiro-ministro britânico, 11 de maio de 2010}}</ref><ref>{{link|2=http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/05/rainha-aceita-saida-de-brown-e-abre-caminho-para-governo-conservador.html|3=G1, Rainha aceita saída de Brown e abre caminho para governo conservador, 11 de maio de 2010}}</ref> e o primeiro de coalizão desde [[1974]] (gabinete de [[Harold Wilson]]). Cameron foi o mais jovem primeiro-ministro britânico em quase 200 anos.<ref>{{link|2=http://www.lemonde.fr/europe/article/2010/05/11/gordon-brown-demissionne_1350075_3214.html#ens_id=1245893|3=David Cameron devient premier ministre du Royaume-Uni, 11 de maio de 2010}}</ref>
 
=== Primeiro-ministro ===
Em 2012, Cameron e a liderança escocesa aceitaram a realização de [[Referendo sobre a independência da Escócia em 2014|um referendo popular]] sobre a independência da [[Escócia]]. Desde o primeiro dia, o primeiro-ministro havia se mostrado contra a proposta de secessão e teria aceitado com relutância o referendo. Em setembro de 2014, ele, junto com vários políticos britânicos, fizeram apelos para que os escoceses votassem contra a separação. No final, mesmo terminando com o resultado que David queria (o 'não' venceu com 55% dos votos), sua postura durante e logo depois do referendo foi criticada por analistas políticos e por nacionalistas escoceses.<ref>[http://www.bbc.com/news/uk-scotland-29270441 "Scottish referendum: Scotland votes 'No' to independence"]. Página acessada em 29 de setembro de 2014.</ref><ref>[http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/09/rainha-ronronou-com-resultado-de-referendo-da-escocia-diz-cameron.html "Rainha 'ronronou' com resultado de referendo da Escócia, diz Cameron"]. Página acessada em 29 de setembro de 2014.</ref> Ao fim do mesmo mês, o parlamento britânico aprovou uma importante moção que autorizava [[Intervenção militar no Iraque (2014–presente)|uma intervenção armada]] britânica no [[Iraque]], que havia descendido ao caos de uma nova [[Guerra Civil Iraquiana (2011-presente)|guerra civil]] três anos depois da retirada das tropas ocidentais do país.<ref>[http://www.bbc.com/news/uk-politics-29385123 "MPs support UK air strikes against IS in Iraq"]. Página acessada em 29 de setembro de 2014.</ref> No começo de dezembro de 2015, o Parlamento aprovou uma moção do seu governo para expandir os ataques aéreos britânicos para a [[Síria]] com o propósito de enfraquecer o grupo [[Estado Islâmico do Iraque e do Levante|Estado Islâmico]] (EI) na região.<ref>[http://edition.cnn.com/2015/12/02/europe/isis-britain-germany-vote-iraq-syria/ "Britain launches airstrikes hours after Parliament backs ISIS bombings"]. Página acessada em 28 de dezembro de 2015.</ref>
 
Em 7 de maio de 2015, Cameron liderou o partido conservador a conquistar [[Eleições gerais no Reino Unido em 2015|nas eleições gerais]] a maioria absoluta no [[Parlamento do Reino Unido]], com 36,9% dos votos (ou 11 334 920 de eleitores), garantindo assim mais cinco anos no cargo de Primeiro-ministro.<ref>[http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/05/lider-trabalhista-britanico-admite-vitoria-de-cameron-e-renuncia.html name="GE2015Cameron consegue maioria absoluta, e líder do partido Trabalhista renuncia"]. Página acessada em 8 de maio de 2015.</ref>
 
Em 23 de junho de 2016, o povo do Reino Unido [[Referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia em 2016|votou em um referendo]] pela saída do país da [[União Europeia]]. Cameron fez extensa campanha contra a proposta de saída e após fracassar anunciou que renunciaria ao cargo de primeiro-ministro em outubro de 2016, quando aconteceráacontecera a Conferência do Partido Conservador.<ref name="Brexit">{{citar web|URL=http://edition.cnn.com/2016/06/24/politics/david-cameron-resignation-brexit/index.html|título=David Cameron falls on his sword as gamble backfires|publicado=[[CNN]]|acessodata=24 de junho de 2016}}</ref><ref>{{citar web|URL=http://www.dn.pt/mundo/ao-vivo/interior/dentro-ou-fora-britanicos-decidem-o-seu-futuro-na-ue-5245585.html|título=Cameron demite-se depois de os britânicos votarem para sair da UE|publicado=DN.pt|acessodata=24 de junho de 2016}}</ref>
 
Cameron é saudado por revitalizar e modernizar o Partido Conservador britânico e também por estabilizar a economia do país e controlar a dívida pública nacional. Ao mesmo tempo ele também recebeu muitas críticas, de [[Esquerda e direita (política)|ambos os lados do espectro político]], que o acusavam de oportunismo político e [[elitismo]] social.<ref>{{citar jornal|último = Taylor |primeiro = Matthew |título= Under the Green Oak, an old elite takes root in Tories |jornal=The Guardian |data=12 de agosto de 2006 |url =http://www.guardian.co.uk/politics/2006/aug/12/uk.conservatives |acessodata=12 de julho de 2016 |local=Londres}}</ref> Durante seu governo ele apareceu várias vezes entre os dez primeiros colocados na lista da revista ''[[Forbes]]'' das [[Lista das pessoas mais poderosas segundo a revista Forbes|pessoas mais poderosas do mundo]].<ref>{{citar jornal|título= The World's Most Powerful People|url=http://www.forbes.com/sites/davidewalt/2015/11/04/the-worlds-most-powerful-people-2015/|jornal= Forbes|data= Novembro de 2015|acessodata=12 de julho de 2016}}</ref>