Abrir menu principal

Alterações

21 bytes adicionados, 21h41min de 16 de junho de 2017
sem resumo de edição
 
== Biografia ==
É formado em [[jornalismo]] mas nunca chegou a exercer a profissão. Começou na música por incentivo de sua tia Lêda Barbosa aos 16 anos<ref name="jp">{{citar web|url=http://jovempanfm.virgula.uol.com.br/musica/superstar/index.php?id=90|título=Pop / Rock Nacional - Jorge Vercilo|autor=|data=|publicado=jovempanfm|acessodata=22 de abril de 2011}}</ref>, depois de "desviado" dos treinos de futebol no [[Clube de Regatas Flamengo]], por uma fita cassete contendo músicas de [[Djavan]]. Iniciou sua carreira artística aos dezesseis anos de idade, tocando em bares. Em 1989 participou do Festival Internacional de Trovadores (INTROVESTCUR), em [[Curaçau]], alcançando o primeiro lugar com a canção "Alegre", de sua autoria, recebendo também o prêmio de melhor intérprete.<ref name="jp" /> No ano seguinte, novamente participou do festival e venceu com a canção "No bay", no idioma nativo.
 
Em 1993, teve a chance de gravar seu disco de estreia, ''Encontro das Águas'' ([[Continental (gravadora)|Continental]]), produzido por Renato Corrêa.<ref name="albin">{{citar web|URL=http://www.dicionariompb.com.br/jorge-vercillo/dados-artisticos|título=Jorge Vercillo - Dados Artísticos |autor=|data=|publicado=[[Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira]]|acessodata=5 de maio de 2015}}</ref> O álbum foi bem recebido e duas canções do repertório se tornaram sucessos nas rádios; "Encontro das Águas", que fez parte da trilha da novela [[Mulheres de Areia]], e "Praia Nua", da novela [[Tropicaliente]], ambas da TV Globo. Embalado pela boa repercussão de seu disco de estreia, Jorge Vercillo lançou o CD "Em Tudo que É Belo" (Continental), em 1996, trazendo experimentos e fusões com a [[world music]]. Com esse disco, foi indicado para o [[Prêmio Sharp]] 1997 na categoria Melhor Cantor Pop. Em 1998, se desligou da gravadora Continental e lançou, de forma independente, o álbum ''Leve'' (1999). O disco trouxe "Final Feliz", música de sua autoria, gravada em duo com [[Djavan]]. A canção teve repercussão imediata nas rádios de todo o país e ganhou uma releitura nas vozes de [[Caetano Veloso]] e [[Alexandre Pires]], gravada no DVD ao vivo do grupo [[Só pra Contrariar]]. O sucesso de "Final Feliz" se estende ao longo do ano de 2000, e levou o cantor e compositor a subir ao palco do [[Canecão]], Rio de Janeiro, também de forma independente. A repercussão de uma única apresentação numa casa de espetáculos lotada chamou a atenção de vários executivos de gravadoras multinacionais. Ainda em 2000, Jorge Vercillo, participou do [[Festival da Música Brasileira]] da [[Rede Globo]]<ref>[http://cliquemusic.uol.com.br/materias/ver/festival-da-musica-brasileira-comeca-em-agosto Festival da Música Brasileira começa em agosto]</ref> e assina com a gravadora [[EMI Music]], que relançou o álbum ''Leve'',<ref>[http://cliquemusic.uol.com.br/materias/ver/jorge-vercilo-um-final-feliz-para-a-primeira-decada-de-carreira Jorge Vercilo: um final feliz para a primeira década de carreira]</ref> no final do mesmo ano. O disco rendeu ainda os sucessos "Leve", "Avesso" e "Em Órbita".
109 607

edições