Diferenças entre edições de "Antiga teoria quântica"

271 bytes adicionados ,  14h44min de 19 de junho de 2017
Incluída ligação interna.
m (Incluída ligação interna)
(Incluída ligação interna.)
A '''antiga teoria quântica''' é uma coleção de resultados dos anos 1900 a 1925 que antecede a moderna [[mecânica quântica]]. A teoria nunca foi completa ou auto-consistente, mas uma coleção de prescrições [[heurística]]s que são tidas atualmente como as primeiras correções quânticas feitas à [[mecânica clássica]].
 
A antiga teoria quântica sobrevive como uma técnica de aproximação na mecânica quântica, chamada de [[método WKB]]. Aproximações semi-clássicas foram um popular objeto de estudos nonas anosdécadas 70de [[década de 1970|1970]] e 80[[década de 1980|1980]].
 
== História ==
A antiga teoria quântica foi iniciada pelo trabalho de [[Max Planck]] na emissão e [[Absorção (física)|absorção]] de [[luz]], e começou para valer após o trabalho de [[Albert Einstein]] nos [[Calor específico|calores específicos]] dos sólidos[[sólido]]s. Einstein, seguido por [[Peter Debye|Debye]], aplicou princípios quânticos ao movimento de átomos[[átomo]]s, explicando a anomalia do calor específico.
 
Em 1913, [[Niels Bohr]] identificou o [[princípio da correspondência]] e o usou para formular um modelo para o [[átomo de hidrogênio]] que explicava o [[espectro de emissão]]. Nos anos seguintes [[Arnold Sommerfeld]] estendeu a regra quântica para sistemas integráveis arbitrários fazendo uso do princípio da invariância adiabática de números quânticos introduzido por [[Hendrik Lorentz|Lorentz]] e Einstein. O modelo de Sommerfeld estava muito mais próximo à figura da moderna mecânica quântica do que o de Bohr.
 
Durante a [[década de 1910]] e começo da [[década de 1920]], muitos problemas foram atacados usando a antiga teoria quântica com resultados diversos. A [[Rotação (matemática)|rotação]] [[Molécula|molecular]] e o [[Espectro (física)|espectro]] de [[vibração]] foram entendidos e o [[spin]] do [[elétron]] descoberto, levando à confusão de números quânticos meio inteiros.{{esclarecer|data=junho de 2017}} Max Planck introduziu o ponto de energia zero e Arnold Sommerfeld quantizou semiclassicamente o átomo de hidrogênio relativístico. [[Hendrik Kramers]] explicou o [[efeito Stark]]. [[Satyendra Nath Bose|Bose]] e Einstein fizeram a estatística quântica certa para fótons[[fóton]]s.
 
Kramers deu a fórmula para calcular a probabilidade de transição entre estados quânticos em termos de componentes de Fourier de movimento, ideias que foram estendidas em colaboração com [[Werner Heisenberg]] para uma descrição semiclássica em forma de matriz das probabilidades de transição atômicas. Heisenberg reformulou toda a teoria quântica em termos de uma versão dessas matrizes de transição, criando a [[mecânica das matrizesmatricial]].
 
Em 1924, [[Louis de Broglie]] introduziu a teoria ondulatória da matéria, que foi estendida para uma equação semiclássica para ondas de matéria por Einstein pouco tempo depois. Em 1926 [[Erwin Schrödinger]] encontrou uma função de onda completamente quântica, que reproduzia com sucesso todos os sucessos da antiga teoria quântica sem ambiguidades e inconsistências. A mecânica ondulatória de Schorödinger se desenvolveu separadamente da mecânica das matrizes até que Schrödinger e outros provaram que os dois métodos previam as mesmas consequências experimentais. [[Paul Dirac]] provou em 1926 que ambos os métodos podem ser obtidos de um método mais geral chamado [[teoria da transformação]].