Abrir menu principal

Alterações

151 bytes removidos ,  03h26min de 16 de julho de 2017
m
traduzindo nome/parâmetro nas citações, outros ajustes usando script
| ordem = [[Myrtales]]
| família = '''Myrtaceae'''
| família_autoridade=[[Antoine-Laurent de Jussieu|Juss.]], 1789<ref name=APGIII2009>{{Citecitar journalperiódico|último |last=Angiosperm Phylogeny Group |yearano=2009 |titletítulo=An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III |journalperiódico=Botanical Journal of the Linnean Society |volume=161 |issuenúmero=2 |pagespáginas=105–121 |url=http://www3.interscience.wiley.com/journal/122630309/abstract | formatformato= PDF |accessdateacessodata=2013-06-26 |doi=10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x }}</ref> (''[[nom. cons.]]'' ''non'' [[Adans.]], 1763, ''nec'' [[Schauer]], 1843, ''[[nom. rej.]]'').<ref>[http://biodiversitylibrary.org/page/7439352 Biodiversity Heritage Library (BHL)].</ref>
| subdivisão_nome=Subfamílias, tribos e géneros
| subdivisão=
[[Ficheiro:Pimenta dioica (Allspice) W IMG 2431.jpg|thumb|253px|''[[Pimenta dioica]]''.]]
[[Ficheiro:Wax apple.png|thumb|253px|Fruto de ''[[Syzygium samarangense]]''.]]
'''''Myrtaceae''''' é uma família de [[plantas com flor]] ([[Angiosperma|angiopérmicas]]) incluída na [[Ordem (biologia)|ordem]] [[Myrtales]] do clado das [[Eudicotyledoneae]], que agrupa 132 [[Género (biologia)|géneros]] (25 monoespecíficos) e mais de 5950 [[espécie]]s validamente descritas (das mais de 14000 descritas).<ref name="Christenhusz-Byng2016">{{cite journalcitar periódico|author1autor1 =Christenhusz, M. J. M. |author2autor2 =Byng, J. W. | year ano= 2016 | title título= The number of known plants species in the world and its annual increase | journal periódico= Phytotaxa | volume = 261 | pages páginas= 201–217 | url = http://biotaxa.org/Phytotaxa/article/download/phytotaxa.261.3.1/20598 | doi = 10.11646/phytotaxa.261.3.1 | issue número= 3 | publisher publicado= Magnolia Press }}</ref><ref>Govaerts, R. et al. (12 additional authors). 2008. World Checklist of Myrtaceae. Royal Botanic Gardens, Kew. xv + 455 pp.</ref> São [[árvores|arbóreas]] ou [[arbusto|arbustivas]], geralmente [[perenifólia]]s e aromáticas, muitas ricas em [[Óleo essencial|óleos essenciais]] utilizados em perfumaria e farmácia.<ref name = APGW/><ref name = DELTA>[http://delta-intkey.com/angio/www/myrtacea.htm Watson L. & Dallwitz M.J., Myrtaceae Juss. en The families of flowering plants: descriptions, illustrations, identification, and information retrieval, Vers.: 19th October 2016, delta-intkey.com]</ref><ref name = FLIB>[http://www.floraiberica.es/floraiberica/texto/pdfs/08_095%20MYRTHACEAE.pdf Myrtaceae en Paiva J. (ed.), Flora Ibérica, vol. 8, capit. XCV, p. 73-74, 3ª Reimp., 2008, CSIC/RJB, Madrid]</ref><ref name = FOC>[http://flora.huh.harvard.edu/china/mss/volume13/Myrtaceae.pdf Chen J. & Craven L.A., Myrtaceae en Flora of China, vol. 13, p. 321-359, 2007, last updated 8 sept. 2016 - consultado el 1 de enero de 2017]</ref><ref name = FLORABASE>[ Myrtaceae en Western Australian Herbarium, FloraBase, The Western Australia Flora, Department of Parks and Wildlife, 1998-2017]</ref> Dividida em duas subfamílias ([[Myrtoideae]] e [[Psiloxyloideae]]), a família ocorre principalmente no [[Hemisfério Sul]], com destaque para a [[Austrália]] (cerca de 85 géneros) e a [[Neotropis|América neotropical]], e nesta especialmente no [[Brasil]].<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Angiosperm Phylogeny Website|jornal=ANGIOSPERM PHYLOGENY WEBSITE, version 13|doi=|url=http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/|acessadoem=22 de janeiro de 2017|idioma=inglês}}</ref><ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Myrtaceae|jornal=The Plant List|doi=|url=http://www.theplantlist.org/1.1/browse/A/Myrtaceae/|acessadoem=22 de janeiro de 2017|idioma=inglês}}</ref> Tem poucos representantes noutras partes do mundo, alguns na [[Europa]].<ref name = APGW/><ref name = TPL>[http://www.theplantlist.org/1.1/browse/A/Myrtaceae/ Géneros aceptados en ''Genera in Myrtaceae'', The Plant list, vers. 1.1, updated 2012, publ. 2013]</ref><ref name = DELTA/><ref name = FLIB/> A família integra plantas excepcionais, entre as quais as árvores mais altas do mundo (''[[Eucalyptus]]''<ref name = APGW/>), com 110-140&nbsp;m de altura, e o género com maior [[biodiversidade|diversidade]] (1200 a 1800 espécies) que se conhece (''[[Syzygium]]'').<ref>[https://peerj.com/preprints/1930/?td=wk Ahmad B., Baider C., Bernardini B., Biffin E., Brambach F., Burslem D., Byng J.W., Christenhusz M., Florens F.B.V., Lucas E., Ray A., Ray R., Smets E., Snow N., Strijk J.S., Wilson P.G., ''Syzygium'' Working Group. ''Syzygium'' (Myrtaceae): Monographing a taxonomic giant via 22 coordinated regional revisions, en ''PeerJ Preprints'', 13 pp., range map & photos, 2016]</ref> A família inclui múltiplas espécies com valor económico, entre as quais os [[eucalipto]]s (''[[Eucalyptus]]'') e [[especiaria]]s como o [[cravo-da-índia]] (''[[Syzygium aromaticum]]'').
 
A [[etimologia]] do nome da família deriva do seu género-tipo, ''[[Myrtus]]'' <small>[[L.]]</small>, que por sua vez deriva do [[grego clássico]] μύρτος, ''myrtos'', através do [[latim]] ''myrtus'', "perfume", uma alusão ao aroma exalado pelas flores e pelos óleos essenciais presentes naquelas plantas.
A família Myrtaceae, tendo como género-tipo ''[[Myrtus]]'' (o género que inclui a [[murta-comum]]), é uma família de plantas [[dicotiledónea]]s pertencentes à ordem [[Myrtales]].<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=''The Families of Flowering Plants''|jornal=|doi=|url=http://delta-intkey.com/angio/www/myrtacea.htm|acessadoem=23 de janeiro de 2017|idioma=inglês}}</ref> A família inclui uma grande variedade de plantas cultivadas para fins económicos e ornamentais, entre as quais as [[Myrtus|murtas]], os [[Metrosideros|metrosíderos]], a [[Pimenta racemosa|pimenta-racemosa]], o [[cravinho-da-índia]], a [[goiaba]], a [[Acca sellowiana|feijoa]], a [[pimenta-da-jamaica]] e os [[eucalipto]]s.
 
A família está representada nas [[América|Américas]]s principalmente por [[planta fruteira|plantas frutíferas]], entre as quais o [[Jambo|jambo]], a [[Pitanga|pitanga]], a [[uvalha]], a [[goiabeira]], o [[Psidium|araçá]], a [[Jabuticaba|jaboticaba]] e o [[cambuí]].<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=A FAMÍLIA MYRTACEAE NO BRASIL|jornal=|doi=|url=https://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/64CNBot/resumo-ins20157-id4031.pdf|acessadoem=23 de janeiro de 2017}}</ref>
 
Um dos géneros mais conhecidas desta família inclui os [[Eucalyptus|eucaliptos]], nativos da [[Austrália]] mas introduzidos em múltiplos países de clima subtropical e temperado quente para a produção de madeira para fabrico de [[papel]]. Actualmente várias espécies deste género, mas especialmente ''[[Eucalyptus globulus]]'', são cultivadas em larga escala nas regiões tropicais (principalmente [[África]] e [[Brasil]]) e mediterrânicas (incluindo a [[Península Ibérica]]) para obtenção de [[madeira]] para prdução de madeira serrada, [[celulose]], papel e [[carvão vegetal]] e [[biomassa]] para fins energéticos.
Todas as espécies desta família são [[lenhosa]]s, compreendendo espécies de porte [[Árvore|arbóreo]] ou [[Arbusto|arbustivo]] e dimensões que variam em geral entre os 2&nbsp;m de altura (arbustos) até várias dezenas de metros de altura ([[megafanerófito]]s), com tecidos ricos em [[óleo essencial|óleos essenciais]] e [[flor]]es com um número de peças florais múltiplo de 4 ou 5 (flores tetrâmeras ou pentâmeras). Uma característica notável desta família é apresentar o [[floema]] localizado em ambos os lados do [[xilema]], e não apenas no lado exterior como é comum na generalidade das plantas.
 
As [[folha]]s são [[planta perene|perenes]], com uma [[filotaxia]] do tipo alternado a maioritariamente opostas, simples e geralmente com a margem inteira (não dentadas).
 
A flores tem em geral um número base de 5 [[pétala]]s (com os restantes géneros com número base de 4 pétalas), mas em vários géneros as pétalas são minúsculas ou estão mesmo ausentes. Os [[estame]]s são geralmente numerosos, muito conspícuos, com coloração brilhante.
[[Perianto]] de [[cálice (botânica)|cálice]] distinta e [[corola]]. Flores polisépalas, ou gamosépalas (então às vezes que racham irregularmente em anteses, ou verter inteiro); regulares, Imbricado (geralmente quincuncial), ou valvado (ou rachando  irregularmente). Corola 4­5; Polipétalas (as pétalas quase sempre circular quando achatado), ou  gamopétalas;  Branco, ou amarelo, ou vermelho, ou rosa, ou roxo (não azul).
 
Androceu 4­5 (raramente), ou 8-­10 (por vezes), ou 20-150. Membros do androceu ramificados ou não; Quando são  muitos, o amadurecendo é centrípeto; Livre do perianto; Todos são iguais ou marcadamente desiguais; Livres uns  dos outros ou coerentes; Os feixes androeciais  quando empacotados, alternando com os membros da corola, ou oposto aos membros da corola. Androeceu  exclusivamente de estames férteis, ou inclusive estaminodes (às vezes, quando androceu indefinido).
 
Estames ereto em broto, ou inflexo em broto (ou dobrado duas vezes), geralmente numerosos, desenvolvidos de dentro para fora da flor, livres a basalmente conados em 4 ou 5 fascículos. Anteras frequentemente providas de conectivo com uma cavidade apical secretora, são dorsifixadas; versátil; abre  através das fendas longitudinais, ou  através dos poros (raramente); bilocular (principalmente), ou unilocular (por  exemplo Corynanthera ); principalmente tetrasporangiada (mas trisporangiada em Corynanthera , e,  ocasionalmente, unisporangiada em Malleostemon ); Endotélio que desenvolvem com espessamentos fibrosos. Os grãos de pólen se abrem, colpado  (raramente), ou colporado (comumente), porado (às vezes sincolpado), mas geralmente tricolporados, com os sulcos fusionados; ­celulados (em 6 géneros).
Do tipo [[baga]], raramente cápsula. O [[embrião]] das [[semente]]s é muito utilizado para a classificação das Myrtaceae em tribos. Cápsulas septicidas, loculicidas ou denticidas, por vezes circunscissíveis (tornando-­se então operculadas por remoção do disco epiginoso). Sementes não-­endospérmicas, aladas (por exemplo em algumas espécies de ''[[Eucalyptus]]'') ou sem  asas. Embrião com [[cotilédone]]s pequenos a grandes, às vezes conados, ou ambos dobrados ou retorcidos. [[Endosperma]] escasso ou ausente.
 
;Tronco e madeira (anatomia axial)
 
Câmbio de cortiça presente; Inicialmente profundamente assentado, ou inicialmente superficial. Nodos tipicamente unilacunares. Tecidos vasculares primários em um cilindro, sem feixes separados; muito comumente bicolateral. Floema interno normalmente presente . Espessamento secundário desenvolvido a partir  de um anel cambial convencional. Raios medulares primários de largura, ou misturados largos e estreitos. O anel de madeira  difusa porosa. Os vasos são pequenos (tipicamente), ou médios (menos frequentemente), ou  grandes (raramente); Solitárias ou radialmente emparelhadas, ou em múltiplos radiais, ou agrupados, ou em arcos  tangenciais (mas tipicamente exclusivamente solitários). O recipiente termina­ em paredes simples (geralmente), ou  escalariforme. Os vasos com orifícios revestidos; Com espessamento espiral, ou sem espessamento espiral. O xilema é axial com traqueídeos, ou sem traqueídeos, em geral com traqueides vasicentricos. Com traqueídeos de fibras (usualmente), ou sem traqueídeos de fibras; Com fibras libriformes, ou sem fibras libriformes; incluindo  fibras septadas, ou sem fibras septadas. As fibras sem espessamento espiral. O parênquima apotraqueal, ou  paratraqueal, ou apotraqueal e paratraqueal. O floema secundário estratificados em zonas difíceis (fibroso) e  macios ([[parenquimatoso]]) (geralmente), ou não estratificada (por exemplo em ''[[Darwinia]]'' e ''[[Verticordia]]'').
 
;Tipo reprodutivo e polinização
 
Plantas hermafroditas (geralmente). Polinização [[entomófila]] ou [[ornitófila]], com mecanismo visivelmente especializado (''[[Chamelaucium]]'' e alguns parentes, com a apresentação do [[pólen]] através de uma parte modificada do estilo), ou não  especializado (principalmente).<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Polinização e dispersão de sementes em Myrtaceae do Brasil|jornal=Scielo|doi=|url=http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042006000400002|acessadoem=23 de janeiro de 2017}}</ref>
A família Myrtaceae foi estabelecida em 1789 por [[Antoine Laurent de Jussieu]] na sua obra ''[[Genera Plantarum (Jussieu)|Genera Plantarum]]'', pp. 322–323, como ''Ordo VII, Myrti, Les Myrtes''.<ref>[http://biodiversitylibrary.org/page/7439352 Biodiversity Heritage Library (BHL)].</ref> O [[Tipo (nomenclatura)|género tipo]] é ''[[Myrtus]]'' {{Person|L.}}<ref name="tropicos" /><ref>[http://biodiversitylibrary.org/page/358490 Biodiversity Heritage Library (BHL): ''Myrtus''].</ref><ref name = TROP2>[http://www.tropicos.org/Name/42000198 Myrtaceae Juss., en Tropicos.org., Missouri Botanical Garden, Saint Louis, Missouri - consultado el 29 de diciembre de 2016]</ref> A família Myrtaceae {{Person|Juss.}} tem, entre outros, como [[sinónimo taxonómico|sinónimos taxonómicos]]: [[Heteropyxidaceae]] {{Person|Engl. & Gilg}} ''nom. cons.'', [[Kaniaceae]] {{Person|Nakai}}, [[Leptospermaceae]] {{Person|Bercht. & J.Presl}}, [[Myrrhiniaceae]] {{Person|Arn.}} e [[Psiloxylaceae]] {{Person|Croizat}}.<ref name="GRIN" />
 
A posição filogenética tradicional da família Mystaceae no sistema taxonómico é na divisão [[Magnoliophyta]], incluída na classe [[Magnoliopsida]] na qual constitui a ordem [[Myrtales]], posição que manteve no [[sistema APG III]] de 2009,<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Angiosperm Phylogeny Website|jornal=Angiosperm Phylogeny Website, version 13|doi=|url=http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/|acessadoem=22 de janeiro de 2017|idioma=inglês}}</ref> confirmada no [[sistema APG IV]] de 2016.
 
<gallery mode="nolines" widths="550" heights="500">
Ficheiro:WhatsApp Image 2017-01-16 at 17.46.47.jpg|Filogenia da família Myrtaceae.
</gallery>
 
É uma das famílias mais complexas do ponto de vista taxonómico, tanto pelo número de espécies como pela escassez de estudos de [[biologia molecular]] capazes de esclarecer as relações filogenéticas internas e externa do agrupamento. A posição do agrupamento [[Myrtales]] dentro dos [[rosídeo]]s foi considerada instável face aos resultados de uma análise de [[rbcL]] de todas as angiospermas.<ref>Hilu et al., 2003.</ref> No entanto, esses estudos oferecem algum suporte para considerar a família, na sua presente [[circunscrição taxonómica]] como o [[grupo irmão]] de todos os outros rosídeos, excepto [[Geraniales]], [[Vitales]] e [[Saxifragales]]. Contudo, outros estudos sugerem que será um [[grupo irmão]] de [[Geraniales]],<ref>Wang ''et al.'' (2009).</ref>, sendo o agrupamento combinado grupo irmão de todos os outros [[malvídeos]].<ref>{{citar livro|titulo=Sistemática Vegetal. Um Enfoque Filogenético|ultimo=Judd|primeiro=W.S|ultimo2=Campbell|primeiro2=C.S.|ultimo3=Kellogg|primeiro3=E.A.|ultimo4=Stevens|primeiro4=P.F.|ultimo5=Donoghue|primeiro5=M.J.|editora=Artmed|ano=2009|local=Porto Alegre|paginas=416-418|acessodata=23 de Janeiro de 2017}}</ref>
 
Por outro lado, a posição de [[Combretaceae]] parece ainda não ser clara, embora existam dados que dão pelo menos algum apoio para uma posição de grupo irmão do agrupamento [&nbsp;[[Onagraceae]] + [[Lythraceae]]&nbsp;]. Alguns aspectos da anatomia (cavidades revestidas), algumas características morfológicas (tipo de folha geral e inserção) e dados moleculares sugerem fortemente que a família [[Vochysiaceae]] deve ser incluída em Myrtales, mas à primeira vista as flores espontâneas monossimétricas distintivas dessa família são bastante diferentes das do resto da ordem.<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|titulo=Myrtales|jornal=Missouri Botanical Garden|doi=|url=http://www.mobot.org/mobot/research/apweb/orders/myrtalesweb2.htm|acessadoem=Visitado em 20 de Janeiro de 2017}}</ref>
*** ''[[Psiloxylum]]'' {{Person|Thouars ex Tul.}} &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Psiloxylum mauritianum]]'' {{Person|(Bouton ex Hook. f.) Baill.}} &mdash; nativa das [[ilhas Mascarenhas]]. É uma árvore [[dioica]] ou [[Subdioicia|poligamomonoica]].
 
* Subfamília [[Myrtoideae]] {{Person|Sweet}} &mdash; contém 15 tribos:
** Tribo Backhousieae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas dois géneros:
*** ''[[Choricarpia]]'' Domin &mdash; com apenas duas espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales (Austrália).
** Tribo Chamelaucieae &mdash; maioritariamente com flores relativamente pequenas, produzem frutos secos uniloculares. Todas as espécies, com excepção de uma que é polinizada por aves, são [[Polinização|polinizadas]] por [[insecto]]s.<ref name="Rye2009Cheyniana" /> A tribo agrupa cerca de 30 géneros, com [[centro de diversidade]] na Austrália:
*** ''Actinodium'' Schauer &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Actinodium cunninghamii]]'' Schauer ex Lindl. &mdash; ocorre apenas no sudoeste da [[Western Australia]] (Austrália).
*** ''[[Aluta|Aluta]]'' Rye & Trudgen &mdash; as cerca de cinco espécies ocorrem na Austrália.
*** ''[[Astartea]]'' DC. &mdash; as cerca de 9 espécies, nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Astus]]'' Trudgen & Rye &mdash; as cerca de quatro espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Babingtonia]]'' Lindl. &mdash; as cerca de 75 espécies ocorrem na [[Nova Caledónia]], [[Bornéu]] e Austrália (cerca de 70 espécies).
*** ''[[Baeckea]]'' L. &mdash; as cerca de 75 espécies são nativas da Ásia, Nova Caledónia e Austrália.
*** ''[[Balaustion]]'' Hook. &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Balaustion pulcherrimum]]'' Hook. &mdash; nativa do sudoeste da Austrália.<ref name="Rye2009Cheyniana" />
*** ''[[Calytrix]]'' Labill. &mdash; as cerca de 75 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Chamelaucium]]'' Desf. &mdash; as cerca de 13 espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Cheyniana]]'' Rye &mdash; co apenas duas espécies, nativas do sudoeste da Austrália.<ref name="Rye2009Cheyniana" />
*** ''Corynanthera'' J.W.Green &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Corynanthera flava]]'' J.W.Green &mdash; ocorre apenas em Western Australia.
*** ''[[Cyathostemon]]'' Turcz. &mdash; as cerca de quatro espécies ocorrem em Western Australia.<ref name="Rye2012" />
*** ''[[Darwinia|Darwinia]]'' Rudge &mdash; as cerca de 51 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Enekbatus]]'' Trudgen & Rye &mdash; as cerca de 10 espécies são nativas do sudoeste da Western Australia.<ref name="Trudgen2010" />
*** ''[[Euryomyrtus]]'' Schauer &mdash; as cerca de sete espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Harmogia]]'' Schauer &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Harmogia densifolia]]'' (Sm.) Schauer &mdash; nativa do leste da Austrália.
*** ''[[Homalocalyx]]'' F.Muell. &mdash; as cerca de 11 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Homoranthus]]'' A.Cunn. ex Schauer &mdash; as cerca de 22 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Hypocalymma]]'' (Endl.) Endl. &mdash; contém 22 espécies.
*** ''[[Malleostemon]]'' J.W.Green &mdash; as cerca de seis espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Micromyrtus]]'' Benth. &mdash; as cerca de 22 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Ochrosperma]]'' Trudgen &mdash; as cerca de cinco espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales.
*** ''[[Oxymyrrhine]]'' Schauer&mdash; com apenas quatro espécies, nativas do sul da Western Australia.<ref name="Rye2009Oxymyrrhine" />
*** ''[[Pileanthus]]'' Labill. &mdash; as cerca de oito espécies ocorrem em Western Australia.
*** ''[[Rinzia]]'' Schauer &mdash; as cerca de 12 espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Scholtzia]]'' Schauer &mdash; as cerca de 13 espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Tetrapora]]'' Schauer &mdash; com um pequeno número de espécies na Austrália.<ref name="Rye2012" />
*** ''[[Thryptomene]]'' Endl. &mdash; as cerca de 32 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Triplarina]]'' Raf. &mdash; as cerca de 7 espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales.
*** ''[[Verticordia]]'' DC. &mdash; as cerca de 100 espécies, nativa da Austrália.
** Tribo Eucalypteae {{Person|[[Peter Gordon Wilson|Peter G.Wilson]]}} &mdash; contém sete géneros:
*** ''[[Allosyncarpia]]'' S.T.Blake &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Allosyncarpia ternata]]'' S.T.Blake &mdash; ocorre apenas em [[Northern Territory]] (Austrália).
*** ''[[Angophora]]'' Cav. &mdash; as cerca de 13 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Arillastrum]]'' Pancher ex Baill. &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Arillastrum gummiferum]]'' (Brongn. & Gris) Pancher ex Baill. &mdash; ocorre apenas na região central e sueste da [[Nova Caledónia]].
*** ''[[Corymbia]]'' K.D.Hill & L.A.S.Johnson &mdash; as 95 a 115 espécies ocorrem na Nova Guiné e Austrália.
*** ''[[Eucalyptopsis]]'' C.T.White &mdash; com apenas duas espécies, nativas de [[Maluku]] e [[Nova Guiné]].
*** ''[[Eucalyptus]]'' L'Hér. &mdash; com 620 a 810 espécies, nativas principalmente da Austrália; apenas 16 espécies ocorrem fora da Austrália, ainda assim confinadas à [[Malésia]] e Nova Guiné.
*** ''[[Stockwellia]]'' D.J.Carr et al. &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Stockwellia quadrifida]]'' D.J.Carr, S.G.M.Carr & B.Hyland &mdash; ocorre apenas em [[Queensland]].
*** ''[[Basisperma]]'' C.T.White &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Basisperma lanceolata]]'' C.T.White &mdash; ocorre apenas em [[Papua Nova Guiné]].
*** ''[[Kania|Kania]]'' Schltr. &mdash; as cerca de seis espécies são nativas das Filipinas e Nova Guiné.
*** ''[[Lysicarpus]]'' F.Muell. &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Lysicarpus angustifolius]]'' (Hook.) Druce &mdash; ocorre apenas em [[Queensland]].
*** ''[[Mitrantia]]'' {{Person|Peter G.Wilson & B.Hyland}} &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Mitrantia bilocularis]]'' {{Person|Peter G.Wilson & B.Hyland}} &mdash; ocorre apenas no norte da Queensland.
*** ''[[Ristantia]]'' {{Person|Peter G.Wilson & J.T.Waterh.}} &mdash; com apenas três espécies, confinadas ao norte e nordeste de Queensland (Austrália).
*** ''[[Sphaerantia]]'' {{Person|Peter G.Wilson & B.Hyland}} &mdash; com apenas duas espécies, restritas ao norte de Queensland.
*** ''[[Tristaniopsis]]'' Brongn. & Gris &mdash; as cerca de 40 espécies são nativas da Austrália, Nova Caledónia, [[Malésia]], [[Burma]] e [[Tailândia]].
** Tribo Leptospermeae &mdash; contém sete géneros:
*** ''[[Agonis]]'' (DC.) Sweet &mdash; as cerca de seis espécies, com distribuição restrita à [[Western Australia]].
*** ''[[Asteromyrtus]]'' Schauer &mdash; as cerca de sete espécies são nativas da Nova Guiné e Austrália.
*** ''[[Homalospermum]]'' Schauer &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Homalospermum firmum]]'' Schauer &mdash; nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Kunzea]]'' Rchb. (sin.: ''[[Tillospermum]]'' Salisb., ''[[Pentagonaster]]'' Klotzsch, ''[[Salisia]]'' Lindl., ''[[Stenospermum]]'' Sweet ''ex'' Heynh., ''[[Angasomyrtus]]'' Trudgen & Keighery) &mdash; as cerca de 36 espécies ocorrem na Nova Zelândia e Austrália (todas as espécies), entre as quais:
**** ''[[Kunzea ericoides]]'' (A.Rich.) JoyThomps.
*** ''[[Leptospermum]]'' J.R.Forst. & G.Forst. &mdash; as cerca de 79 espécies são nativas do [[Sueste da Ásia]], Nova Guiné, Austrália (77 espécies) e [[Nova Zelândia]].
*** ''[[Neofabricia]]'' Joy Thomps.&mdash; com apenas três espécies, confinadas ao norte da Queensland.
*** ''[[Pericalymma]]'' (Endl.) Endl. &mdash; as cerca de quatro espécies são nativa do sueste da Austrália.
** Tribo Lindsayomyrteae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas um género [[monotípico]]:
*** ''Lindsayomyrtus'' B.Hyland & Steenis &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Lindsayomyrtus racemoides]]'' (Greves) Craven &mdash; nativa da região que vai das [[Molucas]] ao norte de [[Queensland]].
** Tribo Lophostemoneae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém 4 géneros:
*** ''[[Kjellbergiodendron]]'' Burret &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Kjellbergiodendron celebicum]]'' (Koord.) Merr. &mdash; ocorre apenas em [[Sulawesi]].
**** ''[[Whiteodendron moultonianum]]'' (W.W.Sm.) Steenis &mdash; ocorre apenas em [[Bornéu]].
** Tribo Melaleuceae &mdash; contém 7 géneros:
*** ''[[Beaufortia|Beaufortia]]'' R.Br. &mdash; as cerca de 21 espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Callistemon]]'' R.Br. &mdash; as cerca de 30 espécies que ocorrem na Nova Caledónia e Austrália (26 espécies).
*** ''[[Calothamnus]]'' Labill. &mdash; as cerca de 43 espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
*** ''[[Eremaea]]'' Lindl. &mdash; as cerca de 16 espécies são nativas do oeste da Austrália.
*** ''[[Melaleuca]]'' L. &mdash; com 220 a 280 espécies, com distribuição natural principalmente na Austrália (215 espécies) e na [[Nova Guiné]], mas ocorrendo também na [[Malésia]] e na Nova Caledónia.
*** ''[[Phymatocarpus]]'' F.Muell. &mdash; com apenas duas espécies, nativas da [[Western Australia]].
*** ''[[Regelia]]'' Schauer &mdash; as cerca de cinco espécies são nativas do sudoeste da Austrália.
** Tribo Metrosidereae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém dois géneros:
**** ''[[Tepualia stipularis]]'' (Hook. & Arn.) Griseb. &mdash; nativa do centro e sul do Chile e do sudoeste da Argentina.
** Tribo Myrteae &mdash; com frutos carnudos do tipo [[baga]] ou [[drupa]] (fruto com caroço). A tribo tem o seu [[centro de diversidade]] na [[região neotropical]] ([[Neotropis]]) e também no região sul da [[Oceânia]]. A tribo contém cerca de 54 géneros:
*** ''[[Acca|Acca]]'' O.Berg &mdash; com três a seis espécies, nativas da região que vai do Peru ao Uruguai, entre as quais:
**** ''[[Acca sellowiana]]'' (O.Berg) Burret &mdash; a [[feijoa]].
**** ''[[Acca lanuginosa]]'' (Ruiz & Pav. ex G.Don) McVaugh
*** ''[[Accara]]'' Landrum &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Accara elegans]]'' (DC.) Landrum &mdash; endémica do estado de [[Minas Gerais]] (Brasil).
*** ''[[Algrizea]]'' Proença & NicLugh. &mdash; com apenas duas espécies, endémicas no estado da [[Bahia]] (Brasil).
*** ''[[Amomyrtella]]'' Kausel &mdash; com apenas duas espécies, nativas da América do Sul.
*** ''[[Amomyrtus]]'' (Burret) D.Legrand & Kausel &mdash; com apenas duas espécies, nativas do Chile e sudoeste da Argentina.
*** ''[[Archirhodomyrtus]]'' (Nied.) Burret &mdash; com 5 espécies, nativas da Austrália e Nova Caledónia.
*** ''[[Austromyrtus]]'' (Nied.) Burret &mdash; com apenas 3 espécies, nativas de Queensland e New South Wales (Austrália).
*** ''[[Blepharocalyx]]'' O.Berg &mdash; as cerca de quatro espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Calycolpus]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 15 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Calycorectes]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 28 espécies são nativas do México e do [[Neotropis]].
*** ''[[Calyptranthes]]'' Sw. &mdash; as cerca de 100 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Campomanesia]]'' Ruiz & Pav. &mdash; com cerca de 37 espécies recentemente descritas, com distribuição natural desde [[Trinidad]] até às região mais a sul da América tropical. Com uma espécie recentemente extinta:
**** ''[[Campomanesia lundiana]]'' (Kiaersk.) Mattos &mdash; um endemismo do estado do Rio de Janeiro (Brasil).
*** ''[[Chamguava]]'' Landrum &mdash; com apenas três espécies, nativas do México e da [[América Central]].
*** ''[[Curitiba (género)|Curitiba]]'' Salywon & Landrum &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Curitiba prismatica]]'' (D.Legrand) Salywon & Landrum &mdash; endémica no sul do Brasil.
*** ''[[Decaspermum]]'' J.R.Forst. & G.Forst. &mdash; com cerca de 30 espécies, com distribuição natural desde a China à Austrália e às ilhas do Pacífico.
*** ''[[Eugenia (género)|Eugenia]]'' L. (sin.: ''[[Catinga]]'' Aubl., ''[[Greggia]]'' Gaertn., ''[[Olynthia]]'' Lindl., ''[[Calophylloides]]'' Smeathman ex DC., ''[[Jossinia]]'' Comm. ex DC., ''[[Emurtia]]'' Raf., ''[[Epleienda]]'' Raf., ''[[Calomyrtus]]'' Blume, ''[[Hexachlamys]]'' O.Berg, ''[[Phyllocalyx]]'' O.Berg, ''[[Stenocalyx]]'' O.Berg, ''[[Myrtopsis]]'' O.Hoffm., ''[[Psidiastrum]]'' Bello, ''[[Chloromyrtus]]'' Pierre, ''[[Myrcialeucus]]'' Rojas, ''[[Pilothecium]]'' (Kiaersk.) Kausel, ''[[Pseudeugenia]]'' D.Legrand & Mattos, ''[[Monimiastrum]]'' J.Guého & A.J.Scott) &mdash; com 500 a 1000 espécies, com distribuição natural alargada, mas com maior diversidade no Neotropis.
*** ''[[Gossia]]'' N.Snow et al. &mdash; as cerca de 35 espécies tem distribuição natural da [[Malésia]] à Nova Caledónia, [[Fiji]] e Austrália (16 espécies).
*** ''[[Hottea]]'' Urb. &mdash; as cerca de 9 espécies são endémicas da [[Hispaniola]] e do leste de [[Cuba]].
*** ''[[Kanakomyrtus]]'' N.Snow &mdash; as cerca de seis espécies ocorrem apenas na Nova Caledónia.
*** ''[[Legrandia]]'' Kausel &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Legrandia concinna]]'' (Phil.) Kausel &mdash; ocorre apenas na região central do Chile.
*** ''[[Lenwebbia]]'' N.Snow et al. &mdash; com apenas duas espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales.
*** ''[[Lithomyrtus]]'' F.Muell. &mdash; as cerca de 11 espécies são nativas da Austrália.
*** ''[[Lophomyrtus]]'' Burret&mdash; com apenas três espécies que ocorrem na Nova Zelândia.
*** ''[[Luma|Luma]]'' A.Gray &mdash; com apenas duas espécies, nativas do Chile e Argentina:
**** ''[[Luma apiculata]]'' ([[Augustin-Pyrame de Candolle|DC.]]) [[Carl Burret|Burret]]
**** ''[[Luma chequen]]'' F.Phil.
*** ''[[Marlierea]]'' Cambess. &mdash; as cerca de 90 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Meteoromyrtus]]'' Gamble &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Meteoromyrtus wynaadensis]]'' (Bedd.) Gamble &mdash; nativa do sudoeste da [[Índia]].
*** ''[[Mitranthes]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 7 espécies ocorrem apenas na Jamaica e Cuba.
*** ''[[Mosiera]]'' Small &mdash; as cerca de 12 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Myrceugenia]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 46 espécies são nativas da América do Sul.
*** ''[[Myrcia]]'' DC. (sin.: ''[[Aguava]]'' Raf., ''[[Cumetea]]'' Raf., ''[[Aulomyrcia]]'' O.Berg, ''[[Calyptromyrcia]]'' O.Berg, ''[[Cerqueiria]]'' O.Berg, ''[[Gomidesia]]'' O.Berg, ''[[Calycampe]]'' O.Berg, ''[[Mozartia]]'' Urb.) &mdash; as cerca de 400 espécies são nativas da região que vai do México às regiões tropicais da América do Sul. Estão extintas as seguintes espécies:
**** ''[[Myrcia neocambessedeana]]'' Lucas & Sobral (basiónimo: ''[[Gomidesia cambessedeana]]'' O.Berg) &mdash; extinta no Brasil (Rio de Janeiro).
**** ''[[Myrcia skeldingii]]'' [[George Richardson Proctor|Proctor]] &mdash; uma espécie considerada extinta, nativa da Jamaica.
*** ''[[Myrcianthes]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 50 espécies, com distribuição natural desde o sul da Flórida até às regiões tropicais da América do Sul.
*** ''[[Myrciaria]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 50 espécies são nativas do Neotropis, entre as quais:
**** ''[[Myrciaria dubia]]'' (Kunth) McVaugh &mdash; o [[camu-camu]]
**** ''[[Myrciaria cauliflora]]'' (Mart.) O.Berg &mdash; a [[jaboticaba]]
**** ''[[Myrciaria floribunda]]'' (H.West ex Willd.) O.Berg.
*** ''[[Myrrhinium]]'' Schott &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Myrrhinium atropurpureum]]'' Schott &mdash; nativa da América do Sul.
*** ''[[Myrtastrum]]'' Burret &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Myrtastrum rufopunctatum]]'' (Pancher ex Brongn. & Gris) Burret &mdash; ocorre apenas em Nova Caledónia.
*** ''[[Myrtella]]'' F.Muell. &mdash; com apenas duas espécies, nativas das ilhas do Pacífico.
*** ''[[Myrteola]]'' O.Berg &mdash; com apenas três espécies, nativas da América do Sul.
*** ''[[Myrtus]]'' &mdash; contém apenas duas espécies:
**** ''[[Myrtus communis]]'' L. &mdash; com duas subespécies na [[Macaronésia]], na [[Europa do Sul]] e no Paquistão.
**** ''[[Myrtus nivelii]]'' Batt. & Trab. &mdash; nativas da Norte de África.
*** ''[[Neomitranthes]]'' D.Legrand &mdash; as cerca de 15 espécies são nativas do Brasil.
*** ''[[Neomyrtus]]'' Burret &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Neomyrtus pedunculata]]'' (Hook.f.) Allan &mdash; nativas da Nova Zelândia.
*** ''[[Octamyrtus]]'' Diels &mdash; as cerca de seis espécies nativas da Nova Guiné e das [[Molucas]].
*** ''[[Pilidiostigma]]'' Burret &mdash; as cerca de cinco espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales.
*** ''[[Pimenta (género)|Pimenta]]'' Lindl. &mdash; com cerca de 15 espécies nativas do [[Neotropis]], principalmente das [[Grandes Antilhas]].
*** ''[[Plinia]]'' L. &mdash; as cerca de 68 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''Pseudanamomis'' Kausel &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Pseudanamomis umbellulifera]]'' (Kunth) Kausel &mdash; nativas das [[Caraíbas]] a do norte da América do Sul.
*** ''[[Psidium]]'' L. &mdash; as cerca de 100 a 150 espécies são nativas do [[Neotropis]], entre as quais:
**** ''[[Psidium guajava]]'' L. &mdash; a [[goiabeira]].
*** ''[[Rhodamnia]]'' Jack &mdash; as cerca de 20 a 28 espécies nativas das regiões tropicais da Ásia, Austrália (13 espécies) e Nova Caledónia.
*** ''[[Rhodomyrtus]]'' (DC.) Rchb. &mdash; as cerca de 11 espécies são nativas da região que vai do sul da China até à Nova Caledónia e Austrália.
*** ''[[Siphoneugena]]'' O.Berg &mdash; as cerca de 11 espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Stereocaryum]]'' Burret &mdash; com apenas três espécies ocorrem apenas na Nova Caledónia.
*** ''[[Ugni]]'' Turcz. &mdash; as cerca de quatro espécies são nativas do [[Neotropis]].
*** ''[[Uromyrtus]]'' Burret &mdash; as cerca de 15 espécies são maioritariamente nativas da região entre a Nova Guiné e a Nova Caledónia, mas com quatro espécies que ocorrem na Austrália.
** Tribo Osbornieae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas um género:
*** ''[[Osbornia]]'' F.Muell. &mdash; com apenas uma espécie:
**** ''[[Osbornia octodonta]]'' F.Muell. &mdash; esta árvore dos [[mangal|mangais]] tem [[distribuição natural]] nas [[Filipinas]] e no norte da Austrália.
** Tribo Syncarpieae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas um género:
*** ''[[Syncarpia]]'' &mdash; as cerca de cinco espécies ocorrem nas [[Molucas]] e em Queensland e New South Wales.
** Tribo Syzygieae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas três géneros:
*** ''[[Piliocalyx]]'' Brongn. & Gris &mdash; as cerca de oito espécies ocorrem apenas na Nova Caledónia.
*** ''[[Syzygium|]]''Syzygium'']] &mdash; as 500 a 1000 espécies ocorrem nas regiões tropicais e subtropicais da África, Ásia, Austrália e das ilhas do Pacífico.
*** ''[[Waterhousea]]'' B.Hyland &mdash; com apenas quatro espécies que ocorrem em Queensland e New South Wales.
** Tribo Tristanieae {{Person|Peter G.Wilson}} &mdash; contém apenas três géneros:
* Subfamília '''[[Myrtoideae]] Sweet, 1827'''
:''Folhas sempre opostas; [[Ovário (botânica)|flores epíginas]]; frutos em [[baga]] ou [[drupa]]; sobretudo na [[América]].''<ref name = FLIB/>
:* Tribus:
::*[[Backhousieae]] [[Peter G. Wilson]], 2005 (2 gen.)
::*[[Chamelaucieae]] [[DC.]], 1827 (15-16 gen.)
A família myrtaceae apresenta a seguinte [[Sinonímia (biologia)|sinonímia]]:<ref name = APGW>[http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/ Myrtaceae en APGWeb, ,vers. 13, 2016 (requerer busca interna) - consultado a 29 de Dezembro de 2016]</ref>
 
*[[Baeckeaaceae]] <small>[[Bercht.]] & [[J.Presl]]</small>
*[[Chamelauciaceae]] <small> [[Karl Asmund Rudolphi|Rudolphi]]</small>
*[[Eugeniaceae]] <small> Bercht. & J. Presl </small>
*[[Heteropyxidaceae]] <small> [[Engl.]] & [[Gilg]] ''in'' Engl.</small>
 
== Bibliografia ==
* Berg O., ''Revisio myrtacearum americae'', ''Linnaea'', vol. 27, pp. 1–472. 1855–56.
* Briggs B.C. & Johnson L.A., Evolution in the Myrtaceae — evidence from inflorescence structure, ''Proc. Linn. Soc. New South Wales'', vol. 102, pp. 157-256, 1979.
* Diels L., Die Myrtaceen von Papuasien, ''Botanische Jahrbücher für Systematik, Pflanzengeschichte und Pflanzengeographie ', vol. 57, pp. 356-426, 1920-22.
* McVaugh R.,The genera of American Myrtaceaean, interim report, ''Taxon'', vol. 17, pp. 354–418, 1968.
* Niedenzu F. ''in'' Engler H.G.A. & Prantl K.A.E., Die Natürlichen Pflanzenfamilien, vol. 3(7), pp. 57-105, 1898.
* Standley T.D. & Ross E.M., Myrtaceae, ''Fl. South-Eastern Queensland'', vol. 2, pp. 119–218, 1986.
* Sánchez-Vindas P.E., Flora de Nicaragua: Myrtaceae, ''Brenesia'', vol. 31, pp. 53–73, 1989.
* Sánchez-Vindas P.E., Myrtaceae, ''Flora de Veracruz'', vol. 62, pp. 1–146, 1990.
* Jie Chen & Lyn A. Craven: [http://www.efloras.org/florataxon.aspx?flora_id=2&taxon_id=10599 ''Myrtaceae'', S. 321 textgleich online wie gedrucktes Werk], In: Wu Zheng-yi, Peter H. Raven & Deyuan Hong (Hrsg.): ''Flora of China'', Volume 13 - ''Clusiaceae through Araliaceae'', Science Press und Missouri Botanical Garden Press, Beijing und St. Louis, 2007. ISBN 978-1-930723-59-7 (Abschnitt Beschreibung)
* Peter G. Wilson, M. M. O’Brien, M. M. Heslewood & C. J. Quinn: ''Relationships within Myrtaceae sensu lato based on a matK phylogeny'', In: ''Plant Systematics and Evolution'', Volume 251, 2005, S. 3–19.
==Ligações externas==
=={{Links}}==
{{Wikispecies|Myrtaceae}}
{{Commonscat}}
210 093

edições