Diferenças entre edições de "Poupança"

1 763 bytes removidos ,  23h21min de 17 de julho de 2017
→‎No Brasil: →‎No Brasil: Retirado da página pela falta de relevância as informações sobre a antiga presidente em uma página apresentada para economia, tal menção apresentava viés político e não condizia com a proposta da página.
m (Foram revertidas as edições de 189.70.93.25 por remover conteúdo sem justificar a razão (usando Huggle) (3.1.22))
(→‎No Brasil: →‎No Brasil: Retirado da página pela falta de relevância as informações sobre a antiga presidente em uma página apresentada para economia, tal menção apresentava viés político e não condizia com a proposta da página.)
=== No Brasil ===
No [[Brasil]], é comum a falta de distinção entre o conceito de poupança, que é o acúmulo de capital para [[investimento]], e a [[caderneta de poupança]], que é uma forma de investimento disponível no país, sendo comum o uso indiscriminado do termo para referenciar ambos, visto que a [[caderneta de poupança]] é o investimento mais comum e tradicional no país.<ref name="faq-bcb" /> No entanto, outros tipos de investimento, como o [[Certificado de Depósito Bancário|CDB]], o [[Recibo de Depósito Bancário|RDB]] e [[fundos de investimento]] são opções comuns dos poupadores no Brasil.<ref name="faq-bcb">{{citar web|título=FAQ - Aplicações financeiras|url=http://www.bcb.gov.br/pre/bc_atende/port/aplica.asp|acessodata=26 de setembro de 2014|data=Abril de 2014|autor=Banco Central do Brasil|arquivourl=http://web.archive.org/web/20131024081806/http://www.bcb.gov.br/pre/bc_atende/port/aplica.asp|arquivodata=24 de outubro de 2013|citação=(... ) As aplicações mais comuns no mercado financeiro são a Poupança, o Certificado de Depósito Bancário (CDB), o Recibo de Depósito Bancário (RDB) e os Fundos de Investimento.}}</ref>
 
Devido aos problemas políticos já enfrentados pelo país (como o [[Golpe de Estado no Brasil em 1964|golpe de estado em 1964]] e o [[Plano Collor]]) existe uma desconfiança por parte de algumas famílias sobre a garantia dos depósitos realizados em instituições bancárias controladas pelo governo. Por conta disso, muitas optam por manter o dinheiro sob seu poder<ref>{{Citar periódico|titulo=Família de São Gonçalo, RJ, junta moedas para viajar nas férias|jornal=G1|url=http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/familia-de-sao-goncalo-rj-junta-moedas-para-viajar-nas-ferias.ghtml|idioma=pt-BR}}</ref>, mesmo cientes da [[depreciação]] do capital causada pelos efeitos da [[inflação]]. Embora criticada por economistas<ref>{{Citar periódico|data=2014-08-21|titulo=Três motivos para não ter o dinheiro debaixo do colchão - Saldo Positivo|jornal=Saldo Positivo|url=http://saldopositivo.cgd.pt/tres-motivos-para-nao-ter-o-dinheiro-debaixo-colchao/|idioma=pt-PT}}</ref><ref>{{Citar periódico|ultimo=Yazbek|primeiro=Priscila|titulo=Por que dar uma de Dilma e manter dinheiro em casa é roubada {{!}} EXAME.com|jornal=Exame|url=http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/por-que-dar-uma-de-dilma-e-manter-dinheiro-em-casa-e-roubada}}</ref>, essa prática popularmente conhecida como "''guardar dinheiro debaixo do colchão''" é utilizada por muitos políticos no Brasil, como a ex-presidente [[Dilma Rousseff]] que declarou em 2014 manter em seu poder uma quantia de 152 mil reais em espécie.<ref>{{Citar periódico|ultimo=Prates|primeiro=Marco|titulo=Dilma responde por que guarda R$ 152 mil em espécie {{!}} EXAME.com|jornal=Exame|url=http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/dilma-responde-por-que-guarda-r-152-mil-em-especie}}</ref>
 
{{Referências}}
19

edições