Romanização do russo: diferenças entre revisões

80 bytes adicionados ,  23h31min de 22 de julho de 2017
(Ajustes conforme Wikipédia:Livro de estilo)
Os (poucos) dicionários bilíngues russo-português e português-russo (os da [[Porto Editora]], 2006, da ''Edições Russki Yazik'', 1989, e da ''Gossudarstvennoe Izdatesl’stvo Inostrannîkh i Natsional’nîkh Slovarei'', 1961) são coerentes nesta questão e adotam todos o seguinte padrão nas transliterações e transcrições fonéticas:
 
* IA, IO e IU para transliterar '''Я''', '''Ё'' e '''Ю''', respectivamente; nunca “Y”
* sempre I para transliterar '''Й''' (semivogal “i breve”); nunca “Y”
* [[K]] para transliterar '''К''', em qualquer situação
* [[KH]] para transliterar '''Х''' (“aspirado”)
* [[CH]] para '''Ш''' (não SH), TCH para '''Ч''' (não CH) e J para '''Ж''' (não ZH)
* [[SS]] (s dobrado) para '''С''' quando entre vogais
* sem acentuação tônica
 
Existem outros padrões estrangeiros de transliteração cirílico-latino (dos quais alguns se supõem internacionais, embora sejam exclusivamente baseados na ortografia inglesa).
 
== TC (Transliteração Científica ou ''International Scholarly System)'' ==
A transliteração “científica”científica (TC) é baseada na [[língua servo-croata]], que usa os dois alfabetos indistintamente, na correspondência quase perfeita entre cirílico e latino. Ironicamente, foi desenvolvida não por anglófonos, mas pelos alemães da ''Preußische Instruktionen'' (a organização de padrões do [[IIImpério ReichAlemão]]). Ela designa um caractere latino para cada letra cirílica, mas inclui diversos sinais diacríticos e caracteres adaptados, como o 'đ', o 'ć' e todos com o haček ou caron (o "circunflexo invertido"): Č, Ğ, Š, Ř, Ť, Ž.
 
A transliteração científica é plenamente adotada na [[Itália]], tanto pela imprensa quanto por normas acadêmicas. Nenhum outro país a utiliza disseminadamente.
 
== ISO 9 ==
O padrão da ISO ([[Organização Internacional de PadrõesNormalização]]) é baseado na TCtransliteração científica, mas com algumas adaptações. As principais delas são usar mais acentos, diacríticos e caracteres semelhantes, como Š e Ŝ (o que vários programas de computador não diferenciam). Ela foi estabelecida pela primeira vez em 1954 e sofreu adaptações em 1968, 1986 e 1995. A versão mais recente da norma é a ISO 9:1995, a primeira feita após o advento da internet e a disseminação da informática, que permitiu a adoção de caracteres antes não disponíveis nas máquinas de escrever.
 
Com a norma ISO 9, algumas diferenças importantes são abordadas (que outros padrões deixam de fora), como a inexistência do G em ucraniano (assim, o nome do técnico da seleção brasileira de [[ginástica artística]] é [[Oleh Ostapenko]]) e o K e o G palatalizados do macedônio (Ќ e Ѓ). Mas, de forma geral, sua acentuação é complexa e praticamente impossível de reproduzir na imprensa.
 
A documentação da ISO 9:1995 pode ser comprada
* {{Link||2=http://www.iso.ch/iso/en/CatalogueDetailPage.CatalogueDetail?CSNUMBER=3589&COMMID=&scopelist= |3=aqui}}.
 
== GOST 16876-71 ==
O padrão GOST ('''''GO'''ssudarstvennîi '''ST'''andart'') da Agência Nacional de Geodésia e Cartografia da [[União Soviética]] foi criado em 1971. Ele é o único sistema de transliteração que não usa diacríticos, apenas dígrafos e trígrafos. É nele que se baseia a esmagadora maioria das transliterações para [[língua inglesa]] do russo e das outras línguas faladas na ex-URSS que usavam o cirílico, inclusive as não-eslavas, como [[Língua cazaque|cazaque]] e romeno[[Língua (moldava|moldavo)]].
 
O GOST 16876-71 foi adotado primeiro pelo [[Comecon]] (bloco econômico socialista) em 1978 e depois pela ONU em 1987, com a forma revisada de 1983. Em 2002, a Rússia abandonou o GOST-71 em favor do ISO-9:1995, rebatizado lá como GOST-2000. Mais tarde, o padrão da ONU também foi modificado, passando a trocar dígrafos por diacríticos (isto é, 'sh' por 'š' etc.).
 
== Folha de S.Paulo ==
O jornal brasileiro ''[[Folha de S.Paulo]]'' segue um padrão fixo que, embora possa parecer radical, é coerente e coaduna tanto com os dicionários russo-português quanto com a regra do Aurélio. Abaixo está a tabela de referência adotada pelo jornal e algumas orientações específicas do manual. Note-se que ela vale especificamente para o russo, não para todas as línguas que usam o cirílico.
 
{| {{tablabonita}}
 
== Comparação entre diferentes padrões de transliteração de cirílico ==
A tabela abaixo faz uma comparação entre diferentes padrões usando o nome do dirigente soviético "''Никита Хрущёв"'' como exemplo, apresentando em cada norma aplicada (incluindo a forma em português) como ficaria a grafia transliterada e como ela apareceria nas limitações dos softwares que não reconhecem caracteres diacríticos:
 
{| {{tablabonita}}
|}
 
==ReferênciasVer também==
* [[Romanização do árabe]]
*CASTRO, Tanira. '''Dicionario Bilíngue Escolar Russo-Português'''. Porto Alegre: EdUFRGS, 2004.
* [[TRomanização do hebraico]]
*'''Dicionário Mini Russo-Português Português-Russo'''. Lisboa: Porto Editora, 2006.
 
*'''Dicionário Russo-Português'''. Moscou: Gossudarstvennoe Izdatesl’stvo Inostrannîkh i Natsional’nîkh Slovarei, 1961.
== Bibliografia ==
*Folha de S.Paulo. '''Manual da Redação'''. São Paulo: Publifolha, 2005.
{{Refbegin|2}}
*JORNAL DO BRASIL. '''Normas de Redação'''. Rio de Janeiro: Editora JB, 1973.
*CASTRO, Tanira. '''Dicionario Bilíngue Escolar Russo-Português'''. Porto Alegre: EdUFRGS, 2004.
*JORNAL DO BRASIL. '''Normas de Redação'''. Rio de Janeiro: Editora JB, 1988.
*NUNES, C. '''Dicionário de BolsoMini Russo-Português' Português-Russo''. Lisboa: Ulmeiro:Porto Editora, 19882006.
*'''Dicionário Russo-Português'''. Moscou: Gossudarstvennoe Izdatesl’stvo Inostrannîkh i Natsional’nîkh Slovarei, 1961.
*O GLOBO. '''Manual de Redação e Estilo'''. organizado e editado por Luiz Garcia. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1992.
*Folha de S.Paulo. '''Manual da Redação'''. São Paulo: Publifolha, 2005.
*VOINOVA, N. et alii. '''Dicionário Russo-Português'''. Lisboa: Ulmeiro: 2000.
*JORNAL DO BRASIL. '''Normas de Redação'''. Rio de Janeiro: Editora JB, 1973.
*VOINOVA, N.; STARETS, S.M. '''Dicionário Prático Russo-Português'''. Moscou: Edições Russki Yazik, 1989.
*JORNAL DO BRASIL. '''Normas de Redação'''. Rio de Janeiro: Editora JB, 1988.
*'NUNES, C. ''Dicionário Minide Bolso Russo-Português Português-Russo'''. Lisboa: Porto Editora,Ulmeiro: 20061988.
*O GLOBO. '''Manual de Redação e Estilo'''. organizado e editado por Luiz Garcia. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1992.
*VOINOVA, N. et alii. '''Dicionário Russo-Português'''. Lisboa: Ulmeiro: 2000.
*VOINOVA, N.; STARETS, S.M. '''Dicionário Prático Russo-Português'''. Moscou: Edições Russki Yazik, 1989.
{{Refend}}
 
== Ligações externas ==
 
* {{Link||2=http://www.iso.ch/iso/en/CatalogueDetailPage.CatalogueDetail?CSNUMBER=3589&COMMID=&scopelist= |3=aquiISO 9:1995}}.
==Veja também==
* [[Transliteração de árabe para português]]
* [[Transliteração de hebraico para português]]
 
{{Romanização}}
42 835

edições