Monarquia parlamentarista: diferenças entre revisões

666 bytes removidos ,  07h47min de 23 de julho de 2017
sem resumo de edição
(Edição de conteúdo, acrescentando informações e exemplificando.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Possível conteúdo ofensivo
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
Na maioria das Monarquias Parlamentares atuais a autonomia e poderes do [[Monarca]] estão muito limitados e recortados, podendo o Parlamento em qualquer momento tomar decisões que obriguem a seu cumprimento por parte do Rei. As excepções a estas limitações generalizadas são puras reminiscências históricas que se mantêm por tradição em algumas das Monarquias mais antigas, ainda que, normalmente, se referem a temas de pouca transcendência para a vida política do país. A tomada efetiva de decisões mantém-se no Governo e nas diferentes câmaras de representação parlamentar, que numa monarquia parlamentar são considerados os depositários da [[soberania popular]].
 
Neste tipo de sistema político, o Monarca sanciona as leis e decretos que lhe são apresentados para assinar por parte do Governo e Parlamento.
Costuma ser habitual numa Monarquia Parlamentar que o Monarca desfrute de mordomias em função de seu papel como máximo representante do país e Chefe do Estado. Estas mordomias costumam referir-se não só à manutenção econômica da [[Família Real]] e sua segurança, sinão também as questões de inmunidade jurídica, entre outras, que por afetar a um dos principais órgãos de representação do Estado, costumam vir regulados por uma Constituição ou uma norma similar de carácter fundamental em Direito.
 
==Ver também==
15

edições