Diferenças entre edições de "Mitsubishi L200"

70 bytes adicionados ,  13h58min de 23 de julho de 2017
m
sem resumo de edição
m
m
 
== Mitsubishi L200 no Brasil ==
* Até 1992 o Grupo Souza Ramos transformava as F1000 em utilitário esportivo e furgões e em 1993 ele passou a importar do Japão os Mitsubishi e em 1996 ele anunciava uma nova fabrica em Catalão-Goias e em outubro de 1998 na linha 1999 chegava a L200 nacional com 50% dos componentes nacionais, ela vinha apenas na cabine dupla, ela media 5,04 metros de comprimento,1,74 metros de largura, 1,79 metros de altura e 2,96 metros de entre - eixos, ela vinha apenas na tração 4x4, o motor  era dianteiro, ela vinha em três versões de acabamento: L, GL e GLS, ela vinha na única opção de motor importado do Japão o 2.5 Turbo Diesel da família Astron de fabricação própria da Mitsubishi, com bloco e cabeçote de ferro, comando de válvulas no bloco acionado por varetas, turbo, intercooler e bomba injetora, o seu diâmetro é de 91,1 mm e o curso é de 95,5 mm o que totalizavam 2471 cm3, a sua taxa de compressão era de 21:1 e com isso gerava 20,5 KGFM a 2000 RPM e 87 CV a 4000 RPM era o motor mais fraco entre as picapes á diesel e o de segundo menor torque, A sua suspensão na dianteira era Independente por braços duplos triangulares com molas helicoidais e na traseira era eixo rígido com feixe de molas e os amortecedores eram pressurizados nas quatro rodas e os freios eram discos ventilados e tambores na traseira e o visual era igual ao do modelo importado, mas de fato perto de S10, Dakota e Ranger parecia ter um visual antigo , o câmbio era o manual de cinco marchas apenas e a capacidade de carga era de 1050 KG. A L200 nacional no seu primeiro ano era igual a importada e o motor era o 2.5 Turbo Diesel de 87 CV.
* Qualidades? Robustez mecânica e ótimo fora de estrada, defeitos? Não são nada grave, mas o visual datado da primeira geração incomoda e muito.
* Em outubro de 1999 na linha 2000 o grupo Souza Ramos mexe na picape com nova grade dianteira e faróis duplos redondos era uma forma de dar uma atualizada na picape e sem alterações em motor e câmbio. O motor mais tarde foi a 100 CV.
* Em 1998 começava a ser traçada a história da '''Mitsubishi''' no Brasil quando inaugurou sua planta de produção em Catalão, sudeste de Goiás. O primeiro veículo da marca a ser produzido na unidade foi a Mitsubishi L200 branca, com a morfologia típica do Brasil: cabine dupla, motor a diesel e tração nas 4 rodas.''.''
* Em julho de 2000 ela enfrentou S10 Deluxe 2.8 Turbo Diesel Intercooler, Ranger XLT 2.5 Turbo Diesel e Hilux 2.8 Diesel todas cabine dupla e 4x4, ela foi de 0 a 100 KM/H em 17,7 segundos vazia só ficou atrás da S10 com 15,5 segundos e bateu a Ranger com 18,9 segundos e Hilux com 30,5 segundos e carregada ela fez a prova em 24,3 segundos só ficou atrás da S10 com 20 segundos, seguido da Ranger com 25,3 segundos e da Hilux com eternos 45 segundos e o seu consumo urbano foi de 9,4 KM/L só ficou atrás da S10 com 10,3 KM/L, foi seguida da Ranger com 9,2 KM/L e da Hilux com 8,5KM/L e o rodoviário foi de 11,7 KM/L de novo só atrás da S10 com 13,4 KM/L e na frente da Ranger com 10,2 KM/L e da Hilux com 9,9 KM/L a explicação para esse desempenho todo? ela era bem mais leve que Ranger e S10 e isso ajudava. Em outubro de 2000 na linha 2001 nada muda, em julho de 2001 na linha 2002 nada muda, em outubro de 2002 na linha 2003 nada muda em julho de 2003 como linha 2004 chegava a L200 Sport que mantinha a plataforma ,mas vestia outra roupa era um resposta a chegada da Frontier, da renovação da S10, do motor mais potente da Ranger, ela chegava como sempre na cabine dupla, na opção de tração 4x4, duas versões de acabamento: GLS e HPE, duas opções de câmbio: manual de cinco marchas ou automático de quatro marchas era a primeira picape á diesel nacional com câmbio automático, ela mantinha o entre - eixos, mas a largura foi a 1,77 metros e altura foi a 1,80 metros e o comprimento caiu para 4,99 metros apesar da aparência mais robusta e o veterano Astron 2.5 Turbo Diesel ganhou injeção eletrônica e turbo de geometria variável, manteve a taxa de compressão e duas opções a primeira com 26,2 KGFM a 2000 RPM e 121 CV a 4000 RPM e segunda com maior pressão na turbina e com isso gerava 30.6 KGFM a 2000 RPM e 141 CV a 4000 RPM era a picape média a diesel mais potente do mercado na época e lembrando que esse motor de 141 CV era exclusivo  da HPE . Já antiga L200 só ficava nas versões L e GL  e estreava a Savana voltada para o fora de estrada e o mesmo motor da L200 antiga.
* E essa era linha 2004 da L200, em outubro de 2004 na linha 2005 nada muda, em outubro de 2005 na linha 2006 a L200 L, GL e Savana ganhavam alterações no motor 2.5 Turbo Diesel que passava a gerar 22 KGFM a 2000 RPM e 100 CV a 4000 RPM, em julho de 2006 na linha 2007 a L200 Sport virava Outdoor com para- choques cinza-escuro, mas manteve os motores e as duas opções de câmbio.
* Em fevereiro de 2007 a L200 Outdoor era testada: 0 a 100 KM/H em 15,6 segundos e ela chega 166 KM/H segundo a Mitsubishi, mas o consumo não pode ser testado, mas o dono da picape chegou a falar em 11,5 KM/L na rodovia. ou seja era um número alto para época.
* Em setembro de 2007 na linha 2008 com a chegada  da L200 Triton e um novo chassi, a Outdoor é "rebaixada" para o lugar da L200 antiga que dá o seu adeus, mas não mudava nada nos motores, inclusive a opção de câmbio automático e em fevereiro de 2008 a L200 Savana retornava só que na base da Outdoor e o motor 2.5 Turbo Diesel de 121 CV.
* Em outubro de 2008 na linha 2009 nada muda, em outubro de 2009 na linha 2010 nada muda, em outubro de 2010 na linha 2011 nada muda, em outubro de 2011 na linha 2012 nada muda e em julho de 2012 ela dá o seu adeus e a Savana passa a ser derivada da Triton e com isso o adeus desse chassi no Brasil depois de 20 anos (contando o tempo que ela era importada).
 
== Cronologia ==
 
{{Referencias}}
* Revista Platina, nº 17, Novembro de 1995. Zero Editorial.
 
==Ligações externas==
3 409

edições