Diferenças entre edições de "Mireya Moscoso"

21 523 bytes adicionados ,  02h09min de 25 de julho de 2017
Expansão
(Apenas algumas coisas)
(Expansão)
{{Info/Político/Presidente
| nome = Mireya Elisa Moscoso Rodríguez de Arias= Mireya Moscoso
| imagem = Mireya Moscoso.jpg
|imagem-tamanho preposição = do
|legenda país = Panamá
|título ordem_presidente= [[Anexo:Lista de presidentes do Panamá|47Presidente do Panamá]]
|mandato mandato_início = [[1 de setembro]] de [[1999]]<br>até 1 de setembro de 2004
|vice_título = Vice-presidente
| mandato_fim = [[31 de agosto]] de [[2004]]
|vice = Arturo Vallarino
| antes = [[Ernesto Pérez Balladares]]
|antecessor depois = [[MartínErnesto Pérez TorrijosBalladares]]
|sucessor partido = ''Partido[[Martín Arnulfista''Torrijos]]
|nome_comp = Mireya Elisa Moscoso Rodríguez de Arias
| profissão = decoradora de interiores e política| data_nascimento = {{dni|1|7|1946}}
|nascimento_data = {{dni|1|7|1946|lang=br}}
| local_nascimento= [[Cidade do Panamá]], [[Panamá]]
|nascimento_local = [[Pedasí (distrito)|Pedasí]], [[Panamá]]
| primeira-dama = Arnulfo Arias Madrid
|alma_mater = Miami Dade College
|cônjuge-tipo = Esposo
|cônjuge = [[Arnulfo Arias]] {{Pequeno|(1969–1988)}}<br>Ricardo Gruber {{Pequeno|(1990–1997)}}
|partido = Partido Arnulfista
|religião =
}}
'''Mireya Elisa Moscoso Rodríguez de Arias''' ([[Pedasí (distrito)|Pedasí]], 1 de julho de 1946) é uma política do [[Panamá]], a primeira mulher a se tornar [[Lista de presidentes do Panamá|presidente de seu país]], governando de 1 de setembro de 1999 até 1 de setembro de 2004.
 
Nascida em uma família pobre, Moscoso tornou-se ativa na campanha presidencial de 1968 de [[Arnulfo Arias]], seguindo-o e se casando com ele quando foi para o exílio após um golpe militar. Após a morte de Arnulfo em 1988, assumiu o controle de sua empresa de café e depois seu partido político, o Partido Arnulfista (PA). Na eleição presidencial de 1994, perdeu para o candidato do Partido Revolucionário Democrático (PRD), [[Ernesto Pérez Balladares]], por 4% dos votos. Em 1999, derrotou o candidato do PRD, [[Martín Torrijos]], por 8%, tornando-se a primeira presidente do Panamá.
'''Mireya Elisa Moscoso Rodríguez de Arias''' ([[Cidade do Panamá]], [[1 de Julho]] de [[1940]]) é uma [[política]] [[panamá|panamenha]], foi [[presidente]] de seu país de [[1999]] a [[2004]].<ref name=Britannica>[http://www.britannica.com/eb/article-9342943/Mireya-Moscoso Mireya-Moscoso], [http://www.britannica.com/eb Encyclopædia Britannica], Retrieved 2007-7-7</ref> Foi eleita pelo [[Partido Arnulfista]]. Apesar de ser considerada corrupta por alguns de seus oponentes, as acusações não são confirmadas.
 
Durante seu mandato, presidiu a transferência do [[Canal do Panamá]] dos [[Estados Unidos]] para o Panamá e a crise econômica que resultou da perda de pessoal dos EUA. Prejudicada por novas restrições de gastos aprovadas pela Assembleia Legislativa, controlada pela oposição, e os escândalos de corrupção de seu governo, teve dificuldade em aprovar suas iniciativas legislativas. Sua popularidade caiu, e o candidato de seu partido, José Alemán, perdeu para Torrijos na eleição de 2004.
 
== Início de vida e família ==
Nascida em uma família pobre de [[Pedasí (distrito)|Pedasí]], Moscoso é filha de uma professora e a mais nova de seis filhos.<ref>{{citar jornal|url=https://www.nytimes.com/1999/09/02/world/in-panama-s-new-dawn-woman-takes-over.html?pagewanted=all&src=pm |título=In Panama's New Dawn, Woman Takes Over |autor =David Gonzalez |data=2 de setembro de 1999 |obra=The New York Times |arquivodata=15 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6AhKwqiwy?url=http://www.nytimes.com/1999/09/02/world/in-panama-s-new-dawn-woman-takes-over.html?pagewanted=all |acessodata=15 de setembro de 2012 |deadurl=no}}</ref><ref name=Britannica>{{citar web|url=http://www.webcitation.org/6AhGjD7DA?url=http://www.britannica.com/EBchecked/topic/393400/Mireya-Moscoso |título=Mireya Moscoso |obra=Encyclopædia Britannica |arquivodata=15 de setembro de 2012}}</ref><ref name=CIDOB>{{citar web|url=http://www.cidob.org/es/content/pdf/1540 |título=Mireya Moscoso de Arias |publicado=Centro de Estudios y Documentacion Internacionales de Barcelona |acessodata=14 de dezembro de 2012 |arquivodata=15 de dezembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6CvngyDgK?url=http://www.cidob.org/es/content/pdf/1540 |deadurl=no |df= }}</ref> Mais tarde, trabalhou como secretária e juntou-se à campanha presidencial de [[Arnulfo Arias]] em 1968;<ref name=Britannica /> Arias já havia servido dois mandatos parciais como presidente, sendo deposto, ambas as vezes, pelos [[Forças Públicas do Panamá|militares panamenhos]]. Ele ganhou a presidência, mas foi novamente deposto pelos militares, desta vez após apenas nove dias no cargo.{{sfn|Harding|2006|p=66}}
 
Arias exilou-se em [[Miami]], [[Flórida]], e Moscoso o acompanhou, casando com ele no ano seguinte.<ref name=Britannica /> Ela tinha 23 anos de idade, e ele 67.{{sfn|Harding|2006|p=129}} Durante este período, Moscoso estudou [[design de interiores]] no Miami-Dade Community College.<ref name=E>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-55622671.html |título=Awaiting the lady |data=28 de agosto de 1999 |obra=The Economist |publicado= HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref> Após a morte de Arias em 1988, herdou sua empresa de café.<ref name=NYT>{{citar jornal|url=https://www.nytimes.com/1999/05/03/world/the-widow-of-ex-leader-wins-race-in-panama.html?pagewanted=all&src=pm |título=The Widow Of Ex-Leader Wins Race In Panama |autor =Mireya Navarro |data=3 de maio de 1999 |obra=The New York Times |arquivodata=15 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6AhBhp8DC?url=http://www.nytimes.com/1999/05/03/world/the-widow-of-ex-leader-wins-race-in-panama.html?pagewanted=all |acessodata=15 de setembro de 2012 |deadurl=no}}</ref> Em 29 de setembro de 1991, quase dois anos após a [[Invasão do Panamá pelos Estados Unidos em 1989|invasão dos Estados Unidos no Panamá]] que derrubou [[Manuel Noriega]], tornou-se presidente do partido de seu ex-marido, o Arnulfista.<ref name=CIDOB />
 
Também em 1991, Moscoso casou-se com o empresário Richard Gruber. O casal adotou um filho, Richard (nascido em 1992). Moscoso e Gruber se divorciaram em 1997.<ref name=CIDOB />
 
== Campanhas presidenciais ==
Em 1994, Moscoso foi a candidata à presidência do Panamá pelo Partido Arnulfista (PA), buscando suceder o presidente [[Guillermo Endara]], também integrante de seu partido. Seus principais rivais foram o candidato do [[Partido Revolucionário Democrático]] (PRD), o administrador de empresas [[Ernesto Pérez Balladares]], e o cantor de salsa [[Rubén Blades]], que presidia o Partido Papa Egoro.{{sfn|Harding|2006|p=129}} Moscoso e Blades procuraram enfatizar a conexão de Pérez Balladares com o governante militar [[Manuel Noriega]], transmitindo imagens dos dois juntos,<ref>{{citar jornal|url=https://www.nytimes.com/1994/02/21/world/panama-journal-democracy-at-work-under-shadow-of-dictators.html?pagewanted=all&src=pm |título=Panama Journal; Democracy at Work, Under Shadow of Dictators |autor =Howard W. French |data=21 de fevereiro de 1994 |obra=The New York Times |arquivodata=3 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6APOVeUGM?url=http://www.nytimes.com/1994/02/21/world/panama-journal-democracy-at-work-under-shadow-of-dictators.html?pagewanted=all |acessodata=2 de setembro de 2012 |deadurl=no |df= }}</ref> enquanto Pérez Balladares trabalhou para se posicionar como sucessor do governante militar [[Omar Torrijos]], que era considerado um herói nacional.<ref name=WP1 /> A campanha de Moscoso, entretanto, foi dificultada pela insatisfação pública com as notadas incompetência e corrupção do governo de Endara.<ref name=WP1>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1P2-889827.html |título=Panamanians Vote in Peace, Picking Ex-Aide of Noriega; Millionaire Perez Balladares Bests Widow of Four-Time President |autor =Douglas Farah |data=9 de maio de 1994 |obra=The Washington Post |arquivodata=3 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6APRZKv4g?url=http://www.highbeam.com/doc/1P2-889827.html |acessodata=2 de setembro de 2012 |deadurl=no |df= }}</ref> Pérez Balladares finalmente ganhou as eleições com 33% dos votos, enquanto Moscoso ficou com 29% e Blades recebeu 17%.<ref>{{citar web|url=http://www.umsl.edu/services/govdocs/wofact98/193.htm |título=Panama |publicado=University of Missouri-Saint Louis |arquivodata=3 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6APS5vhRx?url=http://www.umsl.edu/services/govdocs/wofact98/193.htm |acessodata=2 de setembro de 2012 |deadurl=no |df= }}</ref>
 
Moscoso foi novamente indicada como a candidata do PA à presidência para a eleição de 2 de maio de 1999. Seu principal oponente desta vez foi [[Martín Torrijos]], filho de [[Omar Torrijos]], nomeado para representar o PRD após o fracasso de um referendo constitucional que permitiria que Pérez Balladares concorresse a um segundo mandato. Torrijos foi escolhido, em parte, para tentar conquistar eleitores de esquerda depois das privatizações e restrições sindicais instituídas por Balladares.{{sfn|Harding|2006|p=129}} Moscoso concorreu com uma plataforma [[Populismo|populista]], iniciando muitos de seus discursos com a frase em latim "[[Vox populi]], [[vox Dei]]" ("a voz do povo é a voz de Deus"), anteriormente usada por Arias para começar seus próprios discursos.<ref name=WP2>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1P2-594978.html |título=Moscoso Is First Woman Elected to Panamanian Presidency |autor =Serge F. Kovaleski |data=3 de maio de 1999 |obra=The Washington Post |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref> Ela prometeu apoiar a educação, reduzir a pobreza e diminuir o ritmo da privatização.<ref name=Britannica/> Enquanto Torrijos concorreu em grande parte pela memória de seu pai—incluindo o uso do slogan da campanha, "Omar vive"<ref name=WP2 />—Moscoso evocou o de seu marido morto, levando os panamenhos a brincarem de que a eleição foi uma disputa entre "dois cadáveres."<ref name=NYT/> Aliados de Torrijos também criticaram Moscoso pela falta de experiência de governo ou seu curso superior.<ref name=NYT/> No entanto, ao contrário de 1994, agora era o PRD que foi dificultado pelos escândalos do governo anterior, e Moscoso derrotou Torrijos com 45% dos votos contra 37%.{{sfn|Harding|2006|p=129}}
 
== Presidência ==
[[Imagem:George W. Bush, Mireya Moscoso and Fernando de la Rúa in 2001.jpg|thumb|Mireya Moscoso ao lado de [[George W. Bush]], presidente dos Estados Unidos, e [[Fernando de la Rúa]], presidente da Argentina, em 2001.]]
 
Moscoso assumiu a presidência em 1º de setembro de 1999. Por ter se divorciado quando foi empossada, sua irmã mais velha, Ruby Moscoso de Young, serviu como primeira-dama.<ref>{{citar web|url=http://www.summit-americas.org/Women/biographies.htm |título=Ninth Conference of Spouses of Heads of State and Government of the Americas |publicado=Summits of the Americas Secretariat |acessodata=14 de dezembro de 2012 |arquivodata=15 de dezembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6Cvp3Dtno?url=http://www.summit-americas.org/Women/biographies.htm |deadurl=no |df= }}</ref> Diante de uma [[Assembleia Nacional do Panamá|Assembleia Legislativa]] controlada pelo oposicionista PRD, Moscoso estava limitada em sua capacidade de fazer novas políticas. Também foi prejudicada por novas restrições rigorosas. Pérez Balladares passou a gastar dinheiro público nos últimos dias de seu mandato, focando atingir o governo de Moscoso.{{sfn|Harding|2006|p=130}}
 
Em 31 de dezembro de 1999, Moscoso supervisionou a transferência do [[Canal do Panamá]] dos [[Estados Unidos]] para o Panamá sob o acordado pelos [[Tratados Torrijos-Carter]].<ref name=Britannica2>{{citar web |url=https://www.britannica.com/biography/Mireya-Moscoso |título=Mireya Moscoso |publicado=Encyclopædia Britannica |data=21 de março de 2016 |acessodata=24 de julho de 2017}}</ref> Seu governo então enfrentou o desafio de limpar os problemas ambientais na Zona do Canal, onde o [[Exército dos EUA]] testou há muito tempo bombas, agentes biológicos e armas químicas. Os problemas restantes incluíram contaminação por chumbo, munições não detonadas e estoques de [[urânio empobrecido]].{{sfn|Harding|2006|p=131}} Embora Moscoso acabou com todos os compromissos de Pérez Balladares da Autoridade do Canal de Panamá<ref name=Britannica /> e nomeou o magnata de supermercados (e o futuro presidente) [[Ricardo Martinelli]] como chefe, a autoridade manteve sua autonomia em relação ao governo do país.<ref name=Britannica /> Ao mesmo tempo, a economia do Panamá começou a ter dificuldades devido à perda de renda dos funcionários norte-americanos do canal.<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-78977376.html |título=Becalmed |data=22 de setembro de 2001 |obra=The Economist |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref>
 
Moscoso trabalhou para acabar com o papel do Panamá na criminalidade internacional, aprovando novas leis contra a [[lavagem de dinheiro]] e apoiando a transparência fiscal.<ref name=E2 />{{sfn|Harding|2006|p=134}} A legislação permitiu que o Panamá fosse retirado das listas internacionais de [[Paraíso fiscal|paraísos fiscais]].{{sfn|Harding|2006|p=134}} Enquanto isso, os crimes violentos aumentaram acentuadamente durante seu mandato.{{sfn|Harding|2006|p=134}} Em setembro de 2000, sob pressão dos EUA e de alguns governos latino-americanos, o governo de Moscoso deu asilo temporário ao ex-chefe do Serviço de Inteligência do Peru, [[Vladimiro Montesinos]], que fugiu de seu país depois de ser filmado subornando um membro do Congresso.<ref name=E2>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-65863829.html |título=Colombia and its neighbours |data=7 de outubro de 2000 |obra=The Economist |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref>
 
Em dezembro de 2000, restos humanos foram descobertos em uma base da Guarda Nacional do Panamá, incorretamente creditado como sendo de Jesús Héctor Gallego Herrera, um sacerdote assassinado durante a ditadura de Omar Torrijos. Moscoso nomeou uma comissão de verdade para investigar o local e aqueles em outras bases.{{sfn|Harding|2006|p=131}} A comissão enfrentou a oposição da Assembleia Nacional controlada pelo PRD, que cortou o seu financiamento e da presidente do PRD, Balbina Herrera, que ameaçou buscar ações legais contra a presidente. Em última instância, relatou 110 dos 148 casos que examinou, dos quais quarenta de desaparecidos e setenta eram de assassinados. O relatório concluiu que o governo Noriega havia se envolvido em "tortura [e] tratamento cruel, desumano e degradante", e recomendou uma nova exumação e investigação.<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-87075877.html |título=Truth Commission Delivers Its Final Report on Victims of the 1968–1988 Military Regime |data=2 de maio de 2002 |publicado=HighBeam Research|acessodata=4 de novembro de 2012}}</ref>
 
Durante seu mandato, Moscoso foi frequentemente acusada de [[nepotismo]] por suas nomeações administrativas<ref name=Britannica /> e enfrentou vários escândalos de corrupção, como o presente inexplicado de US$ 146.000 em relógios para os membros da Assembleia Legislativa.<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1P2-500652.html |título=Panamanians Sound Alarm Over Gift Watches |autor =Serge F. Kovaleski |data=18 de janeiro de 2000 |obra=The Washington Post |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref> Em 2001, seu índice de aprovação caiu para 23% devido a escândalos de corrupção e preocupação com a economia. Naquele ano, tentou aprovar um pacote de reforma tributária na Assembleia Legislativa, mas a proposta foi contrariada tanto pelo setor privado como pelo trabalho organizado.<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-71767166.html |título=President Mireya Moscoso asks legislature for tax reform, but prospects are dim |data=15 de março de 2001 |obra=The Economist |publicado= HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref> Em 2003, o embaixador dos EUA criticou publicamente Moscoso pelo crescimento da corrupção durante seu mandato.<ref name=E58>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-116378324.html |título=Not his father's son? Panama's new president |data=8 de maio de 2004 |obra=The Economist |publicado=HighBeam Research|acessodata=18 de setembro de 2012}}</ref> No final do seu mandato, a sua presidência foi "criticada como abundante em corrupção e incompetência"<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1P2-168124.html |título=General's Son Leads in Panama |autor =Mary Jordan |data=2 de maio de 2004 |obra=The Washington Post |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref> e "amplamente considerada como fraca e ineficaz."<ref>{{citar web|url=http://www.highbeam.com/doc/1G1-116116366.html |título=Manifest destiny meets democracy |data=1 de maio de 2004 |obra=The Economist |publicado=HighBeam Research|acessodata=15 de setembro de 2012}}</ref>
 
Barrada pela Constituição do Panamá de concorrer a um segundo mandato consecutivo, Moscoso foi sucedida por seu ex-rival Martín Torrijos, eleito em maio de 2004 com 47,44% dos votos, contra 37,54% de [[Guillermo Endara]]. Pouco antes de deixar o cargo, Moscoso provocou controvérsia perdoando quatro homens—[[Luis Posada Carriles]], Gaspar Jiménez, Pedro Remon, e Guillermo Novo Sampol—que foram condenados por conspirar para assassinar o presidente cubano [[Fidel Castro]] durante uma visita de 2000 ao Panamá. Cuba rompeu as relações diplomáticas com o país e o presidente venezuelano, [[Hugo Chávez]], chamou seu embaixador no Panamá.<ref>{{citar web|url=https://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9C05E0DF1231F931A3575AC0A9629C8B63&ref=mireyamoscoso |título=Panama's New Chief, Sworn In, Inherits a Diplomatic Tempest |autor =Steven R. Weisman |data=2 de setembro de 2004 |obra=The New York Times |arquivodata=15 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6AhLs56El?url=http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9C05E0DF1231F931A3575AC0A9629C8B63 |acessodata=15 de setembro de 2012 |deadurl=no |df= }}</ref> Moscoso afirmou que os perdões tinham sido motivados por sua desconfiança contra Torrijos, dizendo: "Eu sabia que, se esses homens ficassem aqui, eles seriam extraditados para Cuba e Venezuela, e lá eles certamente os matariam."<ref>{{citar web|url=http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/articles/A36924-2004Aug26.html |título=U.S. Denies Role in Cuban Exiles' Pardon |autor =Glenn Kessler |data=27 de agosto de 2004 |obra=The Washington Post |arquivodata=15 de setembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6AhMDcJCS?url=http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/articles/A36924-2004Aug26.html |acessodata=15 de setembro de 2012 |deadurl=no |df= }}</ref> Moscoso também emitiu perdões para 87 jornalistas condenados por difamação em até quatorze anos antes. Em 2 de julho de 2008, todos os 180 perdões que Moscoso emitiu foram revogados como inconstitucionais pelo Supremo Tribunal.<ref>{{citar web|url=https://usatoday30.usatoday.com/news/world/2008-07-01-overturned-pardons_N.htm |título=Panama's Supreme Court overturns 2004 pardons, including of anti-Castro militant |autor =Juan Zambrano |data=2 de julho de 2008 |publicado=Associated Press|acessodata=29 de outubro de 2012}}</ref>
 
== Pós-presidência ==
Durante a presidência de Torrijos, Moscoso permaneceu uma integrante ativa da oposição. Em setembro de 2007, criticou a nomeação do político do PRD, Pedro Miguel González, que era procurado nos EUA pelo assassinato do sargento do exército dos EUA, Zak Hernández, como chefe da Assembleia Nacional.<ref>{{citar web|url=http://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=14149837 |título=Election of Panamanian Official Strains U.S. Ties |autor =Steve Inskeep |data=4 de setembro de 2007 |obra=Morning Edition |publicado=National Public Radio |acessodata=29 de outubro de 2012}}</ref> No mesmo ano, juntou-se a Endara e a Perez Balladares no ''lobby'' na [[Organização dos Estados Americanos]] para investigar a recusa do governo de Hugo Chavez de renovar a licença de transmissão da estação opositora [[RCTV|Radio Caracas Televisión Internacional]] na Venezuela.<ref>{{citar web|url=http://web.archive.org/web/20160304081649/http://www.highbeam.com/doc/1P1-140050235.html |título=Criticisms of Caracas Reveal Double Standard |autor =Diana Cariboni |data=31 de maio de 2007 |obra=Inter Press Service |publicado=HighBeam Research|acessodata=29 de outubro de 2012}}</ref>
 
Desde que deixou o cargo, Moscoso também atuou como membro do Conselho das Mulheres Líderes Mundiais do Woodrow Wilson International Center for Scholars,<ref>{{citar web|url=http://www.goldengirlfinance.ca/articles/mobama-and-the-first-ladies:-does-she-who-rocks-the-pillow-talk-rule-the-world/slide/8#GoldenGirlFinance |título=MObama & the first ladies: Does she who rocks the pillow talk rule the world? |autor = |data=17 de setembro de 2012 |publicado=goldengirlfinance.ca |acessodata=14 de dezembro de 2012 |arquivodata=15 de dezembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6CvkjRjxk?url=http://www.goldengirlfinance.ca/articles/mobama-and-the-first-ladies%3A-does-she-who-rocks-the-pillow-talk-rule-the-world/slide/8 |deadurl=no |df= }}</ref><ref>{{citar web|url=http://www.wilsoncenter.org/sites/default/files/Council_of_Women_World_Leaders_Biographies.pdf |título=Council of Women World Leaders Biographies |publicado=The Wilson Center |formato=PDF |acessodata=14 de dezembro de 2012 |arquivodata=15 de dezembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6CvkamWJd?url=http://www.wilsoncenter.org/sites/default/files/Council_of_Women_World_Leaders_Biographies.pdf |deadurl=no |df= }}</ref> uma rede destinada a "promover a boa governança e melhorar globalmente a experiência da democracia, aumentando o número, a eficácia e a visibilidade das mulheres que lideram nos níveis mais altos em seus países."<ref>{{citar web|url=http://www.wilsoncenter.org/program/council-women-world-leaders |título=Council of Women World Leaders |data=15 de dezembro de 2012 |publicado=The Wilson Center |acessodata=14 de dezembro de 2012 |arquivodata=15 de dezembro de 2012 |arquivourl=http://www.webcitation.org/6CvkXLNcu?url=http://www.wilsoncenter.org/program/council-women-world-leaders |deadurl=no |df= }}</ref>
 
== Nota ==
{{Refbegin}}
{{Tradução/ref|en|Mireya Moscoso|789466940}}
{{Refend}}
 
{{Referências|col=2}}
 
== Bibliografia ==
{{refbegin}}
*{{Citar livro|título=The History of Panama |último =Harding |primeiro =Robert C. |ano=2006 |publicado=Greenwood Press |isbn=031333322X|acessodata=14 de setembro de 2012 |ref=harv}}
* Skard, Torild (2014) "Mireya Moscoso" in ''Women of Power – Half a century of female presidents and prime ministers worldwide'', Bristol: Policy Press {{ISBN|978-1-44731-578-0}}.
{{refend}}
 
== Ligações externas ==
*[http://www.cidob.org/biografias_lideres_politicos/america_central_y_caribe/panama/mireya_moscoso_de_arias Mireya Moscoso de Arias], no site do Centro de Relações Internacionais de Barcelona
 
{{referências}}
 
{{Começa caixa}}
{{Caixa de sucessão|
|título = [[Anexo:Lista de presidentes do Panamá|Presidente do Panamá]]
|anos = '' [[1999]] - [[2004]] ''
|antes = [[Ernesto Pérez Balladares]]
|depois = [[Martín Torrijos]]
{{Termina caixa}}
 
{{Controle de autoridade}}
{{Portal3|MulheresBiografia|PolíticaPanamá|SociedadePolítica}}
{{esboço-político}}
 
{{DEFAULTSORT:Moscoso, Mireya}}
 
[[Categoria:Nascidos em 1940]]