Abrir menu principal

Alterações

49 bytes removidos, 01h49min de 4 de agosto de 2017
m
traduzindo nome/parâmetro, ajustes gerais nas citações, outros ajustes usando script
{{geocoordenadas|22_34_S_17_9_E_type:country_region:NA|17°-29° S, 12°-25° O}}
{{Info/País
|nome_nativo =''Republic of Namibia'' <small>([[Língua inglesa|inglês]])</small>
|nome_longo_convencional = República da Namíbia
|imagem_bandeira = Flag of Namibia.svg
|mapa = Namibia - Location Map (2013) - NAM - UNOCHA.svg
|tamanho_mapa = 280px
|gentílico = namibiano,<ref>[http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=gentilicos&search=Nam%EDbia Portal da Língua Portuguesa - Dicionário de Gentílicos e Topónimos]</ref><ref>[http://ciberduvidas.sapo.pt/search.php?keyword=Nam%EDbia&image.x=0&image.y=0 Ciberdúvidas da Língua Portuguesa - Nigerinos/nepaleses/namibianos/mauritanos]</ref>, namíbio{{carece de fontes|data=Dezembro de 2008}}
|fronteira = [[Angola]], [[África do Sul]], [[Botswana]], [[Zâmbia]]
|capital = [[Windhoek]]
|maior_cidade =
|latitude =
|longitude =
|nome_líder1 = [[Hage Geingob]]
|título_líder2 = [[Lista de primeiros-ministros da Namíbia|Primeiro-ministro]]
|nome_líder2 = [[Saara Kuugongelwa]]
|título_líder3 = Presidente do Conselho Nacional
|nome_líder3 = [[Asser Kuveri Kapere]]
|título_líder5 = Presidente do Supremo Tribunal de Justiça
|nome_líder5 = [[Peter Shivute]]
|evento_tipo = [[Independência]]
|evento_nota = da [[África do Sul]]
|evento1 = Data
|PIB_total = {{tooltip| 26.399 [[bilhões]]|26 399 000 000}}[[Escalas curta e longa|*]]<ref name="Economia">{{citar web |url=http://en.wikipedia.org/wiki/Namibia#cite_note-imf2-12= |título=World Economic Outlook Database |editor=[[Fundo Monetário Internacional]] (FMI) |data=abril de 2013 |acessodata=17 de abril de 2013}}</ref>
|PIB_pos =
|PIB_per_capita = {{formatnum:10764}}<ref name="Economia"/>
|PIB_per_capita_pos =
|PIB_nominal_ano = 2016
 
=== Lutas pela independência e emancipação política ===
Em 1968, a ONU foi a [[organização internacional]] reconhecedora da denominação ''Namíbia'' que designa o país até hoje.<ref name=":0" /> Anos depois, o [[Conselho de Segurança da ONU]] e o [[Tribunal Internacional de Justiça da ONU]] fizeram uma declaração de ilegalidade à África do Sul presente na Namíbia; entretanto, o [[poder executivo]] da África do Sul, pelo qual foi englobado o território como província do país a que pertencia, ignorou a resolução. Na metade dos anos 1970, a África do Sul fez uma proposta de divisão da Namíbia, mas não foi aceita pela Swapo. Depois de guerrear por uma grande quantidade de anos, em 1988, a África do Sul entrou em acordo com [[Angola]] para tornar independente a Namíbia, esta última deixada pelos sul-africanos em 1989, depois de concordarem com o surgimento do novo país desértico. Um ano depois, pela Swapo foi conseguida força majoritária na nova [[Assembleia constituinte|Assembleia Constituinte]] e, em 21 de março de 1990, a Namíbia finalmente declarou-se totalmente [[Independência|independente]], durante a eleição do presidente [[w:en:Samuel Nujoma|Samuel Nujoma]], líder da Swapo, com governo que se compunha de membros da organização popular.<ref name=":0" /> Em 1994, a África do Sul faz uma devolução à Namíbia do porto principal de [[Walvis Bay]].<ref>{{citar web|URL = http://www.sahistory.org.za/dated-event/walvis-bay-handed-over-namibia|título = Walvis Bay is handed over to Namibia|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = South African History Online|língua2 língua= en}}</ref> Nujoma reelegeu-se em 1994<ref>{{citar web|URL = http://www.content.eisa.org.za/old-page/namibia-national-assembly-and-presidential-elections-1994|título = Namibia: National Assembly and Presidential Elections in 1994|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = Electoral Institute for Sustainable Democracy in Africa|língua2 língua= en}}</ref> e em 1999.<ref>{{citar web|URL = http://www.content.eisa.org.za/old-page/namibia-presidential-and-national-assembly-elections-1999|título = Namibia: Presidential and National Assembly Elections 1999|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = Electoral Institute for Sustainable Democracy in Africa|língua2 língua= en}}</ref>
 
=== Século XXI ===
Em 2004, o governista [[Hifikepunye Pohamba]] foi declarado vencedor da [[w:en:Namibian general election, 2004|eleição presidencial]].<ref>{{citar web|URL = http://web.archive.org/web/20070312234004/http://www.voanews.com/english/archive/2005-03/2005-03-21-voa19.cfm|título = Namibia Swears-in New President|data = 21 de março de 2005|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = The Voice of America}}</ref> Em 2005, o governo deu início a uma reforma agrária, comprando terras dos [[brancos]] para fazer uma redistribuição a 250 mil lavradores negros,<ref name=":1">{{Harvnb|Almanaque Abril 2014}}, p. 546</ref> mas ela teve um pequeno avanço.<ref name=":1" /> Os brancos são detentores de uma quantidade superior à metade da grandeza das 4 mil [[fazenda|fazendas]]s, quantidade superior à 50% da [[terra arável]].<ref name=":1" />
 
Em dezembro de 2009, Pohamba reelegeu-se, com 76,4 da maioria absoluta dos votos válidos, e a força majoritária da Swapo foi mantida no [[poder legislativo]], composto pelo [[Conselho Nacional da Namíbia|Conselho Nacional]], com 26 membros, e pela [[Assembleia Nacional da Namíbia|Assembleia Nacional]] com até 78 membros.<ref>{{citar web|URL = http://africanelections.tripod.com/na.html|título = Elections in Namibia|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = African Elections Database|língua2 língua= en}}</ref>
 
Em 2011, a [[Alemanha]] entregou à Namíbia o que restou dos [[Antepassado|antepassadosantepassado]]s [[hereros]] e [[povo nama|nama]], que os alemães levaram para fazer experiências de [[racismo]] nos primeiros anos do século XX. O governo da Alemanha cometeu a [[evasão fiscal]] por mais que tivesse reparado os resquícios arqueológicos dos primeiros habitantes do país africano.<ref>{{citar web|URL = http://mg.co.za/article/2011-10-04-namibias-ancestral-skulls-receive-heroic-welcome-home|título = Hero's welcome for Namibia's repatriated ancestral skulls|data = 4 de outubro de 2011|acessadoem = 21 de março de 2015|publicado = Mail Guardian|língua2 língua= en}}</ref>
 
Em julho de 2012, foram anunciados os planos governamentais de [[exploração]] de um grande [[aquífero]] no norte do país.<ref name=":2">{{citar web|URL = http://www.bbc.com/news/science-environment-18875385|título = Vast aquifer found in Namibia could last for centuries|data = 20 de julho de 2012|acessadoem = 21 de março de 2012|autor = Matt McGrath|publicado = BBC News|língua2 língua= en}}</ref><ref name=":3">{{Harvnb|Almanaque Abril 2014}}, p. 546</ref> No país de maior secura da [[África Subsaariana]], a Namíbia, a pior [[estiagem]] foi enfrentada em três décadas.<ref name=":2" /><ref name=":3" /> Em maio, foi declarado estado de emergência e foram pedidos US$ 33,7 milhões em ajuda internacional.<ref name=":2" /><ref name=":3" />
 
== Geografia ==
 
O costeiro [[deserto da Namíbia]] é um dos desertos mais antigos do mundo. Suas dunas de areia, criadas pelos fortes ventos terrestres, são as mais altas do planeta.<ref>{{citar web|url=http://www.nasa.gov/multimedia/imagegallery/image_feature_540.html |título=NASA – Namibia's Coastal Desert |publicado=nasa.gov |acessodata=9 de outubro de 2009}}</ref> Devido à localização do seu litoral - no ponto onde a água fria do [[Oceano Atlântico|Atlântico]] chega à África - muitas vezes há [[nevoeiro]] extremamente denso.<ref>{{citar web|url=http://www.geographia.com/namibia/ |título=An Introduction to Namibia |publicado=geographia.com |acessodata=9 de outubro de 2009}}</ref> A Namíbia tem ricos recursos marinhos e costeiros que permanecem largamente inexplorados.
<ref name=Sparks>{{citar periódico|url=http://afraf.oxfordjournals.org/cgi/pdf_extract/83/333/477 |título=Namibia's Coastal and Marine Development Potential |volume=83 |issuenúmero=333|página=477 |periódico=African Affairs|último =Sparks|primeiro =Donald L.}}</ref>
 
=== Clima ===
[[Imagem:Herero_women.jpg|thumb|Mulheres [[hererós]]]]
[[Imagem:Himba Woman and Family.JPG|thumb|Família do povo [[himba]].]]
A Namíbia tem a segunda menor [[densidade populacional]] em relação a qualquer outro país soberano, atrás apenas da [[Mongólia]].<ref name=unpop>{{citar periódico| url=http://www.un.org/esa/population/publications/wpp2008/wpp2008_text_tables.pdf |título=World Population Prospects, Table A.1| versionversão=2008 revision |formato=PDF |publicado=United Nations |autor =Department of Economic and Social Affairs Population Division |ano=2009 |acessodata=12 de março de 2009}}</ref> A maioria da população é de origem de falantes da [[língua bantu]] (na maior parte da etnia [[ovambo]], que constitui cerca de metade da população) que residem principalmente no norte do país, embora muitos estão agora residente em cidades por toda a Namíbia. Outros grupos étnicos são as pessoas [[hereró]] e [[himba]], que falam uma língua semelhante, além dos [[damaras]] e [[Povo nama|namas]].
 
Além da maioria bantu, existem grandes grupos [[khoisan]] (como nama e [[Povo san|san]]), que são descendentes dos habitantes originais da [[África Austral]]. O país também contém alguns descendentes de refugiados de [[Angola]]. Há também dois pequenos grupos de pessoas com origens raciais diversas, chamados "mestiços" e "basters", que juntos compõem 8%. Há uma grande minoria [[Chineses|chinesa]] na Namíbia.<ref>{{citar web|url=http://www.migrationinformation.org/Feature/display.cfm?id=690 |título=China and Africa: Stronger Economic Ties Mean More Migration |autor =Malia Politzer |publicado=Migration Information Source |data=Agosto de 2008 |acessodata=10 de setembro de 2013}}</ref>
Metade de todos os namibianos falam [[oshiwambo]] como sua primeira língua, ao passo que a língua mais amplamente entendida e falada é o africâner. Entre a geração mais jovem, o inglês está rapidamente ganhando espaço.<ref name=namitour>{{citar web|título=Namibia's People |url=http://www.namibiatourism.com.na/uploadedFiles/NamibiaTourism/Global/Downloads_Modules/NA_Press_Kit/Namibia_People.pdf |publicado=Namibia Tourism |acessodata=10 de setembro de 2013}}</ref> O africâner e o inglês são usados ​​principalmente como segunda língua, reservados para comunicação pública, mas pequenos grupos os usam como primeira língua em todo o país. O [[Língua portuguesa|português]] foi adicionado como uma segunda língua ensinada nas escolas.
 
Segundo o censo de 2011, as línguas mais comuns são oshiwambo (a língua mais falada por 49% dos agregados familiares), [[Língua nama |nama/damara]] (11,3%), africâner (10,4%), kavango (9%) e [[Língua hereró |herero]] (9%).<ref name=snapshot>{{citar jornal|url=http://allafrica.com/stories/201303280355.html?page=2 |título=Census gives snapshot of Namibia's population |último =Duddy |primeiro =Jo Maré |data=28 de março de 2013 |jornal=[[The Namibian]]}}</ref><ref name=census2011>{{citar web|título=Namibia 2011 – Population and Housing Census Main Report|url=http://www.nsa.org.na/files/downloads/Namibia%202011%20Population%20and%20Housing%20Census%20Main%20Report.pdf|publicado=Namibia Statistics Agency|acessodata=10 de setembro de 2013}}</ref>
{{bar box
|titulo = [[Religião na Namíbia]]<ref name=CIA>{{Citar web|publicado = Agência Central de Inteligência (CIA) | autor = [[The World Factbook]] | titulo = Namibia |url = https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/wa.html |ano = 2009 | acessodata = 23 de janeiro de 2010 }}</ref>
A base da [[economia]] da Namíbia está na extração e processamento de [[minerais]]. A [[mineração]] compreende 20% do [[PIB]] do [[país]] e faz da Namíbia o quarto maior exportador de minerais não-combustíveis da [[África]] e o quinto maior produtor de [[urânio]] do mundo.
 
Aproximadamente metade da população depende da [[agricultura]] para viver, dos quais a maior parte pratica a chamada [[agricultura de subsistência]]. Embora o [[PIB per capita]] da Namíbia, cerca de 4500 [[USD]] ([[2005]]), seja cinco vezes maior do que a média dos países mais pobres da África, a maioria do povo da Namíbia vive na pobreza, principalmente por causa do [[desemprego]] em grande escala e da má distribuição de renda, fazendo com que a maior parte do poder econômico esteja nas mãos da minoria branca. A Namíbia possui a pior distribuição de renda do mundo. Seu [[coeficiente de Gini]] é de 0,70 ([[2003]]).<ref>[https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/rankorder/2172rank.html Gini]</ref>.
 
=== Turismo ===
A Namíbia geralmente atrai [[Ecoturismo|ecoturistas]] a maioria para experimentar os climas diferentes e variados, além das paisagens geográficas naturais como o Deserto do [[Kalahari]] e as planícies orientais. Nestes lugares existem alojamentos e reservas para que os turistas passem a noite bem acomodados.
 
A Namíbia é também um destino comum para os interessados na [[caça]] esportiva.<ref>http://www.huntingnamibia.net/index.htm</ref>. Fora das reservas e de parques ambientais a caça é permitida e geralmente ocorre em latifúndios de colonos de origem europeia, principalmente de origem [[Alemanha|alemã]] .<ref>Revista Playboy Nº419, pag. 108</ref>. A carne de caça é muito apreciada na Namíbia, sendo servida em restaurantes locais <ref>http://www.joesbeerhouse.com/joes-menu.php</ref> ou consumida diretamente pelos próprios caçadores.
 
== Cultura ==
210 064

edições