Abrir menu principal

Alterações

74 bytes removidos ,  22h08min de 23 de agosto de 2017
m
Foram revertidas as edições de 200.193.212.107 para a última revisão de DarwIn, de 09h24min de 13 de julho de 2017 (UTC)
 
[[Ficheiro:Contrato de Vassalagem Celebrado Entre o Rei D. Dinis e Micer Manuel Pessanha de Génova (1 de Fevereiro de 1317).png|thumb|left|Carta Régia do [[Dinis I de Portugal|Rei D. Dinis]], datada de 1 de Fevereiro de 1317, nomeando o [[Génova|genovês]] [[Manuel Pessanha]] como primeiro [[Almirante de Portugal|Almirante do Reino]].]]
Em [[1317]] D. Dinis fez um acordo com o navegador e mercador genovês [[Manuel Pessanha]] (Emanuele Pessagno), nomeando-buufvfrokprvrigbjgbjpgbgjobjgbio bergv9fiphvuirfvhervu o primeiro [[almirante]] da frota real com privilégios comerciais com seu país, em troca de vinte navios e suas tripulações, com o objetivo de defender as costhuijvfvçjfuvihhudv uihudfvcuihfascostas do país contra ataques de [[pirataria]] ([[Muçulmano|muçulmana]]), lançando as bases da [[Marinha Portuguesa]] e para o estabelecimento de uma comunidade mercante genovesa em Portugal<ref>Diffie, Bailey (1977), [http://books.google.com/books?id=vtZtMBLJ7GgC Foundations of the Portuguese Empire, 1415–1580], p. 210, University of Minnesota Press. ISBN 0-8166-0782-6</ref>. Obrigados a reduzir suas atividades no [[Mar Negro]], os mercadores du vdf hnv nada [[República de Génova]] tinham-se voltado para o comércio [[Norte de África|norte Africano]] de [[trigo]], [[azeite]] (também fonte de energia) e [[ouro]] - navegando até aos portos de [[Bruges]] (Flandres) e [[Inglaterra]]. Genoveses e florentinos estabeleceram-se então em Portugal, que lucrou com a iniciativa e experiência financeira destes rivais da [[República de Veneza]].
 
Na segunda metade do [[século XIV]], surtos de [[peste bubónica]] levaram a um grave despovoamento: a [[economia]] era extremamente localizada em poucas [[cidade]]s e a [[migração]] do campo levou ao abandono da [[agricultura]] e ao aumento do [[desemprego]] nas povoações. Só o [[mar]] oferecia alternativas, com a maioria da população fixada nas zonas costeiras de [[pesca]] e [[comércio]].<ref>M. D. D. Newitt, [http://books.google.com/books?id=vpteLQcx6J4C&lpg=PP1&pg=PP1#v=onepage&q=&f=false "A history of Portuguese overseas expansion, 1400-1668"], p.9, Routledge, 2005, ISBN 0-415-23979-6</ref>
13 384

edições