Diferenças entre edições de "Pena de voo"

1 869 bytes adicionados ,  09h27min de 2 de setembro de 2017
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
As penas de voo de adultos e juvenis podem diferir bastante, especialmente no caso das aves de rapina. Em geral, as aves mais jovens têm tendência a terem rectrizes um pouco mais longas e asas mais amplas e curtas, com primárias distais mais curtas e primárias e secundárias proximais mais longas que nas aves mais velhas da mesma espécie.<ref name= "Raptor age"/> Há, contudo, várias excepções. No caso de espécies com cauda mais comprida, como no caso do [[gavião-tesoura]], [[Sagittarius serpentarius|secretário]],<!--ref name = "Raptor age"/--> e [[bútio-vespeiro]], <!--ref name = "Forsman">{{Harvnb|Forsman|1999|p=14}}</ref--> por exemplo, os juvenis têm rectrizes mais curtas que os adultos. Juvenis de algumas espécies do género ''Buteo'' têm asas mais estreitas que os adultos, enquanto que no caso de grandes falcões juvenis, são mais longas. Acredita-se que estas diferenças ajudam as aves mais jovens a compensar a sua inexperiência e inabilidade, bem como músculos de voo mais fracos.<ref name = "Raptor age">{{Harvnb|Ferguson-Lees|Christie|2001|p=39}}</ref>
 
==Fórmula alar==
[[Imagem:Ringing 07 Measuring wing.jpg|thumb|right|Medição do comprimento das rémiges primárias, um dos passos para a determinação da fórmula alar de uma ave]]
Uma '''fórmula alar''' descreve a forma da extremidade distal da asa de uma ave de forma matemática. Pode ser utilizada para facilitar a distinção entre espécies com plumagens semelhantes, sendo particularmente útil para quem procede à [[anilhagem de aves]].<ref name = "Campbell656"/>
 
De modo a determinar a fórmula alar de uma ave, é medida, em milímetros, a distância entre a extremidade da mais distal das primárias e a extremidade da maior das coberteiras (a mais longa das penas que cobrem e protegem o eixo dessa primária). Em alguns casos, a fórmula resulta num número positivo (por exemplo, a primária prolonga-se para além da sua grande coberteira), enquanto que noutros casos resulta num número negativo (por exemplo, quando a primária é totalmente coberta pela grande coberteira, como acontece no caso de algumas espécies de passeriformes). Depois, identifica-se a mais longa das penas primárias, e as diferenças entre o comprimento dessa primária e o das restantes primárias e o da mais longa das secundárias, medindo-se tudo, novamente, em milímetros. Se alguma primária exibir algum entalhe ou emarginação, mede-se e anota-se a distância entre a ponta da pena e o entalhe, bem como a profundidade do mesmo. Procede-se a todas as medições com a asa da ave fechada, de modo a manter as posições relativas das penas.
 
Ainda que possam ocorrer variações consideráveis entre os vários indivíduos da mesma espécie, e o resultado poder ser obviamente influenciado pelos efeitos das mudas e da regeneração da plumagem, mesmo espécies muito próximas exibem claras diferenças nas suas fórmulas alares.<ref name = "Campbell656"/>
 
==Notas==