Diferenças entre edições de "Pena de voo"

1 991 bytes adicionados ,  10h20min de 2 de setembro de 2017
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
Ainda que possam ocorrer variações consideráveis entre os vários indivíduos da mesma espécie, e o resultado poder ser obviamente influenciado pelos efeitos das mudas e da regeneração da plumagem, mesmo espécies muito próximas exibem claras diferenças nas suas fórmulas alares.<ref name = "Campbell656"/>
 
==Extensão primária==
[[Imagem:Flickr - Rainbirder - Willow Warbler-Chiffchaff comparison.jpg|thumb|right|Comparação de extensões primárias: [[felosa-comum]] (à esquerda) e [[felosa-musical]]]]
A distância a que a mais longa das primárias de uma ave se projeta para além da mais longa das suas secundárias (ou terciárias) com a asa dobrada chama-se de '''extensão primária''' ou '''projeção primária'''.<ref name = "Kaufman">{{citar livro|último=Kaufman |primeiro=Kenn |título=Advanced Birding |editora=Houghton Mifflin |local=Boston |ano=1990 |isbn=0-395-53376-7 |páginas=186}}</ref> Tal como para as fórmulas alares, esta medição é útil na distinção de aves com plumagens semelhantes. Contudo, ao contrário da fórmula alar, não é necessário manipular a ave para proceder à medição.. De facto, esta é uma medição pragmática e relativa: há espécies com projeções primárias longas e espécies com projeções primárias curtas. Em espécies de [[tiranídeos]] ''[[Empidonax]]'' americanos, por exemplo, o [[papa-moscas-sombrio-americano]] tem uma extensão primária muito mais curta que o [[papa-moscas-de-hammond]], de plumagem semelhante.<ref name = "Kaufman"/> A [[laverca]] europeia tem uma projeção primária longa enquanto que a muito semelhante [[laverca-oriental]] a tem curta.<ref>{{Citar livro|último=Svensson |primeiro=Lars |autor2=Grant, Peter J. |título=Collins Bird Guide: The Most Complete Field Guide to the Birds of Britain and Europe |ano=1999 |publicado=HarperCollins |local=London |isbn=0-00-219728-6 |páginas=231}}</ref>
 
Em regra geral, as espécies migrantes de longas distâncias apresentam projeções primárias mais longas que espécies não migrantes ou migrantes de curtas distâncias.<ref>{{citar livro|último=Christie|primeiro=Thomas Alerstam ; traduzido por David A.|título=Bird migration|data=1993|publicado=[[Cambridge University Press]]|local=Cambridge [Inglaterra]|isbn=0521448220|pages=253}}</ref>
 
==Notas==