Abrir menu principal

Alterações

31 bytes removidos ,  23h49min de 4 de setembro de 2017
m
ajustes gerais nas citações, outros ajustes usando script
|notas =
}}
'''Áustria-Hungria''' ou '''Império Austro-húngaro''' foi um vasto e importante Estado [[Europa|europeu]], sucessor do [[Império Austríaco]]. Resultou de um acordo entre as nobrezas austríaca e [[Reino da Hungria|húngara]] em [[1867]], e foi dissolvido em [[1918]], quando as autoridades militares assinaram o armistício na Villa Giusti, dia 3 de novembro de 1918, após a derrota na [[Primeira Guerra Mundial|Primeira Guerra Mundial.]]. O movimento separatista havia começado ainda durante a guerra e foi consolidado nos anos seguintes (1919 e 1920) com os tratados de [[Tratado de Saint-Germain-en-Laye|Saint-Germain]] e [[Tratado de Trianon|Trianon]]. Em alguns aspectos, a mudança foi relativamente progressiva. Nos primeiros anos da década de 1920, por exemplo, esses países continuaram usando a mesma moeda, impressa pelo banco central dos dois países.
 
Na altura da sua dissolução, o império tinha uma superfície total de 677.546 km². Sua população, antes do início da Primeira Guerra Mundial era estimada em 52,5 milhões de habitantes. O que resta deste antigo Estado encontra-se dividido entre treze países atuais: [[Áustria]], [[Hungria]], [[República Checa]], [[Eslováquia]], [[Eslovénia]], [[Croácia]], [[Bósnia e Herzegovina]] e as regiões da [[Voivodina]], na [[Sérvia]], [[Bocas de Cattaro]], no [[Montenegro]], [[Trentino-Alto Ádige|Trentino-Tirol Meridional]] e [[Trieste (província)|Trieste]], na [[Itália]], [[Transilvânia]] e parte do [[Banato]], na [[Roménia]], [[Galícia (Europa Central)|Galícia]], na [[Polónia]] e [[Ruténia]] (região Subcarpática), na [[Ucrânia]].
Outro factor crucial para a mudança constitucional foi a ascensão do chamado "movimento das nacionalidades", que se havia instalado por toda a [[Europa]] a partir dos ideais espalhados por [[Napoleão Bonaparte]] pelo continente durante as [[Guerras Napoleônicas]]. Com o sucesso da independência de nações como a [[Grécia]] e a [[Bélgica]],<ref name="I">{{citar web |url=http://www.sociedadehelenica.org.br/noticias_pt/netnews.cgi?cmd=mostrar&cod=54&max=1000&tpl=modelo1 |titulo=25 de Março de 1821 - Data da Independência da Grécia |acessodata=19/11/08 |autor= |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=}}</ref> embasadas no ideal nacional, ficou ainda mais clara a instabilidade do império e o [[separatismo]] dentro de suas fronteiras. Durante a [[Primavera dos Povos]] de 1848, o povo húngaro sentiu-se renegado a uma situação de segunda classe perante os povos alemães da Áustria e revoltou-se, sendo contido apenas com a intervenção da [[Império Russo|Rússia]], que ainda tentava buscar a manutenção do ''status quo'', conforme estabelecido nos arranjos políticos do [[Congresso de Viena]].<ref>{{citar web |url=http://educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/2003/03/26/001.htm |titulo=Ordem e desordem no mundo|data=19/10/2008}}</ref>
 
Para assegurar que o império não passaria por outra crise, como a da [[década de 1840]], o imperador [[Francisco José I da Áustria|Francisco José]] negociou um compromisso com a nobreza húngara no intuito de garantir seu apoio. Os líderes [[magiares]] aceitaram a coroação de Francisco José ao garantir o estabelecimento de um parlamento autónomo em [[Budapeste]] com o poder de definir leis para a parte húngara da coroa (as terras de [[Santo Estêvão]]) e assim garantir sua proeminência política na região. Com o acordo firmado, também foi definido que o poder central ficaria responsável pela [[política externa]], [[economia]] e [[Forças armadas|defesa]] do novo império.<ref name="H">{{citar web |url=http://encyclopedia.farlex.com/Austro-Hungarian+Compromise+of+1867 |titulo=Austro-Hungarian Compromise of 1867 |acessodata=19/11/08 |autor=Hutchinson Encyclopedia|língua3língua=en}}</ref>
 
Apesar de o acordo ter favorecido a etnia magiar do império, a situação não mudou para as minorias eslavas que estavam sob o poder dos [[Casa de Habsburgo|Habsburgo]]. [[Eslovenos]], [[croatas]], [[polacos]], [[eslovacos]] e [[checos]], entre outros, representavam uma parcela significativa da população, mas não tinham plenos direitos de cidadania aos olhos de [[Viena]] e [[Budapeste]], e isto contribuiu, em última instância, para a desintegração do império em 1918.<ref>LESSA, 2001, p. 113.</ref> Apesar disto, na [[Primeira Guerra Mundial]] houve uma tentativa de promover algumas minorias étnicas do Império para marginalizar os cristãos ortodoxos da região.<ref>M. Gross, Povijest pravaške ideologije, Zagreb: Institut za hrvatsku povijest, [[1973]]</ref><ref>M. S. Spalatin, “The Croatian Nationalism of Ante Starčević, 1845−1871”, Journal of Croatian Studies, 15, [[1975]], 19−146</ref><ref>G. G. Gilbert, “Pravaštvo and the Croatian National Issue”, East European Quarterly, 1, 1978, 57−68</ref><ref>M. Gross. A. Szabo, Prema hrvatskome građanskom društvu. Društveni razvoj u civilnoj Hrvatskoj I Slavoniji šezdesetih I sedamdesetih godina 19. stoljeća, Zagreb: Globus nakladni zavod, 1992, 257−265</ref><ref>Ј. Хорват, Странке код Хрвата и њихова идеологија, Београд: Политика, 1939</ref><ref>В. Ћоровић, Црна књига: Патње Срба Босне и Херцеговине за време Светског Рата 1914−1918, Удружење ратних добровољаца, 1996</ref>
No começo, o exército foi dividido em dois; uma pequena parte deste atacou a Sérvia, enquanto a parcela maior foi destinada a conter a invasão do exército russo no leste.<ref name="B">{{citar web |url=http://www.culturabrasil.pro.br/primeiraguerramundial.htm |titulo=Primeira Guerra Mundial - A Europa entra em declínio |acessodata=19/11/08 |autor=Cultura Brasil |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=}}</ref> No final do ano, o pequeno exército havia perdido 227.000 soldados, de uma força total de 450.000 combatentes, e havia fracassado na conquista da Sérvia.<ref name="Fromkin333">Fromkin, 2005, p. 333.</ref> Na fronteira leste, o exército havia sido derrotado na [[Batalha de Lemberg]] e a importante cidade de [[Przemysl]] estava sitiada, caindo em março de 1915.<ref name="J">{{citar web |url=http://www.grandesguerras.com.br/artigos/text01.php?art_id=203 |titulo=Grandes Guerras - Os grandes conflitos do {{séc|XX}} |acessodata=19/11/08|autor=Grandes Guerras}}</ref> Já no início de dezembro de 1914, o exército imperial havia perdido 1.268.000 homens (entre mortos, feridos, capturados e desaparecidos) dos 3.350.000 mobilizados para o conflito.<ref name="Fromkin333"/>
 
Em maio de 1915, a o [[Reino de Itália (1861–1946)|Reino de Itália]] juntou-se aos aliados e atacou a Áustria-Hungria,<ref>HOBSBAWN, 2001, p. 432.</ref> contrariando o acordo firmado na [[Tríplice Aliança (1882)|Tríplice Aliança]], com a justificativa que o acordo era defensivo, e que a agressão havia partido dos [[Impérios Centrais]].<ref name="B"/> A sangrenta, mas indecisiva batalha nos [[Alpes]] duraria pelos três anos e meio seguintes, e nesta frente a Áustria-Hungria provaria ser efetiva no campo de batalha, conseguindo manter o exército italiano (superior em quantidade) longe de seu território. No verão, o [[exército austro-húngaro]], trabalhando sob o comando unificado de um general alemão, participou da bem-sucedida [[Ofensiva Gorlice-Tarnow]], e mais tarde, em conjunto com os exércitos da Bulgária e Alemanha, a Áustria-Hungria conseguiria conquistar a Sérvia.<ref name="G">{{citar web |url=http://www.historyofwar.org/articles/battles_gorlice_tarnow.html |titulo=Battle of Gorlice-Tarnow, 2-10 May 1915 |acessodata=19/11/08 |autor=historyofwar.com|língua3língua=en}}</ref>
 
Em 1916, os russos focaram seus ataques no exército austro-húngaro com a [[Ofensiva Brusilov]], ao reconhecer a inferioridade numérica das forças adversárias. Os exércitos da monarquia dual sofreriam perdas maciças (de 1 milhão de homens) e nunca conseguiriam se recuperar completamente. Apesar disso, os problemas gerados na Rússia fariam com que o país entrasse em colapso e contribuiriam para a [[Revolução Russa de 1917]] e para a saída deste da guerra no mesmo ano.<ref>BLAINEY. 2008. p. 300.</ref>
| direction = vertical
| width = 180
| header = Fim do Império Austro-húngaro
| align = right
| image1 = Karl of Austria.jpg
Quando ficou claro que a [[Tríplice Entente|Entente]] e seus aliados venceriam as [[Potências Centrais]] na guerra, vários movimentos nacionalistas que antes clamavam por um grau maior de autonomia passaram a exigir a independência completa. Como um dos seus [[Catorze Pontos]], o presidente [[Woodrow Wilson]] assegurava o apoio a estes movimentos.<ref name="Burns859">BURNS, 1981, p. 859.</ref> Em resposta, o imperador Carlos I concordou em criar uma confederação entre várias nacionalidades, na qual cada uma exerceria seu governo. No entanto, a proposta foi inviabilizada pela desconfiança contra o governo de [[Viena]] por parte de franceses e estadunidenses.{{Carece de fontes|data=março de 2012}}
 
Em 14 de outubro de 1918, o ministro das Relações Exteriores, o barão [[István Burián von Rajecz]], pediu um armistício também baseado nos Catorze Pontos.<ref name="D">{{citar web |url=http://www.firstworldwar.com/source/usmunitions_lansing.htm |titulo=Primary Documents: U.S. Reply to Austro-Hungarian Protest Regarding Shipment of U.S. Munitions to Britain, 12 August 1915 |acessodata=19/11/08 |obra=FirstWorldWar.com|língua3língua=en}}</ref> Em uma tentativa de demonstrar boa fé, o imperador proclamou dois dias depois que a Áustria se tornaria uma união federal de quatro componentes - alemães, tchecos, [[Eslavos meridionais|eslavos do sul]] e ucranianos.<ref name="F">{{citar web |url=http://educacao.uol.com.br/historia/balcas-nasce-a-iugoslavia.jhtm |titulo=Bálcãs - Nasce a Iugoslávia |acessodata=19/11/08 |autor=UOL Educação}}</ref> Aos polacos era garantida a independência completa, com o propósito de liberar estes territórios a se unir a um novo país que se formava ao norte, a [[Polônia]].{{Carece de fontes|data=março de 2012}}
 
Apesar disso, os esforços de nada adiantaram, e quatro dias depois o secretário de Estado [[Robert Lansing]] respondeu que a [[Tríplice Entente|Entente]] e seus aliados continuavam comprometidos com as causas dos tchecos, eslovacos e outros eslavos.<ref name="D"/> Além disso, disse que a autonomia não era mais suficiente, e que o governo de [[Washington, D.C.]] não poderia mais trabalhar com base nos Catorze Pontos de Wilson.<ref name="D"/> De fato, um governo tcheco-eslovaco provisório ainda se juntaria à Entente na guerra,<ref name="E">{{citar web |url=http://www.czechtrade.com.br/republica-tcheca/historia/ |titulo=República Tcheca – História |acessodata=19/11/08 |autor= |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=}}</ref> e os líderes dos [[Eslavos meridionais|eslavos do sul]] proclamaram o desejo de estabelecer uma união com a Sérvia em um poderoso estado nos Bálcãs.<ref name="F"/>
 
A resposta de Lansing foi o certificado de morte para a Áustria-Hungria.<ref name="D"/> Conselhos nacionais nas províncias imperais passaram a funcionar e começavam a agir como países independentes. Com uma derrota iminente se aproximando, os grupos étnicos separatistas anunciaram a independência - [[Tchecoslováquia]] em 28 de outubro,<ref name="E"/> e o [[Reino da Iugoslávia|reino dos sérvios, croatas e eslovenos]] no dia seguinte.<ref>{{citar web |url=http://www.firstworldwar.com/onthisday/1918_10_29.htm |título=On This Day - 29 October 1918 |acessodata=14/04/10 |autor= |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=firstworldwar.com |paginas= |língua3língua=en |arquivourl= |arquivodata= |citação=}}</ref> O estado foi completamente dissolvido em 31 de outubro, quando o governo húngaro cancelou a união com a [[Áustria]], dissolvendo assim a monarquia dual.<ref>{{citar web |url=http://www.firstworldwar.com/onthisday/1918_10_31.htm |título=On This Day - 31 October 1918 |acessodata=14/04/10 |autor= |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=firstworldwar.com |paginas= |língua3língua=en |arquivourl= |arquivodata= |citação=}}</ref>
 
Enfrentando uma situação de desespero, o último [[Casa de Habsburgo|Habsburgo]] a reinar na Áustria, Carlos I, abriu mão de todos os seus poderes sobre a [[Cisleitânia]] em 11 de novembro, e fez o mesmo com a [[Transleitânia]] em 13 de novembro.<ref>{{citar web |url=http://www.firstworldwar.com/onthisday/1918_11_13.htm |título=On This Day - 13 November 1918 |acessodata=14/04/10 |autor= |ultimo= |primeiro= |autorlink= |coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=firstwarworld.com |paginas= |língua3língua=en |arquivourl= |arquivodata= |citação=}}</ref> Entretanto, ele não abdicou, caso o povo ou o novo estado que se formaria o chamassem de volta para o estabelecimento de uma nova [[monarquia constitucional]]. Contudo, na Hungria e também na Áustria, duas repúblicas separadas foram proclamadas em novembro, e Carlos I foi buscar exílio no exterior (transferindo-se com sua família para a [[Ilha da Madeira]]), vendo que não teria mais chances de ascender novamente ao poder. Os vencedores assinaram o [[Tratado de Saint-Germain-en-Laye]] com a [[Primeira República Austríaca]] e o [[Tratado de Trianon]] com a Hungria, regulando as novas fronteiras entre os dois países.<ref name="A"/>
 
== Nomes completos ==
210 092

edições