Bento Roma: diferenças entre revisões

281 bytes adicionados ,  16h49min de 17 de setembro de 2017
sem resumo de edição
(+ fusão de Bento Esteves Roma)
Depois de prestar serviço em várias unidades no continente, participou no combate às incursões monárquicas. Foi mobilizado para [[África Ocidental Portuguesa|Angola]] em 1912, onde permaneceu até ao ano seguinte, tendo comandado o posto de [[Binde]], no [[distrito de Benguela]] e posteriormente o de [[São João do Pocolo]]. Em 1915, participou nas campanhas militares do sul de Angola. Regressou em 1916, sendo enviado a França para preparar a participação portuguesa na frente ocidental, junto das forças inglesas.
 
FoiPor ocasião da 1ª Grande Guerra Mundial e no posto de Capitão, foi para a [[Flandres]] comintegrado ono [[Corpo Expedicionário Português | CEP]], no qual se destacou por actos de bravura., Foicomandando feitoa prisioneiro1ª Companhia do Batalhão de Infantaria nº 13, originário de [[Vila Real]], e chegando a ser interinamente o Comandante e por mais vezes o 2º Comandante do Batalhão. Nesta situação e na [[Batalha de La Lys]], a 9 de Abril de 1918, foi feito prisioneiro e libertado depois do [[Armistício]]. Comandou a companhiaCompanhia portuguesa na paradaParada da vitória noem [[Paris]] a 14 de Julho, emde [[Paris]]1919.
 
No pós-guerra, organizou e instalou, em [[Tancos]], a [[Escola de Instrutores de Infantaria]], com o objectivo de preparar grupos de instrutores para as escolas de recrutas. Entre 1920 e 1923, sendo [[governador]] dos distritos de [[Distrito de Cubango|Cubango]], [[Distrito da Lunda|Lunda]], que acumulou o com o de governador interino de [[Distrito de Moxico|Moxico]]. Foi neste período que consolidou a ocupação de todo o território, em operações militares, numa das quais foi ferido. A 5 de Fevereiro de 1922 foi feito Comendador da [[Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito]].<ref name="OHn">{{citar web |url=http://www.ordens.presidencia.pt/?idc=153 |título=Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas|autor=|data=|publicado=Presidência da República Portuguesa|acessodata=2016-03-17 |notas=Resultado da busca de "Bento Esteves Roma".}}</ref> Exerceu ainda o cargo de governador do [[distrito da Huíla]]. Em 1930, ocupou o cargo de [[Lista dos governadores coloniais de Angola|governador-geral de Angola]], de 31 de Março a 3 de Julho de 1930, pedindo nesta data a sua demissão, sendo antecedido por [[Filomeno da Câmara de Melo Cabral]] e sucedido por [[José Dionísio Carneiro de Sousa e Faro]].<ref> [http://www.rulers.org/rula2.html#angola Rulers.org - Angola] </ref><ref> [http://www.worldstatesmen.org/Angola.html worldstatesmen.org - Angola] </ref><ref>African States and Rulers, John Stewart, McFarland</ref> Em 1929, entrou ao serviço da [[Companhia de Moçambique]] onde prestou serviço até 1933, data em que regressa definitivamente a Portugal. A 5 de Outubro de 1932 foi feito Grande-Oficial da [[Ordem do Império Colonial]].<ref name="OHn"/>
Utilizador anónimo