Abrir menu principal

Alterações

548 bytes adicionados, 05h55min de 1 de outubro de 2017
Mais conteúdo e acertos, imagens
* Palheiros da Costa Nova do Prado.
 
[[File:BahnhofAveiro 02.JPG|thumb|left|Antigo edifício da Estação de Aveiro, do lado da gare.]]
== História ==
===Século XIX===
====Década de 1890====
Em 1891, a Companhia Real vendia bilhetes especiais para banhos no mercado espanhol, sendo Aveiro um dos destinos promovidos.<ref>{{Citar jornal|pagina=272|titulo= Avisos de Serviço|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro de Portugal e Hespanha|volume=4|numero=89|data=3 de Setembro de 1891|url= http://rcbp.dglb.pt/pt/Bibliotecas/Sites/BM_CasteloBranco/Regulamento/Documents/Publica%C3%A7%C3%B5es%20Peri%C3%B3dicas/GAZETA%20CAMINHOS%20FERRO%201891.pdf|acessodata=27 de Agosto de 2015|datali=30 de Dezembro de 2016|arquivourl= http://web.archive.org/web/20150927071505/http://rcbp.dglb.pt/pt/Bibliotecas/Sites/BM_CasteloBranco/Regulamento/Documents/Publica%C3%A7%C3%B5es%20Peri%C3%B3dicas/GAZETA%20CAMINHOS%20FERRO%201891.pdf|arquivodata=27 de Setembro de 2015}}</ref>
 
Em 18 de Novembro de 1891, o [[Rei D. Carlos]] e a [[Rainha D. Amélia]] viajaram de Lisboa para o Porto para uma visita ao Norte de Portugal, tendo o comboio real parado na estação de Aveiro durante cerca de meia hora.<ref>RAMOS, 2013:91</ref>
 
Em 1893, previa-se que fosse pedida a concessão para um caminho de ferro do tipo [[Carro Americano|americano]], ligando a estação de Aveiro à cidade.<ref>{{Citar jornal| pagina=81-85|titulo=Efemérides|volume=51|numero=1226|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|data=16 de Janeiro de 1939|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1939/N1226/N1226_master/GazetaCFN1226.pdf| acessadoem= 4 de Abril de 2014}}</ref>
 
===Século XX===
[[File:10.11.93 Aveiro 2507 (6147633230).jpg|thumb|right|Comboio de mercadorias a passar pela Estação de Aveiro, em 1993.]]
====Remodelação do edifício da estação====
Originalmente, a estação estava instalada num edifício pequeno e simples; em princípios do Século XX, tornou-se insuficiente para o crescimento que se verificou no movimento ferroviário, o que forçou à modificação e alargamento do edifício, entre 1915 e 1916.<ref name=CMAveiro/> Em Fevereiro de 1916, as obras estavam muito adiantadas, e em Abril podiam-se considerar quase terminadas.<ref>{{citar jornal|titulo=Efemérides|pagina=202-204|volume=51|numero=1231|data=1 de Abril de 1939|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro| url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1939/N1231/N1231_master/GazetaCFN1231.pdf|acessodata=8 de Março de 2014}}</ref> O novo edifício foi construído no estilo tradicional português<ref name=Gazeta1476>{{Citar jornal|autor=[[José de Sousa Nunes|NUNES, José]]|pagina=418-422|titulo=A Via e Obras nos Caminhos de Ferro em Portugal|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=62|numero=1476|data=16 de Junho de 1949|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1949/N1476/N1476_master/GazetaCFN1476.pdf|acessodata=14 de Novembro de 2014}}</ref>, tendo sido enfeitado em 1916 com vários painéis de azulejos, seguindo a tendência que se verificava nessa altura para decorar as gares ferroviárias.<ref name=CMAveiro/> Esta intervenção foi levada a cabo por Licínio Pinto e Francisco Pereira, utilizando azulejos da Fábrica Fonte Nova.<ref>PEREIRA, 1995:418-419</ref> EstaA remodelação foi envolta em polémica, devido ao facto do plano original incluir, lado a lado, retratos de [[José Estêvão Coelho de Magalhães|José Estevão]] e Manuel Firmino; assim, decidiu-se retratar apenas este último e D. José de Salamanca y Mayol, que possuía a concessão das obras na [[Linha do Norte]].<ref name=CMAveiro>{{citar web|url=http://www.cm-aveiro.pt/www/templates/GenericDetail.aspx?id_object=27881&TM=2408S2582S2587&id_class=1575|título=Painéis Azulejares da Estação de Caminhos de Ferro de Aveiro|acessodata=4 de Abril de 2014|publicado= Câmara Municipal de Aveiro}}</ref>
 
[[File:Rede Complementar ao Norte do Mondego - GazetaCF 372 1903.jpg|left|thumb|Mapa da Rede Complementar ao Norte do Mondego, decretada em 1900, onde se pode ver o projecto da rede ferroviária do Vouga, que nessa altura tinha o seu ponto de bifurcação no [[Apeadeiro de Carvoeiro|Carvoeiro]].]]
Num artigo na Gazeta dos Caminhos de Ferro em 1956, o jornalista [[José da Guerra Maio]] criticou a forma como as gares de via estreita foram integradas na estação de Aveiro, uma vez que ficaram demasiado longe das plataformas de via larga, pelo que os passageiros que quisessem mudar de comboio tinham de atravessar várias vias de resguardo.<ref>{{Citar jornal|autor=[[José da Guerra Maio|MAIO, Guerra]]|pagina=122-123|titulo=Anomalias Ferroviárias|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=68| numero=1637|data=1 de Março de 1956|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1956/N1637/N1637_master/GazetaCFN1637.pdf|acessodata=28 de Março de 2017}}</ref>
 
[[File:Horario CP Linha do Norte 1933.jpg|thumb|Horário da Linha do Norte em 1933.]]
====Décadas de 1920 e 1930====
Em Dezembro de 1928, já se tinham iniciadas as obras de duplicação da via entre [[Estação de Oliveira do Bairro|Oliveira do Bairro]] e Aveiro.<ref>{{citar jornal|titulo= Efemérides|pagina=299-300|data=16 de Junho de 1939|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=51|numero=1236|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1939/N1236/N1236_master/GazetaCFN1236.pdf|acessodata=4 de Abril de 2014}}</ref>
 
Em 3 de Outubro de 1932, iniciaram-se oficialmente as obras de construção da barra de Aveiro, tendo sido instalado um ramal para o transporte de pedra, especificamente grés vermelho de [[Eirol]] e granito de Vila Chã; este ramal tinha o seu princípio na Estação de Aveiro, curvando depois na direcção do Canal de São Roque, onde a pedra era transferida para barcos.<ref name=Gazeta1144/> Nesse ano, a [[Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses]] instalou um dormitório para o pessoal de serviço, com capacidade para 12 camas;.<ref name=Gazeta1081/> porPor seu turno, a [[Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro|Companhia do Vouga]] ampliou as suas vias, de forma a facilitar o serviço no Ramal do Canal de São Roque.<ref name=Gazeta1081>{{Citar jornal|pagina=10-14|titulo=O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1932|jornal= Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=46|numero=1081|data=1 de Janeiro de 1933|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1933/N1081/N1081_master/GazetaCFN1081.pdf|acessadoem=20 de Maio de 2010}}</ref> Em 1936, esta empresa construiu um novo cais, para transbordo entre as Linhas do Vouga e do Norte.<ref>{{Citar jornal|pagina=98|titulo=O que se fez em Caminhos de Ferro durante o ano de 1936|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=49|numero=1180|data=16 de Fevereiro de 1937|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1936/N1180/N1180_master/GazetaCFN1180.pdf| acessadoem=8 de Agosto de 2013}}</ref> Em Abril de 1932, estava a ser pedida com urgência a construção da linha entre Aveiro e Cantanhede.<ref>{{citar jornal|titulo= Efemérides|pagina=345|data=16 de Julho de 1939|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|volume=51|numero=1238|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1939/N1238/N1238_master/GazetaCFN1238.pdf| acessodata=4 de Abril de 2014}}</ref>
 
Em 1934, a [[Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses]] construiu um dormitório nesta estação.<ref>{{citar jornal|titulo=Efemérides|pagina=356-357|data=1 de Agosto de 1939|volume=51|numero=1239|jornal=Gazeta dos Caminhos de Ferro|url=http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/GazetaCF/1939/N1239/N1239_master/GazetaCFN1239.pdf|acessodata=4 de Abril de 2014}}</ref>
 
====Décadas de 1950 e 1960====
Em 1972, foi encerrado o troço entre [[Estação de Sernada do Vouga|Sernada do Vouga]] e [[Estação de Viseu|Viseu]]<ref>SILVA e RIBEIRO, 2007:47</ref>, tendo uma linha de autocarros sido criada em 1975 no percurso de Aveiro a Viseu.<ref>REIS ''et al'', 2006:144</ref>
 
Em 1986, a estação foi novamente remodelada, na ocasião das comemorações do 75º aniversário do [[Ramal de Aveiro]]; foi,durante assima obra, foi colocado um novo painel de azulejos, assinado por Breda.<ref name=CMAveiro/> A origem dos azulejos foi a Fábrica Viçorzette, em [[Águeda]].<ref name=CMAveiro/>
 
[[File:10.11.93 Aveiro 2507 (6147633230).jpg|thumb|right|Comboio de mercadorias a passar pela Estação de Aveiro, em 1993.]]
====Década de 1990====
Em 1995, a Estalagem da Pateira organizava viagens de comboio entre Aveiro e [[Estação Ferroviária de Macinhata do Vouga|Macinhata do Vouga]], com visita ao [[Museu Ferroviário de Macinhata do Vouga|núcleo museológico daquela estação]].<ref>{{Citar jornal|autor=ORDÓÑEZ, José|pagina=75-76|titulo=Turismo ferroviario en los valles portugueses del Duero y Vouga|editora=Fundación de los Ferrocarriles Españoles|local=Madrid|idioma=Espanhol|volume=32|numero=378|data=Julho de 1995|jornal=Via Libre| issn=1134-1416}}</ref>
{{CPPorto}}
==Bibliografia==
*{{citar livro|sobrenomeautor=CAVACO|nome=, Carminda|título=O Algarve Oriental|subtítulo=As Vilas, O Campo e o Mar|local=Faro| editora=Gabinete de Planeamento da Região do Algarve|ano=1976|páginas=204|volume=II}}
*{{Citar livro|autor=PEREIRA, Paulo|título=História da Arte Portuguesa|local=Barcelona|editora=Círculo de Leitores|ano=1995|páginas=695|volume=III|isbn=972-42-1225-4}}
*{{Citar livro|autor=RAMOS, Rui|título=D. Carlos 1863-1908|editora=Círculo de Leitores e Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa da Universidade Católica Portuguesa|ano=2013|páginas=392|isbn=9724235874|local=Lisboa|edição=8.ª|serie=Reis de Portugal}}
*{{Citar livro|autor=REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto ''et al''|título=Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006|editora=CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A.|ano=2006|páginas=238|isbn=989-619-078-X|local=Lisboa}}
*{{Citar livro|autor=SILVA, José Ribeiro da|coautor=RIBEIRO, Manuel|título=Os Comboios em Portugal|local=Lisboa|editora=Terramar - Editores, Distribuidores e Livreiros, Lda.| ano= 2007|páginas=203|volume=III|edição=1.ª|isbn= 978-972-710-408-6}}