Diferenças entre edições de "Escola de Sagres"

16 bytes removidos ,  23h39min de 16 de outubro de 2017
sem resumo de edição
(→‎Antecedentes: corrigindo concordância do verbo 'haver')
[[Ficheiro:Portugal Sagres.jpg|thumb|direita|250px|Rosa dos ventos da fortaleza de [[Ponta de Sagres|Sagres]], no [[Algarve]], [[Portugal]].]]
A '''Escola de Sagres''' é uma suposta escola náutica criada pelo [[Henrique, Duque de Viseu|infante D. Henrique]] na região de [[Sagres (Vila do Bispo)|Sagres]], no [[Algarve]], em [[Portugal]], no século XV.<ref name="infopedia">[https://www.infopedia.pt/$escola-de-sagres Infopédia]</ref> O mito deve-se a Samuel Purchas, em 1625, que desenvolveu a ideia através de um texto de [[João de Barros]].<ref name="olivmart">[https://books.google.pt/books?id=9aosU41oMFsC&pg=PA280&lpg=PA280&dq=escola+de+sagres+infante+d.+henrique&source=bl&ots=0ME7INk8ER&sig=bJLOf-vB5lHfIs7AgMpRqtwdZro&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwiJ_r7fg-rTAhULalAKHXWPBX44FBDoAQgnMAA#v=onepage&q=escola%20de%20sagres%20infante%20d.%20henrique&f=false ''História e Ficção, O Infante D. Henrique Em Oliveira Martins'']</ref> O objectivoobjetivo da escola era a formação dos navegadores que estavam ao serviço do infante, tanto nacionais como estrangeiros, com conhecimentos de cartografia, geografia e astronomia.<ref name="infopedia"/>
 
A existência da escola tem sido alvo de debate há vários anos. No entanto, desde o início do século XX que a sua existência se encontra posta de lado. Os seus defensores são sobretudo escritores e historiadores ingleses que queriam enaltecer a figura e as acçõesações do infante.<ref name="instcamoes">[http://cvc.instituto-camoes.pt/navegaport/g19.html Instituto Camões]</ref>.<ref name="infopedia"/>
 
==Antecedentes==
Em 1443, o infante D. Henrique pediu ao seu irmão [[Pedro de Portugal, 1.º Duque de Coimbra|D. Pedro]] a concessão da região de Sagres para fundar uma vila. Na sua carta testamentaria de 19 de Setembro de 1460, o infante indica que a vila seria um local de assistência a todos os navegadores que por ali passassem, através da entrega de mantimentos ou como porto de abrigo.<ref name="instcamoes"/>
 
Na documentação analisada de D. Pedro, não se encontra qualquer referência a alguma escola náutica na região de Sagres. Também não há qualquer registo na documentação de figuras contemporâneas como [[Gomes Eanes de Zurara]], [[Duarte Pacheco Pereira]] ou [[João de Barros]]; os registos por estes feitos, apenas referem a construção da vila. Na ''Crónica do Príncipe D. João'' (1567), Damião de Góis faz referência à natureza erudita do infante, e como este se dedicava ao estudo das letras, em particular da Astrologia e Cosmografia. Assim, paraPara desenvolver estes estudos, D. Henrique teria fundado uma vila em Sagres. Segundo Duarte Leite, teria sido [[Samuel de Purchas]] o originadorcriador da introdução da existência da Escola de Sagres em Portugal e na restante Europa, em 1625. Segundo Leite, o infante contratou Jaime Maiorca, um mestre catalão, para gerir uma escola náutica e dar apoio aos marinheiros.<ref name="instcamoes"/>
 
No século, XVIII, a ideia de uma escola era já um assunto com alguma consistência, como se pode comprovar na obra ''Vida do Infante D. Henrique, escrita e dedicada à Majestade Fidelíssima de El-Rei D. Joseph I N.S'' de [[Francisco José Freire Nobres]]. Também António Ribeiro dos Santos descreveu a escola e o seu observatório astronómico, o primeiro em Portugal. Sagres concentrava agora sábios, capitães e marinheiros experientes, e o paço real do infante passou a ser uma escola de estudos náuticos com a presença de geógrafos, matemáticos, astrónomos e náuticos.<ref name="instcamoes"/>
Utilizador anónimo