Diferenças entre edições de "Rodrigo Constantino"

269 bytes adicionados ,  14h27min de 22 de outubro de 2017
m
Repondo link para o artigo.
m (Repondo link para o artigo.)
 
=== Ideias polêmicas ===
* ''O Estatuto do Idoso'': em artigo de 2003 para o site "[[Mídia Sem Máscara]]", Rodrigo Constantino denunciou a "face vermelha de [[Luiz Inácio Lula da Silva|Lula]]", a qual seria evidenciada pela aprovação do [[Estatuto do Idoso]]. De acordo com o Estatuto, os planos de saúde não poderiam mais reajustar seus preços por mudança de faixa etária.<ref>{{citar web |url= http://www.idec.org.br/consultas/dicas-e-direitos/planos-de-saude-para-idosos-entenda-melhor-as-regras-para-reajuste |título= Planos de saúde para idosos: entenda melhor as regras para reajuste |editor=IDEC|acessodata= 20 de novembro de 2013}}</ref> Segundo Rodrigo Constantino, o discurso de "tudo pelo social" (na verdade, um [[slogan]] do governo de [[José Sarney]])<ref>{{citar web |url= http://www.istoe.com.br/reportagens/26768_A+PRIORIDADE+N+1?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage |título= A prioridade nº1| autor=Juliana Vilas| obra =[[ISTOÉ]]|data=30 de outubro de 2002|acessodata= 20 de novembro de 2013}}</ref> e a redução das desigualdades sociais seriam uma "utopia romântica e ignorante dos [[Socialismo |socialistas]]" e terminaria em "caos total", do qual se salvaria apenas a "cúpula de poder".<ref>{{citar web |url= http://web.archive.org/web/20040104100004/http://www.midiasemmascara.org/materia.asp?cod=1507|título= O Estatuto do Idoso| primeiro = Rodrigo | último = Constantino| obra =[[Mídia Sem Máscara]] |data= 3-10-2003 |acessodata= 20-11-2013}}</ref>
* ''Patrimônio da Humanidade'': neste artigo publicado em 2006, Rodrigo Constantino defende a [[privatização]] da [[Floresta Amazônica]], que seria entregue à administração de empresas de [[reflorestamento]] (dentre as quais ele cita nominalmente [[Aracruz]], [[Klabin]], [[Suzano]] e [[Votorantim]]). Para embasar seu raciocínio, ele faz uma comparação entre tubarões e vacas: "os tubarões, no meio do oceano, não possuem donos, diferente das vacas, com proprietários bem definidos". Os tubarões, conforme lembra ele, "podem estar [[Espécie ameaçada |ameaçados de extinção]], mas as vacas dificilmente correm tal risco". O que diferencia tubarões de vacas é o "direito de [[propriedade privada]]".<ref>{{citar web|url=http://archive.is/efhmG|título=Patrimônio da Humanidade | primeiro =Rodrigo | último = Constantino|data=23 de fevereiro de 2006|acessodata=20 de novembro de 2013}}</ref> O artigo, contudo, não aborda como seria feita essa hipotética privatização de tubarões.
* ''Livre Mercado de Órgãos Humanos'': em artigo publicado em 2006, Rodrigo Constantino levanta uma das bandeiras do [[Instituto Ludwig von Mises]], o "livre mercado de órgãos humanos".<ref>{{citar web |url= http://mises.org/freemarket_detail.aspx?control=29|título=Waiting for Transplants|editor=[[Instituto Ludwig von Mises]] | primeiro1 =William L | último1 = Anderson| primeiro2 =Andy | último2 = Barnett|língua= inglês |data= abril de 1999|acessodata=20-11-2013}}</ref><ref>{{citar web|url= http://www.mises.org.br/ArticlePrint.aspx?id=194 |título= Em defesa de um livre mercado para órgãos do corpo| primeiro = Walter | último = Block|editor=[[Instituto Ludwig von Mises Brasil]]|data=19 de novembro de 2008|acessodata=20 de novembro de 2013}}</ref> Ele discorre sobre um estudo efetuado pelo economista e [[Prêmio Nobel]] [[Gary Becker]], em favor de um [[livre mercado]] de compra e venda de órgãos humanos para [[Transplantação de órgãos |transplante]]. Rodrigo Constantino afirma que a questão moral deve ser deixada de lado em nome da [[liberdade individual]]. "Podemos até considerar a ideia da venda de um rim repulsiva, mas não temos o direito de vetá-la, usando a força estatal, a quem pensa diferente", ele conclui.<ref>{{citar web|url=http://archive.is/TwwWr|título= Livre Mercado de Órgãos Humanos| primeiro =Rodrigo | último = Constantino|data=28 de junho de 2006|acessodata= 20 de novembro de 2013}}</ref>
27 168

edições