Aulo Terêncio Varrão Murena: diferenças entre revisões

sem resumo de edição
Augusto enviou Murena para liderar uma expedição contra os [[salassos]], uma tribo da região do [[Vale de Aosta]], ao noroeste dos [[Alpes]], em {{AC|25|x}}.{{harvref|name=Davies257|Davies|2010|p=257}} Os salassos tinha se mostrado um problema para os [[exército romano|exércitos romanos]] usando o [[Grande São bernardo]] que, como a mais curta rota da [[Itália (província romana)|Itália]] para o [[rio Reno]] Superior, tinha se tornado estrategicamente vital para os romanos desde a completa conquista de [[Júlio César]] da [[Gália]] em {{AC|51|x}}. Os salassos foram totalmente derrotados e, de acordo com [[Estrabão]], Murena matou {{formatnum|8000}} e deportou e vendeu {{formatnum|34000}} homens. De acordo com [[Dião Cássio]], ele vendeu apenas homens em idade militar e apenas por um prazo de 20 anos.{{harvref|Dião Cássio|século III|loc=53.25}} Em {{AC|24|x}}, Murena estabeleceu uma colônia romana com {{formatnum|3000}} romanos no coração do país dos salassos, [[Augusta Pretória Salassoro]] ([[Aosta]]).<ref name=Davies257 />{{harvref|Estrabão|7 a.C.|loc=IV.6.7}}
 
Murena foi nomeado para ser [[cônsul romano|cônsul]], com Augusto, para o ano {{AC|23|x}}, mas morreu pouco antes de seu mandato começar.{{harvref|Swan|1967|p=240}} Ele então foi substituído por [[Cneu Calpúrnio Pisão (cônsul em 23 a.C.)|Cneu Calpúrnio Pisão]].{{harvref|Raaflaub|1993|p=426}} Logo após a morte de Murena, seu irmão adotivo, Lúcio Licínio Varrão Murena, foi acusado de conspirar com [[Fânio Cépio]] contra Augusto.{{harvref|Ando|2000|p=140}}
 
{{referências|col=2}}
198 349

edições